Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 30 de março de 2010

Fortaleza - Anos 40


Começaremos nossa viagem rumo aos anos 40 com essa magnífica fotografia (é o novo! rsrs) da Praia do Mucuripe - Ano de 1949.


Agora um raro postal da Ponte Metálica - Ano de 1946



Outra raridade é essa foto do Estádio Presidente Vargas( O P.V.) de 1940



Postal do Mucuripe - Anos 40



Imprensa Oficial década de 40



Por falar em fotos raras, essa é da Escola doméstica, situada na antiga rua Visconde de Cauype, hoje Avenida da Universidade.



Ed. Vitória - Anos 40



Postal da Praça do Ferreira - 1946



Praia de Iracema - 1946



Postal de 1940 vendo-se o Colégio Militar, na Av. Santos Dumont, a Igreja do Cristo Rei que está de costas na foto. O Colégio Militar, ainda sem piscinas e a praça ainda era apenas praça, sem o campo de futebol.



Vista da entrada do estádio Presidente Vargas o famoso PV, na déc. de 1940.



Solar de Luiz Moraes Correia, em Jacarecanga 'A Fortaleza dos anos 40' Uma das mais imponentes residências da cidade, precisamente na esquina da praca do Liceu com a Av. Francisco Sá olhando o jardim da casa de Pedro Philomeno Gomes.



Anos 40 - Abrigo Central edificado em 1942 e demolido em 1967



Outra foto do antigo Abrigo Central, agora um postal de 1949



R. Barão do Rio Branco, em 1941, vendo-se o ed. do London Bank



Prédio do IAPB, foto de 1943



Praia de Iracema - Década de 40



Postal de 1940 da Rua Major Facundo



Postal colorido a mão, Ed. São Luiz, 1940



Postal 1946 praia de Iracema



Igreja do Carmo - 1945



Estoril - Foto de 1940. Em 1943 ele foi o clube de veraneio da época


Fonte: Internet

segunda-feira, 29 de março de 2010

Edson Queiroz - A Família


O apoio de uma mulher


"Esperto, tinha um táxi" 

“Conheci Edson Queiroz na praça do Carmo, onde morei 16 anos. Ele estava sentado num banco da pracinha mais tradicional do centro de Fortaleza. Eu, minha irmã e uma prima estávamos passeando.
- Quem é esse? - perguntei.
- Veja a placa do carro - respondeu uma delas. - É um motorista de táxi.
Mesmo assim, resolvi voltar e dar uma olhada.” Quem conta o conhecimento dos dois jovens é Yolanda Vidal Queiroz, que explica também a confusão da irmã e da prima: "O carro dele, com chapa de táxi, era a forma que Edson, em 1945 , tinha arrumado para conseguir combustível na época da guerra, quando havia racionamento".

O jovem as seguiu até em casa. Num depoimento de 1985, Yolanda lembra que, na romântica caminhada, ele veio conversar. "Um mês e dezoito dias depois estávamos noivos."

A praça e a Igreja do Carmo, onde Edson e Yolanda se viram pela primeira vez


Edson e Yolanda se conheceram em 28 de fevereiro de 1945. Ela estava com 16 anos. Nascera em 12 de novembro de 1928, em Fortaleza, filha de Luís Vidal, nascido em Estreito (posteriormente chamada Santana do Acaraú), e Maria Pontes Vidal, de Massapê. Luís era comerciante e, em 1925, quatro anos após o casamento (em 1921), mudara-se para Fortaleza, onde montara um armazém de peles e tecidos, que lhe rendera o suficiente para comprar fazendas e carnaubais. O casal teve cinco filhos.

Um deles, Luís, morreu aos 3 anos de idade. Ficaram quatro: Dagmar, Zilmar, Yolanda e José Maria. O pai de Yolanda, Luís Vidal, entretanto, morreria em 2 de janeiro de 1938, deixando a mulher e os filhos em boa situação financeira.

Na foto 3x4 o amor declarado

 
A hora de cortar o bolo, na presença da mãe Cordélia, do pai Genésio, da sogra Maria Pontes Vidal e da cunhada.

Setembro, um mês marcante para os Queiroz 

O primogênito Airton faz o primeiro aniversário 

Maria Pontes Vidal aprendera a ser mãe e pai de Yolanda. Assim que ficou sabendo da simpatia entre a filha e Edson, mandou investigar se o jovem tinha condições de montar e sustentar uma casa. Sócio da Genésio Queiroz & Cia e com vários pequenos negócios em sociedade com o pai, Edson já desfrutava de uma situação financeira invejável para seus 20 anos de idade.

Pouco mais de seis meses após a troca do primeiro olhar, Edson e Yolanda Queiroz se casaram, a 8 de setembro de 1945, na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, na presença de parentes e amigos das famílias dos noivos.

"Segundo a classificação de Koppen - informa o Almanaque do Ceará de 1941- o Ceará está contido na zona tropical, caracterizada pela extensão do período quente sobre todo o ano. " Efetivamente, a temperatura de Fortaleza varia de 26° a 30º, beneficiada pela proximidade do mar, não se percebendo, como acontece nos Estados do extremo Sul do país, as nuances das quatro estações do ano. Seja como for, o início da primavera teria uma influência marcante sobre a vida do casal. Edson e Yolanda foram morar na rua Dom Manuel, 446, e mudariam de residência três vezes ( para o número 566 da mesma rua em 1947, para a rua Barão de Aracati, 1546, em 1954, e para a rua Oswaldo Cruz, 712, em 1958 ). Todas as mudanças ocorreram no mês de setembro.

O primeiro aniversário de Myra Eliane

Um chaveiro para um plano de oito filhos 

Da esquerda para a direita: Airton, dona Yolanda, Paula ( no colo ), Renata, Edson Filho, Edson Queiroz e Myra Eliane 

Apenas um ano depois do casamento, nascia o primeiro filho do casal, Airton José Vidal Queiroz, a 14 de agosto de 1946. No ano seguinte, a 7 de novembro de 1947, nasceria a primeira filha mulher, Myra Eliane Vidal Queiroz. Na casa 566 da rua Dom Manuel, nasceriam outros dois filhos: Edson Queiroz Filho, em 6 de outubro de 1951, e Renata Vidal Queiroz, em 11 de junho de 1954. Os filhos caçulas do casal já nasceriam na casa da Barão de Aracati, 1546: Lenise Vidal Queiroz, em 25 de setembro de 1956, e Paula Vidal Queiroz, em 25 de abril de 1958.

Aniversário de Edson Queiroz de 1973 

Yolanda Queiroz recorda com ternura os primeiros anos de vida com o marido. Mesmo após a compra da companhia de gás, em 1951, continuaria viajando o tempo todo, para os Estados Unidos, para o Sul do país.

Nas constantes viagens, Edson se esquecia das datas dos aniversários dos filhos. Por isso, Yolanda fez para ele um chaveiro com espaço para oito nomes, onde mandou gravar as datas de nascimento de cada um. A razão do espaço para oito nomes é simples: ela queria ter oito filhos. Dois espaços, contudo, ficariam vazios, porque ela resolveu desistir, parando no sexto filho.

Homem temente a Deus, segundo a filha Renata, Edson nem sempre acompanhava a mulher aos cultos e às cerimônias religiosas, mas respeitava-lhe a religiosidade. "Ele aliás, sabia respeitar a individualidade de cada um."

Um pai preocupado e sem tempo

Os melhores dias da infância dos filhos passaram-se na casa da rua Oswaldo Cruz. "Edson, apesar das viagens e dos muitos negócios, sempre conseguia um tempo para a família, sobretudo nos últimos anos de vida", conta Yolanda, que assumiu como tarefa sua a criação dos filhos. Ela controlava os horários e as obrigações de cada um. Cronometrava tudo, a hora de brincar, os períodos de estudo. "Edson não tinha trabalho com os filhos. Só me ajudava quando os filhos estavam doentes, porque ele tinha um 'quê' de médico. Tratava deles. " Anos mais tarde, o empresário superatarefado seria também o "médico" dos dez netos. Antes de chamar um profissional de saúde, as filhas e as noras telefonavam primeiro para o sempre pronto avô. Durante o período de crescimento dos filhos, Edson Queiroz certamente se ressentia por não ficar com eles o tempo que gostaria e assim, paradoxalmente, se transformava num homem caseiro. Quando estava em Fortaleza, fazia questão de almoçar com a família. Yolanda, conhecedora dos seus gostos, orientava as empregadas, informando-as que ele preferia carne grelhada, peixe cozido ou frito e, invariavelmente, feijão. A sobremesa, saboreava coco ralado com rapadura ou doces caseiros.
 
Na foto, dona Yolanda com os netos

Das inúmeras viagens, sempre trazia brinquedos para os filhos - e depois para os netos. Mas sua preocupação não era trazer brinquedos caros e sim as novidades da Europa e Sul do país.

Um episódio com Edson Filho é ilustrativo da preocupação de Edson Queiroz com a saúde dos filhos. Um dia, a Kombi que levava o menino para a escola teve um acidente relativamente grave, mas nada aconteceu a seus ocupantes. Edson Queiroz estava em casa quando o telefone tocou e avisaram, mas ele, por alguma razão, entendeu que o menino se machucara. De pijama mesmo entrou no seu automóvel e saiu desesperado, em alta velocidade, subindo nas calçadas, avançando os sinais e acabou se chocando com um ônibus. Resultado: ele é que foi hospitalizado. Edson Filho estava bem perto e viu tudo.

Apesar de almoçar em casa diariamente e da sua preocupação em ensinar sempre alguma coisa nova aos filhos - numa semana mostrava como se faz sabão, na outra como se faz tinta, corta-se garrafa ou revelam-se filmes fotográficos, Renata recorda-se que o pai era muito ocupado, quase sem tempo para os filhos. "Eu vim conhecê-lo melhor nas férias, quando se tornava um homem liberto. " Em viagem guardava todas as rolhas das garrafas e premiava os filhos mais comportados. "Paula sempre ficava com elas." Renata ainda traz viva na memória uma cena ocorrida na Suíça, quando lá estudava, em pleno aeroporto, quando Edson Queiroz se despedia dela, voltando ao Brasil. "De repente, surpreendi uma lágrima rolando de seus olhos. Ele chorava. Isso me surpreendeu e eu aprendi que ele era muito humano. "

Um filho engenheiro, as filhas trilíngues

 Família reunida no casamento da filha Paula

Edson Queiroz, segundo a mulher, tinha um sonho frustrado: o de ser engenheiro. Por isso, fez o que pôde para que seu filho mais velho, Airton, cursasse Engenharia. Quando terminou a Escola Técnica de 2.' grau, ele foi para São Paulo e conseguiu ingressar na FEI (Faculdade de Engenharia Industrial), mas só ganhou seu primeiro automóvel depois de seis meses. Estudava na FEI durante o dia, e no Mackenzie, onde fazia Economia, à noite. Depois de algum tempo, desistiu do curso de Engenharia, que fazia mais para agradar ao pai e retornou a Fortaleza. Começou a trabalhar na Esmaltec em 1968 e teminaria o curso de Economia no Ceará. Embora tenha desistido do curso de Engenharia, o pai fez questão que conhecesse os segredos da produção industrial e ele, de macacão, estagiou em todos os setores, nas prensas, na esmaltação e nos laboratórios. "Tive que me virar para aprender", confidência Airton, que só era instruído pelo pai verbalmente. Em 1970, já enfronhado em assuntos da fábrica, foi promovido por Edson Queiroz a gerente. No ano seguinte, logo após sua lua-de-mel, Edson Queiroz organizou para ele (com Mr. L. H. Caldwell Jr., diretor da Modernmade) um estágio na fábrica de fogões de Chatanooga, Tennessee, EUA.

O segundo filho homem do casal, Edson Filho, fez Engenharia, tendo iniciado o curso em São Paulo e o concluído em Fortaleza, porque, em conjunto com o pai, decidiu ser conveniente começar a trabalhar em 1973, na Esmaltec. Segundo Airton, a iniciação do irmão foi mais fácil "porque eu estava lá para orientá-lo". Dois anos depois, Edson Filho ocuparia o lugar de Airton e este, a convite do pai, foi trabalhar no escritório central do Grupo, ocupando o lugar de Edson Queiroz, que se mudou para outra sala.

Um momento de ternura nas Bodas de Prata

Dos outros filhos, Myra Eliane estudaria Direito. Quando se desquitou do marido, em 1973, Edson Queiroz a convidou a trabalhar no departamento jurídico do Grupo. Renata cursaria Administração de Empresas, Lenise, Economia e Paula, Pedagogia e Direito. Yolanda fazia questão que as filhas falassem fluentemente o francês e o inglês. Por isso, todas passaram dois anos no exterior, em Lausanne, na Suíça, e Londres, na Inglaterra.
Além de Myra, Edson Queiroz também convidou Lenise para trabalhar com ele.

 
Edson Queiroz e seu hobby: a fotografia

"Médico" e Mágico dos netos

O primeiro neto de Edson e Yolanda Queiroz, Igor Queiroz Barroso, nasceria em 19 de janeiro de 1972. À época de sua morte, em junho de 1982, Edson Queiroz tinha outros nove netos: Patrícia Leal Queiroz e Edson Queiroz Neto, Manoela Valença Queiroz e Otávio Valença Queiroz , Joana Queiroz Jereissati, Natália Queiroz Jereissati e Carla Queiroz Jereissati , Abelardo Gadelha Rocha Neto e Cláudio Queiroz Rocha .

Yolanda Queiroz informa que a relação do marido com os netos era "bagunçada". "Sempre que possível, levava alguns netos para dormirem em casa. " Para os netos, Edson Queiroz fazia mágicas e era o chefe da "boate" - ou seja, o quarto do casal, onde ele ficava horas brincando com as crianças. O filho Airton acredita que "ele passava com os netos o tempo que gostaria de ter passado conosco e não pudera".

Desde jovem gostava de fotografia. Teve seu próprio laboratório em casa, à Av. Dom Manuel, 566. Este hobby ele praticou por toda vida, fotografando a família e momentos das viagens com Yolanda. Das sextas-feiras à noite, quando chegava em casa, às segundas-feiras, quando saía para o trabalho, ficava fazendo mágicas para os netos, revelando fotografias ou vendo televisão.

Uma reunião de família, nas bodas de ouro dos pais

No Diário do Nordeste, de 9 de junho de 1982, a colunista social Sônia Pinheiro registrou um episódio do casamento da caçula Paula com Sílvio Ricardo de Oliveira Frota, em 10 de março do mesmo ano, que é revelador do comportamento em sociedade de Edson Queiroz. "Tinha mania de cantar em cada final de festa", escreveu ela, "tanto nas que costumava 'anfitrionar', como nas recepções comandadas pela lista afetiva. Era um costume seu que coloria cada ambiente. Assim eu o vi nas várias versões da 'Sereia de Ouro', que ele realizava para homenagear figuras de valor da sua terra, como também no casamento da caçula Paula com Silvio Frota. Naquela ocasião, passada a solenidade, ele tomou o microfone do crooner do conjunto e cantou com amigos, filhos e netos."

José, o irmão

Em meio à sua agitada vida, Edson Queiroz sempre achou um tempo para manter uma vida próxima à avó Herminda, à mãe Cordélia, aos irmãos e ao pai Genésio, seu conselheiro até o fim e que lhe sobreviveria em dois anos, tendo falecido em 15 de julho de 1984. Um de seus maiores amigos durante toda a vida foi o irmão José Antunes Queiroz, nascido em 19 de março de 1932.

Sete anos mais novo, José teve em Edson um segundo pai, capaz de orientá-lo e compreender suas bravatas e ousadias de jovem. Era simpático, elegante e fazia sucesso com as mulheres, mas acabou casando com uma jovem de Belém do Pará. Dos seis irmãos, foi o único ligado ao esporte , sobretudo à natação e ao remo. Era bom no iatismo, automobilismo e fazia grandes exibições e longos passeios no mar, quase sempre acompanhado. Numa das exibições, em 1964, a lancha virou e seu corpo só foi encontrado onze horas depois. A morte do irmão foi um dos momentos mais tristes para Edson Queiroz.

"Eu dava tranquilidade a ele”

 
Segundo dona Yolanda, essa foto é a que melhor reflete a figura de Edson

"Um dia - e isso aconteceu muitas vezes -", conta Yolanda Queiroz, "Edson me convidou para ir ao cinema. Era a época da construção da fábrica de fogões. Demos uma passada por lá, ele desceu -'espere uns dez minutos' - e eu fiquei rezando e dormi. Quando Edson voltou eram quatro horas da manhã. Minha parte no trabalho dele era essa: não atrapalhar suas iniciativas, apoiá-lo, acompanhá-lo, tomar conta da casa e dos filhos. Ele não tinha tempo para ver nada, eu dava tranquilidade a ele". A avaliação de Yolanda a respeito de sua contribuição ao marido é bastante modesta. Na verdade, ela era também a conselheira, a interlocutora válida, cujas opiniões ele sempre respeitou. Ele tinha o hábito de estudar minuciosamente cada novo projeto, cada nova possibilidade de negócio. E sempre valorizou as opiniões da mulher, a ponto de discutir cada um de seus projetos com ela. Comenta-se que a troca de idéias com Yolanda era um momento chave no processo de decisão de Edson . Após a conversa com Yolanda, ambos iam à casa de Genésio Queiroz, o pai, e com ele conversavam horas a fio. Edson também sempre prezou muito as opiniões do pai e jamais fez um negócio sem antes consultá-lo.

Se o juízo de Yolanda a respeito de sua contribuição é tão modesto, Edson Queiroz a julgava bem superior, considerando-a sua "fonte de inspiração".

 

Em 5 de agosto de 1976, falando aos formandos da Universidade de Fortaleza (instituição mantida pela Fundação Edson Queiroz), concluiu assim seu discurso: "As palavras que vos dirijo traduzem os sentimentos da Patrona das vossas turmas, dona Yolanda Queiroz, minha mulher, co-responsável pela fundação da Universidade de Fortaleza e cuja presença em meus dias constitui uma fonte de energia e inspiração".

Veja também:

Edson Queiroz - Infância

Edson Queiroz - Juventude



Fonte: Edson Queiroz Biography

Agradecimento



Hoje eu gostaria de agradecer as gentis palavras da Rãnzinha(Valéria) que carinhosamente homenageou esse humilde blog :) e me deixou muito lisonjeada!!!


"Nos finais de semana, durante aqueles momentos de tédio total, fuçar na internet pode ser uma boa maneira de encontrar coisas bastante legais, outras nem tanto, pra poder passar o tempo...Foi isso que aconteceu neste sábado de noite...Há blogs muito interessantes por aí, feitos por cearenses que se dedicam..e que mostram coisas bacanas do nosso Estado...
Bem, o achado desta vez foi o blog Fortaleza Nobre, feito por Leila Nobre (amei o trocadilho do sobrenome fazendo referência também à cidade).
Enfim, Leila capricha nas pesquisas e nas fotos mostrando nossa cidade e alguns pontos importantes de Fortaleza há alguns anos.
Mas ela ganhou realmente meu status de fã do blog ao postar sobre o colégio Marista (Ow colega, esse me pegou pelo cora)..rs...Estudei no Marista Cearense entre 1996 e 2000 (e foi a época mais fantástica da minha adolescencia)...Em breve vai ter um post aqui contanto todos os "causos" desse período...rsrsrs


O blog Fortaleza Nobre está aí, para todos os interessados de plantão... vale a pena conferir..ele sempre está atualizado, com novidades... Há muita coisa interessante...Se você tem curiosidade de ver como era o bairro do Meireles ou Aldeota...a Praça do Ferreira...ou as ruas mais importantes do centro em mil novecentos e bolinha...e muitas outras coisas BACANAS acesse: http://fortalezanobre.blogspot.com/


APROVADO!!!! "



Dei um print no post:

Eu só posso dizer muito, muito, muito obrigada pelas palavras!!!


Ah, queria ter agradecido pessoalmente(no próprio blog da Rãzinha) mas infelizmente não tem como comentar por lá rsrsrs



Para conhecer o blog da Rãzinha, basta clicar AQUI

Ou digitar http://www.radebananeira.blogspot.com/ no seu navegador.

sábado, 27 de março de 2010

Edson Queiroz - Juventude



As primeiras responsabilidades

A juventude num tempo de guerra



Quando Edson Queiroz (Edson é o de branco na foto) foi nomeado gerente do armazém de estivas do pai, a Europa já estava conflagrada pela Segunda Guerra Mundial. Em l939, Hitler ordenara a invasão da Polônia; França e Inglaterra haviam declarado guerra à Alemanha nazista.
O conflito mundial provocou um profundo remanejamento da economia internacional, possibilitando a ascensão dos Estados Unidos e da União Soviética à condição de primeiras potências mundiais, mas criando também condições para o desenvolvimento industrial de certos países atrasados e propiciando uma nova ordem econômica e empresarial.
De exportadores de certos manufaturados para o Brasil, como os produtos têxteis, os países europeus passariam a importadores. Desde 1940, o Brasil viveu um período rápido e intenso de substituição de importações, que criou condições para o florescimento da indústria nacional, principalmente nos Estados do Sul, e sobretudo em São Paulo. Mesmo o Nordeste teria sua antiquada indústria têxtil trabalhando a todo vapor. Com o fim da guerra, contudo, as desgostadas máquinas não seriam substituídas por outras e a indústria nordestina cairia a níveis ainda mais precários que os do pré-guerra.
Em 1939, o presidente Getúlio Vargas declarou a neutralidade do Brasil em face do conflito. Os Estados Unidos só entraram na guerra em 1941 e, nesse mesmo ano, em troca da permissão de instalação de bases militares em Natal, Belém e Recife, comprometeram-se a fornecer tecnologia e capital para a instalação da Companhia Siderúrgica Nacional, no Rio de Janeiro.
No dia 20 de agosto de 1942, o Brasil acordaria alarmado. Na véspera e na antevéspera submarinos alemães teriam torpedeado, na costa nordestina, cinco navios brasileiros, matando mais de seiscentas pessoas. No dia 22, o Brasil declarou guerra ao Eixo. As tropas da Força Expedicionária Brasileira -FFB - chegariam a combater os alemães nos campos da Itália, retomando após a tomada de Berlim pelos Aliados, em 1945.
Além de exportador de produtos têxteis, o Nordeste ganhou importância durante o conflito como supridor de produtos primários: açúcar, cera de carnaúba, algodão, cacau e sisal; depois da guerra, contudo, voltaria à condição de fornecedor secundário desses produtos.


A Genésio Queiroz & Cia, o armazém onde a saga econômica começou.


A prosperidade da Genésio Queiroz & Cia
Ao estilo seguro, comedido e paciente de Genésio Queiroz, o armazém de estivas somara o espírito inovador e arrojado do novo gerente de 15 anos de idade, Edson Queiroz(Na foto ao lado, o soldado Edson em janeiro de 1943). E prosperava.
Lá, segundo o próprio Edson Queiroz, num depoimento à revista Manchete, de 4 de novembro de 1972, "vendíamos de tudo, açúcar, fósforo, papel de embrulho e, na entressafra, feijão que havíamos armazenado nos meses anteriores, aguardando preço melhor" -
O jovem gerente esmerava-se na escolha dos produtos que teriam maior aceitação pela freguesia, batalhava pelos preços, caprichava na exposição das mercadorias e aprendia com o pai sobre a melhor época de vendê-las.


Desfile no 23º Batalhão de caçadores


Logo após o torpedeamento dos navios brasileiros pelos submarinos alemães, Fortaleza e todas as capitais do Nordeste foram povoadas por sombrios rumores de que as naves de guerra nazistas estariam rondando nosso litoral, prontas a afundar tudo o que vissem navegando. As companhias seguradoras, em conseqüência dos boatos e dos riscos de guerra, cobravam elevadas taxas de seguro para as embarcações que faziam as linhas costeiras. Assustados, todos os importadores de Fortaleza curvavam-se a essas taxas, e muitos acabaram quebrando. A Genésio Queiroz & Cia. fretava alguns pequenos barcos que traziam açúcar de Recife para Fortaleza. Edson Queiroz, então com 17 anos, não acreditava que "os equipadíssimos submarinos alemães desperdiçassem munição com inofensivos saveiros que transportavam açúcar". De fato, com a entrada dos Estados Unidos na guerra, a Alemanha começava a perder o controle do conflito, exatamente porque seu parque bélico já não conseguia produzir artefatos militares na quantidade necessária.
Por conselho do filho, Genésio Queiroz não gastou um único centavo com taxas de seguro e teve lucros fantásticos durante a guerra, embora passasse dias e noites na ponta do Mucuripe, torcendo para que os saveiros chegassem intactos. Por volta de 1943, ele já era o único fornecedor de açúcar de toda a cidade e manteve esse quase monopólio por vários anos.
Iniciativas como essa fizeram com que Genésio Queiroz, a princípio, concedesse uma comissão de 5% para o filho sobre o total dos lucros e, logo depois, o transformasse em sócio, na proporção de 30% de todo os seus negócios.


A seta indica Edson durante o desfile.


Hora do "rancho" da companhia.



Destreza com armas e boa pontaria


No final de 1942 e em 1943, uma única coisa fez com que o empenho de Edson(Na foto, o cabo Edson, no 23º Batalhão) na Genésio Queiroz & Cia. se tornasse um pouco menor: o serviço militar. Ele serviu ao Exército na Companhia Quadros, 23º Batalhão de Caçadores, tendo dado baixa como cabo atirador.
Em virtude da guerra na Europa, o Exército brasileiro fazia o possível para incutir um rigoroso espírito de disciplina nos recrutas e adestrá-los efetivamente para os combates. A reconhecida disciplina posterior de Edson Queiroz no trabalho talvez tenha se desenvolvido nesse período, assim como sua pontaria, objeto de espanto para alguns e de verdadeiro culto para seus numerosos admiradores. Uma das lembranças correntes em Fortaleza é o pequeno susto que pregou ao pai. Ele lhe pediu para segurar um charuto e garantiu que o cortaria ao meio com um tiro. Genésio, que tinha uma confiança quase cega no filho, não hesitou em levar o charuto à boca, forçando aparentar calma. Com um único e certeiro tiro de revólver calibre 38, e à frente da platéia familiar, ele cumpriu sua promessa.
Se essa habilidade era capaz de gerar lendas, também lhe permitiria ganhar medalhas verdadeiras, muitos anos depois, já um empresário bem-sucedido, em memoráveis temporadas de caça na Europa. Todos os amigos que iam à sua casa eram convidados a ver a cabeça de um belo cervo, com longos chifres, por ele abatido na Iugoslávia.



Um hobby desde a juventude: a mágica.


A dedicação ao trabalho e à aprendizagem no Liceu do Ceará e no armazém não faziam de Edson Queiroz(Foto: No álbum de família, uma recordação dos bons tempos) um jovem carrancudo. Pelo contrário, seu temperamento curioso e alegre o fazia procurar sempre coisas novas. Dentre suas inúmeras leituras, acabou se interessando também pelo ilusionismo. Comprou todos os livros disponíveis a respeito do assunto, encomendou equipamentos para a prática de mágicas e estudou o assunto com sofreguidão.

A provinciana Fortaleza da década de 40, dos fogões a lenha ou carvão, ainda se sentava à rua para conversar e ouvia notícias da guerra em rádios fanhosas. A principal diversão dos jovens eram as festinhas ou bailinhos em casas de família. Tendo aprendido a manipular os baralhos e gaiolas mágicas, Edson se apresentava nessas festinhas e sua fama começou a correr Fortaleza. Seus amigos o acompanhavam na pagodeira, alegrando o salão e ajudando a carregar a mala.
A fama correu tanto que o padre Arimatéia Diniz, seu primo em segundo-grau e ex-colega de seminário, e o bispo Dom Antônio de Almeida Lustosa, o convidaram para fazer espetáculos de mágica no círculo de operários católicos. Edson se apresentou algumas vezes, com grande sucesso, mas desistiu quando descobriu que seus amigos estavam cobrando ingressos da platéia. Ele doou a mala, com todos os seus artefatos, para os padres.
A mágica, contudo, ficaria em sua vida para os momentos de brincadeira com os novos filhos e os netos.
Nas viagens aos Estados Unidos, Europa e outros Estados brasileiros, no meio da bagageiro sempre incluía algum aparato para a prática da mágica. Pregar peça nos filhos ou amigos era uma de suas características mais mercantes.


A diversificação dos negócios


A condição de sócio-gerente da Genésio Queiroz & Cia., por volta de 1945, começou a ser insuficiente para satisfazer a imaginação comercial de Edson Queiroz(Foto: O jovem sócio-gerente da Genésio Queiroz & Cia por volta de 1945). Com o apoio e a compreensão do pai, ele passou a freqüentar regularmente a Alfândega, onde arrematava lotes dos mais variados artigos, que depois vendia em Fortaleza e cidades vizinhas.

Ele manteria essa prática por alguns anos, mesmo depois de casado. Yolanda afirma: "Ele não parava. Estava sempre fazendo novos negócios".
Em 1946, ganhou algum dinheiro com automóveis. Cada Estado, na época, tinha uma quota de importação e a quota do Ceará era maior que a demanda. Edson comprava os carros americanos e os revendia em outros Estados, reunindo com isso o capital necessário para os negócios que se seguiriam. Para a revista Manchete, de 4 de novembro de 1972, ele declararia: "Adquiríamos os carros por 48 contos e vendíamos, no Rio, por 80. Vendemos entre duzentos e trezentos automóveis Chevrolet, Ford, Hudson, no pós-guerra".


Leia sobre a infância de Edson Queiroz aqui

Continua AQUI


Fonte: Edson Queiroz Biography