Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Da Praça José de Alencar até os espaços da Lagoinha




Em direção ao oeste, segue a Praça José de Alencar ou Praça do Patrocínio, em homenagem a imagem de Nossa Senhora do Patrocínio, da Igreja do Patrocínio, cuja imagem foi presente do ilustre português,  Joaquim Dias da Rocha, trazida de Portugal, cuja entronização se deu quando o pároco era Padre Barbosa.
Relíquias do lugar
Seguindo a rua General Sampaio, em direção à rua Guilherme Rocha, há várias casas residenciais antigas; a oficina de obras de artes do italiano exímio escultor, Sr. Vicente Raya; Dr. Edmundo Monteiro Gondim; Família Guedes; Família Justa; e, na esquina da rua Guilherme Rocha, o maior ponto de atração para os apaixonados por músicas - "Bar Americano" de propriedade do Sr. Pedro Benício Sampaio, famoso por seu caldo de cana com pastel feito na hora, aluá, canjica e pamonha, tapioca e pão doce. No outro lado, esquina da rua General Sampaio e rua Guilherme Rocha - Antiga rua do Ouvidor (lado nascente), assoma um pequeno edifício, onde funcionou a Caixa dos Ferroviários, que durante longos anos serviu como pagadoria das pensões às viúvas dos ferroviários.

Praça da Lagoinha, onde nas esquinas das ruas Guilherme Rocha e Tristão Gonçalves, existiram as Serrarias Viana e a do Sr. Alfredo Lopes; hoje se encontra por demais desfigurada, longe de sua singularidade. Foto do arquivo Assis de Lima 

Em frente, na outra esquina, um casarão que serviu de residência do Governador do Estado, sede do Ministério do Trabalho, IAPAS, INPS, INSS, hoje Centro de Saúde José de Alencar. Seguindo pela rua Guilherme Rocha, a Igreja do Patrocínio; vizinho, antes de alcançar a esquina da rua 24 de maio, um sobrado onde residiu o Sr. Joaquim Barbosa Maia, irmão do Sr. Lopicínio Maia, donos da Garapeira que vendia especial gengibirra na rua 24 de maio esquina com rua SãoPaulo; vizinho ao sobrado, a mercearia de um senhor, conhecido por Dente de Ouro, na esquina da rua Guilherme Rocha com 24 de Maio, hoje Farmácia Patrocínio. Frente à mercearia do Sr. Dente de Ouro, existiu o prédio que serviu de residência do Governador Acioli, depois Fênix Caixeral, Lojas Brasileira, hoje Shopping Metrô.

Antigo INAMPS (atual CEMJA) – Foto de Conceição Lopes

Antiga loja Brasileiras e hoje o Shopping Metrô 

Folhas de calendário

Pelo outro lado da rua 24 de Maio com rua Guilherme Rocha, a Escola de Datilografia da Sra. Nenen Lopes, irmã do Desembargador Daniel Lopes, cujo prédio tinha um sótão com várias janelinhas, descaracterizava o andar superior, dando as janelinhas impresso de vigílias. Indo pela rua 24 de Maio (lado da sombra), em direção à rua Liberato Barroso, várias residências de pessoas gradas da época, como as famílias: Mamede, Ari Maia Nunes, José Walter Cavalcante, as célebres professoras de línguas - Adelaide e Ifigênia Amaral, filhas de abastados portugueses, cujas aulas eram ministrada pelas mesmas na própria residência, predominando os idiomas inglês, francês e espanhol.
De conversa em conversa

No mesmo lado, destaca-se ainda a residência do Dr. Thomas Pompeu Gomes de Matos e Maria de Jesus, que cultivava a mais seleta e concorrida reuniões de calçada, onde para lá se reunia a fina flor da sociedade fortalezense, por ser também agradável o "papo" levado a efeito na "roda da calçada" que contava sempre com a presença dos doutores Araken Carneiro, Suzete, Vicente Silva Lima, Ari Maia Nunes, Prof. Gomes de Matos, Clodomir Girão; e, na esquina da rua 24 de Maio com rua Liberato Barroso, o prédio do Sr. Mazine, proprietário do Posto de Automóveis Mazine e da primeira concessionária da Gás Butano, após, transferido ao Sr. Edson Queiroz, que impulsionou esse portento econômico. Todos esses imóveis foram demolidos para dar lugar ao famoso "Beco da Poeira", local para comércio e de vendedores ambulantes. Agora voltemos ao lado da Praça José de Alencar, esquina da rua 24 de Maio com rua Liberato Barroso, imóvel de propriedade do empresário Pedro Philomeno Ferreira Gomes, depois deu lugar ao Lord Hotel, considerado o primeiro edifício residencial de Fortaleza dos anos cinquenta.


Casa de Thomas Pompeu 

A Praça José de Alencar também foi palco de grandes manifestações públicas, comícios presidenciais, concentrações religiosas, pregações evangélicas, feira de amostra, Parque Shangai com o famoso "tira prosa", que consistia numa grande haste de ferro com dois barcos acoplados no meio desta, onde acomodavam dois casais em cada lado (espécie de barco), arremessando em direção do alto, até emparelhar-se fazendo ligeira parada no alto, o que causava grande suspense aos participantes da brincadeira, por sentir mal-estar, provocando vômitos, frouxidão urinária aos menos avisados e tonturas aos mais espertos cuja duração era de uns cinco minutos, assim aproximadamente.
Praça da Lagoinha

Praça seguinte, em direção do bairro Jacarecanga, era a Praça da Lagoinha - assim chamada por ter ali existido um pequeno lago. Nas esquinas das ruas Guilherme Rocha e Tristão Gonçalves, existiram as Serrarias Viana e a do Sr. Alfredo Lopes; vizinho em direção à rua Guilherme Rocha, casas de gradas famílias - Sr. Raimundo Arruda - "Arrudinha", casado com D. Irene Barbosa Arruda, educadora laureada e Diretora da Escola Normal, Justiniano de Serpa. Também ali residia a família do Sr. Clóvis Medeiros e mais tarde as irmãs professoras Adelaide e Ifigênia Amaral, poliglotas conhecidas na Cidade, pela exuberância do aprendizado linguístico, guardando distância ou prevenidas contra seus alunos, porque sabiam do seu grau de talento cultural.

Chegando à esquina da rua Guilherme Rocha com Avenida do Imperador (lado do sol), funcionou a mercearia do Sr. Antônio Bandeira de Moura, composta de uma família de cantores nacionalmente conhecidos, como as irmãs vocalistas Cleide e Adamir Moura e os cantores Carlos Augusto Moura e Henrique Moura, depois se instalou a "Padaria Ideal" dos português J. Neto Brandão - Jaime, João e Jorge.


Padaria Ideal na Avenida do Imperador - Arquivo Nirez


Padaria Ideal hoje

Chácaras e chistes

Na outra esquina da rua Guilherme Rocha com Avenida do Imperador (lado da sombra), via-se a casa do médico de renomeada Newton Gonçalves, depois Hotel Imperador. Atravessando a rua Guilherme Rocha na outra esquina, a Farmácia São Francisco; seguindo pela Avenida do Imperador em direção à rua Liberato Barroso, a aprazível chácara do Dr. Eduardo Henrique Girão, casado com a Sra. Maria de Jesus Dias da Rocha, filha do comerciante português Frederico Dias da Rocha e Maria Umbelina Pontes, sem filhos.

Ao lado, a residência da professora de inglês - Miss Sanders; Casa de Luzanira Franco e seu pai Sr. Franco; residência do Sr. Antonio Galdino e vários filhos, sendo aproximadamente nove filhas e um filho, conhecido pela alcunha de Bebê Chorão e, por não terem sido contemplados pela beleza, a meninada inventou a seguinte quadrinha, e ao se aproximarem da casa começavam evocados assim o verso, aqui em destaque: 


Na avenida do Imperador,

Não passa mulher sem homem


As filhas do Antônio Galdino

Estão virando lobisomem

E na pisada, tum, tum, tum!

Na entrada que dava acesso à Casa de Saúde Dr. César Cals, existiu um grande nicho bem emoldurado, onde era vista a imagem de tamanho natural de São Francisco de Assis, cuja redoma resguardava a imagem e no solo, em recanto próprio os fiéis que diariamente acendiam velas, prostrando-se aos pés da imagem, rezavam contritamente, faziam seus rogos, pedindo perdão pelos pecados e imploravam graças.

Quem se dirigia à Casa de Saúde para visitar os doentes, fazia suas orações em favor dos enfermos ali internados. Era uma verdadeira demonstração de fé e penitência no Santuário de São Francisco da Casa de Saúde Dr. César Cals, onde a devoção símbolo maior da cristandade tomava inabalável lugar no espírito de cada um, numa prova de obediência ao Pai Celestial.


Presença do sagrado

Assim Fortaleza mantinha aquela fidelidade e respeito aos ritos e costumes católicos. Por ser mesmo provinciana, podiam ser vistas as pessoas, que volteavam a Praça da Lagoinha, obedecendo aos círculos formados, onde podiam transitar três camadas de frequentadores.

Tudo a começar pelo primeiro circulo das senhoritas da sociedade que por lá faziam seu desfile em companhia de amigos onde também se marcava encontro para os apaixonados rapazes que iam até lá para tirar "linha" como era conhecido o que se chama "paquera" para culminar em namoro.

Vida provinciana

Na segunda alameda ou círculo os rapazes ficavam de pé, observando a passagem das moçoilas para lhes dirigir galanteios e iniciar uma aproximação para entabular uma "lera" e sentarem nos bancos da avenida para ouvir os dobrados das orquestras da guarda policial, que harmoniosamente dos coretos soltavam os mais variados sons de evocações e saudações feitas por militares, como epopeia de vitórias e de glórias dirigidas ao futuro.


A Praça no final dos anos 70

José de Alencar

A Praça José de Alencar é uma homenagem ao escritor, advogado, deputado e ministro cearense José Martiniano de Alencar, um dos expoentes do Romantismo. Sua estátua, localizada no centro da praça, foi iniciativa do escritor e enxadrista Gilberto Pessoa Câmara, irmão de Eduardo Câmara, Maria Câmara (Maroquinha), religiosa Irmã Estefânia da ordem das capuchinhas; Mardonio Câmara, Nair Câmara, e Dom Helder Câmara. Entre as ruas 24 de Maio, General Sampaio, Guilherme Rocha e Liberato Barroso - onde está localizado o Teatro José de Alencar, fundado em 1910, com estrutura metálica importada da Escócia - do lado, esquina das ruas Liberato Barroso com Guilherme Rocha, existe um jardim projetado pelo paisagista Burle Marx, anteriormente era o Centro de Saúde do Estado do Ceará, ocupando grande parte da rua General Sampaio (lado da sombra), onde tiveram inicio os principais consultórios médicos no próprio Centro, para diagnosticar as diversas doenças que se podia acometer. Naquela época a medicina por sua natural precariedade, guiava-se pela intuição da própria doença. 


x_3be8b8d5

Crédito: Diário do Nordeste

4 comentários:

  1. Oi Leila!

    Inicialmente, gostaria de desejar-lhe um 2012 de prosperidade.

    Eu estava pesquisando sobre a vida do cantor Fagner e um link me trouxe até aqui. Muito bacana o acervo e volume de informações que tens deste que considero uma das maiores vozes do Brasil.

    Agora, uma coisa é certa: depois dessa sua propaganda sobre o Ceará, qualquer um que esteja de férias quererá ir até aí conhecer um pouco mais sobre a cultura e a tradição deste lugar.

    Eu nunca estive aí, mas incluirei essa possibilidade em meu roteiro.

    Abraço, e mais uma vez, tenha um 2012 repleto de boas energias!

    ResponderExcluir
  2. Oi Fábio, boa noite!

    Nossa, você não faz ideia do quão feliz fiquei ao ler seu comentário tão gentil. Saber que ao ler o blog o leitor fica com vontade de conhecer o meu lindo Ceará, me deixa muito lisonjeada e com o sentimento de está cumprindo o papel principal do blog, o de contar nossa história e fazer com q mais pessoas conheçam esse estado rico em cultura.

    Um forte abraço e um 2012 repleto de realizações e prosperidade para vc e sua família

    ResponderExcluir
  3. Prezada Leila, lendo seu blogger, por também gostar demais da nossa cidade e por ter nascido numa casa na rua Tristão Gonçalves, esquina com Liberato Barroso. E ser sobrinha neta do Sr. Batista da antiga Light. Ele era irmão do meu avô José Ferreira de Paula, também funcionário da Ligth. Casado com a Sra. Maria da Conceição Fábio de Paula (D.Nena) que tiveram oito filhos: Maria Heloisa de Paula Albuquerque (minha mãezinha), o Maj do Exército Fernando Ferreira de Paula, Dr. Joaquim Ferreira de Paula, Eng.Agrônomo e Prof. da UFC -Pedro Henrique Ferreira de Paula, Dr. Eduardo Ferreira de Paula, Dr. Juarez Ferreira de Paula, Eng.Agrônomo Dr. Aureliano Ferreira de Paula e a caçula Dra. Maria Virginia Ferreira de Paula. E do 1º matrimônio de meu avô, que era viúvo quando casou com minha avó, tinha a mais velha de todos minha tia poetisa Noemi de Paula Freire, viúva de Geraldo Freire, ex- servidor da SEFAZ. Essas pessoas que citei vivenciaram o crescimento de nossa cidade. Além de morar em pleno centro da cidade, naquela época habitat das famílias tradicionais como: Filomeno Gomes, Fiúza, Gentil, Salgado, Albano, Ferreira de Paula, Borges França e tantas outras. Éramos vizinhos do Nilo Leitão, antiga mercearia da época, esposo da Sra. Zefinha com seus três filhos: Dr. Petrônio Leitão, Fátima Leitão e Carlos Leitão. Conhecíamos a D.Argentina, as irmãs Ifigênia e Adelaide Amaral, vizinhos de frente da D. Irene Arruda e família, do Sr. Paulo Almeida e D.Crispiana Albuquerque, amigos do ZÉ Barroso e sua Tereza Brasil, da D.Zefinha Batista e a Zuzú, da D.Maria Borges(filha do Chico da Mãe Iza). Então, nossa família tem muito a contribuir com seu blogger e não mencionada. Vivenciei o sufuco de quando o Hospital César Cals passou por um incêndio, em que morreu o estudante João Nogueira Jucá em ato de heroísmo tentou salvar muitas vidas das pessoas que estavam hospitalizados e na Pça. da Lagoinha, tinha seu busto. Meu avô foi proprietário de um Café na Rua do Ouvidor, Café Quixadaense, onde passava o bonde. Por isso, tenho tanto interesse em conhecer a história de nossa cidade. Abraço fraterno!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nora, bom dia!

      Parabéns pela família, vc tem q ter muito orgulho deles! Nas últimas postagens do site, eu falo muito do Sr. Batista da Light. Tbm procurando nos marcadores por João Nogueira Jucá, irás encontrar o post que fiz sobre o trágico acontecimento no hospital César Cals...

      Obrigada pelo rico comentário, não tenho palavras para agradecer sua disponibilidade em me passar essas preciosas informações!

      Forte e caloroso abraço

      Excluir