Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 25 de julho de 2009

Ruas de Fortaleza - Mudanças (Floriano Peixoto)



RUA FLORIANO PEIXOTO NO MERCADO DE FERRO*



Estamos na Rua Floriano Peixoto, que já se chamou Boa Vista, Pitombeira, das Belas e Rua nº 5. A foto antiga data de 1930, quando a rua já tinha o nome atual. Velhos sobrados no estilo neoclássico faziam aquela rua onde trafegavam ônibus da "Light", carros hoje conhecidos como calhambeques, carroças e animais. As pessoas andavam normalmente de chapéu. A bomba da gasolina da época dava um toque todo especial. Vemos por trás o velho Mercado de Ferro inaugurado em 1897 e dali retirado em 1937. Também vemos os postes telegráficos, estes com várias hastes de apoio, cada qual comportando oito fios, totalizando 48 fios. A posição do fotógrafo é de costas para o sertão e frente para o mar. Na foto antiga vê-se o Passeio Público à distância.


Do mesmo ângulo é a fotografia ao lado, onde existem resquícios do que foi outrora. Dos prédios da esquerda existe apenas o que foi do Banco Frota & Gentil e hoje abriga o Banorte. Do lado direito absolutamente nada mais existe da foto anterior.

O prédio do Banco do Brasil foi inaugurado em 1941 como sede e hoje é uma agência e o Palácio do Comércio que foi inaugurado em 1940 e hoje abriga no térreo uma agência do Banco Itaú. O asfalto substitui o antigo calçamento de pedras apiloadas; os postes de concreto-armado estão no lugar dos antigos de madeira ou ferro. Os trilhos e fios dos bondes que estão presentes na primeira foto já não se encontram na segunda.

Os bondes deixaram de circular em 1947 e os fios e trilhos foram retirados no ano seguinte. Telefones públicos "orelhões", sinalização nos postes, sinalização no chão e semáforo não existiam na foto antiga.


*O Mercado de Ferro foi desmontado em 1938 e dividido em dois: Pinhões e Aerolândia.


RUA FLORIANO PEIXOTO - 1900 - 2001

A fotografia antiga é de um cartão-postal distribuído no último ano do século XIX. É a Rua Floriano Peixoto vista por um fotógrafo que estava na calçada do lado do sol, na altura da esquina com a antiga Travessa Pará, ou seja, onde hoje termina a Praça do Ferreira, para o lado do mar.
Na foto vemos, do lado direito, as casas que compunham aquele quarteirão na época, com seus "jacarés" para descida d'água, seus toldos de proteção contra o sol e seus combustores de gás na ponta da calçada. Em seguida, pode-se divisar o prédio da Antiga Assembléia Provincial, depois Assembléia Legislativa, e depois a Praça Capistrano de Abreu, hoje Largo da Assembléia, onde existia o mercado de ferro.

No meio da rua correm os trilhos dos bondes de tração animal da Companhia Ferro-Carril do Ceará sobre o calçamento de pedras rústicas apiloadas. Um dos bondes é visto ao longe, de costas. Ainda não havia o fio de pedras.
Do chamado lado da sombra, ou de numeração par, várias casas, sendo uma das primeiras a "Farmácia Albano", de Antônio Albano, que ficava no nº 44. Na primeira esquina ficava a firma G. Tavares & Cia, no nº 34, esquina com Rua da Assembléia (Rua São Paulo), representantes dos calçados Bordallo, sobrado de quatro portas, a "Rianil", cognominada "A loja azul da Floriano Peixoto". Em primeiro plano, um combustor de iluminação pública a gás hydrogeno-carbonado.
Depois no quarteirão estiveram o Banco América do Sul, a Loja Brasileira de Preço Limitado - Lobrás, o Banco Real, "As Pernambucanas", tendo na esquina onde foi a Bordallo, o Banco de Crédito Comercial - BCC, que depois foi uma agência do Banco Brasileiro de Desconto - Bradesco, seguida da Casablanca atravessando-se a rua. Do lado direito havia a casa "As Torres" e a "Casa Joana D'Arc".


A foto atual, de Osmar Onofre, mostra do lado direito "Paulus Livraria", "Papel & Cia", o salão Torre (barbearia), "Savoy Lanches", "Art Shopping", Livraria Santa Fé, e o antigo prédio da Assembléia que depois foi o Museu Histórico e Antropológico e hoje se chama apenas Museu do Ceará. Do outro lado, onde foi o mercado de ferro, o Palácio do Comércio com o Banco Itaú na esquina. Do lado esquerdo temos "Miami Bolsas", casas para alugar, um estacionamento, Armazém Vitória, "Center Bolsas", etc. Dos prédios da época existe apenas um, que tem a fachada com um arco no topo e que durante muitos anos abrigou a loja "Rianil".


RUA FLORIANO PEIXOTO NA PRAÇA DO FERREIRA



Quando foi construído o Edifício do Excelsior Hotel em 1931, pelo comerciante Plácido de Carvalho, todos os fotógrafos apressaram-se para colher fotos de Fortaleza do alto do "arranha-céu" que era a sensação na época. A foto antiga que ilustra estas linhas é uma delas, e mostra a Rua Floriano Peixoto no trecho que fica entre as ruas Guilherme Rocha e Pedro Borges, na Praça do Ferreira.

Nota-se na foto, por trás do Palacete Ceará (destacado em azul), a Igreja Presbiteriana (destacada em lilás); também o sobrado que ficava sobre o "Bazar Alemão"; também vemos, à direita, a Praça dos Voluntários (destacada em verde), que tinha apenas árvores. Por trás, depois do trecho urbanizado, árvores até o horizonte.



A foto atual nos mostra as mudanças ocorridas durante os anos.


Nela vemos o Palacete Ceará, ocupado na foto anterior pelo Clube Iracema e Rotisserie Sportman, agora ocupado pela Caixa Econômica Federal do Ceará desde 1947, seguido da várias lojas como a Loja Helga, Casa Avenida, Café L'Escala, Bingo Cidade, C. Rolim, etc.

Por trás vemos vários prédios, como o do Palácio Progresso, alguns do Grupo C. Rolim, etc.


RUA FLORIANO PEIXOTO com SENADOR ALENCAR



A firma Frota & Gentil surgiu em 1893, em prédio térreo localizado na esquina sudoeste do cruzamento das ruas Floriano Peixoto com Senador Alencar. Na época era Rua Pitombeiras com Travessa das Hortas. A firma tinha a representação da Sagres, companhia de seguros. A partir de 1917, passou a ter a seção bancária. Em 1925 o prédio foi demolido e em seu lugar foi construído um grande sobrado de esquina que ainda hoje lá está, projeto de João Sabóia Barbosa. A firma continuou no prédio e em 19 de março de 1931 transformou-se no Banco Frota Gentil Sociedade Anônima, com grande atuação no comércio e indústria até seu fechamento na década de 60.
No mesmo prédio surgiu uma filial do Banco do Comércio e Indústria de Minas Gerais - Comind, que teve o mesmo destino do anterior e o Banco Mercantil de São Paulo. Depois ainda funcionou uma agência do Banco Nacional do Norte S. A. - Banorte e hoje lá está o Banco Bandeirantes de São Paulo.
A foto antiga que ilustra estas linhas, data de aproximadamente 1918, pouco antes da demolição do prédio. Vemos uma calçada ainda sem meio-fio ou fio de pedra, cujo uso foi instituído a partir de 1921. O combustor de iluminação a gás carbônico está no canto da calçada. Os trilhos dos bondes já elétricos passam pela Floriano Peixoto, bem como sua posteação e fios. O velho prédio trazia, pelo menos, sete "jacarés" de descida d'água em sua fachada. A casa que vemos vizinha, pelo lado da Floriano Peixoto, também pertencia à firma e nela está a inscrição "Frota & Gentil". Na esquina, o emblema da "Sagres". 



A foto atual, do mesmo ângulo, mostra, todas as diferenças hoje existentes como o prédio de 1925, as placas do Bandeirantes, a calçada com o meio-fio, o asfalto, e a sinalização.

RUA FLORIANO PEIXOTO - Prédio da INTENDÊNCIA MUNICIPAL



A Rua Floriano Peixoto já se chamou Rua das Belas, Rua da Pitombeira, Rua da Alegria e Rua da Boa Vista. Este trecho é próximo à Praça do Ferreira, vendo-se a esquina com a Rua Pará e adiante a Rua Guilherme Rocha, que já foi Travessa Municipal, Rua Municipal, Rua 24 de janeiro e Rua Coronel Guilherme Rocha. O trecho de rua que vemos na foto antiga é da Rua Pará, que ficava ali onde hoje ficam três bancas de revistas, entre elas a do Bodinho, em frente aos prédios do Savanah e Sul América. Este prédio com a torre era a Intendência Municipal, sobrado antiquíssimo  adquirido do Pachecão, talvez o primeiro de Fortaleza e que foi demolido no inicio da década de 40.
A foto antiga data de 1905. O prédio que vemos em primeiro plano era a Farmácia Albano e na esquina ficava a loja "A Libertadora". O quarteirão seguinte, onde ficava o sobrado da Intendência Municipal desapareceu com ele, dando lugar a uma outra praça muito mal cuidada na época. Depois foi construído no local, na administração do prefeito Acrísio Moreira da Rocha, pelo comerciante Edson Queiroz, o Abrigo Central, em 1949. 
Em 1967 ele foi demolido e foi feito no local o prosseguimento da Praça do Ferreira, fechando-se a rua Guilherme Rocha com um calçadão, como ainda hoje está. A foto antiga mostra ainda um combustor de iluminação pública a gás hydrogeno-carbonado em primeiro plano. O calçamento é de pedras toscas apiloadas e vemos linhas de bonde de tração animal. As calçadas não tinham uniformidade - é como hoje as ruas de nossos bairros - e não havia ainda o fio de pedras. As árvores que vemos ao fundo são da Praça do Ferreira
Na Intendência Municipal (prefeitura da época) funcionava também a Câmara de Vereadores. Na torre que vemos existia um grande relógio que a partir de 1934 passou a competir com a Coluna da Hora.


Na foto atual, batida por Osmar Onofre, vemos prédios novos como os que abrigaram as Lojas Brasileiras de Preços Limitados - Lobrás, o que abrigou "As Pernambucanas", seguida do Edifício Sul América que no térreo, onde esteve o Banco América o Sul, hoje funciona a Loja Miami Bolsas e a Praça do Ferreira já bem maior, ocupando o local do antigo quarteirão e ao fundo os novos prédios de concreto, chamados de "espigão". O asfalto e o fio de pedras substitui a antiga pavimentação. A iluminação púbica já é elétrica e os portes que sustentam os fios tanto elétricos como os de telefones, são de concreto armado. Vemos também vendedores ambulantes e carros estacionados.


RUA FLORIANO PEIXOTO - BCO BRADESCO


A foto antiga data de 1938 e mostra o prédio que serviu de sede, por muitos anos, ao Colégio Sete de Setembro, na Rua Floriano Peixoto nº 875, onde depois funcionou o Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários - IAPC, e depois o Tribunal Regional Eleitoral - TRE. Ficou abandonado algum tempo e depois foi demolido, tendo antes passado por um incêndio parcial. Foi usado o terreno como estacionamento de carros e finalmente o Banco Brasileiro de Descontos - Bradesco adquiriu o referido terreno e construiu sua sede que começou a funcionar em 1980.

O Colégio Sete de Setembro, de Edilson Brasil Soarez, mudou-se para a Avenida do Imperador esquina com Rua Antônio Pompeu, onde ainda hoje se encontra; o Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários - IAPC construiu sua sede própria na Rua Pedro Pereira no quarteirão compreendido entre Rua Major Facundo e Rua Barão do Rio Branco e lá se instalou, onde depois foi fundido com os demais institutos (Industriários, Bancários, Marítimos, etc), transformando-se no Instituto Nacional de Previdência Social - INPS, que já foi dividido e mudado, sendo hoje o INSS. O Tribunal Regional Eleitoral - TRE funcionava ali apenas com uma carteira. Também se mudou e hoje fica na Rua Jaime Benévolo nº 1, na Praça do Coração de Jesus.
Na antiga foto, o paralelepípedo como pavimentação e um carro que parece ser um "Packard". A construção da casa é de 1904, como sugere a data colocada no portão de ferro. A foto antiga foi colhida pela Aba Film.


A foto atual, de Osmar Onofre, nos traz a sede de uma das agências do Banco Brasileiro de Descontos-Bradesco, a Agência Verdes Mares, existindo outras agências em outros locais da Cidade. O oitão que vemos é do antigo Cine Jangada, hoje Bingo Jangada.


RUA FLORIANO PEIXOTO ESQUINA COM RUA SÃO PAULO



A primeira foto é de 1930 e mostra em primeiro plano uma bomba de gasolina da "Standard Motor Oil", tendo por trás uma outra com a suástica, emblema depois usado pelo ditador Adolfo Hitler na Alemanha. Paralelamente às bombas, corriam os fios telegráficos em postes estreitos, de ferro, com seis suportes, cada um com dez isoladores, num total de 70 fios, já que o suporte de baixo tinha fios nos dois lados. Do lado esquerdo, em primeiro plano, o prédio da Assembléia Legislativa e por trás deste, a ponta da torre do palacete Ceará, onde ficava o Clube Iracema. Do lado direito, em primeiro plano, está o prédio onde funcionava o Banco do Brasil, seguido da Casa Veneza de calçados, a Zuca Acioli e as Lojas Rianil. No final, o sobrado que abrigava a Intendência Municipal e onde também funcionava a Câmara de Vereadores.
Na rua calçada com pedras, o bonde da linha "Outeiro" e na esquina um combustor de iluminação pública a gás.
As pessoas na época trajavam quase sempre o branco e todas elas, homens, mulheres ou crianças, usavam chapéu.


A foto nova mostra o mesmo trecho sem as bombas de gasolina, sem o combustor e sem os postes telegráficos. O prédio da Assembléia hoje abriga o Museu do Ceará. A torre do palacete Ceará que hoje tem a Caixa Econômica em seu interior não mais é visível em virtude de novas construções. Do lado direito o prédio que abrigou a agência do Banco Brasileiro de Desconto - Bradesco, está no local antes ocupado pelo Banco do Brasil. Hoje está abandonado. Em vez da Casa Veneza temos o Banco Cidade. No final do quarteirão levanta-se hoje o Edifício Sul América, que já abrigou em sua parte térrea a agência do Banco América do Sul que hoje é uma loja Miami Bolsas. O velho sobrado da Intendência Municipal foi demolido em 1941 e hoje o local é a continuação da Praça do Ferreira que é notada na foto pela arborização.


RUA FLORIANO PEIXOTO - AO LADO DOS CORREIOS



Estamos na Rua Floriano Peixoto ao lado do edifício do antigo Departamento de Correios e Telégrafos - DCT, hoje Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT, estando o fotógrafo de costas para o mar e de frente para o sertão.
A foto antiga, tem à direita as casas comerciais da época, entre elas "A Pernambucana", de Lundgren & Companhia, a loja O Gabriel, que patrocinou por muitos anos o programa radiofônico "Coisas que o tempo levou", liderado pelo radialista José Limaverde Sobrinho, pai de Narcélio e Paulo Limaverde. Em seguida vem o Banco Frota & Gentil, o Edifício Abel Ribeiro, outros como o da Casa Elefante, Casa das Louças, Banco do Brasil, Casa Veneza, etc.
Do lado esquerdo, seguindo-se ao Edifício dos Correios, vem o Palácio do Comércio. Na rua, carros característicos de época. A rua é calçada com paralelepípedos e a rua que está em primeiro plano, cruzando a Floriano Peixoto, é a Travessa Crato.


Foto de outro trecho, vendo-se o  Edifício Abel Ribeiro e do lado esquerdo o Palácio do Comércio.


Hoje, as lojas do lado direito são outras, entre elas Elias Bachá & Companhia, Papelaria Colombo, Nasser & Companhia, Casa Blanca, Casa Bachá, e Nagib Gazzeli.
No quarteirão seguinte o prédio antes do Banco Frota Gentil hoje está  o Banco Bandeirantes, seguido dos Armazéns Aurora, etc., além do Edifício Epitácio Oliveira.
No outro quarteirão, após a Rua São Paulo, a Panamá Importadora, Armazém Vitória, algumas casas desocupadas, um estacionamento, a Miami Bolsas e a Praça do Ferreira.
Do lado esquerdo, depois do prédio dos Correios, vem o do Banco do Brasil - Agência Metropolitana José de Alencar, Palácio do Comércio tendo no andar térreo o Banco Itaú e o Edifício do Museu do Ceará, seguido de Savoy Lanches, Art Shopping, Salão Torres, Livraria Santa Fé, Livraria Paulus, Casa do Desenho, etc.
A rua hoje tem asfalto com sinalização horizontal, fios de pedra ou meio-fios pintados de branco e muitas bancas de revistas e jornais e vendedores ambulantes.



Crédito ao site Portal da História do Ceará/Arquivo Nirez e Arquivo Assis de Lima

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Fortaleza



Mapa de Fortaleza - 1730



Planta exata de Fortaleza - 1859








FOTOS DA DÉCADA DE 60


A origem de Fortaleza remonta-se no século XVII, quando os portugueses conquistaram estas terras e construíram o Forte São Sebastião, que foi arrasado anos mais tarde pelas tribos indígenas que habitavam na zona muito antes dos seus conquistadores.No ano de 1649 uma expedição holandesa conquistou as terras do Ceará e ocupou a antiga fortaleza arrasada pelos índios, a reconstruiu e chamou-lhe de Forte de Schoonenborch. No ano de 1654 esta fortaleza foi reconquistada pelos portugueses, que foram os que mudaram seu nome e começaria então a ser conhecida por sua atual denominação, Forte de Nossa Senhora da Assunção.A partir de então começou a surgir um pequeno povoado arredor de Fortaleza e seus habitantes viviam principalmente da agricultura e da pesca.
 


Sua excelente situação geográfica, banhada pelo Oceano Atlântico está rodeada de áreas naturais, fez que em poucos anos a população se multiplicasse de maneira considerável.No começo do século XVIII a população foi elevada a categoria de Vila, graças a seu bom desempenho econômico motivado em boa parte pela exportação de algodão à Inglaterra.No ano de 1823 D. Pedro I à eleva a categoria de Cidade e foi conhecida em um princípio como Fortaleza de Nova Bragança, logo passaria a denominar-se Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção e finalmente Fortaleza.Atualmente esta grande Metrópole, com mais de 2 milhões de habitantes, se converteu em um dos destinos turísticos mais importantes de toda a Região Nordeste do Brasil. Os turistas são atraídos por seu rico patrimônio histórico e monumental, com templos e edifícios belíssimos, e por seu fascinante calçadão repleto de praias e todos os serviços comerciais necessários.É conhecida por suas excelentes infra estruturas hoteleiras e por sua animada vida cultural, em toda a Cidade existem numerosos centros culturais e locais onde se realizam todo o tipo de atos e representações no decorrer de todo o ano. Além disso, merece especial destaque os numerosos bares, restaurantes e locais animados. Com um ambiente noturno que podemos encontrar em seu extenso calçadão.

Lugares Históricos :

Forte de Nossa Senhora da Assunção -

O Forte de Nossa Senhora da Assunção, originalmente conhecido por Forte de Schoonemborch, foi construído pelos holandeses Matias Beck no ano de 1649 sobre a colina Marajaitiba, na Avenida Alberto Neponucemo, lugar onde existiam as ruínas de uma antiga fortaleza portuguesa denominado O Forte de São Sebastião. Anos mais tarde, em 1654 foi ocupado pelos portugueses, os quais batizaram-no com seu atual nome. Atualmente é sede do ¨Comando da 10ª Região Militar¨ e foi declarado Patrimônio Histórico Artístico Nacional.




A Catedral Metropolitana de fortaleza encontra-se situada na Praça da Sé , no centro da cidade, é a igreja mais importante do município e a terceira maior catedral do Brasil. Foi construída pelo arquiteto francês George Maunier no lugar onde estava localizada a antiga Igreja da Sé, entre os anos de 1938 e 1978, inspirada na catedral alemã de Colônia. Ela se distingue por seu estilo arquitetônico, principalmente o gótico e o romano. Destaca sua majestosa fachada principal, com duas magníficas torres construídas em ambos lados. Nela realizam-se os principais eventos religiosos do Estado de Ceará.



Igreja Nossa Senhora do Rosário

A igreja Nossa Senhora do Rosário localiza-se na Rua do Rosário, Praça dos Leões, e é a igreja mais antiga da cidade. Foi construída pelos escravos no ano de 1730 e reconstruída em meados do século.

Entre os anos de 1821 e 1854 foi a principal igreja da cidade, em seu interior chama a atenção seu altar de madeira, que é conservado desde sua construção.


Mercado dos Pinhões 

O Mercado dos Pinhões atual é na verdade apenas a metade do antigo Mercado do Ferro, inaugurado a 18 de abril de 1897, vindo da França e desmontado em 1938. Fabricado para abrigar o mercado de carnes, é hoje um dos mais novos tempos da cultura de Fortaleza.
Agora denominado Mercado das Artes, revela em si importantes iniciativas do resgate histórico: a restauração e conservação de um patrimônio arquitetônico e sentimental para a cidade e a instituição de um centro de artes que busca, antes de tudo, atuar como uma efervescente usina de idéias e produtos culturais. Localização: Praça Visconde de Pelotas.


A Igreja Nossa Senhora da Conceição da Prainha foi construída a mando do Padre Carlos Augusto Peixoto no século XIX. É um dos mais belos templos em estilo gótico localizado na Avenida D. Manuel, no centro da cidade.






Igreja do Sagrado Coração de Jesus - A Igreja do Sagrado Coração de Jesus foi construída no centro da cidade, na Avenida Duque de Caxias. Foi inaugurada no ano de 1886 e reconstruída a meados do século XX pelos Padres Capuchinos.

O Santuário Sagrado Coração de Jesus foi erguido em 1961, depois do desastre que soterrou quase metade da igreja de mesmo nome. Hoje, a construção pede reparos.

A construção da Igreja Sagrado Coração de Jesus começou em 1878 e terminou em 1886. A obra foi encomendada pelo casal Albano para um de seus filhos, Antônio Xisto Albano, que estava na Europa se preparando para ser padre e chegou a ser nomeado bispo do Maranhão. Em 1901 ele convidou os capuchinhos para tomar conta da igreja. - A primeira construção se assemelhava à Igreja do Carmo. Em 1952, os engenheiros Luciano Pamplona e Valdir Diogo aumentaram a altura da torre e colocaram um imenso relógio trazido de Roma na fachada. Cinco anos depois, em 1957, a torre cedeu e soterrou a entrada da igreja. Não houve vítimas.


Paço Municipal - O Paço Municipal de Fortaleza, antigo Palácio Episcopal, encontra-se na Rua São José. Ao redor da Catedral Metropolitana está o Bosque Dom Delgado. Construída no século XIX, é sede da Prefeitura Municipal da Cidade desde 1973.

Construído na primeira metade do século XIX pelo negociante Antônio Francisco da Silva foi posteriormente vendido ao coronel Joaquim Mendes da Cruz Guimarães. Comprado em 21 de abril de 1866 pela Tesouraria da Fazenda,e doado à Igreja para a instalação o Bispado de Fortaleza no dia 28 de outubro de 1892.O edifício passa à propriedade do município em 1973, transformando-se em Paço Municipal.

Antiga Cadeia Pública



A Antiga Cadeia Pública localiza-se na Rua Senador Pompeu. É um edifício de meados do século XIX que se converteu no Centro do Turismo da Cidade, sede do Museu de Arte Popular e do Museu da Mineralogia, entre outras coisas.
Informações adicionais: Idealizada pelo engenheiro Manuel Castro de Gouveia em meados dos anos 50, o prédio da Antiga Cadeia Pública foi desativado em função da construção do Instituto Penal Paulo Sarasate, alguns anos mais tarde.
O prédio de linhas neo-clássicas foi reformado
e passou então a funcionar como Centro de Turismo de Fortaleza, tornando-se sede da Emcetur - Empresa Cearense de Turismo.Além de receber turistas e fornecer informações locais para os viajantes, o centro também abriga o comércio de artesanatos e produtos típicos do local. As celas servem como boxes, oferecendo espaço para que os artesão demonstrem suas peças e, no pavilhão, há espaços culturais: o Museu de Arte Popular e o Museu de Mineralogia.
O que mais me chamou atenção foi perceber que a cela onde ficavam os pressos está super preservada, inclusive com a fechadura antiga :O
Com certeza a segunda foto foi a que me chamou mais atenção por esse detalhe de época!
Isso me fez pensar...quantas pessoas já passaram por essa cela...o que essas grades escondem...
Casa José de Alencar -



A Casa José de Alencar foi o lugar
onde nasceu e viveu José de Alencar, considerado um dos maiores escritores românicos do Brasil. Localiza-se no Distrito de Messejana, na Avenida Washington Soares, edifício construído no ano de 1826 que

atualmente conserva seu estado original. Foi

declarada Patrimônio Histórico Artístico Nacional e atualmente é sede do Museu Arthur Ramos.






Teatro José de Alencar 


O Teatro José de Alencar encontra-se no centro de Fortaleza, Praça José de Alencar, foi inaugurado no dia 17 de junho de 1910. É considerado um dos teatros mais belos do país e um dos monumentos artísticos mais importantes da cidade declarado Patrimônio Histórico Artístico Nacional no ano de 1964.

Palacete Ceará

O Palacete Ceará encontra-se na Praça do Ferreira, Rua Guilherme Rocha. Foi construído no início do século XX, era utilizado como lugar de encontro para reuniões da alta sociedade do Estado. Desde o ano de 1946 é a sede da Caixa Econômica Federal.

Palácio da Abolição


O Palácio da Abolição encontra-se na Avenida Barão Studart, foi a antiga sede do Governo do Estado. Atualmente abriga o sepulcro com os restos mortais do Presidente Castelo Branco e também é a sede da Secretaria da Cultura e Esporte do Ceará.

Palácio da Luz 


O Palácio da Luz, antiga sede do Governo Estadual, foi construído no século XVIII na Praça dos Leões. Atualmente é a sede da Academia Cearense de Letras e da Casa de Cultura Raimundo Cela.


Museu do Ceará - O Museu do Ceará encontra-se instalado no Palácio Senador Alencar, um belo edifício do século XIX. Foi inaugurado no ano de 1933 e foi conhecido até o ano de 1950 como Museu Histórico do Ceará. Está situado na Rua São Paulo e conserva um importante arquivo histórico e antropológico.

O Museu do Ceará atual tem suas coleções originadas no acervo do primeiro museu do Ceará que pertencia ao médico Joaquim Antônio Alves.

Possui um dos mais importantes e maiores acervos do Estado, composto por mais de sete mil peças nos aspectos culturais, econômicos e sociais. Este acervo é resultado de compras e doações de particulares e públicas e inclui moedas, quadros, medalhas, artefatos indígenas, móveis, peças arqueológicas, bandeiras e armas. Há também peças de “arte popular” e uma coleção de cordéis publicados entre 1940 e 2000 com 950 exemplares. O Bode Io-iô, um animal boêmio da década de 1920 [1914 - 1931] e virou uma importante personagem na capital cearense, foi doado ao museu e tornou-se uma de suas raras peças.


Museu Arthur Ramos - O Museu Arthur Ramos, famoso antropólogo, encontra-se alojado na Casa José de Alencar, na Avenida Washington Soares do Distrito de Messejana. Conserva uma importante coleção de objetos, os quais mostram as origens e os costumes das pessoas que povoaram estas maravilhosas terras.

Possui um acervo de 3.000 a 5.000 peças, entre elas, mostra da cultura indígena do Ceará e peças de origem africana, coleção que pertenceu ao antropólogo Arthur Ramos.
Existem também telas e documentos do escritor José de Alencar.


Farol do Mucuripe - Museu do Jangadeiro O Farol do Mucuripe foi construído entre os anos de 1840 e 1846 em homenagem a Princesa Isabel.Foi declarado Patrimônio Histórico e atualmente no seu interior está instalado o Museu do Jangadeiro, conhecido também como Museu do Farol.

É um dos pontos turísticos mais belos e mais visitados da cidade. Se destaca pelos fantásticos planos panorâmicos que se pode observar dos seus arredores.


Mercado Central - O Mercado Central encontra-se na Rua Alberto Neponuceno, perto da Catedral. Foi inaugurado a princípios do século XIX.

Está localizado próximo à Catedral. Foi construído em 1818 para substituir dois outros de estrutura metálica, que não mais condiziam com o processo da cidade.
Com o crescimento de Fortaleza, o mercado já não comportava mais o movimento que lhe era imposto.
Em 1998 foi desativado para a construção do novo Mercado Central.

Centro Cultural Dragão do Mar - O Centro Cultural Dragão do Mar está localizado na Rua Dragão do Mar e é um dos centros culturais mais importantes de Fortaleza. Foi inaugurado no ano de 1998 com instalações de mais de 30.000m2, com Museu de Arte, Memorial da Cultura Cearense, Teatro, Ateliê de Arte, Planetário e o Cinema São Luiz.
O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura é uma infra-estrutura completa para o exercício do lazer e da arte, objetivando democratizar o acesso à cultura, gerar novos empregos e movimentar o mercado turístico cearense.
São 30 mil metros quadrados de área para vivenciar a arte e a cultura.

Cine São Luiz -

Localizado em frente a Praça do Ferreira, sua construção foi iniciada em 1939 e concluída em 1958. Mistura elemento art-déco e linhas neoclássica, com capacidade para 1.500 pessoas, possui três lustres de cristal oriundos da Tchecoslováquia e uma escadaria revestida em mármore. O cinema cedia anualmente o festival de cinema e vídeo do Ceará - Cine Ceará. É o cinema mais luxuoso de todo o país.



A Praça do Ferreira é o coração de Fortaleza. Foi inaugurada no ano de 1929 e foi conhecida como a Praça Feira Nova.





Parque da Liberdade -


O Parque da Liberdade localiza-se no centro da cidade e antigamente era conhecido como Parque da Lagoa do Garrote.



Parque Ecológico do Cocó -


O Parque Ecológico do Cocó é a principal zona verde da cidade, localizado às margens do Rio Cocó e é considerado o maior parque urbano de toda a América do Sul. Estende-se por mais de 400 hectares, possui frondosos bosques e um extenso mangue onde convivem numerosas espécies de animais e plantas. Conta com zonas dedicadas ao esporte, com bares, restaurantes e teatro onde se realizam importantes apresentações culturais no decorrer de todo o ano.






Estação Ferroviária João Felipe -




A Estação Ferroviária João Felipe encontra-se na Praça Castro Carreira, no Centro da cidade. Foi inaugurada no ano de 1880 e destaca-se por ter uma bela fachada em estilo neoclássico. No ano de 1193 foi declarada Patrimônio Histórico Artístico Nacional.




Centro de Turismo - O Centro de Turismo da Cidade localiza-se na Rua Senador Pompeu, instalado em um belo edifício neoclássico de meados do século XIX. Atualmente é sede do Museu de Arte e Cultura Popular, o Museu de Mineralogia, o Teatro Carlos Câmara e um Centro Comercial com várias lojas de artesanato.

O Centro de Turismo do Ceará possui 104 lojas que garantem a oferta de peças de artesanato.




Ponte dos Ingleses A Ponte Metálica, também conhecida como ponte dos Ingleses, localiza-se na Praia da Iracema. Foi construída pelos ingleses no começo do século XX, é utilizada como ponto de embarque e desembarque para mercadorias e passageiros, até ser construído o Porto de Mucuripe. Atualmente abriga um observatório de golfinhos e um pequeno museu que nos ensina a história desta ponte.




Porto do Mucuripe -






O Porto de Mucuripe encontra-se na Avenida Vicente de Castro.





Morro do Mirante - Morro de Santa Terezinha O Morro do Mirante, conhecido também como Morro de Santa Teresinha, é o ponto mais alto de Fortaleza. Merecem especial destaque as fantásticas vistas da cidade que se dividem por seus arredores.

AS PRAIAS DE FORTALEZA


A grande maioria das praias espalhadas pela costa de Fortaleza são praias urbanas e estende-se pelos mais de 25 quilômetros que tem o seu calçadão, repleto de bares e excelentes restaurantes onde podemos saborear seus pratos típicos, especializados em peixes e mariscos. São praias de areia fina e água cristalina freqüentada pelos amantes de esportes náuticos, destacando a vela e o mergulho. Uma das mais importantes praias é a do Futuro, famosa em todo o Estado pelos locais noturnos, sempre animados. Conta com todos os serviços ao público necessários e com excelentes infra-estruturas hoteleiras e de lazer.


Praia da Barra do Ceará

Praia de Goiabeiras

Praia do Arpoador

Praia de Pirambu

Praia de Jacarecanga

Praia Formosa

Praia de Iracema

Praia do Meireles

Praia da Volta do Jurema

Praia do Mucuripe

Praia do Farol / Titãzinho

Praia do Futuro

Praia Caça e Pesca

Praia de Sabiaguaba

Praia Abreulândia



quarta-feira, 22 de julho de 2009

Seminário e Igreja da Prainha



Gravura antiga da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha-1859
Algumas fotos possuem uma resolução maior, clique na imagem para visualizar

Seminário da Prainha (foto de 1890)

A Igreja da Conceição da Prainha (mais conhecida como igreja da Prainha) foi construída em 1864, no então alto da colina do Outeiro. Ao seu redor, surgiu o Seminário Episcopal de Dom Luiz Antônio dos Santos, primeiro bispo do Ceará. O Seminário da Prainha e a Igreja acabaram formando um só conjunto. O seminário ficou sob a responsabilidade dos lazaristas no período de 1864 a 1963. Mais tarde, passou a denominar-se Seminário Episcopal do Ceará e depois Seminário Provincial da Prainha. Em 2 de fevereiro de 1967, o arcebispo de Fortaleza, dom Delgado, criou o Instituto Superior de Cultura Religiosa (Iscre), na sucessão do Seminário da Prainha. Em 1968, transmuta-se o Iscre para Instituto de Ciências Religiosas (Icre). Em 1972, foi criada a Faculdade de Filosofia de Fortaleza, extinta alguns anos mais tarde. Hoje abriga o Instituto Teológico Pastoral do Ceará.

Um pouco de História

Foram iniciadas, no dia 8 de dezembro de 1839, as obras de construção da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha (Igreja da Prainha), iniciativa de Antônio Joaquim Batista de Castro, o "Galinha Branca", que morreu no dia 25 de outubro de 1885, aos 68 anos de idade, deixando-a quase pronta. No dia 8 de dezembro de 1841, realiza-se a primeira missa, inaugurando-a.
Já o Seminário Diocesano ou Seminário Episcopal ou ainda Seminário Arquiepiscopal, instalou-se no dia 18 de outubro de 1864 quando era bispo Dom Luís Antônio dos Santos, primeiro bispo do Ceará e que foi o seu primeiro Reitor, criado pela lei nº 1.144 de 27/09/1864. Pela Lei nº 1.140 de 27/09/1860, fora autorizada a sua criação. O primeiro prédio a abrigar o Seminário foi o do atual Colégio da Imaculada Conceição, então Colégio das Órfãs. Estavam sendo construídos o prédio do Seminário e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha. Quando ficou concluído o prédio da Prainha o Seminário transferiu-se. Foi confiada administração aos padres lazaristas, sendo seu primeiro reitor o Padre Pierre Auguste Chevalier, que ali permaneceu por quase 20 anos.

O arcebispo metropolitano de Fortaleza, Dom Manoel da Silva Gomes, benze, solenemente, no dia 17 de dezembro de 1922, dentro das comemorações do Centenário da Independência do Brasil no Ceará, os quatro grandes sinos da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha, batizados de Centenário, Brasil, Ceará e Fortaleza.
No dia 7 de abril de 1967, o tradicional Seminário Arquiepiscopal da Prainha encerra suas atividades e dá lugar ao Instituto de Ciências Religiosas.
No dia 19 de março de 1973, é reaberto o Seminário Arquiepiscopal da Prainha, agora com o nome de Seminário Regional, em solenidade que também marcou a inauguração da Faculdade de Filosofia de Fortaleza.

A primeira foto, a mais antiga, data aproximadamente da primeira década do século que passou, quando ainda não havia urbanização em seu redor, o Seminário ainda tinha colunas e grades em seu redor bem como a fachada principal da igreja.
A segunda foto de Osmar Onofre, mostra, vista do mesmo ângulo, como está hoje o local, com asfalto nas avenidas - Avenida Monsenhor Tabosa, Avenida Dom Manuel e Avenida Leste-Oeste. A posteação, os carros, os fios, a iluminação e as sinalizações vertical e horizontal completam a diferença de época.


SEMINÁRIO - Início da Av. MONSENHOR TABOSA

O Seminário de Prainha aparece aqui em duas fotos com diferença de mais de 95 anos. O prédio foi construído para um colégio de órfãs, em 1863, mas no ano seguinte, durante a construção, foi convertido em Seminário, sendo inaugurado com o venerando Dom Luís Antônio dos Santos à frente de seu destino que para lá mudou sua residência.
No mesmo ano chegam de Paris aqueles que viriam ocupar os lugares de reitor e vice-reitor, padres Pedro Augusto Chevalier e Lourenço Enrile.
A construção do prédio do Seminário foi feita à custa de esmolas públicas e auxílio governamental de onze contos de réis. Ainda em 1864 iniciaram-se as aulas no final de novembro, graças aos esforços do padre Glicerio da Costa Lobo e Firmino da Rocha Brent.
Em 1873 teve matriculados nada menos que 159 alunos. Em 1894 o Seminário sofreu um desabamento parcial na parte interna, passando por séria reforma.

A primeira fotografia, a mais antiga, que data de 1905 traz um seminário com extensa grade entre colunas em uma rua sem pavimentação, calçadas muito estreitas com poucos combustores de iluminação pública a gás carbônico. Vários "jacarés" para descida d'água ao longo da fachada. Ao longe, após a igreja, um muro.
A segunda foto, de Osmar Onofre, nos mostra o mesmo prédio já sem a grade, mas com a parte onde existia a mesma, elevada, tendo diante da porta principal um trecho com muro.
Existe agora uma calçada, a rua está asfaltada e no lugar dos combustores a gás, postes de concreto com Iluminação a vapor de mercúrio. Nos locais onde existiam os "jacarés" de descida d'água, estão agora canos de matéria plástica (PVC), confundindo-se com as colunas ornamentais da fachada. Ao longe, após a igreja, fica a Praça do Cristo Redentor e o Teatro São José.


A Igreja da Prainha tem estilo neoclássico.

Fotos recentes do Seminário da Prainha
Clique na imagem para vê-la em tamanho maior



Fonte: Portal do Ceará, Arquivo Nirez e pesquisas diversas