Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : 2019 [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Arquitetura Neoclássica em Fortaleza - Parte I

Detalhe da Estação Central
O Neoclássico chegou ao Brasil em 1808, com a vinda da Família Real e a transmigração do Estado português para a cidade do Rio de Janeiro. Fortaleceu-se com a Missão Artística (1816) e a presença do arquiteto Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny, junto com seus discípulos Charles de Lavasseur e Louis Ueier. Logo, um considerável número de edificações Neoclássicas passou a compor a paisagem da cidade do Rio de Janeiro e daí se espalhou pela região Sudeste. Décadas depois, atingiu o Nordeste, chegando ao Ceará na segunda metade do século XX.

O momento da chegada da arquitetura Neoclássica ao Ceará coincidiu com o período do seu declínio na Europa, que vivia então outra febre: a da Belle Époque, cujo ecletismo arquitetônico absorveu o Neoclássico. No Ceará, coincidentemente, o Ecletismo (com o Neoclássico incluso) e a Belle Époque casaram-se com relativa harmonia em Fortaleza, entre as décadas finais do século XIX e as duas primeiras décadas do século XX, trazendo todo um novo estilo de se viver, que as elites locais prontamente abraçaram, determinando os novos rumos que a cidade tomou. 

Assembleia Provincial do Ceará, exemplo da arquitetura neoclássica - Álbum Vistas do Ceará 1908
Por que o Neoclássico se fez tão marcante, na arquitetura da cidade? Como eram as relações sociais de seus habitantes e destes com a Belle Époque, no momento em que se adotou o modelo Neoclássico e o Ecletismo? Como se deu a transformação do sítio geográfico inicial da cidade à condição de bairro? 

Assembleia Provincial de arquitetura neoclássica - Álbum Vistas do Ceará 1908

Centro Histórico da cidade de Fortaleza: origens e evolução espacial 


Centro no início da década de XX.
O núcleo embrionário do bairro Centro, se confunde com os fatos relativos à própria fundação da cidade no início do século XVII. Diferentemente da maioria dos estados brasileiros litorâneos, a ocupação do espaço cearense processou-se de forma bastante atrasada, uma vez que a região viu-se “abandonada” pelas autoridades portuguesas a começar pelo donatário Antônio Cardoso de Barros que mesmo tendo sido provedor-mor da Fazenda Real do primeiro Governador Geral, Tomé de Sousa, entre 1549 e 1553, sequer para a região mandou alguma expedição, preferindo investir capitais em engenhos na Bahia.
Jardim 7 de Setembro na Praça do Ferreira. (1902).
Detalhe das colunas Neoclássicas.
Fonte: Álbum de Vistas do Ceará, 1908
Somente, a partir de 1603, começou a existir algum interesse pelas terras cearenses, quando das expedições exploratórias de Pero Coelho de Sousa, fundador de uma povoação, Nova Lisboa, e um fortim, São Tiago (1603), às margens do rio Siará, distante, entretanto, da área em questão, o Centro de Fortaleza; logo em seguida, entre 1607 e 1608, o padre Luís Figueiras  fundou outra povoação, “distante légua e meia” da área anterior, provavelmente, às margens do riacho Pajeú, córrego que corta parte da antiga cidade. É o que demonstra o texto a seguir:

O novo local não poderia estar longe da praia nem de curso d'água, pelo que é possível, ou mesmo provável, que a escolha do jesuíta tenha recaído na foz do Pajeú (local depois preferido por Matias Beck), mesmo porque o sentido da marcha do padre era oeste-leste. Considere-se ainda o que ele mesmo escreveria em sua Relação do Maranhão quanto à distância de légua e meia em que tomara o navio que o levou de volta, certamente ancorado no Mucuripe, baía que, segundo consta do Diário de Beck, é o "sítio mais próximo e capaz de ancoradouro de nossos iates", distando do "Siará" (rio em cuja margem direita Pêro Coelho fundara a aldeia de Nova Lisboa) "obra de três léguas". Ora, légua e meia para o rio Ceará e légua e meia para o Mucuripe somam as três léguas registradas por Beck. (ADERALDO, 1974, p. 30)
Cartão postal da primeira década do Século XX, mais precisamente em 16 de outubro de 1913, no qual vemos a rua Barão do Rio Branco na altura do cruzamento com a rua Senador Alencar.
Teria sido esse o fato embrionário de Fortaleza, apesar dos historiadores cearenses, em maioria, apontarem para Martim Soares Moreno, primeiro capitão-mor do Ceará, devido à significância de sua obra e pelo destaque a ele dado pelo escritor José de Alencar, na obra Iracema. Entretanto, pelo que se notou na citação acima, os marcos de suas fundações distam uma légua e meia da área em voga. Lá, no local da primeira expedição de Pero Coelho do Sousa, Moreno edificou outro forte, São Sebastião, e uma ermida, Nossa Senhora do Amparo, em 1612. Para finalizar esse ciclo, dá-se por obrigação mencionar, a participação do holandês Mathias Beck, quando na segunda expedição holandesa ao Ceará, por ter ele fundado, em 1649, o forte Schoonenborch, nas mesmas margens do riacho Pajeú, para proteger o povoado também criado, a quem dera o nome de Nova Amsterdam. O forte holandês foi tomado pelos portugueses, liderados por Álvaro de Azevedo Barreto, em 1654, e logo batizado com o nome de Fortaleza da Nossa Senhora da Assunção. Será em torno desse forte e do riacho Pajeú, que a pequena Fortaleza irá crescer. Toda a área adjacente constituirá no que se convencionou denominar-se de bairro Centro.

Avenida Alberto Nepomuceno no início do século XX. A cidade cresceu no entorno do antigo Fonte Schoonenborch.
O povoado foi crescendo lentamente, até que, em 1726, tornou-se vila, a segunda do Ceará, uma vez que a primeira era Aquiraz, então capital da capitania do Ceará. É o que afirma Aderaldo:
Em face de renovados pedidos (...) preferiu o Rei que fosse criada outra vila no Ceará, junto à Fortaleza, o que ocorreu em 1725. E a 13 de abril de 1726 foi, afinal, definitivamente instalada aqui a Vila de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, a segunda do Ceará, pelo capitão-mor Manuel Francês. ADERALDO (1974, p. 33)

Rua Major Facundo. Álbum de Vistas do Ceará, 1908
Data mais ou menos dessa época¹, a primeira planta que se tem conhecimento de Fortaleza, descoberta, segundo Aderaldo, pelo historiador, padre Serafim Leite e publicada no 3º volume de sua História da Companhia de Jesus no Brasil. Essa gravura tem sua reconstituição, em forma de maquete, exposta no Museu do Ceará. Girão procura relacionar o lento crescimento da aglomeração urbana à questão geográfica, dando a entender que a vila começava a dar os primeiros passos de relativa autonomia em relação ao determinismo geográfico, bastante predominante naquele momento, com ações e intervenções espaciais mais audaciosas, ainda que “preguiçosamente”.
Rua Major Facundo. Álbum de Vistas do Ceará, 1908
A despeito de se tornar centro administrativo da capitania, no século XVIII, a tímida vila não conseguia concorrer em termos econômicos e populacionais a outros centros no Ceará, como Aracati, Sobral e Acaraú, impulsionados pela criação de gado, principal atividade econômica da capitania, ou Icó, grande centro comercial ao sul, ou mesmo Aquiraz, primeira capital, local preferido de moradia das pequenas elites, que também desenvolvia atividades comerciais. 

As dificuldades da pequena vila eram grandes, as condições de sobrevivência ínfimas. Demonstrando as circunstâncias críticas desde o solo aos ventos e os mares bravios, Girão descreve, com acuidade, que sobreviver na pequena Vila não era tarefa das mais simples, daí a necessidade de uma forte intervenção do homem no espaço, algo que ocorreu lentamente, uma vez que a região circunvizinha não oferecia atrativos que pudessem estimular a vinda de colonos.
Rua Formosa (atual Barão do Rio Branco) do Álbum de Vistas do Ceará, 1908
(...) o solo, o revestimento vegetal e a fauna da região circunjacente não davam, com efeito, melhor alento ou ajuda ao labor produtivo do homem. As atividades da caça e pesca não ultrapassavam as lindes de lastimável primarismo. Na mata pobre não se encontravam as madeiras de lei com que se pudesse montar qualquer indústria compensadora. De sua vez, o chão arenoso recusava-se a uma agricultura mais larga e capaz de lastrear riqueza substancial, garantidora de uma vida econômico-social mais refinada. A falta de pastagem não estimulava o criatório, exatamente quando este, já no seu apogeu pelos sertões, construía a típica civilização do couro. Do lado do mar, as revoltas ondas, quebrando na praia vã, sem cais nem trapiches, mostravam-se como seria ameaça à vinda de mercadorias e efeitos exógenos, tão necessários à existência não deixava seus variados aspectos. Cidade marítima não deixava de ser, mas com um oceano carrancudo e muito pouco amigo. Talvez só o clima, estável e ameno, entrasse naquele conjunto como índice positivo? Tem-se ideia gráfica da penúria da Vila de Nossa Senhora d'Assunção, olhando a planta rascunhada, em 1726, pelo Capitão-mor Manuel Francês e por ele enviada a Lisboa, como demonstração de seus serviços. É interessante documento encontrado pelo Padre Serafim Leite e incluído, a título, na sua obra admirável - História da Companhia de Jesus no Brasil(GIRÃO, 1974, pp. 59-60)

Rua da Misericórdia (atual Dr. João Moreira)
Álbum de Vistas do Ceará, 1908

Observando o traçado urbano da vila naquela ocasião, vê-se que ela segue um modelo que os colonizadores portugueses adotaram a partir de práticas ainda medievais, conforme explica Liberal de Castro

Este é o ambiente em que viviam os primeiros governadores da Capitania, civis na função, mas militares de profissão. O traçado da vila refletia um modelo de organização urbana caracterizada pela expansão linear, desenvolvida ao longo de rios e caminhos, consoantes uma tipologia morfológica comum nos vilarejos medievais europeus. CASTRO (1994, p. 44).

Planta de Fortaleza, em 1726

Concordando-se com a premissa acima, pode-se observar que grande parte das cidades brasileiras tem em seu traçado inicial exatamente o acompanhamento topográfico em torno de rios, principalmente, ou de rotas de trânsito, quase sempre comerciais. Vê-se claramente essa tendência na aglomeração de edificações ao longo do riacho Pajeú, que é a linha azul que corta a vila em duas metades. Pelo que se verificou até então, as condições geográficas naturais não eram favoráveis ao crescimento da região.


Continua...


¹ Há uma polêmica em relação ao ano correto da confecção da planta. Alguns autores (NIREZ, 2001; GIRÃO, 1979) apontam para o ano de 1726, quando da instalação da vila. Outros (SERAFIM LEITE, 1943), para o ano de 1730, já uma terceira corrente (LIBERAL DE CASTRO, 2005), afirma ser o ano de 1831, data em que o capitão-mor Manuel Francês pleiteia indenização pelas despesas pessoais gastas com a instalação, anexando à petição, o desenho da planta.

Fonte: Arquitetura Neoclássica e Cotidiano Social do Centro Histórico de Fortaleza - Gilberto Abreu

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Das antigas - Vacinogênio Rodolfo Teófilo (Parte II)


De Vacinogênio, Necrotério, para Casa de Material de Construção

Rodolfo Teófilo, baiano radicado no Ceará desde 1868, começou sua missão filantrópica a partir da contemplação das

secas que assolava a terra alencarina. Médico sanitarista, de espírito humanitário, iniciou seu trabalho filantrópico no Morro do Moinho*, no último quartel do século XIX. O Morro do Moinho era topograficamente a parte mais alta do Jacarecanga, tendo ao seu lado, o Morro do Croatá, que fora rebaixado para a construção da Via Férrea de Baturité.
Ao raiar do século XX, em 1º de janeiro de 1901, ocorrera a inauguração do Vacinogênio, fruto do trabalho de Rodolfo Teófilo. Na época, o Vacinogênio não agradou ao Presidente do Estado Pedro Augusto Borges, pois este não obedecia às diretrizes da oligarquia Aciolina.  


Fachada do Vacinogênio em 1918.

O Jacarecanga teve o privilégio de receber o Vacinogênio, que atendia, sem apoio governamental, aos pobres dos bairros periféricos da zona Oeste. O referido posto de saúde fora erguido na Estrada do Jacarecanga, que depois recebeu o nome de avenida Thomaz Pompeu e finalmente, Avenida Philomeno Gomes.
Com a morte de Rodolfo Theófilo em 1932, Roberto Carlos Vasco Carneiro de Mendonça, então interventor federal, transformou o Vacinogênio em necrotério, devido sua estrutura sanitária e a proximidade com o maior cemitério da cidade, o Cemitério de São João Batista, que remota ao ano de 1866. 


Vista Aérea do Jacarecanga. Em destaque o Prédio do Vacinogênio. 1956.


Aproveitando essa reforma, a irmandade da Santa Casa de Misericórdia, administradora do Cemitério, solicitou ao Interventor a desapropriação de algumas casas, para que o campo sagrado se estendesse até o muro do Vacinogênio, beirando uma via já movimentada. Depois o necrotério foi para a rua Nestor Barbosa nº 315 no bairro Rodolfo Teófilo, e quando foi implantado o Curso de Medicina no Ceará, em 12 de maio de 1948, passou a se chamar Instituto Médico LegalIML.
 
Por ironia, em novembro de 1986, talvez uma das últimas inaugurações do Governador Gonzaga Mota, o IML volta para o Jacarecanga, sendo localizado na avenida Presidente Castelo Branco (Avenida Leste-Oeste), esquina com a rua Padre Mororó.
A casa do Vacinogênio, depois de abandonada, foi transformada pelos que trabalhavam na extensão do cemitério, em depósito para guardar material. 


Assis Lima
(Radialista/Escritor)


Assis Lima entrou uma única vez nesta casa, que a gurizada do seu tempo dizia: “tem alma neste local”. Nenhum menino da época entrava só, os que entravam eram de mãos dadas.
Em 1969, ergueram um cruzeiro construindo uma meia lua de penetração no cemitério; junto com esse reparo no muro ocidental, desapareceu a casa do Vacinogênio/Necrotério e no embalo destruíram a casinha de força dos bondes elétricos da Ceará Tramway que havia sido desativada em 1947.





Leia a parte I AQUI
 
*Morro do Moinho: Local hoje onde se encontra o Instituto Médico Legal (IML)

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

1 década de Fortaleza Nobre


Há 10 anos nascia, sem nenhuma pretensão, o Fortaleza Nobre. Resolvi criar o blog apenas para arquivar as fotos que eu tinha da cidade e por sentir na pele a dificuldade que era encontrar algo sobre a história das nossas ruas, dos nossos monumentos, praças, bairros, praias... Tudo era muito escasso e pobre em informação. Por ser nostálgica, eu estava sempre querendo saber mais sobre uma Fortaleza que só ouvia falar das conversas com meu pai ou através dos livros que lia. Achava incrível imaginar como devia ser a vida dos que dependiam dos bondinhos, dos que tiveram o privilégio de conhecer o castelo do Plácido, de estudar na Escola Normal, dos que ainda podiam sentar nas calçadas para ouvir os causos dos mais velhos, que assistiram a construção da catedral da Sé, adentraram no Cine Moderno e Majestic, faziam compras na 'A Cearense', 'A Rainha da Moda' ou na Broadway, em plena "esquina do pecado"... Como devia ser agradável sentar nos bancos da Praça do Ferreira e ainda sentir a brisa que levantava as saias das normalistas e corava as faces... Hoje, só posso agradecer a todos que curtem, compartilham ou estudam pelo Fortaleza Nobre. Obrigada!!!

Me sinto lisonjeada por receber e-mails de professores e alunos e saber da importância do blog para tantas pessoas, que assim como eu, amam a Fortaleza Nobre, a Fortaleza antiga e claro, a Fortaleza de hoje, que apesar dos contratempos, continua sendo a nossa cidade amada!

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Parangaba - Por Assis Lima


Estação de Porangaba em 1913. Arquivo José Capelo
 "A formação toponímica de Parangaba vem de Porangaba, que significa em tupi-guarani “Lindeza” referindo-se a sua bela lagoa.
Em 1607, a antiga aldeia indígena Potyguara foi transformada num lugarejo fundado pelos jesuítas com o nome de Missão Porangaba, pois, nesse período teve inicio a evangelização das populações indígenas, onde foi profícuo o ministério do padre Francisco Pinto, a quem os nativos chamavam Pai Pina ou Amanaiara “O Senhor das Chuvas”.
 

Porangaba em 1919.

Durante a passagem de Martins Soares Moreno pelo Siará Grande (1612-1631), o célebre índio Jacaúna (irmão de Camarão) que, havia fixado sua tribo nas margens da lagoa Porangaba protegeu e bastante, a Martins Soares, pois o tratou por  filho. Jacaúna foi mais carismático do que os jesuítas, pois os mesmos haviam dado uma parada em sua missão evangelizadora, reiniciando os trabalhos somente em 1694.

Quando o Marquês de Pombal aos 14 de setembro de 1758, por Ordem Régia, extinguiu a Companhia de Jesus, os portugueses com uma cartilha do bispado de Coimbra, nomearam o povoado da lagoa de “Arronches” e, aos 25 de outubro de 1759 passou a se chamar Vila Nova de Arronches quando a mesma passou à categoria de Vila e Freguesia.
Com uma distancia de légua e meia da capital, essa Vila Tinha seis quilômetros em quadrado e era habitada por índios, os quais tinham a faculdade de plantarem na serra de Maranguape. Arronches era habitada por 1.080 índios, 693 extra-naturais e tinha uma cadeia e a sua Casa de Câmara com intendente.


Parangaba - Em destaque a casa da Intendência
Uma separata da Revista do Instituto do Ceará publicada em 1898, diz que o Engº português Antônio José da Silva Paulet (ajudante de obras do governador Inácio de Sampaio) chegando a Fortaleza em 1812, fez um levantamento e constatou que a Vila estava quase em ruínas com apenas 13 índios, 12 extra-naturais e 25 casas dentre as quais só 13 em estado de habitação. O Dr. Paulet então sugeriu que a Vila se unisse à Fortaleza, coisa que, aconteceria em 1833 quando o Conselho de Governo extinguiu a mesma, anexando também dois anos após sua freguesia à Capital.
Em 1836, o então Presidente da Província cearense, Padre José Martiniano de Alencar (Senador Alencar) construiu a carroçável Estrada Fortaleza - Baturité e, depois relatórios deram conta de que em 1863, Arronches já era a feira do gado para consumo da Capital (daí a Avenida dos Expedicionários do Matadouro Modelo até Porangaba ter sido outrora chamada Estrada do gado).


Arronches foi o primeiro distrito a constar no traçado da Estrada de Ferro de Baturité, cujo primeiro trem em caráter experimental chegou, pasmem a coincidência, também aos 14 de setembro de 1873, depois de 115 da Ordem Régia de Portugal.
A circulação do primeiro trem data oficialmente de 30 de novembro de 1873. Esse foi o primeiro transporte de massas que o interior do Ceará ganhou. Ainda sobre o projeto de o trem passar por Porangaba, João Brígido, enamorado de Fortaleza, publicou no jornal Unitário 

 um artigo com o título: Traçado da Estrada. De onde extraí este pequeno trecho: 
“Muito em princípio a linha devia seguir um trajeto até Porangabuçu; daí noutra tangente até Arronches, mas o português Carneiro, muito influente na política do seu tempo, com terras por trás da lagoa de Arronches, obteve que se quebrasse a linha, para que esta inutilmente, chegando à extrema do seu sítio, fizesse a grande curva que apresenta cortando a Estrada empedrada para atingir a estação, com grande aumento de linha" (Edição de 20.02.1908). 

Chácara em Parangaba onde funcionou o Grupo Escolar de Porangaba.

O leitor agora pode compreender o porquê do trem que, partindo da Central ao sair da
Estação de Couto Fernandes, faz uma grande curva à esquerda para depois compensar após a passagem de nível do Bar Avião (marco inicial da Parangaba, cuja construção deveu-se a Antônio de Paula Lemos e foi inaugurado aos 23 de outubro de 1949). 


A referida Estrada empedrada a que se refere João Brígido, é a hoje Avenida João Pessoa.
A grande reforma ocorrida no pátio ferroviário de Porangaba foi concluída em 28 de janeiro de 1941, quando o interventor Menezes Pimentel e o diretor da Rede de Viação Cearense, Dr. Hugo Rocha, inauguraram o ramal ferroviário Porangaba - Mucuripe, desativando assim o ramal da Beira Mar


Inauguração do Ramal Ferroviário Parangaba – Mucuripe 1941.

O prédio da estação fora totalmente modificado, inclusive no layout original.
Com o advento da República, havia sido cogitada a mudança da nomenclatura Vila Arronches, porém o nome lusitano permaneceu até 1944, quando o Decreto-lei nº. 1114 de 01 de janeiro de 1943, voltou ao antigo nome do aldeamento fundado pelo desaparecido padre Pai Pina: Porangaba. Nome aliás que nunca deveria ter mudado, identificando sua lagoa. 


Estação da Parangaba
Os ingleses, por exemplo, proprietários da South American Railway Construction Company Limited, e que administraram a ferrovia cearense (1910-1915), tirou da estação o nome Arronches e colocou Porangaba. Coisas de europeus! 

Só em 01 de janeiro de 1945 a RVC mudaria o nome de Porangaba para Parangaba. Que descubram os entendidos o porquê da troca do “o” pelo “a”.
A ligação da capital para Arronches, afora o trem, era por uma estrada, com
cerca de 7.200 m de pedras toscas, de onde se fazia o percurso de carroças ou a pé. Em 1929, esta única artéria foi reconstruída e, coberta de concreto passando a se chamar avenida Washington Luiz, que era o então presidente do Brasil.


Antiga Estrada do Arronches que em 1930 foi transformada na Avenida João Pessoa.
Ocorrendo a revolução de 1930, as placas da nova avenida foram arrancadas por populares,
passando a partir de então a denominar-se avenida João Pessoa, como uma homenagem ao Governador da Paraíba e que, como integrante da chapa perdedora de Getúlio Vargas, foi assassinado e o crime considerado de conotação política.


Porongaba - Primeira estação de Fortaleza em 1911.

Até 1976, essa avenida era conhecida como “Avenida da Morte”, quando tinha duas mãos, inclusive até para o tráfego de ônibus elétricos, já extintos. No governo do Cel. Adauto Bezerra foi construída e inaugurada a atual Avenida José Bastos, e assim melhorou e muito o acesso, não só para parangaba, mas para bairros adjacentes.
As provas de que Parangaba sempre fora privilegiada pelo progresso, constata-se pelas instalações de grandes complexos, já desativados, tais como: Fábrica Santa Cecília, Usina Everest, Saronord


Hoje esse populoso bairro é um cartão postal de Fortaleza. É uma mini-cidade com supermercados, indústrias, rede bancária, cartório, praças, hospitais, dois terminais de ônibus no sistema integrado e etc.
Parangaba que, gentilmente cede passagem aos trens da Companhia Ferroviária do Nordeste - CFN é assistida por suburbanos do Metrofor a cada meia hora.
E a lagoa? Continua bela! É no seu entorno que se faz Cooper e observamos o desenho do lindo pôr-do-sol."


Assis Lima

Continua...
 
Leia também:

A Fortaleza em suas ruas, avenidas, travessas...


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio




NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: