Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Clube dos Diários - 97 Anos


Diretoria do Clube dos Diários em foto de 1913. Acervo de Nilson Cruz


Em consequência de uma dissensão na sociedade do Clube Iracema, surgiu aos 18 de março de 1913 o Clube dos Diários, aquele que seria o mais requintado clube da “Belle Époque” de Fortaleza. Entre seus fundadores encontravam-se João Garcia Arêas, Francisco da Costa Freire, Martiniano Silva, José de Mendonça Nogueira, João Mac-Dowell, César Cals de Oliveira e Henrique Jorge. Desde sua inauguração, instalou-se no Palacete Guarany, na antiga Rua Formosa, a mais elegante de Fortaleza, no começo do século, hoje rua Barão do Rio Branco. Seu prédio foi construído pela Associação Cearense do Comércio, com planta trazida de Paris, pelo Barão de Camocim, apresentando imponente cobertura de ardósia.

Foto ao lado é de 1931
Contava entre seus primeiros presidentes: Francisco da Costa Freire, Couto Fernandes, Eduardo da Rocha Salgado, Luciano Martins Veras, Eliezer Studart da Fonseca – a mais atuante presidência que dirigiu o clube por um largo período de mais de trinta anos -, Fernando Eduardo Benevides e Evandro Salgado Studart da Fonseca.



O Clube na década de 70 - Arquivo Jane Bandeira

O Clube nos anos 70. Acervo Alexandre Montenegro

Foto histórica do Clube dos Diários na Beira Mar (Ao fundo, o prédio em construção é do Ponta Mar Hotel) - Década de 80. Arquivo do Clube

Anos 80 - Arquivo do Clube

Anos 80 - Arquivo do Clube

Vemos o Clube e a praia dos Diários em março de 1986. Acervo Alexandre Montenegro

Praia dos Diários em março de 1986. Acervo Alexandre Montenegro
O Clube dos Diários preenchia a vida social de Fortaleza com charme e elegância. Grandiosos bailes, apresentações musicais, exposições de pintura ocorriam em seus salões. Acompanhando o desenvolvimento tecnológico, sua diretoria procurava oferecer aos seus associados, o que de mais moderno pudesse ser encontrado na área de lazer e entretenimento. Sob a presidência de César Rossas, em agosto de 1931, foi instalado um cinematógrafo no clube, na antiga sala de bilhar. O cinema contava com 200 cadeiras e as sessões eram quinzenais, exclusivamente para sócios, com danças e distribuição de doces e refrescos, no intervalo e após o término das sessões. Até o final dos anos 20, a vida social e elegante da cidade era conduzida pelos dois clubes: Iracema e Diários. Esses, rivalizavam na apresentação de suas festas, principalmente nos tempos carnavalescos. Seus salões eram alugados pelos clubes menores, sem sede própria, para os bailes vesperais. Com seu entusiasmo e alegria contagiante, essas associações recreativas movimentavam os carnavais de então.


A grande animação ficava por conta do pré-carnaval, com seus “assaltos” e deliciosas “matutadas”, organizadas por grupos carnavalescos, filiados aos dois clubes, nas residências de pessoas a eles ligadas. Por vezes, foi o Clube dos Diários o responsável pela abertura dos festejos de Momo, como em janeiro de 1931, com o grito de carnaval, organizado pelo dr. Pedro Sampaio, com os blocos das Colombinas, dos Pierrôs e dos Arlequins. Membros de sua diretoria, como Fernando Benevides e Afonso Feijó, compunham com Fernando Pinto, do Ideal Clube e Odorico de Moraes, do Iracema, os grandes animadores do antigo Carnaval de Fortaleza. Na segunda metade do século XX, o Clube dos Diários, numa forma de sobrevivência, fundiu-se com o Clube Iracema constituindo o Clube Diários – Iracema.


Antigo baile de carnaval no Diários
Mudanças de endereço - Em 1956, a sede foi transferida para a Beira Mar. Em 2003, por conta de dívidas com a União e com a Prefeitura, o Clube dos Diários encerrou suas atividades na avenida Beira Mar, sendo sua sede vendida por R$ 19 milhões. A nova sede foi inaugurada, no mesmo ano, na Praia do Futuro.



Fonte: Site oficial do Clube

5 comentários:

  1. Caríssima Nobre.L, só quero te parabenizar pela iniciativa, desempenho e arte que nos presenteia com este sitio tão surpreendente. Sou natural do Otávio Bonfim em Fortaleza, perto ali da linha do trem, da estação ferroviária e da linda Igreja de N.S. das Dores, mas moro aqui em Manaus já a um bom tempo e também tenho minha paixão especial por esta cidade que visito todos os anos e que acompanho na medida do possível todos acontecimentos e fotos históricas que prazerosamente são divulgados. Então, parabéns pelo bom gosto e obrigado pelo prazer que você me oferece. glauton@suframa.gov.br

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha, isso é o que eu chamo de colecionar memórias. Resta-nos manifestar nossa gratidão por essa iniciativa. Torcendo para que se torne um museu físico além do virtual.

    ResponderExcluir
  3. Pena não ter fotos da sede náutica no período 1956/59.Entre 57/58, prestei serviço no Clube, trabalhando no bar.Nesta época tinha somente a piscina e uma pista de dança. O presidente era o Dr. Fernando Benevides.

    ResponderExcluir
  4. Sou cearense, morando no Rio de Janeiro há mais de 40 anos. Tenho felizes lembranças do Clube dos Diários, quando frequentava as festas de carnaval. No último dia (3a feira) a festa terminava na praia, com a banda tocando para os foliões. Izaira Zineski

    ResponderExcluir
  5. O projeto de arquitetura da sede dos Diários da Beira Mar é de autoria do arquiteto José Armando Farias, um dos pioneiros da arquitetura no Ceará, presidente do IAB-CE por duas ocasiões, e professor fundador da Escola de Arquitetura da UFC onde lecionava goemetria descritiva e história da arte. Armando Farias faleceu em julho de 1974 aos 47 anos vítima de AVC e deixou vários projetos executados em nossa cidade.

    ResponderExcluir