Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Anos 70
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


Mostrando postagens com marcador Anos 70. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Anos 70. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Cidade Saudade (Mucuripe) - Por Nelson F. Bezerra

O competente fotógrafo Nelson Figueiredo Bezerra, durante os anos 70/80, fez diversos registros da cidade de Fortaleza, uma foto mais linda que a outra!
Gentilmente, ele me enviou fotos do nosso querido bairro Mucuripe, feitas nessa época e com o olhar sensível, que só o Nelson tem!

Vendedor ambulante montado em seu jumentinho e ao fundo vemos lavadeiras e as dunas alvas do Mucuripe. Os outdoors estão em frente o Iate Clube.

 Carroceiro Vendendo água Iontec das dunas do Mucuripe.

Abastecendo carroças com água pura das dunas. Outdoors em frente ao Iate Clube.

Recolhimento das carroças com água pura das dunas.

 Vista do alto das Dunas ao Entardecer, vendo-se o Cais do Porto, Moinhos e terminais.

Dunas ao Entardecer

Abastecimento de água para as turmas da estrada de ferro, das carroças para os moradores do Castelo Encantado e Beira-Mar, com água pura das Dunas em frente ao Iate Clube.

Início das invasões das dunas

Início das invasões das dunas

 Dunas - Outdoor em frente ao Iate Clube

                                                                                                              Colaborador:
Nelson F Bezerra (Fotógrafo) 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

O famoso Cabaré da Leila



Em
Sábado, Estação de Viver - Histórias da Boemia Cearense, o historiador Juarez Leitão recupera o passado da cidade, no que tange a vários aspectos, inclusive à vivência da noite, da boemia, do cultivo do sexo, deixando à mostra as personagens que compunham uma Fortaleza alegre, doidivanas, noctívaga, e, nesse contexto, detalha a experiência pessoal de Leila (Foto ao lado)¹ e seu papel na caracterização de uma urbe numa época anterior à revolução sexual.


Já nos finais dos anos 60, e por toda a década de 70 o melhor cabaré de Fortaleza era a CASA DA LEILA, na Maraponga*. Suas mulheres eram altas, elegantes, muitas, louras naturais de olhos claros. Vinham do sul do país, de Santa Catarina, do Paraná e do Rio Grande do Sul. Tudo gente fina, educada, algumas se diziam universitárias e comentavam coisa de política, música popular e variedades culturais. Dentre elas havia uma mulata, alta, belíssima, chamada Mércia, que mostrava uma carteira de estudante em Ciências Sociais da Universidade Federal de Minas Gerais. Nesse tempo havia um vendedor ambulante de livros, o Curió, que assegurava ter vendido várias coleções e enciclopédias às meninas da Leila. Umas intelectuais? (...)



Leila fora a mulher de mais sucesso da Oitenta**. Ali angariara bons e generosos amigos, ganhando condições para montar sua própria casa. Casarão amplo, com alpendres, arcadas, grande salão com dois ambientes, confortáveis sofás, mulheres com roupas habillées, falando baixo, sorrindo. Educadíssimos também eram os garçons, sobretudo o Oliveira, todos de smoking, trazendo a bebida em bandejas de prata. Um primor. (...) 

O baronato de Fortaleza se orgulhava de contar com uma casa de tão alto nível e quanto aqui aportavam cantores, jogadores famosos e artistas de TV, todos, invariavelmente, eram levados à Leila.

A famosa Leila. Crédito: Valeska Ferreira

Mas até a fidalga Leila entrou em decadência. Envelhecida foi abandonada pelos amantes ricos, e terminou por se apaixonar por um de seus garçons, acho que o próprio Oliveira, O cabaré resvalou, rápido, para o fim. Veio o diabetes, vieram as desditas. Restava-lhe por último um apartamento no Edifício Champs Elysées, na Aldeota, onde morava sua filha adotiva, Kátia. Resolveu vender o imóvel e ir embora para o Rio de Janeiro. O genro e a filha não concordavam e entraram com mandato na justiça para impedir a transação. Revoltada com a ação dos parentes, Leila saiu pelas ruas e ficou perambulando pela Praia de Iracema, dormindo ao relento. Quando encontrava um conhecido, pedia um auxílio, mas não aceitava conversar sobre seu drama. Alertada do paradeiro da mãe, Kátia foi apanhá-la. Estava muito doente e precisava ser hospitalizada. (...) ...fechou-se num mutismo com claros sinais de depressão. (...) Destruiu seus álbuns de retratos e não quer falar nada de sua vida. (LEITÃO, 2000, p. 247)

Leila, que não mais está entre nós***, poderia ter tido ou ter sua vida narrada em um romance: tantos textos ficcionais trazem a figura da prostituta para o centro da cena. A Margarida, de A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho, Lucíola, de José de Alencar, Nana, de Émile Zola, bem como a Léonie de Aluísio Azevedo, em O Cortiço. Se o esplendor e as misérias de sua biografia não cobrem, porém, detalhadamente as páginas de nenhum livro, em compensação sua presença nos registros sócio-históricos, como os aqui transcritos de Juarez Leitão, é como uma chave para a decifração de como as posturas diante do sexo são fatores importantes para entender a vida em sociedade.

Impossível falar do famoso cabaré, sem lembrar do saudoso humorista Espanta:



¹ O nome verdadeiro de Leila, de acordo com um de seus vizinhos, era Geralda:

Conhecia a Dona Geralda (nome verdadeiro da Leila) pois morávamos no mesmo prédio, localizado no encontro das ruas Costa Barros e Antônio Augusto. Ela andava num Opala Diplomata verde metálico, ela mesmo dirigindo. Morava bem e costumava não receber pessoas em sua casa. Uma mulher muito elegante, educada e caridosa. Teve uma época que uns amigos passaram um sufoco e ela abriu as portas de sua casa e os abrigou até que fosse resolvido o problema. Ela era uma pessoa muito respeitada no condomínio e todos gostavam muito dela" Mário Parente

Antes era a casa do Dr. Pontes Neto.

** Ainda de acordo com o pesquisador Juarez Leitão, o nome Oitenta devia-se “ao número da casa, na rua Governador Sampaio, 80. Era uma casa de certo nível com luz negra, suítes e bom serviço de bar. As mulheres era atraentes, bonitas e já não tinham restrições ou tabus.”.(LEITÃO, 2000, p. 247)

*** Ouvi dizer que a famosa Leila morreu em 1998 de câncer, mas conforme depoimento de Marcos Alves, ela faleceu de complicações vasculares:

"Leila morreu de complicações vasculares, inclusive teve sua perna amputada no IJF. Não lembro ao certo se era diabética, pois faz muitos anos que a tratei no IJF"



Observação: Se você tem foto da Leila, de suas "meninas" ou do seu cabaré, colabore com o site (a foto será creditada, claro!) e envie para: fortalezanobre@gmail.com



Crédito: COUTINHO, Fernanda - Maraponga (Coleção Pajeú) - 2014
Desenho da ilustradora de moda Laura Laine




segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Meu baú de Memórias - Família Nobre


Hoje vou abrir o baú de memórias da família, eita nostalgia que não me larga! rs


Essas fotografias de 1ª comunhão eram muito comum nos anos 50/60. 
Meu pai (Marcos Nobre) e meu tio Carlão.

Essa é uma relíquia!!! Olha a calça do meu pai (sentado no portão)!  kkkkkk :D
Família Nobre reunida: pai, tios, primos e avó. Essa casa fica na Avenida Filomeno Gomes (Jacarecanga) e a foto é dos anos 70.

Praia do Futuro em meados dos anos 70. Meu primo e minha tia.

Família na Praia do Futuro em 1972. Devia ser bom demais nessa época, mas eu não era nascida ainda.¬¬


Praia do Futuro em 1972. Fusquinhas eram febre! rsrs

Praia do Futuro em 1972


Praia do Futuro em 1972. Nos anos 80, eu ainda alcancei esse tipo de barraca rústica. rsrs

Praia do Futuro em 1972

Praia do Futuro em 1972

Praia do Futuro em meados dos anos 70. 
Esse meu primo até hoje é hilário, só fez crescer! kkkkkkkkkkkkk

O patriarca da família, meu avô e meus primos Renata e Ricardo Jr na Praia da 
Leste-Oeste na década de 70.

Renatinha na Praia da Leste na década de 70

Casa no Jacarecanga, em frente a Praça do Liceu nos anos 70.
 
Ricardo e Cesinha. 
Essa casa ainda está lá, mas com a fachada modificada. 
Ao fundo, o prédio do Liceu do Ceará nos anos 70.

Agora é possível apreciar melhor o prédio do Liceu e o detalhe do muro, tudo muito lindo, especialmente meus primos, claro! rs

Época boa, onde era possível brincar tranquilamente o Carnaval nos Clubes da cidade... Esse foi no Clube da AABB no início dos anos 80. Minha prima Ana, mamãe toda linda, vó Eneide, meu paizinho querido, que já não está mais com a gente :( e minha tia que amo muito, Gláucia. Aliás, ela sempre foi mais uma amiga que mesmo uma tia, sempre tivemos conversas maravilhosas de amiga para amiga, incrível! rsrs :D

Eu e meu irmão no início dos anos 80 na Água Fria

Paizinho era contador na Dinel. Foto de outubro de 1980

Carnaval de 1984 na AABB. Eu, Hudson (amigo), meu irmão Marcos Jr e atrás minha tia e minha vó.

Meu pai e meu irmão em frente a Praça Gustavo Barroso em 1987

Meus pais em frente a Praça Gustavo Barroso em 1987

Minha prima Renata na Praia do Futuro em agosto de 1990.

Carnaval infantil do Náutico Atlético Cearense em 1991. 

Foto de meados dos anos 90. Vemos meu irmão querido, meu tio, minha saudosa vó e minha prima linda.

Praia do Meireles em janeiro de 1996, vendo-se o Sorvetão ao fundo.


Agradecimento especial: Marcel Nobre

Se você quiser participar do nosso Baú de Memórias, mande suas fotos para: fortalezanobre@gmail.com
Lembrando que as fotos precisam ter nossa Fortaleza como plano de fundo! ;)



NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: