Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Os antigos Cemitérios de Fortaleza

Em 1844, o Poder Público determina a edificação de um cemitério público, o Croatá ou São Casimiro. A decisão de onde seria o campo-santo foi dos então médico da pobreza, cirurgião mor da província e cirurgião ajudante do Corpo Fixo de Caçadores. A área vizinha ao morro do Croatá foi escolhida por reunir as condições necessárias ao empreendimento. O local ficava a sotavento da cidade e as exalações prejudiciais aos citadinos seriam dispersas pelos ventos. O projeto obedeceu critérios matemáticos que levaram em consideração a tabulação do número de falecimentos dos anos de 1845 (294), 1846 (286) e 1847 (170). A notícia da criação da necrópole foi publicada na edição do jornal O Cearense, de 3 de fevereiro de 1848.


A Estação Central (João Felipe) foi construída no lugar do antigo Cemitério de São Casimiro. Foto de 1907


O Morro do Croatá ficava contíguo onde hoje está a Praça Castro Carreira, a Praça da Estação. Com a epidemia do cólera, em 1856, foi acrescida uma área ao São Casimiro para sepultamento daquelas vítimas especificamente. O novo espaço foi separado por grade de ferro do plano já existente anteriormente.




O que foi previsto aconteceu muito mais rapidamente do que se imaginou. 16 anos depois o cemitério já se encontrava muito próximo ao Centro e com o agravante de estar sendo soterrado pelas dunas. A realidade é que eram dois cemitérios, porque os protestantes e demais acatólicos (que não são católicos) eram enterrados num cemitério privado que ficava vizinho ao São Casimiro, administrado pela Santa Casa de Misericórdia, o que foi oficializado em lei provincial de 1860. O privado ficava sob a responsabilidade da empresa Singlehurst & Co.
Em 02 de Janeiro de 1848 é Assentada a primeira pedra para construção do primeiro cemitério de Fortaleza, o Cemitério de São Casimiro(*) (ou de Croatá), no Morro do Croatá, em terreno doado pela família Braga Torres.



Exumação dos restos mortais do Boticário Ferreira 
Em 08 de Maio do mesmo ano, inaugura-se o Cemitério de São Casimiro(em homenagem ao governador que autorizou a construção, Casimiro José de Morais Sarmento), edificado em virtude da Lei Provincial nº 319 de 01/08/1844 e que seria desativado em 1866 com a construção do Cemitério de São João Batista, para onde foram trasladados alguns corpos.
A construção esteve a cargo do tenente Juvêncio Manuel Cabral de Menezes.


Fachada antiga do Cemitério de São João Batista sendo demolida - Arquivo Nirez


O Cemitério de São Casimiro estava localizado no Campo da Amélia, hoje, Praça Castro Carreira, conhecida como Praça da Estação.
O campo foi construído em 29 de junho de 1830 em homenagem a imperatriz  D. Amélia de Leuchetmberg. Foi um campo de treinamento e hipismo. Construído pelo engenheiro da Província, Juvêncio Manoel de Menezes, por ordem do Presidente da Província José Sarmento. Localizava-se no lado poente do campo, era murado e tinha uma capela na entrada do terreno que era dividido em dois lados. Na esquerda ficava o lado conhecido como o Campo dos ingleses, onde geralmente eram sepultados os estrangeiros.


Pena de morte cumprida em frente ao Cemitério de São Casimiro
Por ser próximo da praia,existia uma duna conhecida como Morro do Croatá que devido aos ventos e a areia foi aterrando lentamente o cemitério, que foi demolido em 26 de fevereiro de 1880 e construído o Cemitério de São João Batista(**) em abril do mesmo ano no bairro de Jacarecanga.


1- A ampliação do Cemitério de São Casimiro

2- Construção do Cemitério de São João Batista

3- Os antigos enterros eram feitos nas igrejas

Ilustres enterrados no Cemitério de São Casimiro

  • 29 de Abril de 1859 - Falece, em Fortaleza, às 21h, o farmacêutico prático (boticário) Antônio Rodrigues Ferreira de Macedo (Boticário Ferreira), ex-vereador, ex-intendente, vítima de asfixia lenta devida à aneurisma da aorta pectoral. 
    Foi sepultado no antigo Cemitério de São Casimiro (do Croatá).
  • 09 de Julho de 1862 - Morre, em Fortaleza, aos 78 anos de idade, sendo sepultado no Cemitério de São Casimiro, Francisco Fernandes Vieira (Barão e Visconde do Icó), nascido em Saboeiro em 20/05/1784.

Igreja do Rosário do Álbum Fortaleza 1931

Igreja do Rosário - Túmulo de muitos

Alguns moradores afirmam que os seus antepassados falavam que antigamente era comum as pessoas serem enterradas nos próprios sítios onde residiam nas zonas mais distantes do centro de Fortaleza. Vários eram os motivos que levavam os moradores a agirem dessa forma. A distância e a falta de transporte dos corpos, não existia lei sanitária que determinava a obrigatoriedade dos enterros em cemitérios públicos e pela falta dos mesmos em zonas urbanas, surgidos somente em 1902.

Até meados do Século dezenove, era costume enterrarem os mortos nas igrejas. Um grande exemplo dessa tradição, é a quantidade de pessoas que foram enterradas na Igreja do Rosário. No governo de Lúcio Alcântara, a igreja correu sério risco de ser demolida, mas durante as obras, foram achados corpos de escravos, forçando (felizmente) o cancelamento da demolição.


Postal da igreja do início do século XX
No ano de 1828, uma lei imperial recomendava às câmaras municipais que elaborassem posturas para tratar do estabelecimento de cemitérios fora do recinto das igrejas.
Era 1938, Fortaleza tinha pouco mais de oito mil almas (Abreu, 1919) encravada em dunas escaldantes e revoltas."Era costume arraigado enterrar-se os mortos dentro das igrejas ou em seus átrios e arredores. Questões relacionadas à Saúde Pública teriam sido responsáveis pela proibição das inumações (sepultamentos) no interior e vizinhança das igrejas. Acreditava-se que os gases produzidos pela decomposição dos cadáveres ocasionariam doenças", revela Henrique Sérgio de Araújo Batista no livro: Assim na Morte como na Vida.

Foto de 1912

O Cemitério dos Ingleses (Protestantes)

No São Casimiro havia uma área reservada e marginal para os que não professavam a fé católica ou atentassem contra os princípios desta (judeus, suicidas, etc).
Foi também construído o Cemitério dos ingleses (para protestantes) vizinho ao São Casimiro, que era mantido pela firma de importação e exportação Singlehust & Co, de Henrich Brocklehurst.

O Cemitério dos Ingleses continuou a ser utilizado até ser demolido em 1880, para construção de armazéns e da estação da Estrada de Ferro de Baturité. A partir daí foi destinada uma área nos fundos do Cemitério São João Batista para sepultamento dos protestantes.

Curiosidades

Túmulo de Plácido de Carvalho - Foto Raimundo Gomes
Até 1828 os corpos dos fortalezenses eram sepultados nas paredes das igrejas. Com o passar dos tempos a sociedade exigiu que seus mortos fossem “separados” dos vivos. Com isso, em 1844 o morro do Croatá, depois Cemitério de São Casimiro passou receber e sepultar os mortos da capital cearense. Em 3 de fevereiro de 1848, foi realizada uma publicação no jornal, onde era narrada a necessidade de a sociedade possuir um cemitério. Ainda dentro da cidade, o cemitério é retirado da mesma e construído em um lugar mais distante. A data de 1860 é marcada pela privatização da Igreja Católica ao Cemitério São Casimiro, que passou a receber exclusivamente corpos de católicos.
Como único cemitério de Fortaleza, o São Casimiro, estava completamente cheio por ocasião da febre amarela e de outras doenças da época.

Jazigo da sra. Pierina e de Emilio Hinko - Foto Raimundo Gomes
Fundado em 1862, o mais antigo cemitério de Fortaleza localizado na Rua Padre Mororó, S/N, no bairro Jacarecanga, próximo à Catedral Metropolitana de Fortaleza, O Cemitério São João Batista é cenário de uma infinidade de obras de arte. O São João Batista, assim nomeado o cemitério, a partir desse ano começa a receber corpos pertencentes a parentes das famílias ricas da capital. O cemitério São Casimiro é desativado e só depois de 10 anos a prefeitura constrói uma praça no local. 


Em 1866 o São João Batista é oficialmente inaugurado. Recebendo um portão e um muro mais reforçados em 1872, data exposta na parede da entrada como sendo a data de inauguração.

Clique para Ampliar
Para o administrador do cemitério e profundo admirador do local, Denis Roberto Marques, o São João Batista não é um só o lugar de enterrar os mortos, mas sim um lugar vivo e cheio de histórias. Afirma que depois de sua inauguração e ainda hoje, as famílias cuidam com muita atenção dos túmulos de seus familiares. Decoram. Tentam deixar o ente o mais próximo possível dos vivos.

Clique para Ampliar
Túmulo  do inquestionável escritor Quintino Cunha cujo epitáfio é de autoria dele mesmo: "O Padre Eterno, segundo refere-se a história sagrada, tirou o mundo do nada e eu nada tirei do mundo."

Os indigentes, segundo Denis, antes eram enterrados no São João Batista, mas devido a falta de espaço foram encaminhados para outro cemitério. O administrador explica que não dá para saber qual é o número exato de mortos, por nunca ter sido feito um controle, mas confirma o número de 25 MIL jazigos.

Clique para Ampliar

Clique para Ampliar
Por volta de 1862, a forma que as famílias encontravam para mostrar sua ascensão econômica era decorando os túmulos de seus parentes. Um caso muito conhecido foi o da baronesa do Crato que tinha o hábito de fazer um piquenique aos domingos com a sua família. Essa ideia foi adotada pelo restante da sociedade que passou firmar uma competição em relação aos túmulos mais bonitos.

Clique para Ampliar
Além da baronesa do Crato, figuras como Caio Prado (governador do Ceará) que teve o jazigo mais complicado de ser construído, tendo que ser usadas as mesmas técnicas aplicadas no Egito para a construção das pirâmides; o senador Virgílio Távora com uma majestosa estátua de ferro de Jesus Cristo em seu túmulo; o escritor Quintino Cunha; Engenheiro Antonio Santana Jr., Dionysio Torres, respectivos nomes de rua e bairro de Fortaleza, fazem parte da construção de um lugar para descanso eterno, porém com um cenário maravilhoso.
Cícero Ricardo é o responsável pela manutenção do cemitério. Ele trabalha no cemitério desde 1990, de domingo a domingo das 7h às 17h, demonstra muito amor e dedicação ao local. Ele explica que o São João Batista, assim como um bairro, é dividido em ruas e cada jazida tem sua numeração.
Além de todo cuidado com o cemitério, Cícero também faz referência a “beatificação” (feita pelos visitantes e familiares) de alguns mortos como, por exemplo, a menina Lúcia (1915 – 1917) e Cleidimar Medeiros Dantas (1955 – 1970) falecida cinco dias antes do seu aniversário, atropelada pelo tio. Cícero afirma e também é visível nos túmulos, que muitas pessoas fazem visitas aos jazidos buscando alcançar graças. Cura de algumas doenças, aprovação em vestibular, melhorias nas condições financeiras são constantes pedidos feitos pelos fiéis às jovens. Toda segunda-feira uma média de 40 pessoas visitam o túmulo de Cleidimar para agradecer pelas graças alcançadas. Os fiéis levam velas, flores, quadros, mensagens.
Nas histórias do São João Batista existe um fato. O exame de DNA depois que o indivíduo chega a falecer, quando pedido, passa por processo simples, mas de bastante responsabilidade. Cícero explica que um delegado e um promotor de justiça vão até o cemitério e levam os restos mortais em saco apropriado para análise. Na saída do corpo Cícero assina um documento, onde se responsabiliza pelos restos. O resultado saí em até dois anos comprovando ou não o parentesco.
ideia de cemitério, sem dúvidas, é a de um local para o descanso eterno. Local onde nossos corpos são colocados depois que morremos. Mas quebrando os conceitos sobre o uso do cemitério, o neonazista (assim considerado) Joaquim de Sousa Míteri, já construiu e fez lápide do próprio túmulo. Segundo Cícero, o senhor Joaquim vem todas as manhãs fazer caminhada dentro do cemitério e aproveita para cuidar do seu túmulo. De maneira engraçada Cícero defende, ele é um homem precavido.
Uma característica interessante do São João Batista, é a área destinada ao sepultamento dos não-católicos. Antigamente separada do cemitério católico por muros, hoje só se percebe a antiga divisão pela quantidade de túmulos de judeus que se concentram no setor posterior do cemitério.


  • 05 de Abril de 1866 - Bênção do Cemitério de São João Batista, construído no local conhecido por Tijubana, que substituiu o Cemitério de São Casimiro.
  • 12 de Abril de 1880 - Iniciada a trasladação dos ossos exumados do antigo Cemitério de São Casimiro para o Cemitério de São João Batista, pela Mesa Regedora da Santa Casa de Misericórdia. Foram exumados do cemitério São Casimiro os restos de pessoas ilustres como Pessoa Anta e Padre Mororó transferidos para o cemitério São João Batista.
A mulher do balaio
Na década de 1960, ali pelo Jacarecanga, se se queria que crianças ficassem comportadas, bastava anunciar a vinda da "mulher do balaio". Aquela alta e forte senhora grisalha de saia rodada e seu cesto de flores era uma visão apavorante para a meninada. Ninguém a encararia se tivesse coragem de estar no aposento onde era recebida por mães, tias ou avós. Todos sabiam que ela vinha do cemitério e que as flores nasceram em volta dos túmulos. A tradição familiar, cujas bisavós herdaram de suas mães e avós, de manter roseiras no cemitério e usar as flores que brotavam na profusão daquele solo ricamente orgânico em casa, era suficiente para paralisar os pequenos. Aqueles vasos nunca se quebravam, pois ninguém pegava neles. Aos menores era impedido ver seus mortos. Os adultos iam aos ritos fúnebres e cemitério, só no Dia de Finados, onde as velas queimando e a emoção das pessoas por seus entes queridos, tocava a todos. Hoje o cemitério comporta cerca de 16 mil túmulos.

Cemitério da Parangaba e do Antônio Bezerra
Em 1910, surgem os primeiros cemitérios públicos urbanos como o de Parangaba. Em 1935, alguns moradores do Barro Vermelho reuniram-se para a construção de um cemitério no bairro, dentre eles destacamos: Sr. Manoel Rodrigues Venâncio, irmão do Sr. Cizisnando Rodrigues Venâncio, que construíram em um terreno localizado ao lado esquerdo do Patronato da Sagrada Família. Em 1937 com alargamento das ruas do bairro, foi modificado sua estrutura para o atual, segundo afirma o Sr. Antônio Braga Venâncio, que presenciou os translado dos corpos para o cemitério atual.
NCemitério de Antônio Bezerra estão repousando os entes queridos das principais famílias do bairro: Couto Bezerra, Teixeira CamposGiffonyRebouça Brasil, UchôaSantosBezerra de MenezesMatos DouradoPessoa e Mendes, dentre outros. O cemitério atual está lotado, sendo necessário a ampliação do mesmo. Por conta disso, algumas famílias já utilizam outros tradicionais cemitérios de Fortaleza.

(*)Cemitério de São Casimiro
Diz a lenda que a ideia de um cemitério surgiu quando a mulher de Casimiro de Morais passou mal em uma missa na igreja do Rosário e acreditavam-se em miasmas dos corpos enterrados na igreja.
O cemitério foi construído a oeste da cidade para o vento levar esses tais miasmas,porém a cidade cresceu e o centro já estava nas proximidades do cemitério. Quando ocorreu a seca de 1915 vários corpos ficaram a céu aberto.
Então Fortaleza ganha um novo cemitério o São joão Batista.


(**)Cemitério São João Batista
A discussão para a construção do novo cemitério tem lugar no início dos anos 60 do século XIX. Mesma inacabada, a nova necrópole foi inaugurada em 1866. O portão frontal do São João Batista está datado de 1872, mas este é o ano de conclusão da amurada e afixação do portão.
Os túmulos e despojos mortais dos cemitérios da Praça da Estação que tiveram condições, foram transladados para o São João Batista.
Como todo campo-santo, dali contam-se histórias de túmulos que racham após os consertos, barulhos estranhos; mas quem trabalha ali diz que nunca viu nada extraordinário. O certo é que há verdadeiras obras de arte adornando a última morada dos fortalezenses que têm famílias mais antigas na cidade.


É impossível precisar exatamente a quantidade de corpos que já foram sepultados no São João Batista. Desde o ano 2000, o registro de enterros é informatizado. Os dados anteriores estão em livros.
A Santa Casa de Misericórdia amarga prejuízos com a inadimplência da taxa de manutenção mensal.
Os principais gastos do cemitério são com segurança e limpeza. As fontes, além da taxa citada, são através da vendas de urnas, taxas para enterro, velórios e exumações.


Crédito: Portal da história do Ceará,  Site do Bairro Antônio Bezerra De pés descalços,  História do Ceará - Airton Farias, Indyra Tomaz, Memória.Bn.Br e Diário do Nordeste.

10 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blog histórico de Fortaleza. Sou Prof. e Pesquisador (Paulo Lima,)Estou realizando uma pesquisa de Pós-Graduação em História sobre o cemitério São José (Parangaba) e encontrei um documento O Código de Posturas Municipal de 04 de Abril de 1889 já descreve a construção do calçamento do cemitério de Porangaba, e vários códigos de postura para os enterramentos ainda no final do século XIX. Quais fontes você utilizou para ter essas informações publicadas no seu blog sobre o cemitério da Parangaba? ano de construção, translado de corpos?. Agradeço, muito obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Utilizei o portal da história do Ceará, um site muito rico por sinal!

    Link: http://www.ceara.pro.br

    Obrigada a vc, pelo comentário e visita ao blog!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela dica de pesquisa...muito interessante esse site. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de manter contatos com parentes de meu pai,joão batista feitosa, já falecido. ele era filho de Francisco Batista Feitosa e Raimunda Barroso Feitosa, avós maternos: Sebastião Baroso e Amancia Barroso Dantas, avós paternos Joao Batista Feitosa e Maria Gadelha Dantas, meu e-mail é klinger_feitosa@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Leila, tenho curiosidade de saber em quais ruas foram feitos os sepultamentos decorrentes da cólera e febre amarela. Vc poderia me ajudar? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Josias,

      Os mortos pelo cólera não foram muitos no Ceará.O mesmo não se pode dizer da varíola.Nessa época existia um hospital de isolamento(semelhante ao S.José,de hoje), O Nosocômio da Lagoa Funda ,situado nas imediações do Bairro Ellery. Os mortos da varíola chegaram a mil em um dia e por isso foram sepultado ao longo da atual Av. Francisco Sá.Escavações recentes na rua Adriano Martins revelaram alguns desses corpos.

      Excluir
  6. Oi Josias, bom dia!

    Vou consultar o historiador Nirez, ele deve saber de alguma coisa sobre o assunto, ok?
    Assim que eu tiver alguma informação, coloco aqui para vc!

    ResponderExcluir
  7. Novidade Josias...

    Conforme o Nirez, na época da epidemia havia uma vala comum no Cemitério de São Casemiro, onde os corpos eram jogados.
    Ele não duvida que algum tenha sido enterrado em ruas ou quintais, mas não tem conhecimento sobre isso!

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Amigos, encontrei noutro site que o Cemitério Público de Messejana é o mais antigo de Fortaleza, datado de 1832. Gostaria de saber maiores detalhes. Adriano Verino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adriano, bom dia!

      O Cemitério Público de Messejana, é sim o mais antigo, ele é de 1836, bem antes de Messejana deixar de ser um município independente e ser anexado à Fortaleza, o que só ocorreria em 1921.

      Abraços

      Excluir