Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 27 de novembro de 2010

Unifor - Universidade de Fortaleza




"Educação é gênero de primeira necessidade e investimento prioritário", palavras do criador da Unifor, chanceler Edson Queiroz, por ocasião do discurso de inauguração da Universidade de Fortaleza, em 1973, representam a mais viva expressão de responsabilidade e compromisso para com sua terra e sua gente.
A ideia da criação da Universidade de Fortaleza, concebida pelo industrial Edson Queiroz, não foi motivada meramente por estudos de mercado que revelavam a carência do sistema educacional do estado. Edson Queiroz, seu primeiro chanceler, planejava uma instituição 'viva' atuando decisivamente no processo de desenvolvimento da região.

Ele a queria para provocar a mudança do status social e econômico de seus beneficiários, com efeitos positivos para as famílias e para a comunidade. Para Edson Queiroz, "a Universidade de Fortaleza não pertence à Fundação Edson Queiroz: pertence a todos. A obra é de cunho nacional e todos os que aqui se formarem serão úteis à nação".


Desde então, o ideal de Edson Queiroz se materializou nos mais de 55 mil profissionais graduados e mais de 7 mil pós-graduados pela Unifor. Dos 1.270 alunos iniciais, cerca de 25 mil compõem a população atual do corpo discente em seus 31 cursos de graduação.

A Universidade está instalada em um campus de 720 mil metros quadrados, onde se encontra uma megaestrutura com cerca de 300 salas de aula e mais de 230 laboratórios especializados. O campus também é composto por auditórios, salas de vídeo, biblioteca, centro de convivência, núcleo de atenção médica, clínica odontológica, parque desportivo, teatro, espaço cultural, escritório para a prática jurídica, empresas juniores, TV universitária, escola de ensino infantil e fundamental e diversos outros núcleos de prática acadêmica e pesquisa.

O corpo docente altamente qualificado, composto de 1.100 professores, com mais de 80% de mestres e doutores, é responsável pela supervisão de centenas de projetos de pesquisa no domínio científico, tecnológico, artístico e cultural.


Interligada por diversos acessos de alta velocidade à internet, todos os processos acadêmicos e administrativos da Instituição estão integrados, possibilitando à comunidade acompanhar, virtualmente, em um mesmo ambiente, procedimentos didático-pedagógicos, acessar avançadas bases de dados para pesquisa e utilizar os recursos da educação a distância. Além disso, o campus da Unifor oferece cobertura de internet wi-fi gratuita em toda a sua extensão.

Sobre a Unifor, o chanceler Edson Queiroz declarou: "Não quero que falem agora da Universidade, mas sim daqui a dez, vinte anos, quando talvez eu não esteja mais aqui". Passados mais de trinta e cinco anos, muito pode ser dito sobre a Instituição. No entanto, o que mais concretamente deve ser considerado é o incontestável valor que hoje representa a Universidade de Fortaleza no cenário da educação brasileira.


O reconhecimento da Instituição e a sua maturidade acadêmica não vieram por acaso. É fruto do trabalho de profissionais que lutam e desejam que, pela educação, pelo ensinar e pelo aprender diário, se construa a sociedade justa e humana no mundo melhor que queremos.

Retrospectiva

26 de março de 1971
Instalação da Fundação Edson Queiroz. No mês seguinte, em plena fase de reforma do ensino universitário, a Universidade de Fortaleza recebe do Conselho Federal de Educação, por votação unânime e pela primeira vez na história das instituições de ensino superior particulares brasileiras, a autorização para funcionar já como universidade, sem que antes tivesse sido uma escola isolada.

15 de abril de 1971
Criação da Universidade de Fortaleza pelos Conselhos Curador e Diretor da Fundação Edson Queiroz.

17 de setembro de 1971
Lançamento da pedra fundamental do campus da Universidade de Fortaleza. 

12 de setembro de 1972
O Conselho Federal de Educação aprova processo de autorização para o funcionamento da Unifor.

4 de janeiro de 1973
Decreto do Presidente da República autorizando o funcionamento da Unifor.

17 de fevereiro de 1973
Início do 1º Concurso Vestibular da Universidade de Fortaleza.

21 de março de 1973
Inauguração e abertura dos cursos da Universidade de Fortaleza.

26 de março de 1973

Início do 1º período letivo da Universidade de Fortaleza.

18 de agosto de 1983

Com base no parecer nº 317/1983 do Conselho Federal de Educação, a Universidade de Fortaleza obteve seu reconhecimento concedido pela portaria nº 350 do Ministério da Educação, publicada no Diário Oficial da União.


Missão

Promover a produção e difusão do saber, por meio do ensino, pesquisa e extensão, articulados, visando à formação integral do cidadão e à sua qualificação para o exercício profissional.

Princípios
  • Respeito ao homem e ao meio ambiente. 
  • Compreensão do ser humano, como princípio e fim do processo educativo. 
  • Preponderância da educação sobre a instrução. 
  • Disposição permanente para avaliar premissas e paradigmas. 
  • Comprometimento com a reputação da Instituição. 
  • Compromisso com o fortalecimento da cultura acadêmica. 
  • Contribuição permanente com as transformações sociais, culturais, políticas, tecnológicas e econômicas. 
  • Comprometimento com a ética na busca da verdade e no cultivo do belo. 
  • Respeito aos princípios democráticos. 
  • Promoção de relações de gestão participativa visando à sinergia entre as áreas estratégicas. 
  • Compromisso com a qualidade em toda a sua dimensão.

A Unifor figura entre as maiores instituições do País que apresentam um maior número de matriculados



Site da Unifor: http://www.unifor.br/

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Raimundo de Farias Brito



Raimundo de Farias Brito nasceu em São Benedito, Ceará, no dia 24 de julho de 1862 e faleceu no Rio de Janeiro, em 16 de janeiro de 1917) foi escritor e filósofo, sendo considerado como um dos maiores nomes do pensamento filosófico do país e autor de uma das mais completas obras filosóficas produzidas originalmente no Brasil, onde identificou os planos do conhecimento e do ser, voltando dogmaticamente à metafísica tradicional, de caráter espiritualista. Era também maçom.




Domingo, dia 27 de outubro de 1861, a casa de Joaquim Pedro da Cruz e Izabel Rodrigues de Farias, estava vivendo momentos de alegria, pois, sua filha Eugênia Alves Ferreira, ia naquela manhã radiosa, consorciar-se com Marcolino José de Brito.


Marcolino e sua esposa ficaram residindo em uma residência, de propriedade do Coronel Francisco Cassiano do Amaral, que cedeu aos mesmos para residirem, próximo à praça da Matriz em São Benedito. Hoje a mesma propriedade pertence ao médico Dr. Bueno Amaral Banhos, bisneto do Coronel Cassiano.

Casa onde nasceu Farias Brito


Foto atual da casa 

No domingo do dia 24 de julho de 1862, aquele lar recebia seu primogênito onde no dia 03 de outubro do mesmo ano, fora batizado pelo padre Crisóstomo de Oliveira, recebendo o nome de Raimundo de Farias Brito, tendo como padrinhos seus avós maternos, Joaquim Pedro da Cruz e Izabel Rodrigues de Farias.

Em 1865, a família se muda para Alagoinhas em Ipueiras. Em 1870, a convite de um amigo, transferiram-se para Sobral, pois queriam principalmente cuidar da educação de Farias Brito, que estava com quase oito anos. No dia 04 de dezembro de 1974 faz o seu primeiro exame primário no Colégio Sobralense e no fim do ano tirou distinção em várias matérias.

No ano de 1877 o Ceará foi varrido por uma terrível seca e a família teve que voltar para Alagoinha. Em 1878 a família se muda para Fortaleza, onde em maio de 1979 Farias Brito matricula-se no Liceu Cearense, como ouvinte, por já estarem fechadas as matrículas, terminando somente em 1880 seu 2º grau aos dezoito anos de idade.

Após o término de seus estudos secundaristas, a família de Farias Brito muda-se novamente, agora o destino é Recife. Em 1881 Raimundo de Farias Brito, se matriculava na tradicional Faculdade de Direito do Recife. A natural inclinação de Farias Brito para a Matemática levou-o a lecionar a matéria em alguns colégios de Recife, como já o fizera em Fortaleza. No dia 19 de novembro de 1884 cola grau, tendo como Bacharelado em Ciências Jurídicas e Social, retornado novamente ao Ceará com a sua família.

O PROMOTOR E FILÓSOFO

No início de 1885 foi nomeado Promotor Público de Viçosa do Ceará. Em 1888 depois pediu e obteve remoção para Aquiraz, sendo chamado para ser secretário pelo então governador Caio Prado, ficando no cargo por apenas um ano. Em 1889, já com 27 anos de idade, saía seu primeiro livro: “Cantos Modernos”. Em 1890 vem ao pensamento de Farias Brito a política, onde resolve se candidatar, sem sucesso, à Deputado Federal. Em abril de 1891, foi convidado pelo General Clarindo de Queiroz para ser Secretário de Governo, e a 12 de fevereiro de 1892 o General é deposto do Governo do Ceará.

No dia 02 de dezembro de 1893, na Igreja Coração de Jesus, em Fortaleza, Farias Brito casa-se com Ana Augusta Bastos. De 1894 a 1895, uma calmaria na vida de Farias Brito, resolve se dedicar ao seu segundo livro: “Finalidade do Mundo”. Após o lançamento do livro, o filósofo sofre um grande golpe, morre seu filho primogênito com apenas dez meses de idade. Em 1897 nasce sua filha, mas em junho do mesmo ano morre a esposa de Farias Brito.

Primeira esposa de Farias Brito, D. Ana Bastos

Em 1899 sai o segundo volume de “Finalidade do Mundo”. Em 1901, Farias Brito é aconselhado pelos amigos a ir a Europa e o filósofo resolve ir ao Velho Mundo, porém ao chegar ao Rio onde estava passando uns dias, recebe notícias de casa e regressa às pressas, pois, seu pai se encontrava mal de saúde e poucos dias depois falece o velho Marcolino aos 71 anos de idade no mês de agosto de 1901. Extremoso, Farias Brito escreve:

“Meu velho pai, aquele que fora no mundo o meu melhor amigo, aquele que tinha em mim toda a esperança e todo o seu amor e o único que seria capaz de dar por mim a própria vida. Meu pai só tinha um intuito na vida: educar-me”.



Em setembro do mesmo ano Farias Brito casa-se com Ananélia Alves, natural de Guaramiranga.
Em 1902, o filósofo decide deixar o Ceará para morar em Belém no Pará. Desse matrimônio nasceram cinco filhos. Os sete anos que Farias Brito viveu em Belém foram dos mais fecundos e prósperos de sua trabalhosa existência. Ali elaborou e publicou dois volumes dos mais dignos de atenção em sua obra de filósofo, porque contém a terceira parte da “Finalidade do Mundo”, sobre o título de “O Mundo Como Atividade Intelectual”, e no mesmo ano escreve o livro “Verdade Como regra das Ações”.

Segunda esposa de Farias Brito, D. Ananélia Alves - Segunda esposa de Farias Brito, D. Ananélia Alves - Retrato de 1901

Em 1902 foi nomeado a Professor Substituto da Faculdade de Direito de Belém, e em 1903 foi nomeado terceiro Promotor Público. No ano de 1905, sai a primeira edição do terceiro volume “Finalidade do Mundo” e a ”Verdade como Regra das Ações”. Em 1909, vai residir no Rio de Janeiro, submetendo-se ao concurso de lógica no Colégio Pedro II, obtendo o primeiro lugar que, mas injustamente foi-lhe dado o segundo lugar, ficando primeiro com Euclides da Cunha. Porém, com a morte trágica de Euclides da Cunha, Farias Brito ocupa a tão ambicionada cadeira de Lógica.


Colação de Grau - 1905 - Colação de Grau de Farias Brito em 1905

Em 1912, já altamente credenciado como escritor, publica outro livro: “A Base Física do Espírito”. Em 1914, em parceria com Jackson Figueiredo, publica o seu último livro: “O Mundo Interior”. No ano de 1916 o filósofo escreve uma alto crítica intitulada Panfleto, com pseudônimo de Marcos José. Com forte hemoptise, veio a falecer no dia 16 de janeiro de 1917, na Rua Bela de São João, número 289, Rio de Janeiro, em sua residência, cercado do carinho de sua família, amigos e admiradores.


Casa em que Residiu no Rio de Janeiro

Familiares se reunem junto ao túmulo de Farias Brito

Familiares de Farias Brito se reunem na Matriz de S. Cristovão

 Túmulo de Farias Brito

Texto original escrito por Dr.Bueno Banhos
Editado e revisado por Antonio Arley Rodrigues da Silva
 

Obras

A obra filosófica de Farias Brito compõe-se de duas trilogias:
  • Finalidade do mundo
A Filosofia como Atividade Permanente do Espírito (1895)
A Filosofia Moderna (1899)
Evolução e Relatividade (1905)
  • Ensaios sobre a Filosofia do Espírito
A Verdade como Regra das Ações (1905)
A Base Física do Espírito (1912)
O Mundo Interior (1914)


Curiosidades

  • Para homenageá-lo, a cidade cearense de Quixará passou a ser denominada Farias Brito.
  • Em Fortaleza, há a rede de ensino particular Farias Brito, denominação que é igualmente um tributo ao filósofo, que atua no ramo dos ensinos fundamental, médio e superior, mas tendo o seu foco na preparação para vestibulares.
  • Em Fortaleza, um conhecido bairro leva o nome desse importante homem. Veja aqui



Fontes: Wikipédia e o site São Benedito

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mercado Central de Fortaleza - 200 anos de história - parte II



O ANTIGO MERCADO DA FARINHA
CENTRO DE REFERENCIA DO PROFESSOR
ANTIGO MERCADO CENTRAL - 1994/1996
PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA
RESTAURAÇÃO E REABILITAÇÃO DO ANTIGO MERCADO CENTRAL




“Na sessão de 15 de junho de 1809, a câmara municipal acordou por determinação do Governador Barba Alardo publicar e afixar editais para se fazer um Mercado Público dentro do pátio e estacada dos paços do conselho (casa n. 42 da Rua Sena Madureira)”.
Este mercado, mais conhecido como Mercado da Farinha, que já não existe, era destinado a venda de cereais complementando o serviço de abastecimento da cidade de Fortaleza, já que o Mercado de Ferro se destinava única e exclusivamente a venda de produtos frescos e foi desmontado em 1938. O atual edifício do Antigo Mercado Central foi concluído e inaugurado em 22 de setembro de 1932, provocando com isso a posterior retirada do Mercado de Ferro da vizinhança, concentrando-se todo o serviço de abastecimento de grande parte da cidade nele.
O edifício, com acessos por três ruas distintas, Conde D’Eu, General Bezerril e Travessa Crato, tem características Art-Déco bastante despojadas e simples, tão em moda e próprias da época. É composto basicamente por um pavilhão com estrutura de pilares de concreto e coberta executadas com elegantes tesouras metálicas feitas com trilhos de bondes. Originalmente foi coberto com telhas de barro planas do tipo de Marselha, sendo substituídas posteriormente por telhas de fibrocimento.
São poucas as alterações propostas pelo novo projeto de reabilitação arquitetônica para o edifício como tal, já que elas se produziram fundamentalmente no seu novo uso, abrigar o Centro de Referência do Professor.
Fazem parte do programa deste Centro, a Biblioteca Virtual Moreira Campos¹, a Galeria Antônio Bandeira², a sala de referência do Município, áreas para café, de lazer passivo, teatro aberto, jardins e outros.
O Centro de Referência do Professor foi projetado tendo como foco central a restauração e reabilitação do edifício do Antigo Mercado Central.

A idéia nasce como uma grande praça coberta com 3.500,00 m² de área, onde os equipamentos, como a Biblioteca Virtual Moreira Campos, a Galeria Antônio Bandeira, o Teatro, os jardins e outros estariam distribuidos dentro da mesma.

Foram mantidos todos os elementos construtivos que o caracterizam, com realce para a estrutura metálica da coberta que esta executada com tesouras que utilizam trilhos de bonde. A preocupação maior recai sobre a nova inserção física no edifício que é o mezanino. Este abrigará na parte térrea a Galeria e na parte superior a Biblioteca. Foi projetado e executado também em estrutura metálica. Sua robustez marca a presença do novo dentro do edifício antigo, respeitando o projeto original.





¹MOREIRA CAMPOS (José Maria)
Nasceu em 1914, em Senador Pompeu, Ceará. Infância nômade por causa das atividades iniciais do seu pai, funcionário da Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas. Formado em Direito, 1946, licenciou-se mais tarde em Letras Neolatinas e teve longa carreira de professor. Faleceu em 1995. Sua estréia com Vidas Marginais, em 1947, pelas Edições Clã, aproxima-o de Graciliano Ramos pela frase seca e pela força da expressão. O contista adquirirá voz própria a partir de Portas Fechadas, 1957. Publicou ainda estes volumes de contos: As Vozes do morto, 1963, O Puxador de Terço, 1969, Contos Escolhidos, 1971 (a terceira edição, pela Antares, coube a Hélio Pólvora, 1978), Os Doze Parafusos, 1978, e A Grande Mosca no Copo de Leite, 1985. Seu conto O conto O Preso, que está traduzido em hebraico e alemão, foi extraído da Obra Completa: Contos, de Moreira Campos, pela Editora Maltese, 1996.


²ANTÔNIO BANDEIRA

(Fortaleza, CE, 1922 - Paris, 1967), Pintor, autodidata. Começou a desenhar no Colégio Cearense dos Irmãos Maristas, em Fortaleza. Participa do movimento artístico local, inclusive da fundação no início da década de (1940) do Centro Cultural Cearense. Participou do Salão de Abril, Fortaleza obtendo medalha de ouro (1942) e do Salão Paulista de Belas-Artes, medalha de bronze (1943). Realiza individual na seção carioca do Instituto dos Arquitetos do Brasil. aonde recebeu bolsa-de-estudos do governo francês. Em Paris frequenta a Escola Superior de Belas-Artes e Académie de La Grande Chaumere (1946 a 1950).Em 1949, com os pintores Wols e Camille Bruyen, fundou o grupo Banbryols ("Ban" de Bandeira, Bry de Bryen e Ols de Wols). Retornou ao Brasil, expondo individualmente no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1951 e 1953. Participou de várias exposições individuais e coletivas no Brasil e Exterior, destacando-se: Bienais de São Paulo (1951, 1953, 1955, 1959), Salão Nacional de Arte Moderna no Rio de Janeiro (1951, 1953); Bienais de Veneza, (1952, 1954, 1960, 1964), Museu de Arte Moderna da Bahia, (1960); Galeria Bonino em São Paulo (1962).




GALERIA ANTÔNIO BANDEIRA
A Galeria Antônio Bandeira se encontra sob o mezanino no centro da grande praça coberta que é o Centro de Referência do Professor.

São duas salas, uma destinada a exposições temporárias com 320 m² e outra de menor tamanho, com 91 m², para exposições de maior permanência. Ambas completamente equipadas e climatizadas.

Portanto a Galeria do Centro de Referência, com um total de 411 m², é sem dúvidas um dos maiores espaços para exposições da cidade de Fortaleza.
A gestão tanto da Galeria como das atividades culturais do Centro, estarão sob a responsabilidade da Fundação de Cultura, Esporte e Turismo da Prefeitura Municipal de Fortaleza - FUNCET.


BIBLIOTECA VIRTUAL MOREIRA CAMPOS
A Biblioteca Virtual é um programa inédito no Brasil. Para atender aos estudates e ao público em geral e estará conectada a rede internacional de computadores.

Dentro do Centro de Referência ela está localizada no mezanino em uma área de 632 m², com 145 terminais conectado a um provedor próprio da Prefeitura.

A previsão de atendimento é de 123.000 usuários, com horário em três turnos.

Está dividida nos seguintes setores:
•Sala de Pesquisa e Estudos em Grupo,
•Sala de Pesquisa e Estudos Individuais,
•Sala de Aula,
•Sala de Professores e
•Sala de Informações da Prefeitura Municipal de Fortaleza.
A gestão do Centro e da Biblioteca Virtual será da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social - SMDS.
O PROJETO DE REABILITAÇÃO DO ENTORNO


A Prefeitura Municipal de Fortaleza, empenhada na recuperação do Centro Antigo da cidade elaborou projeto de reabilitação do entorno do Centro de Referência do Professor (Antigo Mercado Central - 1932). Está composto de 23 edificações, todas do início do século, que junto com o Antigo Mercado compõem e itegram o conjunto de maneira harmoniosa na escala do contexto urbano.

Para a elaboração do projeto foram levados em conta, todo um conjunto de informações histórica, iconográficas e arqueológicas, bem como um fator importante: a compatibilização com os interesses dos usuários e proprietários.



O PROJETO DE REABILITAÇÃO DO ENTORNO
Rua General Bezerril


TRAVESSA DO CRATO

CONDE D’EU
Obras de recuperação feitas no setor 2 da Rua General Bezerril




Mercado Central de Fortaleza - 200 anos de história



Uma trajetória de desafios e conquistas

A Câmara municipal autorizou a construção, em madeira, do mercado em 1809, a princípio funcionaria para o comércio de carne, fruta e verdura.
Em 1814 estas instalações precárias foram demolidas e, em seu lugar ergueu-se um novo prédio que foi denominado de cozinha do povo.

A reforma mais significativa do mercado não foi de ordem física : em 1931, o comércio de carne, fruta e verdura foram proibidos dentro do prédio, assim sendo, os lojistas do mercado tiveram que mudar de ramo dando lugar aos boxes de artesanato.
Além da proibição para a venda de carnes, frutas e verduras, esta medida também foi forçada devido à boa freqüência do local, tendo em vista seu posicionamento físico, e o avanço na introdução de produtos dos mais variados tipos, tanto para o uso doméstico, como artigos para vestimentas, cama e mesa, derivados do caju, bebidas, doces etc.
Com o passar do tempo várias reformas foram realizadas, quando em 1975, o mercado foi reinaugurado ocupando um espaço de 1.200 metros quadrados. Desta forma um grande centro para comercialização destes produtos foi iniciado, o local foi se transformando em um grande labirinto formado por pequenos boxes, com corredores estreitos e, cada dia mais, aumentava seu fluxo de compradores e vendedores.
O tempo foi modificando a clientela, passando a ser formada cada vez mais por visitantes, tanto do estado como das mais variadas cidades do Brasil e do mundo.


No início dos anos 90 os boxes estavam em constantes ameaças de incêndio, devido à precariedade de suas instalações elétricas. Aliando este fato ao crescimento de Fortaleza e ao seu potencial turístico, e, por conseqüência, de seu público frequentador  um novo mercado foi idealizado, em modernas instalações, muito mais amplo e com muito mais boxes, aumentando as oportunidades de trabalho para comerciantes e artesões, da cidade e do interior.


Casinhas na Avenida Alberto Nepomuceno que foram demolidas para construção do Mercado Central. Na foto ainda é possível apreciar a antiga igreja da Sé que seria demolida em 1938. 
Foto dos anos 30. Arquivo Carlos Augusto Rocha

O novo prédio
O Diário Oficial do Município publicou no dia 5 de novembro de 1997 a lei Nº 8073, de 21 de outubro de 1997, que autoriza o chefe do poder executivo a outorgar a atual Associação dos Lojistas do Mercado Central (ALMEC) a administração gerencial deste novo equipamento, nas condições que indica e dá outras providências.
No dia 19 de janeiro de 1998 iniciou suas operações na Av. Alberto Nepomuceno, 199, bem ao lado da Catedral Metropolitana de Fortaleza, a igreja da Sé e, em frente ao comando da 10ª Região Militar.

O Novo Mercado Central iniciou suas operações abrigando 559 boxes, 18 banheiros, distribuídos em 5 (cinco) pavimentos, sendo um deles destinado a estacionamento.


Foto da construção do Mercado Central em julho de 1996. Acervo O Povo


A área compreendida para a administração da ALMEC era de 9.690,75 m2, medindo e se confrontando: ao poente, frente, por onde mede 174,16m, com a Av. Alberto Nepomuceno  ao nascente, fundos, por onde mede 168,00m, com área de domínio público municipal, ao norte, lado direito, por onde mede 57,00m, também com propriedade do município de Fortaleza, e ao sul, lado esquerdo, em dois seguimentos de reta, medindo o primeiro, 9,00m e o segundo 49,00m, ambos confinando com o terreno em que se encrava a unidade assistencial da FEBEMCE termo de outorga da administração gerencial do Novo Mercado Central foi assinado, em 21 de outubro de 1997, pelo prefeito, no caso, Dr.Juraci Vieira Magalhães e o presidente da Associação dos Lojistas de Fortaleza – Almec, Sr. Antônio Bezerra de Brito.
No dia 19 de janeiro de 1998 foi inaugurado o novo prédio do Mercado Central de Fortaleza projetado pelo arquiteto Luiz Fiúza.


Os visitantes podem encontrar no Mercado Central: artigos em couro (sandálias, sapatos, chapéus, bolsas e malas), rendas e bordados em roupas e em peças de cama, mesa e banho, rendas de bilro, camisetas, lembrancinhas como mini-jangadas, bijuterias, jóias em ouro e artigos para decoração. 
Os produtos regionais que encantam o paladar dos turistas como cachaça, licores, castanha e doce de caju, também estão, à venda no mercado. Restaurantes oferecem comidas típicas nordestinas. Escadas, rampas e o elevador facilitam o acesso do público aos andares superiores.


Mercado Central de Fortaleza é o maior mercado do nordeste.