Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Janeiro 2013 [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dia de festa!

Hoje estou muito feliz e orgulhosa, pois o blog está completando 4 anos de muitas histórias e muitos amigos, apaixonados por essa cidade que apesar dos problemas, é linda e merece todo o nosso respeito e o nosso cuidado!

Claro que sozinho, não somos ninguém, e é por isso que hoje, quero fazer um agradecimento especial a vocês, que sempre estão me dando força e me incentivando a continuar nesse trabalho, que apesar de difícil, é muito prazeroso!
Sintam-se abraçados e homenageados!
Quero em primeiro lugar, agradecer aos 1011 seguidores do Fortaleza Nobre:
 
 
Essa postagem é muito especial, pois como solicitei no Facebook, alguns amigos me enviaram fotos bem bacanas, bem a cara do blog:
O amigo Raimundo, além da foto, escreveu um lindo depoimento:
Apesar da festa ser do blog, não posso deixar de agradecer aos amigos da Fan Page Fortaleza Nobre, onde já somos mais de 6.950 e dos 870 seguidores do Twitter!
Obrigada!!!

sábado, 26 de janeiro de 2013

Farol do Mucuripe - O velho e o novo


Farol em 1940 - Arquivo O Povo

O velho Farol do Mucuripe é uma construção em alvenaria, madeira e ferro, em estilo Barroco. Uma das mais antigas edificações de Fortaleza. Foi durante muito tempo referência para embarcações que aqui aportavam. O velho olho do mar, como era conhecido, foi desativado em 1957. No período de 1981 a 1982, foi reformado para abrigar o Museu do Jangadeiro, depois Museu do Farol, cujo acervo fazia referência a Fortaleza Colônia. Faz parte do Patrimônio Histórico, sendo um dos mais belos pontos turísticos da cidade. Infelizmente está fechado a visitação e o pior, em péssimo estado de conservação!

Farol em 1972 - Arquivo O Povo

Farol em 1978 - Arquivo O Povo

Em 17 de agosto de 1826, foi aprovado o plano do Farol do Mucuripe, por D. Pedro, sendo aberto o edital de concorrência a três de novembro, mas a construção só se iniciou em 1840.

Farol em 1980 - Arquivo O Povo

Farol em 1981 - Arquivo O Povo


O Farol do Mucuripe foi terminado em 17 de novembro de 1846, construído pelos engenheiros Júlio Álvaro Teixeira de MacedoLuís Manuel de Albuquerque Galvão e do Maquinista Trumbull (Truberel).
Sua localização é Avenida Vicente de Castro s/nº, na Ponta do Mucuripe.

Farol em 1981 - Arquivo O Povo

Farol em 1982 - Arquivo O Povo


No dia 29 de julho de 1871, começou a funcionar o novo farol giratório do Mucuripe (Farol do Mucuripe). O Farol foi mandado construir, em virtude da lei nº 60 de 20/10/1838, artigo cinco, § 14. 
O farol tem a localização: Latitude sul 3º, 45`10 " e longitude oeste de Greenwich 38º, 35`nove".
Sua luz era visível a 24km de distância, piscando a cada minuto.
O foco luminoso elevava-se a 33m26, ao nível da preamar e contava com três faroleiros.

Farol em 1983 - Arquivo O Povo

Farol em 1987 - Arquivo O Povo

O primeiro faroleiro foi João Rodrigues de Freitas.
Foi desativado em 1958, quando foi inaugurado o novo farol.
Abandonado, foi restaurado em 1981/82, pela Divisão do Patrimônio Histórico e Artístico da Secretaria de Cultura e Desporto do Estado do Ceará.


Foi inaugurado em 29 de julho de 1872, comemorando o aniversário da Princesa Imperial.

Farol em 1989 - Arquivo O Povo


Farol em 1990 - Arquivo O Povo

Fatos Importantes


  • 09 - setembro - 1929 - Realiza-se prova de natação do Farol do Mucuripe à Ponte Metálica, saindo vencedor Wandemberg Gondim Colares, seguido de Wilson Amaral, Pedro Araújo e Francisco Conrado da Silva.
Farol em 1991 - Arquivo O Povo

Farol em 1991 - Arquivo O Povo

  • 22 - abril - 1950 - A Imobiliária Antônio Diogo põe à venda loteamento com área de 7km de comprimento por 600m de largura, do Farol do Mucuripe à barra do Rio Cocó, a futura Praia do Futuro.
Farol em 1994 - Arquivo O Povo

  • 13 - maio - 1958 - Chega o material para o início da construção do novo farol nas dunas do Mucuripe que substituirá o velho farol. Terá um alcance de 40 quilômetros.
Farol em 1998 - Arquivo O Povo

  • 13 - dezembro - 1958 - O velho Farol do Mucuripe, localizado na Ponta do Mucuripe, na Avenida Vicente de Castro s/nº, é desativado em virtude do início do funcionamento do novo Farol, cuja inauguração oficial se deu no dia 15.
Farol em 2013 - Arquivo O Povo

  • 15 - dezembro - 1958 - Inaugura-se, no alto das dunas do Mucuripe, o Farol Novo, embora já estivesse funcionando desde o dia 13, em substituição ao velho Farol do Mucuripe que foi desativado naquele dia.
Arquivo O Povo - Acesso para o primeiro andar do Farol do Mucuripe. Foto de 2013

  • 25 - janeiro - 1959 - o Farol do Mucuripe, há pouco desativado e objeto de recente artigo de Gustavo Barroso, que faz revelações sobre as origens daquele ‘baluarte da nossa civilização’. Através dos séculos permaneceu como roteiro aos navegantes no extremo da ‘língua arenosa que avançava para o Atlântico. Não conservou a cor branda de outros tempos, plantado ali como círio devocional’.
Arquivo O Povo - Em primeiro plano, placa de bronze retirada do primeiro andar do Farol. Foto de 2013

  • 12 - dezembro - 1959 - Durante a Semana da Marinha, é entregue o antigo Farol do Mucuripe, na Ponta do Mucupe, na Avenida Vicente de Castro s/nº, ao Serviço do Patrimônio da União.
Arquivo O Povo - Escadaria que dá acesso à entrada principal do Farol. Foto de 2013

  • 25 - junho - 1971 - A Capitania dos Portos doa à Prefeitura de Fortaleza, totalmente recuperado, o Farol do Mucuripe, na Avenida Vicente de Castro s/nº, na Ponta do Mucuripe, que deverá a ser o Museu do Jangadeiro.
 O antes e o depois do farol

  • 28 - maio - 1982 - O Diário Oficial do Município - DOM nº 7.405 traz a Lei nº 5.571 do dia quatro, que oficializa a denominação de Avenida da Abolição e estabelece seus limites. A avenida que tinha antes a denominação de Avenida Antônio Justa, inicia-se em prosseguimento à Avenida Monsenhor Tabosa, a partir do cruzamento com a Avenida Barão de Studart, indo até o cruzamento com a Avenida Desembargador Moreira, onde vira diagonalmente à esquerda, onde nascera a antiga Avenida da Abolição, em frente ao Náutico Atlético Cearense - NAC, prosseguindo até o encontro com a então Avenida Presidente Kennedy (atual Beira-Mar) e denomina seu prosseguimento até o Farol antigo, de Avenida Vicente de Castro.
Mais fotos do arquivo O Povo:

Jovens se arriscam em escada enferrujada

Jovens se arriscam no Farol do Mucuripe

Pichações tomam a fachada do Farol

 Vista do farol antes e depois



Fonte: Livro Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo




terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Colégio Nossa Senhora da Assunção - Triste fim!!!


Cruzamento das ruas Padre Valdevino e João Cordeiro, no bairro Joaquim Távora

Em 1957, a Escola Nossa Senhora da Assunção começou a funcionar com apenas uma turma. A mobília foi doada pela comunidade do entorno. “O colégio evoluiu no tempo e brilhou, chegando a ter, nas décadas de 1980 e 1990, mais de mil alunos”. A Irmã Vera Lúcia recorda a arquitetura original do prédio: “A parte interna é belíssima. A escada é construída com madeiras refinadas. Nos dormitórios, o piso também era todo de madeira. Tem um valor histórico”, defende.


A formação “religiosa, humana e cristã” é tida por irmã Vera como um dos diferenciais da antiga escola. A ex-aluna Marjory Sampaio, 17, também destaca o incentivo às artes e ao esporte. “Recebi uma boa educação”, define. “Eram rígidos (na disciplina) e não tinha esse negócio de rapazinho namorando lá dentro”, comenta a mãe de Marjory, Mara Sampaio, 49.

Em 2007, veio a triste notícia de que o colégio fecharia as portas. “Quando o colégio foi fechado, era todo mundo chorando”, conta Marjory. O terreno, localizado numa área nobre, foi vendido. O prédio permaneceu lá, nos últimos seis anos, lembrando as histórias e brincadeiras ali vividas.

Na espera pela demolição, Marjory diz que, ao olhar para o antigo colégio, “dá um aperto no coração”


A pintura azul, com detalhes brancos, está desgastada pelo tempo. Um paredão de pedras encobre boa parte da construção - que hoje remete ao abandono. Porém, ainda é latente a beleza do prédio que abrigou, por 50 anos, a escola Nossa Senhora da Assunção, no cruzamento das ruas Padre Valdevino e João Cordeiro, no bairro Joaquim Távora. Hoje, a edificação “vive” seus últimos dias. O casarão terá o fim antecipado: dará lugar a um prédio residencial, ainda sem data definida.
A estrutura está mal conservada. A pintura azul está gasta e é possível observar o acúmulo de material de construção no entorno. 

A edificação foi comprada pela Congregação das Filhas de Santa Teresa (originária do Crato) em maio de 1955. “Quando o prédio foi comprado, havia poucas casas (ao redor), um campo aberto e até mesmo criatório de gado. (As ruas) sequer tinham calçamento”, lembra a irmã Vera Lúcia, secretária geral da congregação e ex-diretora da escola.

Na escritura original de compra do imóvel pela congregação, consta a aquisição de “uma casa assobradada, estilo bungalow, de tijolo e telha com uma garagem ao lado (...) imóvel adquirido por compra a José Capelo Alvite* e sua mulher”.


O professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará (UFC) Romeu Duarte explica que os bangalôs foram muito utilizados no início do século XX em Fortaleza. O nome é uma variação do inglês bungalow. “É uma casa geralmente de dois pavimentos, quatro fachadas e situada em terrenos grandes. Era ocupada por famílias abastadas e foi uma tipologia muito usada na Aldeota e Jacarecanga, informa.

Romeu lamenta a decisão de destruir a edificação e defende a conciliação entre desenvolvimento e preservação. “É a lógica do ‘arrasa quarteirão’. Não sou contra a construção, mas acho que há terreno demais para o empreendimento. Poderia preservar a contemporaneidade e o passado”, diz, sugerindo que a antiga casa fosse usada, por exemplo, como salão de festas do condomínio. “Seria até um diferencial. Falta um pouco de inteligência e sensibilidade ao mercado imobiliário”, critica o professor.

Em 2006, o quadro docente do Colégio Nossa Senhora da Assunção era composto por 
dezoito professores; destes, quinze eram habilitados nas respectivas áreas, (83,34%) e três, autorizados (16,66%).  
A proposta pedagógica da educação infantil do Colégio Nossa Senhora da Assunção compreendia o processo educativo voltado para a construção de um sujeito protagonista de sua história,  como cidadão crítico e criativo. Nesse contexto, o Colégio assumiu sua função social, envolvendo na sua prática educativa valores sociais e culturais.


Material de construção** já se acumula em frente ao antigo bangalô, na rua Padre Valdevino. Prédio abrigou escola por 50 anos - Foto Sara Maia


O Colégio apresentava boas condições de funcionamento, dispondo de amplos espaços. Apresentava melhorias realizadas no prédio durante aquele ano: restauração do parquinho infantil,  reforma geral na cantina do colégio, restauração das instalações e implementação do laboratório de Ciências. O laboratório de Informática, devidamente equipado, servia para “despertar nos alunos o espírito crítico, investigativo e cientifico, como meio de aprimoramento do conhecimento teórico, aliada ao conhecimento cientifico”.


O laboratório de Ciências proporcionava aulas práticas, nas áreas específicas, integrando teoria e prática.


Importante salientar que o Colégio Nossa Senhora da Assunção, nesta capital, recebeu
autorização do CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO para funcionar (da educação infantil aos cursos de ensino fundamental e médio), até 31.12.2010. O colégio foi recredenciado pelo conselho Estadual de Educação (Câmara da Educação Básica) em 13.04.2007.
A Escola fechou em 2007.


Editado em 24/01/2013:
Boas notícias!!! :)

Bangalô está temporariamente protegido (Jornal O Povo - 23/01/2013)

Enquanto processo de tombamento tramita, bangalô da rua Padre Valdevino não pode sofrer modificações. Pedido de tombamento foi enviado ontem à Secretaria da Cultura.

Após pedido de tombamento ser enviado ontem para a Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), o bangalô situado no cruzamento das ruas Padre Valdevino e João Cordeiro, no bairro Joaquim Távora, está protegido. Isso significa que a atual dona do prédio, a construtora Monteplan Engenharia, não pode modificar ou derrubar a estrutura até que seja dada uma resolução definitiva pelo Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Histórico-Cultural (Comphic).


A solicitação de tombamento foi feita, na manhã de ontem, pelo vereador João Alfredo Telles Melo (Psol) através de ofício enviado à Secultfor. Segundo o vereador, a retirada de construções antigas faz a Cidade perder sua própria memória. “Fiz o pedido, mas é o estudo da Prefeitura que vai determinar se é caso ou não de tombamento”, frisou João Alfredo.

De acordo com o coordenador de Patrimônio Histórico-Cultural da Secultfor, arquiteto João Jorge Melo, a partir de agora, a construtora terá 30 dias para apresentar uma defesa. Encerrado o prazo, o caso vai entrar em julgamento na reunião do Comphic, que acontece mensalmente. “O engenheiro responsável e o dono da empresa foram avisados”, citou o arquiteto.

De acordo com o secretário da Cultura de Fortaleza, Magela Lima, “o pedido já é um resguardo (da construção) até a decisão definitiva”. O processo atende as normatizações da Lei Municipal nº 9.347, de 11 de março de 2008, a Lei do Patrimônio.

Caso seja feita alguma alteração no prédio durante o período de julgamento do tombamento, a construtora responde por crime ao patrimônio histórico, esclareceu o arquiteto João Jorge. 


Foto Agência Diário

Editado em 06/04/2013:
Acabou!!!


Justiça concede liminar que permitiu destruição de bangalô (Jornal O Povo 06/04/2013)

O bangalô que durante 50 anos abrigou a escola Nossa Senhora da Assunção foi demolido ontem. Secretaria da Cultura de Fortaleza havia realizado o tombamento provisório, mas Justiça anulou a ação.


Foto Tatiana Fortes/Jornal O Povo

O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Fortaleza, Francisco Chagas Barreto Alves, concedeu liminar suspendendo o tombamento provisório do bangalô azul, na esquina entre as ruas Padre Valdevino e João Cordeiro. Com isso, a empresa Nortesul Incorporações e Construções demoliu o prédio no fim da tarde de ontem. Durante 50 anos, o local abrigou a Escola Nossa Senhora da Assunção. O processo de tombamento provisório foi iniciado em janeiro, pela Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), para evitar a destruição do prédio.

O titular da 2ª Vara da Fazenda, juiz Francisco das Chagas Barreto. Denise Mustafa/Diário do Nordeste

No local, deve ser erguido um prédio residencial. Uma das sócias da construtora, Luciana Braga, diz que a empresa tentou manter o bangalô (E eu acredito em papai Noel), mas o projeto aprovado pela Prefeitura não comportaria a manutenção do equipamento. “O prédio inclui área de subsolo e o bangalô não suportaria”, afirma.

O terreno e o bangalô pertenciam, antes da venda para a Nortesul, à Congregação das Filhas de Santa Teresa (originária do Crato) que, por sua vez, adquiriu o prédio em maio de 1955. Ainda segundo a empresária, as freiras teriam buscado, junto à Prefeitura, maneiras de realizar o tombamento, mas ninguém teria se interessado. “Elas mesmas (as freiras da congregação) tinham já ido atrás (do tombamento). Já tinham sondado isso e o poder público não se demonstrou interessado”.


O vereador João Alfredo (Psol) disse lamentar profundamente a destruição do bangalô e pediu providências do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o que ele considera “posturas indevidas e contrárias à cidade” do juiz Francisco Chagas. O magistrado é o mesmo que concedeu liminares para construção em dunas do Cocó. “O que a sociedade pode fazer é boicotar essa construtora que não tem o mínimo de respeito com a memória e cultura (Concordo  plenamente!). Não entendo por que se demorou tanto o tombamento definitivo. Como a Justiça pode não reconhecer a importância do prédio para a Cidade?”.

No dia 22 de janeiro deste ano, O POVO mostrou a ameaça de demolição do bangalô. No mesmo dia, o vereador João Alfredo (Psol) entrou com um pedido de tombamento do imóvel pela Secultfor. Com isso, o imóvel não poderia ser demolido até a conclusão do processo (Mas não foi o que aconteceu!).



*O bangalô foi adquirido pela família Capelo Alvite na década de 1940. Na época, as paredes externas da casa eram pintadas com tinta amarela (diferente da posterior coloração azul). A casa tinha um alpendre, terraço e cinco quartos no andar superior.

**A Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza (Seuma) informa que “não encontrou registro de pedido de aprovação de projeto arquitetônico ou de alvará de construção para o referido terreno em nome da Construtora Monteplan.



Fonte: Jornal O Povo e Conselho de Educação do Ceará

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: