Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Antônio Bezerra - Um bairro movimentado [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 2 de outubro de 2010

Antônio Bezerra - Um bairro movimentado


Foto antiga da Igreja Jesus, Maria José - Crédito da foto

Estação de trem, rodoviária e uma ampla avenida são vantagens do lugar apontadas pela própria comunidade.
Não há nada mais emblemático no Antônio Bezerra do que a imagem de constante movimento. Desde o fluxo intenso na Avenida Mister Hull, passando pela rodoviária (que, até 2000, funcionava em outro lugar e detinha o nome de "Rodoviária dos Pobres") até a estação do trem são exemplos de como o bairro foi favorecido pela diversidade nos seus acessos.

Aliás, o nome original do bairro, que perdurou até meados da década de 1960, tinha como origem a estrada que o ligava ao município de Caucaia, conhecida como Estrada do Barro Vermelho. Moradores antigos dizem que essa foi uma grande vantagem para o desenvolvimento local, não apenas no rápido povoamento, mas na expansão das fontes de geração de emprego e renda.

Igreja Jesus, Maria e José é um das construções anteriores à criação do bairro

Vida noturna

Se, no passado, conforme o comerciante Francisco Sales Furtado, o comércio do gado movimentava riquezas, o mundo da produção atual inclui indústrias, comércio e entretenimento que conferem vida noturna das mais movimentadas.

O vínculo do Antônio Bezerra com o comércio de carne, lembra o memorialista Christiano Câmara, tanto provinha dos bois transportados por caminhões pela estrada do Barro Vermelho como do trem.

Chácara Salubre - A mais antiga edificação do bairro - Crédito da foto

O lugar ficou conhecido pelos recantos de engorda. Na verdade, consistia de um tempo curto para o restabelecimento do gado, em vista do desgaste de deslocamentos, principalmente, provenientes do Piauí.

Antigo frigorífico da cidade de Fortaleza. A situação é de completa precariedade e risco de vida.

Pela existência de diversos matadouros, a vocação para ser centro de abastecimento de carne em Fortaleza perdurou, ainda, nas décadas de 1960 e 1970, com a instalação do Frigorífico Indústria de Fortaleza (Frifort), mantido pela Prefeitura de Fortaleza, quase no limite com o município de Caucaia. Apesar da evolução para um abate industrial, o frigorífico fragilizava a estrutura sanitária do bairro.

A deterioração, em vista de sangue e vísceras despejados às margens do rio Maranguapinho, chamava a atenção pela degradação do manancial, especialmente pelo descontrole na proliferação de aves de rapinas. Com isso, criou-se uma resistência dos moradores e ambientalistas, que levaram ao esvaziamento do Frifort na década de 1980.

Se o comércio de carne entrou em decadência, outras opções de emprego e renda foram estimuladas, em vista da mobilidade. Como lembra Christiano Câmara, de um lugar remoto, tomado por sítios e uma extensa área verde, foi povoado rapidamente, graças ao crescimento demográfico natural e, sobretudo, à facilidade de acesso.

Saudade

"O tempo em que o Antônio Bezerra parecia ser um lugar alheio a Fortaleza deixou saudades. Era ali que passava férias na casa de meu avô, onde ele construiu uma granja e uma floricultura", recorda Douvina Câmara. O saudosismo lhe toca a alma pela modificação sofrida com o passar dos anos. Hoje, para ela, o Antônio Bezerra é mais do que um bairro. Passou a ser uma cidade dentro de outra cidade, interagindo com muitas comunidades dentro e fora de suas limitações geográficas.

O ideal abolicionista

O nome de Antônio Bezerra tem origem numa homenagem feita ao filho do Dr. Manoel Soares da Silva Bezerra e de Maria Teresa de Albuquerque Bezerra. Na juventude, sua produção poética foi muito popular, especialmente depois da publicação de "Sonhos de Moço" (1872) e "Três Liras" (1883), juntamente com Justiniano de Serpa e Antônio Martins. Participou ativamente da campanha abolicionista no Ceará. Esse característica, inclusive, fez com que o Estado antecipasse a abolição da escravatura para o dia 25 de março de 1884, quatro anos antes da Lei Áurea. Foi, porém, na historiografia que desempenhou papel mais importante, escrevendo obras que até hoje são referências para a compreensão do história do Ceará no período em que viveu. Colaborou com diversos jornais da Capital, entre eles, "O Ceará" e "O Libertador", tendo sido um dos fundadores de ambos. Foi também fundador do Instituto do Ceará. É patrono da quarta cadeira da Academia Cearense de Letras.

PROBLEMA 
Rodoviária somente para embarque

A Rodoviária do Antônio Bezerra é, contrária à razão, um lugar apenas para o embarque de passageiros. Inaugurada em 2000 pelo então governador Tasso Jereissati, captou os antigos passageiros que saíam de Fortaleza para o Interior e outros estados. Ficou, de fato, conhecida como a Rodoviária dos Pobres, localizada na Avenida Mister Hull.

Ao longo de uma década de serviço, nunca foi viabilizado o desembarque. Benefício que poderia ocorrer dentro do próprio corredor ou com a construção de um viaduto.

Constrangimento

Para a moradora Maria Mirtes Medeiros, trata-se de uma situação constrangedora. Afinal, como lembra, os passageiros dos ônibus intermunicipais e até interestaduais desembarcam com malas e sacolas, tornando-se alvo vulneráveis para assaltantes e marginais.

Essa situação também prejudica os taxistas, que improvisam pontos em áreas específicas da avenida, à espera de eventuais passageiros, que descem dos veículos. O supervisor do terminal rodoviário, Edilberto Martins, diz que essa dificuldade é um grande desafio para se otimizar o equipamento. Por mês, circulam ali aproximadamente 20 mil passageiros. Número, conforme salienta, que sempre aumenta em feriados prolongados e até mesmo nas sextas-feiras à noite.

Estrutura

Com um amplo salão de espera, lanchonetes e guichês de venda de passagem abertos durante o horário comercial, a estação de embarque foi uma evolução bastante considerável.

Hoje, a rodoviária voltou a sofrer com a degradação, ao atrair o comércio ambulante, motivado pelo fluxo não apenas de ônibus, mas de vans, carros fretados e outros veículos.

Há também uma movimentação intensa de pessoas que ficam no aguardo de transporte, em geral nas imediações do viaduto que atravessa a Avenida Mister Hull. Um cenário contrário à higiene e à organização da nova rodoviária.


Marcus Peixoto


Fonte: Diário do nordeste

3 comentários:

  1. Há dois supostos endereços a terem sido a residência oficial do Antonio Bezerra de Menezes: 1º a Chácara Salubre! 2º a casa murada com grades e dois portões defronte a Igreja matriz do bairro Antonio Bezerra, dizem que aí tem algo escrito!
    Se o Distrito de Porangaba tinha seis léguas quadradas o Barro Vermelho estava incluso!
    Hora de pagar taxa de Pesquise ao cartório de registro de imóveis!
    Antonio Bezerra de Menezes não era o charlatão nem tão pouco o macumbeiro que muitos pensam que era... Sei que muitos quiseram contar essas historias e fizeram uma misturada danada... Tal qual fizeram a historia de Galileu Galiléu!
    Quer saber mais sobre o Antonio Bezerra de Menezes... Pesquise na Paróquia do Bom Jesus dos Aflitos* ou na antiga Câmera de Vereadores da Parangaba!
    O Antonio Bezerra de Menezes’ vereador do Distrito de Porangaba que morava no Barro Vermelho (atual Antonio Bezerra) foi responsável pela junção dos Distritos de Porongaba e Mesejana ao Distrito de Fortaleza e da construção da Estrada do Gado... Gado chegado de trem da zona norte do Siará que desembarcavam aí na Estação Ferroviária, vinham a pé pra serem abatidos no Matadouro de Parangaba... Não sou nem tão velho assim e vi muitas boiadas passarem O_O

    ResponderExcluir
  2. Teve um funcionario da rodoviaria dos pobre que humilhou meu padrasto hoje vou decobrir esse funcionario sem nocao esse indevido vou conversa com ele pesoalmente pra ele respeitar principalmente deficiente

    ResponderExcluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: