Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Abril 2017 [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 13 de abril de 2017

Historicídio de Fortaleza - Por Adauto Leitão


Forte de São Sebastião (Antes de recuperado, ampliado e rebatizado por Martins Soares Moreno, tinha o nome de Fortim de São Tiago) - Gravura do livro do holandês Arnoldus Petrus- ano 1673 

"A “data oficial do aniversário de Fortaleza”, com supostos “291 anos” é tão risível do ponto de vista da ciência história; o quanto nociva às gerações, na maneira como se trata a memória dos cidadãos e da cidade. Já conceituei que omitir 122 anos de uma construção histórica é um crime de lesa capital, à razão do Marco Zero de Fortaleza com 413 anos. 

 Mapa da costa cearense em 1629


Fortaleza em 1859, por José dos Reis Carvalho. 

O que acontece de fato é um Historicidio de Fortaleza não somente patrocinado pela Prefeitura, mas, com certas omissões da Câmara Municipal que, diga-se, tem 316 anos de fundação. Faz uma década que se impõe de todo custo “uma comemoração”, que já saqueou dos cofres públicos municipais 54 milhões de Reais (dados até 2016); numa inversão de prioridades, de tal modo perversa, que muitos destes recursos poderiam ter outro destino, aplanando a desigualdade social. Esta mega festa foi “criada” pela ex-prefeita Luizianne Lins que não escondia “ser data especial o 13 de abril”, levando em consideração a sua autoafirmação de “marxista esotérica”, então, – o que pensar disso… 

A “festa”, em 2017, tem a “participação” de Raimundo Fagner neste Historicidio de Fortaleza; mas, lembro que: “Bela é uma Cidade Velha”… 

Fardamento gestão Luizianne Lins

Historicidio que acontece nas escolas municipais, não apenas como uma atitude de negação curricular da História de Fortaleza, mas como desvalorizando a disciplina fundamental na formação da cidadania e um sentimento de pertença da cidade. No campo da educação outro absurdo, crianças e adolescentes foram obrigados a vestirem uma farda, ao gosto da gestão municipal; por exemplos: no tempo do Juraci Magalhães, o fardamento era tricolor (azul, branco e vermelho) que poderia lembrar alunos chilenos; no período da Luizianne Lins (vermelho predominante) que tinham similitude aos “cubaninhos”. Mas, o prefeito Roberto Cláudio foi muito além, desfigurou a bandeira e o brasão municipal para colocar o seu “padrão de governo” e, tudo isso, com aval da Câmara Municipal de modo que num tipo azul celeste, estudantes propagandeiam “a nova identidade de marca” ao que até parecem “ninhos uruguaios”… 

Imagem Jornal O Povo 

A identidade de Fortaleza não acontece hoje pela História dos seus 413 anos, mas pela forma imposta de uma “cidade nova” com seus 291 anos. Última análise, destituída de conteúdo da sua construção histórica, que é intrínseca à memória coletiva. Importante questionar ser um “produto de mercado”, algo vil e torpe, diga-se, até para o conceito de turismo. Pois, Fortaleza perde o status de ser apresentada como uma das primeiras e mais importantes capitais do Brasil com mais de 400 anos. Os símbolos e expressões dessas identidades representam um pré-requisito para a construção de uma sociedade mais consciente, justa e igualitária. Por essa razão, preservar e proteger o passado é essencial para garantir os legados, valores, ideias e narrativas que ajudam há transpor o tempo e espaço… 

Historicidio de Fortaleza – Não!"

Adauto Leitão 
Historiador, Acadêmico-Fundador e Diretor Da Acecult


Concordo em gênero, número e grau com o Adauto Leitão!

Então, que fique bem claro! Esse aniversário de Fortaleza, que ocorre hoje (13 de abril), é apenas a comemoração da elevação do pequeno povoado à condição de vila, que ocorreu em 1726 (Há 291 anos). Não se trata, em hipótese nenhuma, do surgimento da cidade!
 

Fonte: Jornal O Estado

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A Semana Santa do meu tempo - Especial Fortaleza 291 anos


Aos poucos, os atos mais tocantes e piedosos da Semana Santa, vão desaparecendo, consequências dos Concílios Ecumênicos Vaticanos I e II.  Lembro-me, menino de calças curtas ainda, na católica Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, com elevada devoção, assistia, juntamente com outros moleques do meu tempo, a chamada “Procissão do Encontro”.



O velho Fabrício, sineiro da diocese, agarrava-se às cordas que pendiam dos gigantescos sinos de bronze, e, em dobrados graves e solenes, promovia a divulgação da saída do préstito do Senhor Bom Jesus dos Passos, que, no dia anterior, havia “fugido” para a Capela da Santa Casa, como que simbolizando a retirada do Cristo, para a sombria solidão do Horto das Oliveiras


Em igual tempo, da Igreja do Rosário, construída em 1730 pela comunidade negra, partia a imagem de Nossa Senhora das Dores, que minha falecida avó, Martinha Maciel e outras consanguíneas da irmandade, haviam vestido com um manto de cor violácea. Essa estátua chamava-me deveras a atenção, porque tinha o coração trespassado por um alfanje de prata.

Naquela época, eu não entendia bem, o que aquilo tudo significava, por mais que vovó, com toda a paciência desse mundo, me explicasse dizendo tratar-se de "uma espada de dor".


Desta forma, ambos os cortejos, oriundos de lugares opostos, com acompanhamentos, a se perderem de vista, convergiam para o Paço Arquiepiscopal, onde as estampas se encontravam, ficando uma em frente da outra: Mãe e Filho.

O andor do Senhor Bom Jesus dos Passos era enorme e bastante pesado. Vestia uma túnica roxa bordada em ouro, e, na cabeça, prendendo os longos cabelos em cachos, via-se uma coroa cheia de espinhos agudos. A face, exprimindo dores atrozes, estava banhada em sangue.

Uma enorme cruz negra contrapesava sobre os seus ombros. Nos quatro cantos da padiola de jacarandá, carregada nada mais, nada menos, por oito homens, sobressaiam enormes ramos de alecrins aromáticos. O percurso desta escultura, durante toda a comitiva pomposa, sempre se dava mais longo que o outro, visto que teria de visitar os "Sete Passos". 

 Foto colhida da janela do andar superior do Hotel Bitu, de Bartolomeu de Oliveira. Arquivo Nirez


Ao lado, belíssimo Cartão Postal da então Praça D. Pedro (Caio Prado). Ao fundo, o famoso Hotel Bitú.
O Primeiro deles, conhecido como a “Oração no Horto”, por muitos anos aconteceu no "hall" do Hotel Bitú, na Praça Dom Pedro II. Em cada um desses "Passos", o coro do Seminário, constituído por vozes mistas de soprano, contralto, tenor e baixo, detinham-se e entoavam o "Stabat Mater Dolorosa”.

A pregação, seguida da bênção do Santo Lenho, constituía-se no ponto terminal daquela festividade. E recordo-me que o discurso -, por sinal longo e às vezes enfadonho -, acabava pronunciado por um orador sacro de renome, que geralmente vinha de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Guardo nitidamente na minha memória, o exórdio de um daqueles vaticínios: "O vos omnes qui transitis per viam, atendite et videti si est dolor sicut dolos meus...".

O cerimonial da Semana Santa iniciava exatamente quarenta dias após a páscoa, às nove horas em ponto, sem nenhum tipo de atraso e, terminava no Domingo de Ramos, quase ao meio dia. Realmente, sete dias inteiros, com um conjunto típico de formalidades bonitas de ser visto, notadamente a chamada Missa Pontifical, celebrada pelo então arcebispo metropolitano, Dom Manoel da Silva Gomes.

Toda a corporação de sacerdotes, regular e secular, freiras, os irmãos da opa (capas roxas e golas vermelhas, sem mangas, com aberturas por onde se enfiavam os braços) e o povo, em geral, recebiam das mãos daquele Antífice, os ramos bentos ornamentados de flores e papel de seda colorido.

A seguir, vinha a "Quarta-feira de Trevas". Às dezenove horas, a velha , apinhada de gente, acompanhava o Oficio das Trevas, O conjunto vocal do Seminário da Prainha, dirigido pelo jovem padre Joaquim Horta (Lazarista) trauteava, em "cantochão" essencialmente monódico o “De Lamentatione Jeremiae Prophetae”. 

 Seminário da Prainha

Em paralelo, um irmão da ordem ia apagando, uma a uma, as treze velas que se encontravam acesas num grande castiçal preto, em forma de triângulo. De repente, todas as luzes da Catedral se extinguiam e, a derradeira, simbolizando o Cristo, se via, então, retirada acesa daquele candelabro e conduzida, em meio à escuridão, para detrás do altar.

Durante o "Pater Noster", rezado pelo Arcebispo e igualmente pelos seminaristas, os fieis, ao som dos tímpanos, provocavam uma série de ruídos ensurdecedores, batendo no soalho, cadeiras e livros evocando os bulícios provocados pela tragédia do Calvário.

Quinta-feira, a benção dos Santos Óleos. A cura da Sé, Monsenhor Luís Rocha e todos os vigários das mais diversas paróquias de Fortaleza sopravam suavemente sobre os vasos que continham o “óleo” dos catecúmenos, tendo, antes, feito três inclinações respeitosas, pronunciando as seguintes palavras: "Ave Sanctum óleum", aumentando de voz, à medida que iam se aproximando do sólio pontifical.

Eu achava muita graça dos padres velhinhos, vozes trêmulas e vacilantes, quase não conseguiam inclinar-se para pronunciarem aquelas invocações. À tarde, normalmente a se enchia de gente para a cerimônia do lava pés. Muitos se acotovelavam para ficarem perto dos doze mendigos e observar se o Celebrante beijava, mesmo, os pés dos pedintes e folgazões que representavam os apóstolos.

Nesse tom de momentos imperdíveis, solenes com a Quinta-feira, eram também a Sexta–feira, com a procissão do Senhor Morto, o sábado da Aleluia, com as descobertas dos Santos e o Domingo da Ressurreição com o Pontifical Soleníssimo e, com a entrada majestosa do Senhor Arcebispo, sob os acordes de "Ecce Sacerdos  Magnus".

Deixo aqui -, senhoras e senhores, Ad Perpetuam Rei Memoriam -, um pequeno e resumido quadro do muito que acontecia na Semana Santa, das missas realizadas em latim,  das procissões, das quermesses, enfim, dos meus idos de garoto e, evidentemente, da Fortaleza querida (terra de minha falecida avó Martinha Maciel) dos meus eternos sonhos de adolescente."


Aparecido Raimundo de Souza
De Vila Velha Espírito Santo ES.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

O Ceará Durante a Terrível Seca de 1877


"... Na história das secas cearenses nunca houve uma migração tão intensa como na seca de 1877, nem tanto sofrimento, três anos de seca, quando centenas de milhares de pessoas foram se refugiar em lugares menos afetados, como Aracati, Baturité, ou Fortaleza. Na capital da província, famílias maltrapilhas e famintas iam de porta em porta pedindo água e comida, roupas, invadiam plantios das casas nos arredores, moças se prostituíam para sobreviver. No interior, unidos em grupos, flagelados saqueavam depósitos de mantimentos do governo. A população da província estava sendo dizimada pela fome e seus correlatos, como as epidemias. Pessoas se tornavam párias, esmoleres, aviltadas por uma miséria absoluta num lugar estranho, perdendo o mínimo de dignidade que antes possuíam em suas casinhas de palha e roçados e cabras e uma ou duas reses." Ana Miranda


Anos de seca no Aracati - Blog Histórias do Aracati

“A peste e a fome matam mais de quatrocentos por dia”, escreveu Rodolfo Teófilo, horrorizado com o que assistia; parado numa esquina, em pouco tempo viu passarem vinte cadáveres. “E as crianças que morrem nos abarracamentos, como são conduzidas! Pela manhã os encarregados de sepultá-las vão recolhendo-as em um grande saco: e, ensacados os cadáveres, é atado aquele sudário de grossa estopa a um pau e conduzido para a sepultura”. As notícias incomodavam a Corte, o imperador chegou a dizer: 


"Vendo a última pedra da coroa, mas não deixarei mais nenhum cearense morrer de fome"- Imperador Dom Pedro II

O Governo Federal, hoje, tem e faz uso de diversos mecanismos para minorar a problemática da seca no Nordeste: Contratação de carros pipa, distribuição de renda em programas como o bolsa-família e a anistia de dívidas com a abertura de novas linhas de crédito, como as oferecidas pelo BNB - Banco do Nordeste do Brasil com agricultores nordestinos de até 95%, Lei 13340. Essas ações juntas tem matado a sede e a fome de milhões de nordestinos, como evitado o êxodo rural tão comum num passado bem recente. Muito diferente do cenário há 140 anos na terrível Seca de 1877. 
Em toda a sua história o Ceará sempre teve em Fortaleza e Sobral os dois principais vetores do desenvolvimento político e econômico, fato comprovado na década de 70 dos 1800 quando Sobral tinha 27.500 habitantes e a capital Fortaleza - 21.000. Veio a seca de 1877 que dizimou 57.700 almas, contingente maior que o das duas principais cidades juntas. 


Retirantes da seca de 1877 na praça da Estação. Livros os descaminhos de ferro do Brasil.

O Cenário em Fortaleza no Início de 1877:

"Primeiro trimestre e nenhum prenúncio de inverno,os estoques de alimentos da Província estavam praticamente esgotados e a fome se fez presente, com levas e mais levas de rurícolas esquálidos inchando a capital-Fortaleza". 

Cenário em Sobral:

"24 de março, um grupo de desordeiros armados de facas e cacetes (flagelados vindos dos quatro cantos da Zona Norte, à procura apenas de comida e água em Sobral), percorrem as ruas da cidade, pelas 20 horas, ameaçando assaltar a população..." 

Estação de Sobral

Construído por ordem do Imperador Pedro II, o Açude do Cedro, à exemplo da Estrada de Ferro Camocim-Sobral, foram iniciativas do monarca brasileiro visando diminuir os flagelos da seca para as populações do Sertão Central e Zona Norte da Província do Ceará. A Estrada de Ferro de Sobral foi um pedido pessoal da então maior autoridade em linha férrea do país, sobralense que viria ser em 1881 senador - Dr. João Ernesto Viriato de Medeiros e do também sobralense Dr. José Júlio de Albuquerque Barros (Presidente da Província do Ceará à partir de março de 1878); Concessão que caiu no 'colo' do Cel. Ernesto Deocleciano de Albuquerque. Com a Estrada de Ferro de Sobral o Porto de Camocim se tornara um 'porto privado' da elite sobralense, ligando a 'Terra de Dom José' ao Mundo (O Porto do Mucuripe fora inaugurado em 1951, 20 de outubro, quando aportou o Navio cargueiro Mormacred, da Cia. Moore Mac Curmack Line). 




Leia também:  Seca e Campos de Concentração em Fortaleza


Bibliografia.JÚNIOR,Santana.José Moreira da Rocha,o Desembargador Moreira.Fortaleza Nobre,2014. AMARAL,Alberto.Para a História de Sobral,Rio de Janeiro 1953. Jornal O Povo, 2013

terça-feira, 4 de abril de 2017

Avenida do Imperador - Especial Fortaleza 291 anos


Praça da Lagoinha, destaque para a avenida do Imperador. 

Nos  idos de 45, a avenida do Imperador era uma espécie de porta de entrada para o aristocrático bairro de Jacarecanga. Com suas largas calçadas, sua pavimentação de pedras toscas, seus frondosos e elegantes oitizeiros, era para o memorialista e escritor Marciano Lopes, a sua Via Veneto, Avenue Foch e Fifth Avenue. Suas casas são diferentes, portentosas, nobres, um relicário arquitetônico das senhoriais vivendas construídas nas primeiras décadas do século XX. As fachadas são bem características da nossa assimilação do estilo art nouveau com as imprescindíveis sacadas de ferro em notáveis trabalhos que são verdadeiras "rendas" e arabescos fundidos. As portas têm rótulas e postigos com vidraças coloridas importadas da França, da Bélgica e da Holanda. As portas de entrada dão acesso aos pequenos vestíbulos ou salas de espera. As artísticas platibandas ostentam balaústres, "pinhas", "abacaxis", jarrões.


Casa de Thomaz Pompeu vista da Praça.


Mas existem, também, soberbos bangalôs. São as construções mais recentes, espelhadas nas residências das estrelas de Hollywood. Eram assim as mansões do médico Newton Gonçalves, do milionário Checo Diogo, do interventor Menezes Pimentel. Até uma típica mansão inglesa tem na avenida do Imperador. É a residência da família Thomaz Pompeu, em frente à Praça Capistrano de Abreu (da Lagoinha). 

É encantadora sua fachada austera, de tijolinhos vermelhos, enegrecida pela pátina do tempo e sua platibanda com tantos detalhes, além da imponente varanda do andar superior.

Praça da Lagoinha vista da avenida do Imperador

No seu livro Royal Briar, Marciano detalha para nós, a avenida na década de 40: 
"E há singelas casas de beira e bica, como a da inglesa miss Sand, uma solteirona altíssima e muito religiosa, que passa, todas as tardes, para rezar no Santuário da Adoração Perpétua. Usa, sempre, vestidos estampados de preto e branco, minúsculos chapéus pretos, enormes sapatos de linha masculina e, no pescoço, rosário de grandes contas negras.


Casa de Saúde Dr. César Cals

Na minha nobre avenida, há a asséptica Casa de Saúde Dr. César Cals, dirigida pelas irmãs franciscanas. O prédio é gracioso e alegre,  contornado por bem cuidado jardim, cheiroso a jasmins e espirradeiras. Possui uma limpíssima capela, acolhedora e silenciosa, na parte superior e, embaixo, no centro, onde a escada se bifurca, um oratório de São Francisco onde, dia e noite, há sempre gente pagando promessas, rezando e acendendo velas.


Fábrica Progresso na Avenida do Imperador. Arquivo Nirez

A Escola Doméstica São Raphael. Arquivo Nirez

(Ao lado, a avenida vista da praça em 1939. Acervo Sérgio Roberto).

Na avenida do Imperador, ficam o Instituto São Luiz, as fábricas Progresso e Santa Elisa, uma loja Maçônica, a Padaria Ideal, a Farmácia São Francisco, a Escola Doméstica São Raphael, a Escola de Enfermagem São Vicente de Paulo, o Patronato Maria Auxiliadora, onde, no período do Natal, tem o bem montado Pastoril, de irmã Breves, há a pequenina e barroca igreja de São Benedito, com o convento dos padres sacramentinos, há a loja O Gambettá, famosa pelas tintas para tingir roupas, a escola de datilografia do professor Antonio Pimentel, que é dirigida pela Marola; a Villa Diogo, a mercearia do Seu Carlos, velhinho de cabelos brancos, que todas as manhãs brinda sua freguesia com retratos feitos a lápis dos políticos em maior evidência, como Getúlio Vargas, Otávio Mangabeira, Nereu Ramos, Zenóbio da Costa, brigadeiro Eduardo Gomes. O velhinho, que tem aparência de um tranquilo vovô, é simpatizante do Partido Comunista e fica frustado porque não pode expor o retrato do seu líder, Luiz Carlos Prestes. Dá cadeia!


Padaria Ideal - Arquivo Nirez


Destaque para a avenida do Imperador

Quando consigo um tostão, vou comprar "peixinhos" no seu Carlos e sempre tenho a curiosidade de ver a constante renovação da "galeria" de retratos do merceeiro-artista. 
Nossa casa, de duas sacadas de ferro fundido e uma porta, é imponente e elegante, com sua fachada cor de vinho, balaústres, cornijas e frisos bege. As portas têm vidros incolores e vermelhos de bela e forte coloração. Às quatro horas, o sol, através da vidraça, tinge de sangue o velho sofá da sala de visitas.


(Ao lado, a avenida em 1985. Foto Acervo O Povo).

Defronte à nossa casa, mora dona Santinha, virtuosa dama, mãe do político Stênio Gomes, de dona Dolores Caracas e de dona Dulce Gondim. Ao lado da casa de dona Santinha, mora dona Eva Cunha, senhora muito bonita e elegantes, mãe do jornalista Ary Cunha e das elegantes moças Evenita, Berenice, Erbene e Suzy, bem como da menina Marlene, linda loirinha, que é amiga de minha irmã Maria do Carmo e de minhas primas IreneAurinha e Lindete.

Nosso vizinho da direita é o venerado vovô, o velhinho mais simpático do mundo. Ele, que é avô de verdade do Guilherme Neto, é o vovô faz de conta de todas as crianças das redondezas. Mora com sua mulher, dona Virgínia, e suas filhas Laura, Margot e Lúcia. As duas últimas, são professoras de piano e na sala de visitas há dois desses instrumentos. No final da tarde, todos os dias, seu Guilherme, o querido vovô, de terno branco, chapéu do Panamá, gravata-borboleta e bengala, dá o seu passeio que consiste em rodear a quadra. Vai sozinho, caminha devagar e, a cada instante, é assediado pelas crianças, que param suas cantigas de rodas, suas cirandas, para beijar a mão do sempre sorridente velhinho. Retorna, quando o papagaio já põe em polvorosa a casa, indagando: "Margot, o vovô já chegou?" "Ei, Margot, o vovô já chegou?" e, como Margot, ocupada em suas aulas de piano, não responde, ele apela para Lúcia: "Lúcia, o vovô já chegou? Lúcia, Lúcia, o vovô já chegou?" sem obter resposta, dirige-se a Laura e fica a repetir a mesma pergunta, até que vovô chega e o papagaio faz aquela algazarra e no dia seguinte tudo será repetido.


Avenida do Imperador em 1939. Ao fundo o Casarão de Thomaz Pompeu. 
Acervo Sérgio Roberto

Nossos vizinhos são muito especiais. Além dos já citados, há o médico José Carlos Ribeiro, os professores Otávio Farias e João Pinto, o poeta Teixeirinha, a viúva do poeta Epifânio Leite, a família Chaves, de moças muito elegantes; seu Cristóvão e dona Iaiá, genitores do Zé Aírton, da Paulinha e da Marilac. Há seu João, da Viva o Brasil, pequena bodega que faz jogo do bicho.

É também, na avenida do Imperador, que fica a casa cor-de-rosa da milionária e benemérita dona Elisa Diogo. E há as lindíssimas filhas do professor Antonio Pimentel e dona Jatobá, a Yolanda, a Eliane e a Terezinha. Há a imponente casa de Moisés Pimentel, o conhecido Pimentel do Álcool; e a casa de "bonecas" dos manos Maria de Sousa, Vicencinha e Boa Ventura, as pessoas mais prestativas e verdadeiramente cristãs que já conheci.
É linda a minha avenida, sem favor, a mais aristocrática da cidade. Nobre, tranquila, limpa, habitada por gente fina e altaneira. Faz jus ao seu nome."

A Avenida Imperador Hoje:









Crédito: Livro Royal Briar - A Fortaleza dos anos 40 de Marciano Lopes

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: