Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 27 de setembro de 2016

E o trem nunca mais voltou...


Posto Clipper - Arquivo Assis Lima

Mercadinho ao lado da via férrea e o budegueiro Ozanan

Não sabemos se o Sr. Ozanan havia sido na década dos anos 50, morador das Vilas São Pedro ou São José. O que sei é que o mesmo estrategicamente procurou aquele ponto para negociar. Seu comércio ficava na esquina setentrional das ruas D. Maroquinha e Adolfo Campelo, vizinho a Dona Amália, mãe da Vela Branca, sua filha que nunca soubemos o nome, mas sua pele era antagônica ao sol. A residência do seu Ozanan era na rua Tereza Cristina, defronte ao Templo Central da Assembleia de Deus, no Centro.
Acredita-se que ele foi um dos pioneiros naquele pedaço, no ramo de comércio varejista, e foi concorrido pelo Abelardo sapateiro na Vila São Pedro, na beira da linha olhando para o portão principal da fábrica “Casa Machado”. Abelardo era um viúvo, e mantinha um caso com a também viúva D. Ana, casal engraçado, que nem banguelo comendo farofa. Não saía nada...

"Cruzamento da Av. Fco Sá com o lado da praia (atrás do fotógrafo) rua Jacinto de Matos e a esquerda da foto, Início da Av. J. Bastos. No local do "paredão" à direita hoje existe a Av. Jatahy e os trilhos existem somente até esse ponto pois era a antiga linha sul, hoje parcialmente desativada." Alex Mendes
Foto do acervo Assis Lima

O comércio do sapateiro entrou em decadência. Quando meninote fui lá pela primeira vez, consertar uma sandália de meu pai. As prateleiras empoeiradas com o correr dos anos, mas restando garrafas de refrigerantes vazias, tais como as do Crush, Grapette, Blimp, Guarasuco, Taí, Wilson e Kciki. Ainda posso me lembrar das também de cachaça: Bagageiro, Douradinha, Ypioca e Pitú.

Relembrando o Kciki e o Crush em fotos do Brazilian Beatles em Fortaleza nos anos 60. Acervo Aderbal Nogueira


Entre o Seu Ozanan e o Abelardo, existia o Mercadinho que ia da rua Adolfo Campelo até a Avenida Francisco Sá. Tinha três partes, sendo uma ao ar livre e duas em galpões.
Na parte ao ar livre se vendia animais vivos, galinhas, caprinos e porcos. No recanto noroeste do ar livre tinha o carvoeiro, ou seja, venda de carvão. O despachante era seu Manoel cara preta kkkk não me pergunte por que rí. O muro divisor do mercadinho com a vila São Pedro na beira da linha, era baixo e aí se via o quintal das casas.
O segundo pavimento, tinha uma forma de cruz com quatro comércios. O primeiro era o Sr. Arteiro, o homem do “Hoje Não”, isso porque muitos iam lhe falar fiado. Do mesmo lado tinha o restaurante da mãe do Cristóvão, meu colega de Grupo Escolar Sales Campos (ah! Depois falo do Grupo). Os outros comércios deste segundo pavimento, confesso não lembro. No primeiro pavimento ficavam as carnes verdes, peixes, sarrabulho, panelada e no canto a bodega do pai do Pimpão.


Pelo lado de fora, já pela Avenida Francisco Sá, tinha o mercadinho dois portões de ferro tubular de cor vermelha. Existiam três bares/restaurantes. Um era do Chico Lima, o do meio era o Esquisito Caladinho e o da esquina já beirando os trilhos, o famoso Caldo do Françoá, pai do Hélio queixo de tábua. Esse era o movimento comercial, na entrada principal da Vila São José, onde tinha na Avenida Francisco Sá, uma das principais paradas de ônibus no sentido Oeste das linhas que não eram do Jacarecanga.
As linhas eram Santa Maria via Vila Ellery, Gomes Passos = Nossa Senhor das Graças; Coelho Fonseca = Vila Santo Antônio; Floresta = Álvaro Weyne, Jardim Petrópolis = Goiabeiras/Regatas, Tyrol via 7 de Setembro, Brasil Oiticica Indo ao Carlito Pamplona, Jardim Iracema e Barra do Ceará indo aos 7 prédios.



Agora lamento: Seu Abelardo e seu Ozanan já nos deixaram. O mercadinho, já promíscuo passou por reformas na Administração Vicente Fialho, mas os permissionários não acharam mais interessante. Neste hiato da reforma, surgiram na Vila São José vários comércios.
Atendendo reclames, a Prefeitura vendeu este patrimônio por via legal, e as residências do Pedro Philomeno não suportaram a especulação imobiliária. Foi tudo ao chão.
Só restou daquele pedaço o Posto de Gasolina Clipper que, depois mudou de nome. A Firma Machado desapareceu, e ficou por pouco tempo uma parte mutilada da José Pinto do Carmo.
Até o trem vendo essa lamentável destruição, sentiu tristeza e foi embora e nunca mais voltou, nem eu também."

Assis Lima


Leia também:

Vila São José


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio




domingo, 25 de setembro de 2016

Memórias de menino - O monstro de ferro (Guindaste Titan)



"Quando menino morava na Vila São José no Jacarecanga, meu bairro berço. Quem ia dessa Vila para a praia, palmilhava por um estreito calçamento de pedras toscas; de um lado as paredes da Fábrica de “Redes Philomeno” e do outro o paredão que sustenta a ponte da via férrea sobre o riacho Jacarecanga, verificando-se a separação dos trens: Um para Baturité e outro para Sobral e a bifurcação era na Mercearia do Edmilson, que contemplava a passagem dos trens em ambos os sentidos. Na ponta Noroeste do Cemitério São João Batista pelo lado da avenida Filomeno Gomes (outrora Thomaz Pompeu), ainda existia a abandonada casinha de força dos bondes da The Ceará Tramway Light & Power Co. Ltd, extintos em 1947.


  
 A casinha desapareceu em 1971. Entrando à esquerda e transpassando as linhas, aquele cinturão verde/azul me encantava. Era o mar. Após quase meio quilômetro de caminhada em declive, meus pés tocava nas areias frouxas quando, ainda existiam coqueiros e a cerca de arame farpado que, demarcava o limite do terreno da Escola de Aprendizes marinheiros, pois, ainda não existiam a avenida Leste Oeste e nem tão pouco, o interceptor oceânico. O Clube Ipuense com cobertura tipo palhoça animava seus frequentadores nos fins de semana. Em minhas aventuras pescava nas praias do Jacarecanga e Pirambu onde comprava anzol apelidado de “cara torta” no “Bar do Ferrim”, na mesma calçada da casa do pintor primitivista Chico da Silva. Como menino, Deus me livre de ir para o Cabaré Gozo do Siri (Mansão que pertenceu à família ilustre Moraes Correia). Como toda criança curiosa, ficava a indagar: O que fazia aquela grande chave de abrir carne de lata por detrás do mar? Depois, em 1970 fui levado por meu pai numa das tardes de domingo, a um passeio no Cais do Porto. Eu tinha 12 anos de idade e pela primeira vez vi de perto um monstro de ferro. Proveniente do Rio de Janeiro, sob o comando do capitão mineiro Nabucodonosor Ferreira, chegou a Fortaleza às 11:45hs do dia 26 de maio de 1939, o Vapor da Cia Costeira “Itapoan” cujas cento e oitenta toneladas de materiais, eram o possante Guindaste Titan



Essa gigante máquina, com o motor Caterpillar foi montada pela “Companhia Nacional de Construções Civis e Hidráulicas Civilhidros” que também era a proprietária do guindaste. O descarregamento do material durou cerca 10 dez dias, pois, o navio retirou as ferragens na própria enseada do Mucuripe, com o auxílio de Alvarenga. Referida máquina foi montada para ajudar nas obras do porto do Mucuripe, quando inicialmente foi construído o espigão para retenção das águas, no local que hoje é denominado: “Praia Mansa”. No dia 3 de junho de 1940 o gigantesco Titan caiu no mar. Foi a mais sensacional notícia do dia, quando os moradores do Mucuripe em procissão marcharam ao local. O monstro de ferro ao levantar uma carga de 50 toneladas de pedra, tombou no mar a três quilômetros da praia. As obras que dependiam dele ficaram paralisadas até janeiro do ano seguinte. Com a inauguração do Cais, o Titan ficou na ponta do espigão sendo um ícone, e foi quando em terra, lá da hoje Praça Marcílio Dias (Bairro Navegantes) despertou a curiosidade do menino que escreveu estas linhas.


O guindaste já entregue às intempéries foi vencido pela corrosão, desabando parte de seu guincho. Em 1976 a Cia Docas resolveu destruí-lo com o uso de maçarico, e depois dinamitou suas bases. O titan continua emoldurado apenas na lembrança dos enamorados da querida Fortaleza, nesse local onde o navegador espanhol Vicente Pinzon, pisou..."

Assis Lima
(Radialista/Jornalista) 

Inteiração: “Material que veio no Itapoan para o Mucuripe”: - 2 vigas de madeira; 16 rodeiros de ferro; 8 motores elétricos; 5 vigas de ferro; 1 triângulo de ferro com coluna; 4 setores de ferro duplo (anel de orientação); - 4 setores de ferro duplo (suporte ,rolos com parafusos); 4 setores de ferro duplo (trilho base lança); 2 caixas de madeira com parafusos; 1 viga de ferro (conjunto triângulo); 1 base com rodeiros e rolos; 1 rodeiro fixo para máquinas; 1 caldeira à vapor; 3 secções de lança. Total: 53 volumes”. (Jornal O Povo 27-05-1939). 

Fotos históricas:

















Leia também:

Guindaste Titan


sábado, 24 de setembro de 2016

Primavera, ruas e questionamentos - Por Assis Lima



Início da rua das Flores (Castro e Silva), ao lado da Praça Caio Prado (Da Sé). 
Arquivo Assis Lima


O equinócio de primavera, também conhecido como Ponto Vernal, consiste no momento em que o Sol atravessa o Equador de sul para norte. No hemisfério sul, onde se encontra o Brasil, o equinócio de primavera ocorre nos dias 22 ou 23 de Setembro. Por outro lado, no hemisfério norte (Portugal, por exemplo), o equinócio de primavera acontece nos dias 20 ou 21 de Março. Eu só conheço in-loco três primaveras: A Estação das Flores, um distrito de Caucaia (RMF) e Primavera do Leste em Mato Grosso, terra Natal do Marechal Rondon, quando por lá passei em 1996. Primavera lembra o que há de mais bonito num jardim: a Flor. Isso romantiza as coisas, pois, quem planta uma flor embeleza o mundo e faz alguém feliz.

Rua Castro e Silva vista da Pça da Estação - Arquivo Assis Lima

Historicamente, Fortaleza, nossa cidade, já foi mais romântica. Como exemplo, a Belle Époque. Refletia em nomes de ruas, na confraternização do Passeio Público e nas andanças pelas praias Formosa e Iracema, terminado o percurso na inacabada ponte dos ingleses, hoje ponto turístico. Tomemos por exemplo nomes primitivos de ruas: antes, nada contra a memória dos patronos, porém, rua das Flores não é mais bonito do que Manuel do Nascimento de Castro e Silva ou Castro e Silva? Essa rua foi aberta em meio a um matagal da Sesmaria de Jacarecanga, no segundo quartel do século XIX. A Confraria de São José construiu essa carroçável estrada no mesmo ano em que inaugurou o Hospital da Misericórdia, desativando os Lazaretos de Jacarecanga e Lagoa Funda. O Cemitério São João Batista tem um frontispício de 1866. Os familiares levavam flores nos cortejos e, para postumamente homenagear os seus, e esse movimento criou um florilégio que deu nome a estreita e carroçável estrada RUA DAS FLORES. O assentamento de pedras toscas veio em 1872 e a consequente urbanização.

A rua Senador Alencar, nada também contra o Padre Rebelde pai do romancista, mas ela era a TRAVESSA DAS HORTAS, e não era melhor esse nome? Em cada residência tinha os quintais recheados de hortaliças e, diga-se de passagem, foi onde se instalou ao lado da Residência do Barão de Ibiapaba (Hoje Bradesco), o primeiro Mercado de Verduras e carnes verde, na gestão do Luís Barba Alardo de Menezes em 1809.

 
Cruzando a rua Trilho de Ferro (rua Tristão Gonçalves) em 1911.
Arquivo Assis Lima
 
O Palacete Guarani na rua das Hortas (Senador Alencar). O detalhe é que o fotógrafo colheu essa imagem no local onde havia funcionado o mercado. Arquivo Assis Lima
 

Agora fechando o giro, a José Avelino era rua do Chafariz. Não era mais charmoso esse nome, afinal, sem água não tinha nada do que se falou. A nossa Fortaleza, hoje é despertada para as maldades, na sociedade e nas transformações paisagística, onde se comente no cotidiano crime contra a memória. Isso matou e mata o romantismo e a inocência. Quem é que se lembra de mais isso? Sou muitas vezes criticado, como um homem que só olha para trás, não. Olho para o que é belo que passou. Expliquem os especialistas: como podemos sentir falta de uma coisa, se ainda não éramos nascido? A resposta está no espírito bucólico e apreciador do que é bom e bonito. A Estação de Primavera que chegou às 11:21 segundo os astrônomos, não é pra quem quer, e sim pra quem sente. Vocês nunca ouviram numa musica interpretada por Tim Maia, inspirado nessa época? ISSO É PRIMAVERA.

Assis Lima


Leia também:

A Fortaleza em suas ruas, avenidas, travessas...


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A queda do pássaro gigante - O registro de uma mente!


NO DIA EM QUE ME TORNEI CELEBRIDADE

Ingressei nos quadros da então Rede Ferroviária Federal S/A aos 18 de outubro de 1981, via concurso público, e de entre 1648 candidatos para 25 vagas logrei o 14º lugar. Iniciei como Manobrador, depois Praticante de Estação (87), Agente de Estação (89), em 1994 Chefe da Estação Central e até 2011 fiquei como Assistente Técnico do Museu do Trem, dando expediente na Associação dos Engenheiros da Rede de Viação Cearense. Aí deixei de andar dentro de trem e ele ficou andando dentro de mim...

Então vamos ao assunto Piloto ou em Epígrafe: Você pode modificar seu presente visando um futuro, agora é impossível querer mexer no seu passado, afinal passado não é o que passa e sim, o que fica do que passou. Como nossa mente registra, o indelével fica sempre perto.

Em 1973 eu era aprendiz de operário na Fabrica de Tecidos São José no Jacarecanga. Trabalhava no horário de 14 às 22hs. Aos 20 de outubro deste 1973, fui com uma caneta e papel prestigiar um evento: A INAUGURAÇÃO DA AVENIDA LESTE.

Reclame antigo da Fábrica de Tecidos São José - Arquivo Assis Lima

Como rapazote fiquei com muito esforço, ao lado do Palanque das autoridades. A pior coisa que possa existir é um intelectual pobre. Anotei muita coisa. Precisamente às 10:25hs, chegava ao Palanque ao som da Banda Musical da Marinha, o Excelentíssimo Sr. Ministro de Estado do Interior José Costa Cavalcante (Tenente – Coronel do Exercito 1918-1991), que viera representar o Presidente da República Emilio Garrastazu Médici; Governador César Cals; o Prefeito Vicente Fialho e várias outras autoridades militares, civis e eclesiásticas.

Morro do Moinho (Hoje local onde fica o Instituto Médico Legal (IML) - Arquivo Assis Lima

Quando Costa Cavalcante estava fazendo seu pronunciamento, a apoteose do discurso fora interrompida, devido o ribombar das ensurdecedoras turbinas de quatro aeronaves Xavantes em vôo rasante. Depois começou acrobacias sob os efusivos aplausos; aí foi quando um dos pássaros gigantes cor de prata, entrou em parafuso em uma das manobras no corte dos céus do Pirambu (o palanque havia sido montado defronte ao hoje desativado Kartódromo). Três coisas ficaram na solidão: a casa do pintor primitivista Chico da Silva, o Bar do Ferrim, famoso por vender anzol cara torta, e aquela que fora casa de praia da família Moraes Correia, que ficou promíscua levando o nome de Cabaré Gozo do Siri. Naquele tempo ninguém conhecia a palavra Motel. É um termo moderno usado, e que com a inversão de valores, o imoral está sendo legal.
Pois bem, o Xavante caiu em cima de residências na rua Gomes Parente esquina com a rua Santa Rosa, a 100 metros da Cia. Ceará Têxtil de Jaime Machado. Foram atingidas quatro casas, vitimando fatalmente 12 pessoas, levando outra dezena para a unidade de queimados do IJF, ainda com a frente para a rua Senador Pompeu com Antônio Pompeu e era ainda conhecido como Assistência Municipal. O Polion Lemos, cinegrafista na época da TV Ceará Canal 2, conseguiu subir ao telhado de uma casa defronte, e registrou tudo em imagens.


 
Vista aérea do Arraial Moura Brasil. Vemos toda a extensão da praia, desde a Praia Formosa (hoje no local se encontra o Marina Park) até a Leste-Oeste, local onde ocorria o "espetáculo". A rua na parte inferior é a rua Barão do Rio Branco. Também podemos observar o antigo gasômetro que ficava vizinho à Santa Casa de Misericórdia. Foto provavelmente da década de 50. Arquivo Assis Lima. 

Perspectiva hoje - Ivan Gondim

O piloto que morreu somando 13 em numero de mortos, tratou-se do Major Aviador Rangel Molinos, que não era um cearense. A cerimônia fora interrompida. Se eu tivesse, ou melhor, se existisse os recursos que hoje temos, as imagens que não sai de minha mente estariam no Youtube.
Escrevi minha primeira matéria. Aiiiiii quando cheguei à fábrica, eu fui o único que havia conferido in-loco a tragédia. A sessão dos filatórios (fiação) parou e os operários fizeram em torno de mim um círculo para me entrevistar, pois muitos, ou melhor, a maioria morava no Pirambu. Uns moravam na rua Odorico de Morais de testa a Mercearia Vencedora do bairro, outros entravam na rua Mossoró, ainda tinha os que entravam na 7 de Setembro que, na esquina ficava a Padaria Jangada e lá na frente a barbearia do seu Celestino, onde eu cortava meu cabelo. Os demais adentravam na rua Largo dos Santos.

Foi assim que nasceu minha aptidão pelo escrito. Um operário de pequena estatura, para comentar um grande acontecido.
Relembrando, fui para a Estrada de Ferro, porque como disse Raquel de Queiroz: “Menino criado em beira de linha fica com o trem no sangue”. Mas, paralelamente exerço Jornalismo e também faço rádio com o meu currículo escolar graduado e com os devidos registros profissionais em órgãos competentes. Mas rádio e Jornal não dá dinheiro, a não ser que tenhamos vínculo empregatício, ou somos terceirizados via publicidades.
Com ou sem dinheiro, escrever me faz bem.

Assis Lima

Bônus:

"Campo doado pela família de Jacinto de Matos ao Estado, quando o Governador era Parsifal Barroso, para a Construção do Grupo Escolar Sales Campos. Jacinto de Matos é o Patrono da Rua de entrada do Pirambú. Prestou como Engenheiro Cívil relevantes serviços a Estrada de Ferro no Ceará na década dos anos 1920. Era pai da Professora Nilse Borges. Estudei com seu Neto Edmilson Borges em 1969. Os Galpões eram da São Judas Thadeu, e vizinho ao terreno marcado era o Instituto São Luis do Professor Luis de Melo, pai do médico pediatra João Nelson. São Judas Thadeu era uma Usina que fabricava com caroços de algodão o famoso óleo Patury. A Usina Thadeu como conhecíamos, era cliente da RFFSA, e recebia vagões fechado com algodão com caroços e também tanques com óleo de mamonas, em que este registro de 1956 mostra um estacionado para descarga." Assis Lima

O Pirambu de outrora - Arquivo Assis Lima

Arquivo Assis Lima

Leia também:

Tragédia na inauguração da Avenida Leste-Oeste


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Reminiscências da Avenida Francisco Sá - Jacarecanga



Jacarecanga -  Acervo Assis Lima
 
"A avenida Francisco Sá no final do Século XIX era um estreito caminho, que nascia ao noroeste do campo onde seria a Praça do Liceu. Após a ponte de madeira que transpassava o navegável riacho Jacarecanga, existiam à beira da carroçável estrada Oeste, três artérias: a que se dirigia ao Lazareto* do Jacarecanga (Hoje rua Adriano Martins esquina com Adolfo Campêlo); a segunda ganharia vida com a seca de 1932, quando os retirantes desordenadamente ocuparam o solo, que se denominou o hoje populoso bairro do Pirambú, cujo incremento social deveu-se ao Padre Hélio Campos; e a terceira artéria dava para um segundo lazareto que era o da Cacimba Funda, na hoje rua Hélio Campos esquina com rua monsenhor Rosa. Continuemos na estrada Oeste, cujo fim era na cerca da propriedade do Coronel Antônio Joaquim de Carvalho (atual Dr. Theberge). Ao lado e no fim dessa fazenda que já se chamou Jardim Petrópolis, foi construído um aterro sanitário popularmente conhecido como rampa, já que o forno crematório de lixo no bairro Matadouro (Otávio Bonfim) havia sido desativado. Todos sabem que lixos atraem urubus, e assim para toda aquela região, surgiu a nomenclatura “Bairro do Urubu”. Exemplos da popularidade contagiante foram percebidos quando: A Rede de Viação Cearense RVC inaugurou em 1930 seu parque de manutenção mecânica, e foi batizada de “Oficinas do Urubu”; igualmente, a Rádio Iracema de Fortaleza quando começou a irradiar em outubro de 1948, a estação transmissora foi instalada nas dunas do Urubu. Sendo assim, a Estrada do Urubu em 1928 passou a denominar-se Avenida  Demóstenes Rockert, cujo empedramento foi inaugurado aos 28 de junho de 1931 recebendo o nome de 5 de Julho

 A ponte ainda de madeira em foto de O. Justa

Construção da Ponte em concreto (antes era de madeira) sobre o Riacho Jacarecanga.  Acervo Assis Lima

 Avenida Francisco Sá - Acervo Assis Lima

O povo de Fortaleza já podia transitar em duas mãos do Jacarecanga até a Barra do Ceará, onde na época pousava os hidroaviões. Em 1936, ocorrendo a morte do Ministro da Viação e Obras públicas, Engenheiro e ex-Senador pelo Estado do Ceará Dr. Francisco Sá, posteriormente essa importante via recebeu o seu nome. Andar pela Avenida Francisco Sá é respirar um ar de aristocracia, afinal a Aldeota ainda era o Outeiro, o Bairro Dionísio Torres se resumia numa grande fazenda onde os coqueirais dançavam na brisa da velha Estância Castelo e o Meireles era um aglomerado de moradores simples e que resistem as especulações próximas ao Campo do América

Avenida Francisco Sá - Acervo Assis Lima  

 A Estrada do Urubu (Avenida Francisco Sá) à partir de 1939. A pavimentação asfáltica se deu em 1965. Acervo Assis Lima

 Casa de Pedro Philomeno Gomes ficava na esquina noroeste do cruzamento da Avenida Francisco Sá com a hoje Avenida Filomeno Gomes. Terreno à direita. Arquivo Nirez

 A casa de Pedro Philomeno vista da Avenida Francisco Sá.

Saindo da Praça do Liceu em rumo à Barra do ceará, quem não se lembra da mansão do Pedro Philomeno? Da Vila Quinquinha residência do empresário Oscar Pedreira com a garagem de seus ônibus? Do riacho Jacarecanga (ainda limpo); do SAPS, SAMDÚ; da Autoviária São Vicente de Paulo e o Mercadinho Público na beira da Via Férrea de Baturité? Após a passagem de nível, tínhamos a Fábrica Baturité (Depois José Pinto do Carmo), a Casa Machado, Alumínio Ceará, Brasil Oiticica etc. 


A Autoviária São Vicente de Paulo criou a linha “Francisco Sá”, cujo final do percurso era onde foi construído o Hospital Infantil. Estas são algumas saudades. A avenida Francisco Sá que compreendia da Praça do Liceu até os sete prédios da Barra do Ceará, era uma única artéria de Fortaleza com três cruzamentos com a via férrea. A primeira era no Jacarecanga; a segunda no Bairro Carlito Pamplona e a terceira no Urubu que seguia como ramal ferroviário da Barra, e que fora erradicado em 1954. Menino parece que enxerga melhor que gente grande; vez por outra trafego nesta avenida, e já cinquentão, não vejo mais nada disso. Nem mesmo a casa da vovó Ester defronte ao desaparecido SAPS. Eu não era neto daquela anciã, apenas com outros colegas de infância também moradores da Vila São José, tirávamos caju do seu sitio sem sua permissão, levando vez por outra carreira do seu caseiro. "

Assis Lima
(Radialista/Jornalista)


*Lazareto era como se chamavam os prédios que, abrigavam isoladamente os pobres com doenças transmissíveis e muitas incuráveis para à época tais como o Cólera, lepra e tuberculose. Ainda não tinha sido construído o Hospital da Misericórdia, hoje a Santa Casa. O da Vila de Jacarecanga foi inaugurado em 27 de maio de 1820, apesar de ser iniciado sua construção e funcionamento precário desde 8 de junho de 1814. O Galpão fora erguido ao Oeste do Riacho Jacarecanga.