Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 13 de junho de 2018

Bairro Benfica - Por Arlene Holanda


Acervo Assis Lima
Um dos primeiros a fincar residência no lugar posteriormente conhecido como Benfica, foi o português-açoriano João Antônio do Amaral. As escassas fontes “contam” ser ele comerciante, natural do arquipélago de Açores, depois habitante da aldeia de Benfica, atual bairro de Lisboa. Viera fugido de perseguição religiosa? Estaria sendo ameaçado por credores? Teria tido uma desilusão amorosa? Desconhecidas são as razões da migração extemporânea deste patrício para terras fortalezenses.
Grupo Escolar do Benfica em 1960 - Isabel Goulard
Foto de 1976. Alunos deixando o então Colégio Paulo VI.
Nesse local já funcionou o Matadouro Modelo.
Em frente a lagoa do Taupe, aterrada para o surgimento
do bairro Benfica. Acervo Lucas
O fato é que o Benfica de Portugal e o Benfica de Fortaleza têm histórias muito parecidas. O de Portugal era uma aldeia de camponeses da região Saloia. No século XV, foi promovida à sede de julgado do Termo de Lisboa, contando com dois juízes privativos. Algumas ordens religiosas se instalaram no local, sendo as mais importantes as Irmandades de Nossa Senhora do Amparo, Santo António e São Sebastião. No século XVIII, a região começa a atrair pessoas de classes abastadas. Seduzidas pela beleza da paisagem; ali se instalam em quintas, muitas das quais integram hoje o patrimônio histórico lisboeta.
Com o nosso Benfica não foi diferente. Em Fortaleza Belle-Époque, o historiador Sebastião Rogério Ponte enfoca o processo do embelezamento da capital cearense, ocorrido a partir dos fins do século XIX, nos moldes das reformas do Rio de Janeiro e de outras cidades da época, por sua vez inspiradas no remodelamento de Paris, promovido por Haussmann entre 1852 e 1870.
Enriquecida com o comércio de algodão e cera de carnaúba, a cidade sofreu reformas que disciplinaram os espaços públicos: praças e passeios foram remodelados, surgiram equipamentos e prédios com arquitetura rebuscada onde predominavam elementos neoclássicos e art nouveau. Sobrados e casarões proliferaram nas outrora ruas Formosa, da Palma, da Amélia, das Trincheiras... No entanto, poucas décadas depois acabaria a lua de mel das elites com o Centro. Começa então a debandada para o Benfica, Jacarecanga, Aldeota, lugares considerados salubres e aprazíveis, longe da algazarra e da inconveniência dos mendigos, vendedores ambulantes, pedintes e outros tipos indesejáveis, segundo a ótica da elite fortalezense.
Benfica - Avenida da Universidade. Acervo Assis Lima
Notícias da Fortaleza antiga
Como já informado, em fins do século XIX, João Antônio do Amaral “fundeou” aqui em Fortaleza sua chácara, dando-lhe o nome do bairro lusitano. Transportar nomes de Portugal para o Brasil era prática comum entre os “portugas”. Talvez uma forma de amenizar as saudades da terra que deixaram pra trás, de se reinventarem em seus banzos e delírios colonizadores. No Ceará, temos muitos exemplos: os municípios de Crato; Sobral; Viçosa; os antigos Monte-Mor, o Velho (atual Pacajus) e Monte-Mor, o Novo da América (Baturité); Soure (Caucaia); e outros que me escaparam à memória. Temos ainda as localidades de Espinho (em Limoeiro do Norte) e Arronches (atual bairro de Parangaba, em Fortaleza).


Notícias da Fortaleza antiga
Em meio ao mangueiral oriundo de mudas trazidas talvez de Goa, talvez de Cochim – no sonhado e achado caminho das Índias –, João Amaral fincou sua chácara, demarcando seu “bem-ficar”*. Tinha o projeto de construir ali um templo consagrado à senhora dos Remédios, mas seus anos findaram antes. A tarefa acabou sendo executada por sua esposa, Maria Correia do Amaral, zelosa no cumprimento do desejo do marido.
Bonde prefixo 126, Benfica, lotado em 1940. Acervo Lucas
Igreja N. S. dos Remédios
João Nogueira, em Fortaleza Velha, não faz menção à chácara de João Antônio nem ao Benfica português. Nos capítulos em que escreve sobre o Benfica, ressalta que a elite fortalezense queria um lugar para “bem-ficar”, atribuindo a isso a origem do nome do bairro. O fato é que a região, ocupada desde fins do século XIX – inicialmente por poucas chácaras –, experimentou rápido crescimento. Num processo similar ao da grande maioria dos municípios cearenses, o bairro Benfica teve em uma igreja – no caso, a de Nossa Senhora dos Remédios – a principal referência aglutinadora. No entorno do templo foram se construindo moradias, surgindo novas ruas, vielas, caminhos. Tanto que nas primeiras décadas do século XX o bairro já estava bem povoado. No Boulevard Visconde de Cauipe, hoje avenida da Universidade, palacetes, sobrados e casarões de variados estilos arquitetônicos competiam em beleza e imponência. O memorialista Vanius Meton Gadelha Vieira nos conta em Ideal Clube – História de uma sociedade que nas vizinhanças da Igreja Nossa Senhora dos Remédios localizava-se o ponto terminal da linha de bondes do Benfica, no fim da avenida Visconde de Cauipe, atual Avenida da Universidade. A partir deste trecho, começava o Caminho de Arronches, atual bairro de Parangaba, onde passava boi, boiada e tanta coisa mais nos rumos da serra e do sertão. Posteriormente pavimentado, esse caminho passou a se chamar “estrada de concreto”, denominada em 1930 de avenida João Pessoa.
Cartão postal do Benfica no início do Seculo XX. Acervo Carlos Augusto Rocha Cruz
Os bondes desaguavam em frente à igreja dos Remédios, de onde voltariam para o ponto principal na Praça do Ferreira. Em Coisas que o tempo levou, Raimundo de Menezes nos conta que o último bonde – uma espécie de corujão ainda puxado a burros – saía do Benfica para a Praça do Ferreira às 21h30m. Quase não havia passageiros nesse horário. Os muares é que decidiam pela hora da partida, alertados pelas batidas do relógio da Intendência, localizado nas cercanias da coluna da hora, sua rival instalada na Praça do Ferreira em 1932. A essa altura, os dois funcionários do coletivo – boleieiro ou condutor e ajudante – dormiam o sono dos justos. Depois dos bondes puxados a burro, vieram os elétricos e, finalmente, as linhas de ônibus. Inicialmente somente circulavam no Centro, estendendo-se posteriormente ao Benfica e ao vizinho bairro do Prado, onde hoje se localiza o Estádio Presidente Vargas.
Casa de cultura Francesa no Benfica. Acervo MAUC. Foto do início dos anos 60
A década de ouro do Benfica parece ter sido a de 1930. Chácaras com quintais ensombrados por filas de mangueiras, jardins magníficos e ruas pavimentadas compunham um cenário bucólico e tranquilo, tão caro à elite da época. A senhora Beatriz Filomeno Gomes, em entrevista concedida ao Diário do Nordeste, destaca que o Benfica era “o bairro mais rico de Fortaleza”. Essa época áurea correspondeu com a presença da família Gentil no bairro. A partir do palacete que deu origem ao atual prédio da Reitoria, o domínio desse clã consolidou-se a ponto de criar um enclave dentro dos limites do Benfica – a Gentilândia. Os limites não oficiais desse sítio são as atuais avenidas dos Expedicionários, 13 de maio, da Universidade e Eduardo Girão. A partir do palacete José Gentil foram construídas vilas de casas para aluguel, além de outros casarões.
Final da linha do Bonde do Benfica e o início da Avenida João Pessoa. Acervo Carlos Augusto
Avenida da Universidade vendo-se ao longe o bonde Benfica
O “feudo” dos Gentis tinha identidade muito bem delineada, a ponto de demarcar local no imaginário da população. Além das mansões e palacetes, tinham clube social e time – o Gentilândia Atlético Clube. Fundado em 1934, chegou a disputar o campeonato da Associação Desportiva Cearense, competindo em pé de igualdade com os grandes da época. No Clube Social Gentilândia aconteciam festas dançantes, matinês e piqueniques à sombra das frondosas mangueiras. Na atualidade, muita gente ainda considera Benfica e Gentilândia bairros diferentes. Oficial, porém, só a nomeação da praça principal do Benfica, que preserva original campinho onde os peladeiros de plantão são obrigados a driblar as mangueiras majestosamente fincadas no campo.
Outras famílias da elite fortalezense da época também se fixaram e escolheram o bairro para fincar suas mansões. Mas nem só de glamour vivia o Benfica. Casas geminadas, bem mais modestas, iam preenchendo as ruas com suas portas avarandadas, janelas e gradis. Por vezes uma entrada lateral espremia um jardim singelo: pés de jasmim-de-leite, rosa-prata, boa-noite. Nos tacos de terrenos menos disputados, vulneráveis a alagamentos ou na beirada dos caminhos iam multiplicando-se casinhas modestas, amparadas umas nas outras em solidário cinturão de cores desmaiadas. Feirantes, lavadeiras, engraxates, cambistas, ambulantes vão demarcando seu lugar no bairro, criando enclaves, sítios, territórios alguns dos quais ainda sobrevivem.

Continua...

*A origem da toponímia do bairro português tem diferentes versões circulantes na tradição oral. Reconto aqui a do cronista Fernão Lopes, anotada no livro Crónica de El-Rei D. Pedro I: Maria Rousada vivia na aldeia de Benfica. Era casada, mas antes do matrimônio, o marido a “rousara” – termo correspondente a estuprara –, vindo daí o apelido “rousada”. Apesar da violência sofrida inicialmente, consta no relato de Fernão Lopes que Maria e o agressor, agora marido, viviam em harmonia – o casal e os vários filhos que tiveram. O crime de estupro, no entanto, era motivo de condenação à morte no Portugal da época. Mesmo tendo o agressor desposado sua vítima, não o isentava de tal punição. Mas como nunca tinha havido denúncia alguma, o marido de Maria ficara impune.Anos se passaram. O assunto era quase sepultado, quando um dia o Rei, em visita a aldeia, ao ouvir o nome da tal mulher ficou curioso e perguntou o motivo do apelido. Os aldeões contaram-lhe a história e imediatamente o soberano exigiu que a lei fosse cumprida, ordenando o enforcamento do esposo da Maria Rousada. A mulher e os filhos rogaram em vão por clemência. Chegado o dia da execução, foi grande a comoção de Maria e seus rebentos, carpindo dolorosamente em cortejo ao condenado. O chororô foi tanto que chocou alguns membros da comitiva real; chegaram a insinuar que o Rei teria sido rigoroso demais. Condoeram-se pela mulher, comentando o quanto ela ficara mal. O Rei não apreciou ser contestado (como todo rei), e em resposta disse: BEM FICA!”. Arranjou um casamento para Maria Rousada e deu-lhe um dote considerável, de modo que ela e seus filhos “bem ficaram”. E a partir desse evento, o lugar passou a ser conhecido pelas palavras proferidas pelo soberano: “BEM FICA”.



Benfica / Arlene Holanda.- Fortaleza: Secultfor, 2015. (Coleção Pajeú)

domingo, 10 de junho de 2018

O Bom Jardim de José Mapurunga - Parte II


Na década de 50, com a expansão demográfica da cidade, Fortaleza ganhava a avenida Perimetral, obra do prefeito Cordeiro Neto, que hoje, em seu trajeto, tem várias denominações e margeia o Bom Jardim na altura do Posto Carioca. Cortando matas que iam do Mucuripe a Barra do Ceará, passando por Messejana, Mondubim, Siqueira e Barro Vermelho (atual Antônio Bezerra), a Perimetral, hoje indispensável, era duramente criticada por políticos e jornalistas de oposição, como obra dispendiosa e sem nenhuma utilidade. Estes a denominavam avenida das onças.

Nesse período, deu-se a compra acelerada de sítios e fazendas existentes nas áreas ainda rurais de Fortaleza, tendo em vista a instalação de loteamentos que atendessem a enorme demanda por moradias. Um estudo de caso do sociólogo Francisco Giovani Pimentel Moreira, focando o capital imobiliário e a produção urbana em Fortaleza entre 1950 e 1970, mostra que no período em foco três grandes imobiliárias praticamente monopolizavam o comércio de lotes nos arredores da cidade: A Imobiliária Waldir Diogo (Praia do Futuro), Grupo Empresarial Patriolino Ribeiro (atual Dionísio Torres e Água Fria) e o grupo comandado por João Gentil (Região do Grande Bom Jardim).

O trabalho de Giovani oferece informações sobre as compras de algumas propriedades que hoje compõem o território do Grande Bom Jardim, pela imobiliária comandada por João Gentil: a compra, em abril de 1957, da propriedade rural de aproximadamente 42 hectares, pertencente a Zeferino Oliveira de Araújo, que foi transformada no loteamento Parque Santo Amaro; a compra a Vicente Souza, em setembro de 1957, de propriedade rural de aproximadamente 08 hectares, que originou o loteamento São Vicente; a compra da Fazenda Bom Jardim, situada no distrito de Parangaba, com uma área de 250 hectares, adquirida do comerciante José Augusto Torres Portugal e transformada no loteamento Granja Portugal.


Na trajetória de seus investimentos imobiliários rumo ao sudoeste de Fortaleza, a imobiliária da família Gentil adquiriu, na segunda metade da década de 1940, os terrenos que deram origem ao loteamento que originou o bairro Pan Americano. Em seguida, em 1949, adquiriu o sítio de propriedade da família da escritora Rachel de Queiroz e implantou o loteamento Pici. Mais tarde, foi a vez do loteamento Bonsucesso. Mais ao sul do Bonsucesso, além das propriedades já citadas, outras foram adquiridas na década de 1950 e início da década de 1960, daí surgindo loteamentos com nomes comerciais, como Granja Bom Jardim, Parque Santa Cecília e Parque Santa Rosa. Tomamos conhecimento que, além de João Gentil, Ivan Carioca também loteou na área terrenos que integravam a fazenda de sua família que hoje compõem o território do Grande Bom Jardim.

Avenida João Pessoa
Para se chegar de carro do centro de Fortaleza ao novo loteamento havia basicamente um caminho: a avenida João Pessoa, conhecida como Avenida da Morte, devido aos acidentes letais que nela ocorriam, de número insignificante para os padrões de hoje. Chegando a Parangaba, que em tudo parecia uma povoação fora de Fortaleza, com suas casas do tempo do império, suas chácaras e sítios verdejantes, a estrada prosseguia no rumo de Maranguape. Na ponte que hoje referencia a entrada para o Bom Jardim, os provenientes de Fortaleza desciam e seguiam no rumo do poente, por um mundo fortemente dominado pelo verdor das matas. Talvez as mesmas matas nas quais o historiador Gustavo Barroso passou, em 1908, quando, a cavalo, vindo do centro de Fortaleza, dirigia-se à fazenda de uns parentes dele nas cabeceiras do Rio Ceará. Talvez os mesmos terrenos nos quais, no século XVII, havia uma fazenda de gados que, segundo a lenda, servia aos holandeses que exploravam as supostas minas de prata da serra de Maranguape.

Alma Sertaneja

Sobre os primeiros moradores do Bom Jardim, com base nas informações sobre a evolução demográfica de Fortaleza, podemos afirmar, com pouca possibilidade de erro, que eram sertanejos pobres que vieram para Fortaleza nos anos de 1950, uma década escassa de chuvas para as lavouras. Ou vieram diretamente do sertão para o loteamento ou tinham passado por outras periferias da cidade antes de adquirirem seus lotes. Eram, portanto, acostumados aos rigores de uma vida sem energia elétrica e água encanada. Chegavam para morar mais próximos das fábricas e de postos de trabalho inexistentes no sertão e que estavam relativamente perto do Bom Jardim, principalmente em Parangaba. Vinham, também, diretamente de sertões próximos e distantes, ou até mesmo de áreas rurais circunvizinhas, buscando um lugar no que adivinhavam ser futuramente parte da cidade. Tornavam-se, assim, quase pracianos, embora mantivessem a alma sertaneja ainda hoje latente na periferia de Fortaleza.

Em análise dos contratos de promessas de compra e venda dos loteamentos iniciais da área, feita por Francisco Giovani, a categoria ocupacional mais citada era a operária. Segundo o mesmo autor, a maioria dos que compraram terrenos tinha salário fixo, de modo que poderiam pagar as prestações do terreno. João Edmilson e Edgar, verdadeiramente podem ser incluídos entre os primeiros moradores do bairro.

Parte I

Fonte: Bom Jardim, José Mapurunga - Fortaleza: Secultfor, 2015 (Coleção Pajeú).

quarta-feira, 6 de junho de 2018

O Bom Jardim de José Mapurunga



Pelo começo da década de 1960, por algum motivo que não me recordo, pus, pela primeira vez, os pés no Bom Jardim. Provavelmente fui com meu pai, que nessa época gostava de comprar lotes de terra nos bairros que iam surgindo em Fortaleza. Eu devia ter uns oito ou nove anos, e as lembranças me chegam hoje como se fossem fragmentos de um sonho recente. Lembro-me de uma casinha de taipa, de um dia ensolarado, e que fiquei exausto depois de uma longa caminhada de ida e volta através de um carnaubal que parecia não ter fim. Lembro-me que a aparência do local contrariou minha expectativa infantil, que era a de um imenso jardim repleto de flores. Depois, mais ou menos em 1969, voltei ao Bom Jardim pela segunda vez com alguns jovens secundaristas do movimento estudantil para uma reunião na casa de um militante residente na área. Dessa época, as mesmas lembranças esparsas de um ambiente rural, pontilhado de casinhas.
Nos anos seguintes, passava ao lado, na ponte sobre o rio Siqueira, quando ia com minha família ou com amigos tomar banho na Cascatinha ou na Pirapora, em Maranguape. Ao olhar à direita, vendo a curvinha que saía da estrada e adentrava na rua Oscar Araripe, eu sentia que ali era a entrada de um mundo especial, algo fora do espaço da cidade onde eu morava e fora dos parâmetros do interior conhecidos por mim.

No início da década de 1980, como assessor da Federação de Bairros e Favelas de Fortaleza em um projeto de alfabetização pelo método Paulo Freire, fui algumas vezes ao Bom Jardim. Aí tive oportunidade de visitar pessoas, caminhar pelas ruas, participar de reuniões e conversar com lideranças comunitárias. Entre estas, dona Débora, uma senhora então quase octogenária, que nas décadas de 1930 e 1940 tinha sido uma destacada e perseguida militante do Partido Comunista Brasileiro. Ela residia em uma casa ladeada por amplo terreno, mais ou menos próxima da pista para Maranguape, atual Osório de Paiva. Escancarando um sorriso sincero, dona Débora nos recebeu, hospitaleira, servindo-nos café e biscoitos em uma longa reunião que tivemos à sombra das árvores do seu aprazível quintal.
As lembranças mais recentes evocam dias de 2008, quando cheguei ao Bom Jardim com o intuito de obter informações para um texto sobre circos que fazem temporadas pela periferia de Fortaleza. Assim, tomei conhecimento que três desses circos naquele momento estavam na área. Visitei um deles. Era um belo exemplo de grupo circense de parcos recursos, constituído por três gerações de uma mesma família, todos multifuncionais, ora atuando como malabaristas, ora contracenando com o palhaço, e fora de cena vendendo roletes de cana aos expectadores. São grupos circenses cujas tralhas são puxadas pelos bairros por Opalas da década de 1970, de poderosos motores. Provavelmente um raro lazer para os moradores da periferia, ao preço de um real a entrada. A lona estava armada no alto de um descampado de onde se avistava serranias de Maranguape, tão próximas e, ao mesmo tempo, inacessíveis.

Sobre a origem do bairro, sabe-se que remonta aos anos de 1961 e 1962, quando um empreendimento imobiliário dividiu uma área rural em lotes. Só isso bastou para que os terrenos começassem a ser vendidos. Foi quando a vasta área foi cortada por largas ruas de barro, que eram tomadas pelo mato no inverno, quando não por crateras provocadas pelas enxurradas. Ou por poças que dificultavam o trânsito de pessoas e dos poucos carros que iam ao bairro. Eram ruas abertas pela prefeitura, pois, conforme a legislação urbana da época, essa tarefa não cabia à imobiliária. Entre o loteamento e as áreas urbanas mais próximas, caso Parangaba, um mundo de matas pontilhados aqui e acolá por casas de sítios ou de fazendas.
Fortaleza, à época, era uma cidade onde os arranha-céus existentes se contavam com os dedos e orgulhavam seus habitantes. A capital cearense era ainda uma cidade onde as lojas, armarinhos e magazines se concentravam no centro e, assim como as muitas bodegas existentes nos bairros, fechavam na hora do almoço. Bairros como Montese, Itaoca, Quitandinha, Parque Americano, Urubu (atual Carlito Pamplona) eram subúrbios imersos em dias que transcorriam iguais, embalados por uma melancólica amplificadora com um repertório de tristonhas canções de amor. Esses bairros, embora não muito afastados do coração da cidade, eram distantes quanto ao padrão urbano em relação ao centro e seus arredores. Era aí que se concentravam cinemas, teatros, escolas, serviços de saúde e companhias imobiliárias, como a que deu origem ao Bom Jardim. Hábito comum entre os moradores dos subúrbios e do centro era colocar cadeiras na calçada e falar bem ou mal da vida alheia.
Um dado interessante é que, pelo censo de 1960, Fortaleza possuía cerca de 500 mil habitantes. No censo de 1950, tinha cerca de 270 mil habitantes. Em dez anos, portanto, quase que dobrou sua população. Esse rápido crescimento demográfico foi empurrado pelos anos secos da década de 1950, o que levou um número significativo de sertanejos a correr para Fortaleza. Foi época de grandes empreendimentos imobiliários para alojar tanta gente vinda do interior. No Bairro de Fátima, avenida Bezerra de Menezes e na Aldeota lotes iam sendo vendidos aos mais ricos, então desiludidos com o interior e atraídos pelo que a cidade grande podia oferecer: universidade para os filhos (a UFC foi criada nesse tempo), clubes elegantes, cinemas luxuosos, além da aproximação física com o poder político. Já o enorme contingente de pobres mais pobres, movido pela necessidade de sobreviver, ia ocupando terrenos na Colônia, Floresta, Ububu, Casas Populares (atual Henrique Jorge), Pan Americano, Pici, Bonsucesso.

Aí está, portanto, o motivo do loteamento que deu origem ao bairro do Bom Jardim, que começou com um empreendimento imobiliário da família Frota Gentil, destinado aos sertanejos pobres que trocavam a agricultura pelo trabalho na indústria e em outras atividades urbanas. Gente que se transferia para Fortaleza na década de 1950 e gente que continuava a chegar às décadas seguintes.




Fonte: Bom Jardim, José Mapurunga - Fortaleza: Secultfor, 2015 (Coleção Pajeú).

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Lavadeiras do Pici


Praça da Parangaba e a Lagoa. Acervo Assis Lima
Início de 1941. Vila Marupiara, hoje Demócrito Rocha, e áreas vizinhas testemunharam grandes mudanças no viver rotineiro de suas populações. Dava-se a construção da Base Aérea do Pici ou Pici Field, aeródromo da Marinha dos Estados Unidos (US Navy).

Fez-se a pavimentação asfáltica do trecho entre a Avenida João Pessoa e o portão de entrada da unidade militar (atual Avenida Carneiro de Mendonça).
O consumo de água, dado o empreendimento, exigiu escavação de muitos poços artesianos no local das obras e, até, na Lagoa de Parangaba.

Avenida João Pessoa 1919. Foto O. Justa
Aquele lago natural, afora as serventias normais utilizadas pelos moradores, como água de beber, pesca de pequenos peixes, banho e lavagem de roupas, aproveitamentos outros possuiu, suprindo o campo de aviação.

Dos acontecimentos, o marcante deu-se no modo vivencial dos residentes. Ouviram língua desconhecida. Viram veículos estranhos. Conheceram homens diferentes. Receberam um dinheiro esquisito. Tudo se tornou surpreendente e, por vezes, gerador de desconfianças. Mas, o tempo, devagar e sempre, arrumou direitinho as coisas e a vida.
Dona Maria do Chicão, lavadeira de nossa casa, contava que a mãe “lavava e engomava para uns soldados. Aprendeu o bodejado deles, ganhou muito, comprou terreno e construiu morada.”.

Bar Avião. Arquivo Nirez
Ainda, segundo ela, as Lavadeiras do Pici foram às pessoas que “mais se arranjaram”. Só em 1942, as lavanderias da Base começaram a funcionar e o trabalho rareou.
O pai, mecânico, era tarefeiro. Bebia uísque, fumava cigarros Camel e trocava dólar no Bar Avião, quando recebia.

Dizia que, foi não foi, uma moça ia a um baile e voltava Coca-Cola.




                                 
Geraldo  Duarte
(advogado, administrador e dicionarista).


terça-feira, 10 de abril de 2018

Os Gritantes Vendedores da Vila São José


Era gostoso o amanhecer na Vila São José nos dias de verão. A estrela D’alva ainda não tinha sida ofuscada pelo alaranjado raio do astro-rei, dando-se para ouvir o suar das ondas em dias de mar bravio no Pirambu; ouvia-se o sussurro deliciante do refrescante vento assobiando no encontro da instalação elétrica dos fios da então Conefor (hoje Enel); pela inércia a compressão eólico fazia deitar galhos finos das árvores mais altas. O barulho só começava às 6 h quando a Fábrica São José iniciava suas atividades nos teares (tecelagem) e os trens suburbanos da RFFSA apitavam, e aí começava a poluição sonora, mandando paulatinamente ir embora o sossego noturno.
Os pássaros rolinhas (caldo de feijão e cascavel), com seu melancólico e redundante cântico de modo uníssono, se alegravam pousados na linha telegráfica do trem na linha de Baturité, nos impondo responsabilidade. Agora, tinha algo atípico que culminou em típico na cultura peculiar de nossa Vila Operária.

Os Gritantes vendedores de porta. O primeiro era o homem da tapioca: “Tapiiooooca”. Por muitos anos ouvi essa voz, mas eu estudava no Grupo Escolar Sales Campos no turno da tarde; não via meu pai sair para o trabalho e minha mãe fazia tapioca também. Se levantar cedo pra que? Na rede ficava. Um dia por curiosidade e lembro que até espantei minha mãe. Saí pra calçada e de calção, assanhado, declinei meu olhar para a Rua Coronel Philomeno, e o homem ainda ia passar. Ele estava na rua Dona Bela quando subitamente entrou um cidadão alto, moreno, chapéu de palha e um caixote todo forrado com palhas de bananeira. Era o tapioqueiro. O homem da verdura só vinha perto das 7 horas. Esse eu vi e reconheci, pois era o pai da secretária do lar (seu nome agora me escapa), mas trabalhava na casa do Wilson Buchão que era gerente da desaparecida Lanchonete Miscelânea na Praça do Ferreira, vizinho ao Posto Mazine na Fortaleza antiga.

Sem hora prevista vinha o homem do “Meeeeeeeel”. Equilibrava com uma rodia um vasilhame tipo leiteira e vendia seu produto natural: “Hoje é de jandaíra, é das Italianas” e por aí ia. Hoje a nutrição policia-nos devido doenças tipo diabete. Ao meio dia e já fardado para ir ao Grupo Escolar (eu cursava a 3ª série do primário - 1968), então chegava o Fedorento do Picolé. Foi rotulado por esse apelido, devido o causticante sol que o fazia transpirar sem a assepsia nas axilas. Era um quarentão de pele morena, e que estacionava a carroça debaixo do único Fícus-benjamim existente na Vila São José, e que fora derrubado em 1975. Falo com precisão porque essa árvore, plantada em 1926, ficava defronte ao numero 43, na Rua Coronel Filomeno, meu berço. A exata, nessa hora a colossal chaminé da Usina São José expelia a descarga da caldeira que ficava na estamparia, e no céu da Vila ficava uma nuvem de fumaça branca não poluente, que devido a altura não atingia as casas, mas que vivenciávamos uma espécie de eclipse, pois o dia mudava de cor. A noite tinha mais dois vendedores de picolé. Um que dizia: “ Mel, mé Mel” e era distribuidor dos gelados da Sorveteria Gury; O Ceará era o outro que largava a carroça e começa a se estrebuchar no chão, quando alguém dizia que ele era torcedor do Fortaleza, rivalidade no futebol cearense. Antes de passar a Novela Antônio Maria com Sérgio Cardoso na TV Ceará Canal 2, emissora única e afiliada da Rede Tupy de Televisão, vinha o vendedor de chegadinho e a sua chamada era com o triângulo.

Eram folhas crocantes de trigo e outros produtos que pareciam folhas de pé de castanhola assadas. Aos fins de semana tinha o pipoqueiro que morava na Rua Padre Mororó, quase defronte ao Santa Cruz Sport Club. Sua chamada era: “Pipoqueirooooo, chegou o cheiroso!!!”. A noite era o vendedor de Algodão doce. Como ele pouco falava, levou pela corriola o nome de “Caladinho”. Eram demais as opções de vendas e a Vila São José era movimentada. Os nossos pais que se aguentasse. Naquele tempo se dizia: Trabalhar por conta própria, hoje é Integrante do mercado informal. Todo trabalho é digno, e não fazia vergonha gritar pra vender, diferentemente de hoje, que para vender é preciso ter público alvo, logística e custo benefício. O trabalho hoje exige uma formatação, uma didática. Milhares de brasileiros se contentam com empregos mesquinhos, parcos salários e condições de vida inferiores, porque levam uma existência por hábitos de negligência, inexatidão, impontualidade, tudo pela falta de vontade, Mas era bom naqueles anos no final da década de 1960 e em ênfase para os meninos travessos que, nasceram e cresceram na inesquecível Vila São José. Quem hoje chega lá, se lembra do último parágrafo do romance Iracema de José de Alencar: TUDO PASSA SOBRE A TERRA.

Texto: Assis Lima

Leia também:

Vila São José


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio






Ilustrações:
casinhas: GooseFrol
Vendedor: S.Martinho
Pipoqueiro: PintarColorir

segunda-feira, 26 de março de 2018

Conheça 7 recursos que podem garantir a segurança do seu site

 Ter um site é fundamental e pode impulsionar significativamente um negócio, porém a questão da segurança digital quase sempre é deixada de lado.

Seja por desconhecimento ou negligência, a segurança digital é uma das últimas ações tomadas por quem cria um site. Se você trabalha com vendas pela Internet, seja por meio de uma loja virtual ou por um grande e-commerce, a preocupação com a segurança dos dados deve ser ainda redobrada.

Neste post iremos mostrar algumas medidas e recursos que podem ser usados para aumentar a segurança do seu site e evitar eventuais prejuízos ao seu negócio.



1-Crie senhas fortes e atualize-as frequentemente 


Uma das medidas mais básicas e fundamentais para garantir a segurança do seu site é criar senhas fortes. Uma “senha forte” é aquela que contém o maior número de caracteres distintos possíveis como:

• Letras 
• Números 
• Símbolos 
• Sinais gráficos 
• E caracteres especiais 

A ideia principal é fugir de obviedades como nome pessoal, data de nascimento, nome de filhos, nome da empresa e outros dados que podem ser facilmente deduzidos. Além disso, somente uma senha forte não é o suficiente, pois as práticas criminosas estão sempre em evolução, por isso, atualizar as senhas frequentemente é muito importante também.


2-Backup é fundamental, mas sabemos que quase sempre não é lembrado 

Já imaginou ter que refazer um novo site “do zero” ou perder dados importantes?
Nos dias de hoje isso parece irreal, mas ainda acontece. A melhor coisa que pode acontecer para amenizar os estragos feitos por algum ataque ou problema no seu site é ter um backup do mesmo.


Manter uma cópia do seu site reduz os prejuízos e o tempo de restabelecimento do seu projeto web, além de evitar gastos desnecessários com retrabalhos.

Por isso, mantenha uma rotina de backup e evite perdas maiores com essa simples ação. Nós sabemos que é chato e que a maioria das pessoas não faz, mas é essencial para a segurança digital do seu negócio.


3-Certificado SSL é bom para todos 


Os famosos certificados SSL (Secure Socket Layer) são fundamentais para garantir a segurança e privacidade dos dados do seu site. Esse tipo de tecnologia cria uma camada extra de segurança e estabelece uma comunicação segura entre o servidor web e um navegador.

Além disso, o certificado SSL transmite mais segurança para os usuários e pode ser um diferencial não só em questões comerciais, mas também de posicionamento web.


4-Saiba exatamente quem tem acesso ao seu site 

Se o seu site é administrado por várias pessoas é fundamental criar restrições e níveis de acesso para cada usuário. Com isso é possível identificar exatamente quem executou alguma ação no seu site. As restrições também servem para barrar possíveis ações indesejadas como o roubo de arquivos e dados importantes do site.

Lembre-se que quanto mais pessoas tiverem acesso, mais vulnerável o seu site estará.


5-Mantenha tudo atualizado sempre que possível 

Dependendo da tecnologia utilizada na criação do seu site será necessário manter uma rotina de atualizações. O Wordpress, por exemplo, é um CMS que está em constante desenvolvimento e por isso sempre disponibiliza uma nova versão do seu sistema.

Os plugins ou extensões também precisam estar frequentemente atualizadas para não causarem problemas ou incompatibilidades com as novas versões. Dessa forma, sempre mantenha tudo atualizado e evite possíveis ataques, pois os hackers também estão sempre em busca de possíveis brechas na segurança desses sistemas.


6-Altere os padrões de acesso do seu site 
 
Muitos sistemas e CMS de criação de sites possuem padrões de acesso em comum, como o uso do “admin” como parte do login. Já imaginou que com apenas esse dado, já é possível ter 50% do acesso de qualquer site?

Parece uma questão simplória, mas é assim que a maioria dos hackers consegue ter acesso. Outra questão importante é a url de acesso ao site que dependendo do programa ou CMS usado também tem um padrão. Para não facilitar é ideal mudá-la também. Por fim, para reforçar ainda mais a segurança do seu site, habilite autenticação de 2 fatores para dificultar e impedir o acesso de pessoas mal intencionadas.


7-Converse com sua empresa de hospedagem e veja quais ações podem ser tomadas 

De nada adianta tomar diversas atitudes e ações de segurança se a sua hospedagem de sites não é segura. O servidor de hospedagem é “a casa” do seu site e se ele não for seguro, todo o seu projeto estará em risco.

Boa parte das medidas de segurança de um site pode ser definida e ativada pelo provedor de hospedagem como o certificado SSL, a proteção dos arquivos, a rotina de backup e outras ações.

Na Hostinger, todos os clientes contam com medidas preventivas e ferramentas avançadas para manter a segurança constante dos seus site e projetos web. Conclusão Além das medidas e recursos aqui apresentados, existem inúmeras formas e ferramentas para manter o seu site seguro e livre de possíveis ameaças. Vale a pena sempre estar de olho!

Agora que você sabe da importância da segurança digital para os negócios digitais compartilhe e envie esse post para aquele amigo que está precisando daquela força para proteger o seu site.


sábado, 10 de março de 2018

Os homenageados nas ruas da cidade - Carlos Severo de Souza Pereira



Carlos Severo de Souza Pereira era filho do tabelião Miguel Severo de Souza Pereira e de Cândida Julietta de Souza Pereira. Nasceu no dia 4 de Novembro de 1864 em Fortaleza. Estudou no Ateneu Cearense em 1874, e fez três preparatórios, os de português, francês e geografia, no Liceu Cearense em 1880. Escreveu para diversos jornais de Fortaleza e foi redator e proprietário de O Figarino, jornal caricato, por seis meses. No Estado do Amazonas colaborou no 'Amazonas'; no Pará no Diário de Noticias, e Democrata; em Lisboa, no Almanaque Luso Brasileiro, Anuário do Dr. Xavier Rodrigues Cordeiro e no Almanaque dos Pontos e Virgulas, do Porto

Dados da Revista da Academia Cearense de 1900.

Tendo o piano como seu instrumento predileto, para este compôs mentalmente e mandou escrever as peças musicais : —Mironi, schotisk. — Céu do norte, schotisk. —Cecy, valsa para banda marcial. —A lágrima doce, schotisek. —Muricy, schotisk. Na revista de Crisólito Gomes 'Da Capital ao Mucuripe' há um coro de pescadores no princípio do ato de música e letra suas, e na Revista Lopes Veiga & Cia, de Álvaro Martins, pertencem-lhe as músicas de um tango e um solo para soprano. Escreveu ainda um vaudeville para o Grêmio Taliense de Amadores, intitulado 'Os dois irmãos, em três atos, música de vários autores, e representado pelo mesmo Grêmio no Theatro Iracema com grande sucesso por duas vezes, uma a 18 e a outra a 23 de Março de 1899. Também são dele: Hotel do Salvador; O Mestre Paulo; São João na Roça; Macaquinho está no Ovo; As Vaias; A Chegada do General; Os Matamosquitos; Um Casamento no Matadouro e Os Irmãos da Bélgica.

Em 07 de setembro de 1910, fundou, juntamente com José Gil Amora, Otacílio Ferreira de Azevedo (Otacílio de Azevedo), Genuíno de Castro, Carlos Gondim, Luís de Castro, João Coelho Catunda, Francisco de Paula Aquiles, Josias de Castro Goiana (Josias Goiana) e outros, a Academia Rebarbativa ("agremiação de boêmia, de humorismo, de pilhéria e de blague") que teve vida efêmera. Interessante salientar que a agremiação foi criada em um dos bancos da Praça do Ferreira. rsrs

No livro Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo consta: "Morreu, com a idade de 62 anos, em Guaiuba, no dia 28 de dezembro de 1926, o médico, compositor, poeta, músico, teatrólogo e pintor Carlos Severo de Sousa Pereira, sendo ali sepultado. Nascera a 04/11/1864 em Fortaleza. Hoje é nome de rua no bairro Farias Brito."


Carlos Severo foi, sem dúvida, uma figura que ganhou projeção no Ceará como cenógrafo, musicista e comediógrafo, mas que também ficou conhecido por suas modinhas no meio boêmio. Não se considerava poeta, mas escrevia as letras e musicava ao piano. Porém, suas modinhas ficaram mais conhecidas quando tocadas ao violão nas serestas que ocorriam nas praças e botecos da cidade.


Carlos Severo viveu boa parte de sua vida no Rio de Janeiro e no Pará, compondo alguma de suas modinhas fora do Ceará. Porém, elas se tornaram populares em Fortaleza. Foram coletadas apenas cinco modinhas do compositor, porque todas as outras se perderam na tradição oral. No entanto, Edigar de Alencar acredita que ele deve ter composto mais de vinte, entre as quais paródias, gênero que Ramos Cotôco exercitava com facilidade. Carlos Severo costumava debochar do falso decoro da sociedade fortalezense. Isso fica ainda mais evidente nas suas várias peças teatrais de críticas de costumes. O aguçado senso crítico, misturado com a sátira e desdém, era a sua marca. O próprio Carlos Severo fazia a partitura de suas músicas. Seus gêneros preferidos, além da modinha, era a opereta, burleta e revista. Edigar de Alencar aponta que as modinhas que foram recolhidas e depois transcritas para o seu livro 'A modinha cearense' foi produto de um achado da filha do poeta, que encontrou em velhos cadernos essas raridades. Ele costumava escrever músicas com temáticas românticas, mas não de uma maneira triste e ingênua. Carlos Severo era espontâneo e genuíno, pois usava muita graça e malícia. Esse estilo de compor foi influência de seus companheiros Teixeirinha e, sobretudo Ramos Cotôco. Carlos Severo também apreciava o ofício de pintor e sua admiração por Ramos Cotôco também o ajudou a fazer cenografia. Por todo o seu talento artístico, hoje Carlos Severo é, merecidamente, nome de rua.

Observação:  A rua Carlos Severo é a antiga rua Santo Antônio.






Leia também:

Parte I
Parte II
Parte III


Fontes: 1001 Cearenses Notáveis - F. Silva Nobre, BOÊMIA E MODINHA SERESTEIRA EM FORTALEZA (1888-1920) de Ana Luiza Rios Martins, ALENCAR, Edigar. Fortaleza de ontem e anteontem. Fortaleza: UFC, 1984. p. 87, Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Memórias de infância - O meu Jacarecanga

Meus irmãos e eu na nossa casa da Avenida Filomeno Gomes em 1987. Arquivo pessoal
As memórias de infância são aquelas doces recordações, de cheiros, de sabores e de lugares que nunca saem de nós, do que somos e do que fomos um dia...

Por já ter morado no  Jacarecanga e lá ter vivido os melhores momentos de minha meninice, muitas vezes me pego lembrando da minha época de inocência, época de andar descalça pela Avenida Filomeno Gomes, de tomar banho de chuva na pracinha do Liceu...


Meu irmão. Arquivo pessoal
Muitos moradores e ex-moradores, ou lembram-se da história do bairro ou ainda tentam salvar os resquícios dela, fazendo um verdadeiro mergulho no passado do bairro e da sua gente. Quem está apenas de passagem, precisa tentar ver, ao invés de apenas olhar. Só assim, prestando atenção nos detalhes, é que a vista alcança traços do passado elegante, quando o lugar era ocupado pela aristocracia cearense. Em outros tempos, o Jacarecanga abrigou palacetes e chácaras das famílias abastadas de Fortaleza. Os casarões eram erguidos em imitação às tendências arquitetônicas da França. Alguns desses imóveis foram restaurados, mas a maior parte deles, no entanto, encontram-se abandonados ou sobrevivendo à míngua. Isso sem esquecer dos inúmeros bangalôs que foram demolidos, verdadeiras joias que não tiveram seu valor reconhecido e ficaram apenas na memória de alguns, como uma foto que vai amarelando num álbum ou no fundo de um velho baú...


Meu pai e meu irmão em 1987 em frente a pracinha do Liceu. Arquivo pessoal
Tentarei descortinar para vocês, o MEU Jacarecanga, minhas memórias de menina e aquelas "memórias" que me apodero como se minhas fossem, mas são de apenas ouvir falar... Fecho os olhos e como se estivesse debruçada na janela da saudade, chego a sentir o frescor das abundantes e límpidas águas do rio que banha o bairro. Logo mais à frente, observo assustada a chegada avassaladora da urbanização, que modificou toda a paisagem, mas que também trouxe o progresso. Progresso esse que pelas mãos de um visionário*, muitos tiveram a oportunidade de trabalho e um lar para chamar de seu! 


Minha casa na Filomeno Gomes nº 50.
Minha irmã, eu e o meu irmão em 1984.
Pensar no MEU Jacarecanga é fechar os olhos e conseguir ver a pracinha do Liceu do jeitinho que ela era em meados dos anos 80, palco das minhas inúmeras quedas de bicicleta, várias vezes observadas pelo imponente Gustavo Barroso, que parecia me repreender sempre que chegava muito perto, visto que vários espinhos rodeavam seu monumento.
É lembrar as inúmeras castanholas que nós comíamos do chão mesmo, até dar dor de barriga. rsrs
A Praça do Liceu sempre teve muitas árvores e eu brinquei muito de casinha embaixo das suas copas frondosas.

Quando chegamos ao bairro, vindos da Água Fria, eu tinha uns quatro anos e meio. Assim que tive idade, minha mãe me matriculou no saudoso Colégio Juvenal Galeno. Fiquei lá do jardim de infância até a segunda série. 
Engraçado que quando eu era criança, o dia só amanhecia depois da sirene dos bombeiros, era o meu despertador diário e eu ficava deitada até ouvir que era hora de levantar pra vida! :D rsrs


Tristeza - O casarão sendo demolido nos anos 80. Arquivo Nirez
Feirinha da Praça do Liceu nos anos 80.
No bairro, sempre moramos na Avenida Filomeno Gomes, bem em frente à Praça Gustavo Barroso, vizinho ao Casarão de Meton Gadelha. Quando chovia muito, a Avenida alagava, virava uma piscina e a meninada aproveitava, a gente disputava a avenida com os carros que passavam jogando muita água nas calçadas, era uma farra!
Por falar no casarão, era o meu lugar preferido na hora das brincadeiras. No enorme quintal da casa de Meton de Alencar Gadelha, era onde meus irmãos e eu brincávamos de caça ao tesouro. Lá, além do “meu mundo verde” lotado de árvores frutíferas, também existia uma grande quadra de futebol de salão, que eu soube anos mais tarde, que havia sido construída pelo dono da firma Cisa (Caju Industrial S/A), quando esta funcionou no casarão. Tenho tantas lembranças daquele lugar que não consigo aceitar até hoje sua demolição. :(


Meus primos. 
O casarão foi construído para servir de residência ao empresário Meton de Alencar Gadelha, que era dono da Tipografia Gadelha e mantinha o Jornal do Comércio. O responsável pela construção foi o engenheiro Alberto Sá. A casa ficou pronta e foi inaugurada no dia 08 de dezembro de 1930.
Em 04 de setembro de 1945, Meton Gadelha vendeu a casa para o seu sócio José Vidal da Silva. E de 1977 até 1979, funcionou no casarão o escritório da CISA. Depois disso, a casa ficou abandonada. 
Quando fomos morar no bairro, ela já se encontrava em estado de abandono e ficou um bom tempo assim, até ser invadida por uma família de índios. Ainda bem que eles ficaram pouco tempo na casa, o que foi muito bom, pois com a presença deles, não tínhamos coragem de pular seu muro e ir brincar no quintal.


Reinauguração da Praça do Liceu após grande reforma na
década de 90.
Teve um tempo que passaram a realizar quadrilhas na quadra do casarão e era muito divertido, ficava lotado. Até os moradores do Ed. Jataí desciam pra assistir de perto toda aquela alegria junina!
Pela proximidade com o riacho Jacarecanga, o terreno era propício ao nascimento de diversas frutas e ao pé do muro, era normal encontrar pequenos abacaxis ou suculentos tomatinhos.

Em um fatídico dia do ano de 1985, a casa foi demolida. Ela havia sido vendida a uma grande construtora. Infelizmente, não demoliram só a casa, junto com ela, demoliram as lembranças de uma época, de um tempo feliz... O casarão já não era de Meton Gadelha, era nosso, era furtivamente nosso, era patrimônio do Jacarecanga!

Depois volto e conto um pouco mais sobre o MEU Jacarecanga. :)
E você, quais lembranças tem do seu bairro?


"Pedro Philomeno, Homem visionário, apesar de rígido com seus subalternos, construiu a Fábrica Gomes & Cia Ltda em concomitância com a Vila operária. A Usina São José na parte alta e a Vila na baixa, cujas conclusões datam de 1926. Agora, convém salientar de que originalmente a Vilazinha não era essa que lá está.
A Vila São José primitivamente era umas casas formando um L, ou seja, as Ruas Maria Estela e Isabel. Ficou muita vegetação nativa, com uma arborização impressionante. O lençol freático era cristalino e tinha um chafariz (o primeiro) onde em 1963 seu térreo se transformou no Bar do Seu Teles. Tão bom era o liquido, que recebeu o batismo de “Poço de São Jacó. Assis Lima

Bom, mas isso é assunto para outra postagem! ;)



NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: