Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Janeiro 2019
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 29 de janeiro de 2019

1 década de Fortaleza Nobre


Há 10 anos nascia, sem nenhuma pretensão, o Fortaleza Nobre. Resolvi criar o blog apenas para arquivar as fotos que eu tinha da cidade e por sentir na pele a dificuldade que era encontrar algo sobre a história das nossas ruas, dos nossos monumentos, praças, bairros, praias... Tudo era muito escasso e pobre em informação. Por ser nostálgica, eu estava sempre querendo saber mais sobre uma Fortaleza que só ouvia falar das conversas com meu pai ou através dos livros que lia. Achava incrível imaginar como devia ser a vida dos que dependiam dos bondinhos, dos que tiveram o privilégio de conhecer o castelo do Plácido, de estudar na Escola Normal, dos que ainda podiam sentar nas calçadas para ouvir os causos dos mais velhos, que assistiram a construção da catedral da Sé, adentraram no Cine Moderno e Majestic, faziam compras na 'A Cearense', 'A Rainha da Moda' ou na Broadway, em plena "esquina do pecado"... Como devia ser agradável sentar nos bancos da Praça do Ferreira e ainda sentir a brisa que levantava as saias das normalistas e corava as faces... Hoje, só posso agradecer a todos que curtem, compartilham ou estudam pelo Fortaleza Nobre. Obrigada!!!

Me sinto lisonjeada por receber e-mails de professores e alunos e saber da importância do blog para tantas pessoas, que assim como eu, amam a Fortaleza Nobre, a Fortaleza antiga e claro, a Fortaleza de hoje, que apesar dos contratempos, continua sendo a nossa cidade amada!

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Parangaba - Por Assis Lima


Estação de Porangaba em 1913. Arquivo José Capelo
 "A formação toponímica de Parangaba vem de Porangaba, que significa em tupi-guarani “Lindeza” referindo-se a sua bela lagoa.
Em 1607, a antiga aldeia indígena Potyguara foi transformada num lugarejo fundado pelos jesuítas com o nome de Missão Porangaba, pois, nesse período teve inicio a evangelização das populações indígenas, onde foi profícuo o ministério do padre Francisco Pinto, a quem os nativos chamavam Pai Pina ou Amanaiara “O Senhor das Chuvas”.
 

Porangaba em 1919.

Durante a passagem de Martins Soares Moreno pelo Siará Grande (1612-1631), o célebre índio Jacaúna (irmão de Camarão) que, havia fixado sua tribo nas margens da lagoa Porangaba protegeu e bastante, a Martins Soares, pois o tratou por  filho. Jacaúna foi mais carismático do que os jesuítas, pois os mesmos haviam dado uma parada em sua missão evangelizadora, reiniciando os trabalhos somente em 1694.

Quando o Marquês de Pombal aos 14 de setembro de 1758, por Ordem Régia, extinguiu a Companhia de Jesus, os portugueses com uma cartilha do bispado de Coimbra, nomearam o povoado da lagoa de “Arronches” e, aos 25 de outubro de 1759 passou a se chamar Vila Nova de Arronches quando a mesma passou à categoria de Vila e Freguesia.
Com uma distancia de légua e meia da capital, essa Vila Tinha seis quilômetros em quadrado e era habitada por índios, os quais tinham a faculdade de plantarem na serra de Maranguape. Arronches era habitada por 1.080 índios, 693 extra-naturais e tinha uma cadeia e a sua Casa de Câmara com intendente.


Parangaba - Em destaque a casa da Intendência
Uma separata da Revista do Instituto do Ceará publicada em 1898, diz que o Engº português Antônio José da Silva Paulet (ajudante de obras do governador Inácio de Sampaio) chegando a Fortaleza em 1812, fez um levantamento e constatou que a Vila estava quase em ruínas com apenas 13 índios, 12 extra-naturais e 25 casas dentre as quais só 13 em estado de habitação. O Dr. Paulet então sugeriu que a Vila se unisse à Fortaleza, coisa que, aconteceria em 1833 quando o Conselho de Governo extinguiu a mesma, anexando também dois anos após sua freguesia à Capital.
Em 1836, o então Presidente da Província cearense, Padre José Martiniano de Alencar (Senador Alencar) construiu a carroçável Estrada Fortaleza - Baturité e, depois relatórios deram conta de que em 1863, Arronches já era a feira do gado para consumo da Capital (daí a Avenida dos Expedicionários do Matadouro Modelo até Porangaba ter sido outrora chamada Estrada do gado).


Arronches foi o primeiro distrito a constar no traçado da Estrada de Ferro de Baturité, cujo primeiro trem em caráter experimental chegou, pasmem a coincidência, também aos 14 de setembro de 1873, depois de 115 da Ordem Régia de Portugal.
A circulação do primeiro trem data oficialmente de 30 de novembro de 1873. Esse foi o primeiro transporte de massas que o interior do Ceará ganhou. Ainda sobre o projeto de o trem passar por Porangaba, João Brígido, enamorado de Fortaleza, publicou no jornal Unitário 

 um artigo com o título: Traçado da Estrada. De onde extraí este pequeno trecho: 
“Muito em princípio a linha devia seguir um trajeto até Porangabuçu; daí noutra tangente até Arronches, mas o português Carneiro, muito influente na política do seu tempo, com terras por trás da lagoa de Arronches, obteve que se quebrasse a linha, para que esta inutilmente, chegando à extrema do seu sítio, fizesse a grande curva que apresenta cortando a Estrada empedrada para atingir a estação, com grande aumento de linha" (Edição de 20.02.1908). 

Chácara em Parangaba onde funcionou o Grupo Escolar de Porangaba.

O leitor agora pode compreender o porquê do trem que, partindo da Central ao sair da
Estação de Couto Fernandes, faz uma grande curva à esquerda para depois compensar após a passagem de nível do Bar Avião (marco inicial da Parangaba, cuja construção deveu-se a Antônio de Paula Lemos e foi inaugurado aos 23 de outubro de 1949). 


A referida Estrada empedrada a que se refere João Brígido, é a hoje Avenida João Pessoa.
A grande reforma ocorrida no pátio ferroviário de Porangaba foi concluída em 28 de janeiro de 1941, quando o interventor Menezes Pimentel e o diretor da Rede de Viação Cearense, Dr. Hugo Rocha, inauguraram o ramal ferroviário Porangaba - Mucuripe, desativando assim o ramal da Beira Mar


Inauguração do Ramal Ferroviário Parangaba – Mucuripe 1941.

O prédio da estação fora totalmente modificado, inclusive no layout original.
Com o advento da República, havia sido cogitada a mudança da nomenclatura Vila Arronches, porém o nome lusitano permaneceu até 1944, quando o Decreto-lei nº. 1114 de 01 de janeiro de 1943, voltou ao antigo nome do aldeamento fundado pelo desaparecido padre Pai Pina: Porangaba. Nome aliás que nunca deveria ter mudado, identificando sua lagoa. 


Estação da Parangaba
Os ingleses, por exemplo, proprietários da South American Railway Construction Company Limited, e que administraram a ferrovia cearense (1910-1915), tirou da estação o nome Arronches e colocou Porangaba. Coisas de europeus! 

Só em 01 de janeiro de 1945 a RVC mudaria o nome de Porangaba para Parangaba. Que descubram os entendidos o porquê da troca do “o” pelo “a”.
A ligação da capital para Arronches, afora o trem, era por uma estrada, com
cerca de 7.200 m de pedras toscas, de onde se fazia o percurso de carroças ou a pé. Em 1929, esta única artéria foi reconstruída e, coberta de concreto passando a se chamar avenida Washington Luiz, que era o então presidente do Brasil.


Antiga Estrada do Arronches que em 1930 foi transformada na Avenida João Pessoa.
Ocorrendo a revolução de 1930, as placas da nova avenida foram arrancadas por populares,
passando a partir de então a denominar-se avenida João Pessoa, como uma homenagem ao Governador da Paraíba e que, como integrante da chapa perdedora de Getúlio Vargas, foi assassinado e o crime considerado de conotação política.


Porongaba - Primeira estação de Fortaleza em 1911.

Até 1976, essa avenida era conhecida como “Avenida da Morte”, quando tinha duas mãos, inclusive até para o tráfego de ônibus elétricos, já extintos. No governo do Cel. Adauto Bezerra foi construída e inaugurada a atual Avenida José Bastos, e assim melhorou e muito o acesso, não só para parangaba, mas para bairros adjacentes.
As provas de que Parangaba sempre fora privilegiada pelo progresso, constata-se pelas instalações de grandes complexos, já desativados, tais como: Fábrica Santa Cecília, Usina Everest, Saronord


Hoje esse populoso bairro é um cartão postal de Fortaleza. É uma mini-cidade com supermercados, indústrias, rede bancária, cartório, praças, hospitais, dois terminais de ônibus no sistema integrado e etc.
Parangaba que, gentilmente cede passagem aos trens da Companhia Ferroviária do Nordeste - CFN é assistida por suburbanos do Metrofor a cada meia hora.
E a lagoa? Continua bela! É no seu entorno que se faz Cooper e observamos o desenho do lindo pôr-do-sol."


Assis Lima

Continua...
 
Leia também:

A Fortaleza em suas ruas, avenidas, travessas...


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio




NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: