Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 15 de dezembro de 2015

A beleza do Mercado dos Pinhões



A beleza dos detalhes do Mercado dos Pinhões, os adornos de sua fachada, a delicadeza dos ferros que suportam as lâminas de vidro colorido, em rosa e amarelo, a leveza das colunas e recortes, a semelhança mantida com uma pequena gaiola de pássaros raros, que houvesse pousado, inesperadamente, em meio a casas e comércio, tudo isso é que deve ter conseguido o milagre de harmonizar as amenidades e o trabalho, a arte e a realidade, o feijão e o sonho – permitindo ao Mercado conservar-se mais vivo do que nunca. (LEAL, 2012, p. 53).

A pedra fundamental do antigo Mercado da Carne de Fortaleza, que deu origem ao atual Mercado dos Pinhões, foi lançada no dia 18 de abril de 1896. Exatamente um ano depois, no dia 18 de abril de 1897, o mercado público foi inaugurado e entregue à população da capital cearense. 

Antigo Mercado da Carne em 1913. Acervo Nilson Cruz

Ao lado - Jornal O Figarino de 26 de janeiro de 1896

Construído em ferro, com estruturas pré-fabricadas na França – especificamente nas oficinas Guillot Pelletier, em Orleans – tinha 40 m de comprimento de cada lado e uma área de 1.600 metros quadrados, com 48 colunas internas e 44 externas, que apoiavam sua cobertura de zinco. Tinha uma altura máxima de 12 m e dispunha de seis para-raios para proteção contra descargas elétricas sobre suas 210 toneladas de estruturas metálicas. A obra foi realizada na gestão de Guilherme César da Rocha, intendente municipal de Fortaleza, sob a direção do engenheiro Antonio Teodorico da Costa Filho e a administração do artista Manoel de Vila Nova.

Característica do século XIX, a técnica de pré-fabricação de estruturas de ferro, desenvolvida principalmente na Inglaterra e na França, trazia a vantagem da portabilidade, além da construção de edifícios mais leves. As estruturas do Mercado da Carne de Fortaleza quando chegaram da França estavam numeradas uma a uma e acompanhadas de uma maquete de madeira, com o objetivo de facilitar o trabalho de montagem.

Mercado na Praça Carolina (Valdemar Falcão). Acervo Caroline Gurgel

Localizado na então Praça José de Alencar (anteriormente Praça Carolina e hoje Waldemar Falcão), o prédio do Mercado era dividido em três grandes seções, uma central, com 5 m de largura por 40 m de comprimento, e outras duas iguais, com aproximadamente 700 metros quadrados cada, destinadas ao comércio de carnes, linguiças, vísceras e peixes. Uma dessas seções, com 700 metros quadrados, deu origem 41 anos depois, ao Mercado dos Pinhões.

Além de servir de entrada geral, o vão central também era o local para a venda de verduras e hortaliças. O edifício, com oito entradas, três em cada uma das frentes e duas nas laterais, foi dotado de condições satisfatórias para a higiene pública da época.


A arquitetura do prédio, com grandes espaços abertos para a entrada da luz natural e de ventilação, era adequada à temperatura dos trópicos.
Ao lado - Jornal O Figarino de 8 de junho de 1896

No seu entorno, como mostram as fotografias e cartões postais de então, floresciam vendedores ambulantes e pequenos comerciantes, tonando-se também um ponto de encontro na cidade.

Apesar do impacto positivo que causou a construção do Mercado da Carne, depois de apenas onze anos, em 1908, a imprensa cearense já denunciava a sua degradação e decadência, fruto de descaso administrativo.


O Mercado de ferro antes do desmonte

Em 1937, na gestão do prefeito Raimundo Alencar de Araripe, foi assinado um decreto autorizando o seu desmonte. Suas antigas estruturas de ferro foram desmontadas e guardadas em depósitos da administração municipal.

Um ano depois, em 1938, o antigo Mercado da Carne transformou-se em dois mercados distintos: um dos seus antigos pavilhões foi para a Praça São Sebastião, mudando-se depois para o bairro Aerolândia, e o outro seguiu para o bairro da Aldeota, situado no lado leste da cidade, dando origem ao hoje conhecido Mercado dos Pinhões.

Jornal A Esquerda de 1928

Foi inaugurado oficialmente no dia 12 de julho de 1938, na Praça Visconde de Pelotas, entre as ruas Gonçalves Ledo e Nogueira Acioly, conhecida popularmente como Praça dos Pinhões, devido a grande quantidade de pinheiros existentes no local.

Em dezembro de 1998, por meio de um convênio entre a Prefeitura de Fortaleza, o extinto Instituto de Planejamento Municipal e a Embratur, começaram as obras de recuperação da estrutura do Mercado, ampliando posteriormente seu uso para fins culturais e turísticos.

A partir de 11 de janeiro de 2006, tornou-se um bem cultural da cidade, sendo tombado pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, através do Decreto nº 11.962.

Foto: Jarbas Oliveira

Foto: Ricardo Freire

Atualmente, reformado, preservado e administrado pela Prefeitura, o Mercado dos Pinhões é um local de difusão e valorização da cultura regional.

Do lado de dentro oferece gratuitamente diversas apresentações artísticas e culturais, palestras, oficinas, exposições, feiras de artesanato, desfiles de moda, entre outros eventos, sendo uma opção de lazer para a população e os turistas.

Foto: Ricardo Freire

Na sua parte externa, voltada para a Rua Nogueira Acioly, toda sexta-feira é realizada uma feira, onde é possível comprar frutas, legumes, verduras e produtos apreciados pela culinária regional, como o queijo do sertão, o mel de abelha, ovos de galinha caipira, feijão verde...



Fonte: GASPAR, Lúcia. Mercado dos Pinhões, Fortaleza, CE. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. / Biblioteca Pública

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Abram as cortinas da cidade: Processo de construção do teatro oficial de Fortaleza


Fortaleza 1910 -Theatro José de Alencar - Praça Marques de Herval e a Igreja do Patrocínio

Alfim temos um teatro, depois de tantos projetos vãmente elaborados,
de tantas iniciativas perdidas e de tantos tentames malogrados. Está
satisfeita a necessidade que quotidianamente se acentuava num relevo
imperiosamente clamante. Temos um teatro, é certo, e todos nós o
vemos, materialmente considerado. O teatro, porém, não está só na sua
arquitetura está sobretudo na sua moral, no espírito que o deve
dominar.

Discurso inaugural do Theatro José de Alencar feito por Júlio César da Fonseca Filho. In COSTA,
Marcelo Farias. Teatro na terra da luz. Fortaleza: Edições UFC, 1985. p. 92-93.

A então Praça do Patrocínio.


Em 1859, o Presidente da Província do Ceará, João Silveira de Sousa, prevendo a precocidade do projeto afirma: “contra semelhante obra se levantarão centenas de objeções, entre elas a da necessidade de tratar-se antes da abertura de estradas, do
melhoramento de portos, da construção de açudes, da colonização, de escolas normais
etc”. (Relatório da Assembléia Legislativa da Província do Ceará de 1859).
Tiveram novas tentativas de efetivar a construção do teatro oficial nos anos de 1872 e 1891, mas não passaram de especulações, pois reafirmavam o discurso de 1859, a inviabilidade desse projeto devido às finanças e às obras consideradas prioritárias, estas muitas vezes relacionadas com as intempéries climáticas, ou seja, a seca. O primeiro projeto a sair das especulações e ser posto no papel, mas não sendo finalizado, aconteceu sob a presidência de José Freire Bezerril. As obras de construção do Teatro oficial de Fortaleza foram autorizadas pela Lei nº 144 de 25 de agosto de 1894, 10 sendo escolhido Isaac Amaral para fazer à obra, na Praça do Patrocínio, onde foi posta a pedra fundamental e tinha como matéria-prima, pela primeira vez no Ceará, alvenaria e cimento. Mas o teatro oficial só foi construído no Governo Acciolino com a denominação de Theatro José de Alencar


O processo de edificação deste teatro foi alvo de disputas políticas entre os oposicionistas e situacionistas do governo acciolino, sendo que em tais conflitos podemos perceber quais as concepções de teatro possuíam o governo, os jornalistas, os intelectuais, ou seja, a elite da sociedade fortalezense.


Antonio Pinto Nogueira Accioly assume o governo em 1896 e rescinde o contrato com Isaac Amaral prometendo dar continuidade à obra. Em 1902, Pedro Augusto Borges, então Presidente do Estado e correligionário de Nogueira Accioly, autoriza o subsídio de 50:000$000 para edificação de um teatro para capital, não sendo efetivada. Apenas em 1904, que Nogueira Accioly retornou ao projeto de construção de um teatro oficial da cidade de Fortaleza. Segundo os relatórios do Estado, o Ceará estava sofrendo com os períodos de seca e o orçamento destinado às obras públicas era aplicado no enfrentamento desta, assim, Accioly justificava a não efetivação da obra iniciada sob o governo de José Freire Bezerril.



A lei nº 768 de 20 de agosto de 1904 autorizou a construção do teatro oficial para a cidade de Fortaleza, permitindo o Estado realizar qualquer operação de crédito, se necessário for e despender a quantia de quatrocentos contos de reis. 

A construção do teatro oficial seria uma forma de impulsionar a vida artística na capital cearense, assim as companhias dramáticas vindas de fora teriam um local definido para se apresentarem, pois nem sempre os teatros existentes tinham condições de recebê-las, além disso, as agremiações e companhias dramáticas cearenses teriam um espaço para o seu desenvolvimento. Essa era a expectativa da imprensa cearense, assim, como de Nogueira Accioly, pois seus argumentos em defesa da edificação do teatro foram: “da necessidade e dos resultados indiretos que as diversões artísticas podem trazer ao nosso desenvolvimento social”.
Mas as obras iniciaram-se somente a 06 de junho de 1908, segundo consta na pintura no foyer e seguiram dois anos ininterruptos. A localização foi definida ao lado do prédio da Escola Normal, não mais no meio da praça. O início das obras foi um ponto de controvérsia entre os acciolinos e opositores, o jornal A República escreve a 03 de junho
de 1908 respondendo seu opositor unitário: “Até agora, ao contrário do que affirmou hontem <> as obras do theatro não foram iniciadas, pelo que o decrépito
rábula não pode saber se o serviço vai sendo feito mediante concurrencia ou não.”jornal ainda acrescenta: “(...) dentre pessoas insuspeitas ao fellicitario, o seu sobrinho Sr. Aurélio Brígido, que foi o encarregado do transporte da parte metallica do Theatro, da
alfândega para o ponto em que terá de ser construído.” 
O jornal é irônico ao falar de pessoas insuspeitas, dentre estas o sobrinho de João Brígido, proprietário do O Unitário, trabalhando na construção do teatro.


Outras críticas dos oposicionistas em relação à edificação do Theatro José de Alencar são referentes ao emprego de parentes e amigos no projeto e aos gastos públicos para efetivação deste. As obras foram administradas diretamente pelo poder público, sob a direção de Raimundo Borges Filho, este genro do Nogueira Accioly e oficial do Exército. 
A planta geral do teatro foi projetada pelo amigo do Presidente da Província, o 1º tenente e engenheiro Bernardo José de Mello, também professor de desenho do Liceu do Ceará e autor dos projetos do Asilo de Mendicidade e de algumas residências de Fortaleza. Assim, o jornal O Unitário afirma:

(...) o snr. Accioly, (...), foi espiar à semana passada a obra do theatro,
que seo genro está fazendo, ajudado de seo superior e ajudante, todavia
– engenheiro capitão Bernardo. O digno sogro foi recebido por ambos á
porta do edifício, que ainda não tem porta, como auqelles ainda não
teem carta de engenheiro. (...) fazia falta o mestre José Morcego, como
o tem pretendido o Unitário! O velho comediante sabe mui bem o que
deve ser uma casa de comedias, alem de que também trabalha em

dramas, e nasceo para o palco.


O jornal Unitário provoca o governo ao atacar Raimundo Borges e Bernardo José de Mello, mencionando que estes não têm carta de engenheiro, ou seja, foram contratados para realização da obra por serem genro e amigo da Accioly, respectivamente. 
Nos últimos anos do governo acciolino, as disputas políticas ficaram cada vez mais acirradas e a construção do Theatro José de Alencar se encontrava no meio deste conflito, sendo alvo de críticas dos oposicionistas. O jornal O Unitario, também, ironiza os gastos excessivos na construção do Theatro José de Alencar ao escrever que Accioly “sahio agradavelmente impressionado de vêr que aquillo tem deixado muito dinheiro, e promette muito mais.” 


O custo de toda a obra alcançou o valor de 553,084$497, previsto inicialmente em torno de 400 mil réis.
A arquitetura de ferro tomava conta do Ceará nas construções das pontes metálicas e no Mercado da carne em Fortaleza, na Estrada de ferro de Baturité, entre outras obras. O que não foi diferente na construção do teatro oficial, este recebeu uma estrutura de ferro importada da Europa através da firma Boris Frères junto à empresa escocesa Walter MacFarlane & Co. Os engenheiros desta firma projetaram a estrutura metálica da platéia, ou seja, a parte mais importante da arquitetura do teatro. O Garoto, jornal oposicionista, refere-se a essa estrutura de ferro de forma irônica, pois considerava os seus gastos desnecessários, como também criticava as influências estrangeiras na capital cearense: 

“Teatro de Ferro; Reportagem d’o Garoto sobre o nosso teatro de ferro, que já chegou das oropicas, ó ferro!”.

Com o decorrer das obras a decoração do teatro ficou a cargo dos “artistas” Herculano Ramos, arquiteto mineiro e pintou o primeiro pano da boca; Ramos Cotôcopintor, desenhista, caricaturista, poeta e compositor, ficou responsável pela pintura dos nomes das obras do José de Alencar sobre as grades das frisas, além das decorações em volta dos retratos de José de Alencar e Carlos Gomes e as figuras femininas no teto do foyer; João Vicente, pintor cearense responsável pela pintura imitando mármore de carrara nas paredes da boca de cena; Gustavo Barroso, escritor, desenhista e caricaturista, ajudou na pintura do primeiro pano de boca; Jacinto Matos, pernambucano que pintou os florões no forro da sala de espetáculo e o medalhão acima da porta de saída para o pátio com o nome do autor do projeto; José de Paula Barros pintou os retratos de José de Alencar e Carlos Gomes no teto do foyer e a representação das três artes (pintura, música e drama) e Rodolfo Amoedo, carioca que pintou o tímpano da boca de cena. (BENEDITO, 1999, p. 13). 

Teatro José de Alencar em 1913. Acervo Nilson Cruz

O teatro a italiana foi paradigma para todo o mundo, inclusive o Theatro José de Alencar. “O teatro a italiana foi concebido como lugar fechado, elitista, quase secreto
dentro da cidade. (...) Ambiente privado da aristocracia e da burguesia nascente, ao qual
o povo pouco tem acesso, em sua sala de espetáculos as elites desfilam seus privilégios e
seu prestígio social.” (BARROSO, 2002, p. 17-18). 
Seguindo a proposta de Oswald Barroso, o Theatro José de Alencar, em sua estrutura arquitetônica, propôs uma hierarquia social, mas não se propunha ser um local “secreto dentro da cidade”, ao contrário, era para ser visto e admirado, inclusive pelas ditas massas. Segundo o Relatório do Estado, o espaço dos espectadores dividiu-se da seguinte maneira:

A terceira secção (...) é disposta assim: 1º pavimento térreo ocupado
pelas cadeiras (1ª e 2ª ordem) com corredores laterais e ampla vista
para o jardim; 2º pavimento das frizas, ou anphitheatro, e forma e
ferradura, sacando do plano dos camarotes cerca de 2m80; 3º
pavimento dos camarotes, em número de 19 ao todo (destinando-se o
do centro ao Presidente da Província do Estado) com vastos
corredores lateraes; 4º pavimento das torrinhas ou geraes.

Portanto, a platéia possuía seu local definido, os comerciantes, os jornalistas, os políticos, os funcionários públicos, os trabalhadores, cada qual sabiam onde eram seus espaços, ressaltando a hierarquia social dentro do teatro. A inauguração do Theatro José de Alencar ocorreu em 17 de junho de 1910, sob a música da Banda Sinfônica do Batalhão de Segurança e o discurso inaugural ficou a cargo de Júlio César da Fonseca Filho (COSTA, 1972, p.28). 
O Theatro José de Alencar tornou-se a mais importante casa de espetáculos da cidade de Fortaleza, recebendo grandes produções e artistas brasileiros e estrangeiros. Sua arquitetura opulenta no período da construção, destaca-se pela estrutura de ferro e pelos padrões do ecletismo, tendo como destaque a Art Nouveau e o Neoclássico. Homenageia o mais famoso romancista cearense, José de Alencar, que ficou conhecido por obras como Iracema, O Guarani, As Minas de Prata, O SertanejoSenhora e Lucíola entre outras. 
Assim, o prédio do Theatro José de Alencar transformou o espaço visual da cidade, além de proporcionar outras perspectivas sobre a prática teatral em Fortaleza, neste sentido, argumentamos que:

“A cidade”, dizia Marsílio Ficino, “não é feita de pedras, mas de homens.” São os homens que atribuem um valor às pedras e todos os homens, não apenas os arqueólogos ou os literários. Devemos, portanto, levar em conta, não o valor em si, mas a atribuição de valor, não importa quem o faça e a 
que título seja feita. (...) É preciso prescindir, portanto, do que 
parece óbvio e ver como ocorre, em todos os níveis culturais, 
a atribuição de valor aos dados visuais da cidade.
(ARGAN, 1993, p. 228). 

Teatro José de Alencar em 1915.

Deste modo, os discursos jornalísticos foram atribuídos valores ao Theatro José de Alencar, que perpassam pela sua estrutura, pela peças encenadas em seu palco, pelos artistas, pelos seus frequentadores e assim por diante. Neste sentido, Argan propõe uma relação entre função e valor, onde “não há função sem valor, nem valor sem função”assim, indica dois tipos de valor: valor da função e função do valor. O Theatro José de Alencar é percebido, julgado e vivido conforme seu dinamismo funcional ou a contemplo, assim, tal prédio tem significados diferentes para sujeitos diversos, sendo que “nada de mais errado do que identificar a função e o significado de um edifício no contexto urbano. A função não outorga o significado, mas simplesmente a razão de ser” (ARGAN, 1993, p. 229-230). 
Mas não é apenas o prédio do Theatro José de Alencar que possui valores, função ou significados, tais atribuições podem ser percebidas nas peças encenadas em seu palco. “O teatro tem uma história específica, capítulo essencial da história da produção cultural da humanidade. Nesta trajetória o que mais tem sido modificado é o próprio significado da atividade teatral: sua função social” (PEIXOTO, 1980, p.11-12). 
Neste sentido, a função social provoca alterações na forma de conceber e realizar o teatro:

Muitas vezes negando princípios e técnicas que pouco antes pareciam
essenciais e indispensáveis. Frequentemente transformando o processo 
narrativo e mesmo os processos interpretação e encenação. É
irrecusável que, dentro de certos limites, formas artísticas acabam
criando novas formas artísticas. (...) o que se transforma na vida social
e real dos homens é que determina modificações nas concepções
filosóficas como nas representações artísticas.
(PEIXOTO, 1980, p. 11-12). 

Teatro José de Alencar nos anos 60.

A forma do teatro relaciona-se com aspectos culturais e sociais do local onde está sendo produzido, assim, não se tem uma forma única da atividade teatral, existem muitas formas para o teatro acontecer. O teatro é formado pelo espaço, autores, atores, músicos, produtores, diretores, ajudantes e pelo público. Estes componentes podem produzir uma tragédia, uma comédia, um monólogo, uma ópera, uma opereta, um musical e assim por diante, ou seja, diversas formas de espetáculos teatrais, que mudam conforme o público. Portanto, os valores atribuídos ao Theatro José de Alencar estão relacionados com a própria prática teatral, ao mesmo tempo, que ganha contornos sociais, morfológicos e políticos. Desta maneira, o Theatro José de Alencar pode ser percebido como um marco da cidade de Fortaleza, pois “a característica essencial de um marco viável (...) é sua singularidade, o contraste com seu contexto ou seu plano de fundo” (LYNCH, 1997, p. 112). 
Como também pode ser entendido como uma “arquitetura monumental”, que é “a expressão do poder, este poder exibe-se na reunião de custosos materiais de construção e de todos os recursos da arte, bem como num domínio de todos os estilos de acessórios sagrados” (MUMFORD, 1998, p. 78).

O monumento é um traço característico da construção do espaço tanto
na dimensão sagrada quando naquela aqui definida como de
representação. A exigência de construir um espaço sagrado ou de
representação pertence à função desempenhada pela legitimação (...)
O espaço de representação ilustra os universos simbólicos: os valores,
isto é, a estrutura de referência sobre o qual fundamenta a ordem
institucional. 
(BETTANINI, 1982, p. 96-97). 


Segundo Bettanini, o espaço de representação produz significados para legitimar a cultura administrada pela ordem institucional, que pode se percebida em órgãos como os periódicos, em lugares como as praças, em monumentos como estátuas, ou mesmo teatros. 
Para oligarquia acciolina, o Theatro José de Alencar tornou-se uma das principais obras realizadas, seguindo a estrutura do teatro italiano e utilizando as novas técnicas da arquitetura, assim colocava de forma concreta a sua defesa do desenvolvimento social e cultural. Desta forma, tornando-se um espaço não só de sociabilidade e prática teatral, mas como também um espaço de representação do governo acciolino. 

Observando o Theatro José de Alencar como um espaço de prática teatral e de sociabilidade, onde se modificam as percepções, os usos, as apropriações e assim por diante, não só durante a sua trajetória, como também, por quem faz o discurso, os jornalistas, por exemplo, a própria atividade teatral, os artistas e por quem assisti o teatro, os espectadores. Desta forma, podemos concluir que o Theatro José de Alencar possuiu diferentes significados para múltiplos sujeitos, onde se percebe aspectos culturais, sociais e políticos da sociedade de Fortaleza, como a própria forma desta cidade. 


Leia também: Nos palcos de Fortaleza.



Crédito: Nos palcos de Fortaleza: o teatro em seus aspectos culturais, sociais e políticos na
capital cearense no início do século XX. Artigo de Camila Imaculada Silveira Lima (Mestranda em História pela Universidade Estadual do Ceará). 
Recortes de Jornais da Biblioteca Nacional e Instituto do Ceará.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

O Casarão dos Gondim - Rua General Sampaio


"No imóvel da rua General Sampaio, a aposentada Maria Guilhermina Gondim, de 91 anos, não esconde o desejo de reformular o lar onde nasceu. Lá o acúmulo de histórias e lembranças, somam-se às altas despesas para manutenção da residência, que possui 16 cômodos. “Eu bem que quero ajeitar, mas não tem como. Esse imóvel é uma herança de família. Hoje 35 herdeiros disputam esta casa. Apesar da minha vontade, é complicado. Pintaria, reformaria as portas, deixaria tudo direitinho porque foi aqui que nasci e me criei. Sou de um tempo que tudo em volta era diferente e apenas nossa casa resistiu”, completou."    

Jornal O Estado de 02 de agosto de 2012
 
Casamento de Guilhermina (Iaiá) e Arlindo Gondim, proprietários do casarão.
Fonte: Arquivo da família Gondim.

Arlindo Granjeiro Gondim construiu o seu casarão da rua General Sampaio (entre a Pedro I e a Avenida Duque de Caxias, então Boulevard Duque de Caxias) entre 1910 e 1912. A casa é elevada, possui porão e tem entrada lateral com escada de acesso em mármore branco. 

"Vovô dizia assim – "Eu vou mandar construir a casa que dê pra rua”. E diziam assim pra ele: – "faça um pouco elevada, porque esse terreno é um pouco úmido". Parece que tinha uma lagoa lá pra trás, não sei onde é, eu sei que o terreno era um pouco úmido. Chamavam meu avô de Coronel, porque nesse tempo, não tinha um negócio de chamar de Coronel quem tinha uma certa posição? Era Coronel Arlindo, que era também o nome do meu irmão mais velho, Arlindo. A Iaiá cuidava muito da casa, a minha avó e o meu avô. Todo ano quase ela mandava limpar e tinham todos os enfeites, era uma cor diferente, ela disse que era bege com "café-com-leite". Mas... agora está diferente. A minha avó ficou morando nesta casa desde que ela foi construída, até falecer. [...] Ela deixou pra mamãe, o testamento, todos já sabiam como era. A mamãe preferiu alugar. De imediato a mamãe não morou aqui, nós morarmos aqui um tempo, porque o vovô era louco pela mamãe e pelo piano, a mamãe tocava quase toda noite pra ele ouvir, então mamãe morava ali, mas era mesmo que morar aqui! Agora a mamãe ficou com a casa e não quis vir logo pra cá, [...] então, quis alugar. [...] Ela alugou a casa. Ela alugou uma pra morar, e alugou esta aqui. Por que esta casa era muito grande e alugava bem, dava pra pagar o aluguel da outra e ainda sobrava [...]. Quando a dona quis vender a casa que ela alugava pra morar, a mamãe disse ao meu irmão que morava aqui: “- Meu filho, agora você já está bem, agora eu quero a minha casa!” – ai nós voltamos pra cá (risos...)! E estamos até hoje, ela faleceu aqui. [...] uma época roubaram as instalações todinhas, antes dos médicos alugarem. [...] Levaram toda a iluminação, era antiga, aqueles candelabros de cristais, toda a instalação! [...] Roubaram tudinho, era tudo de cobre! Tinham lustres aqui na copa, tinham lustres lá na sala, foi tudo!" 
Relato de Maria Guilhermina Gondim.

Arlindo Gondim foi um bem sucedido comerciante, proprietário de marmoraria e de uma Companhia de Bondes Puxados a Burro. A casa, feita para a esposa Iaiá, hoje é ocupada pelas herdeiras (netas). 
No antigo jardim, funciona um estacionamento e o imóvel centenário, está desgastado pelo tempo! 

"Mais uma manhã agitada de sábado no bairro do Centro de Fortaleza. Ao passar pela Rua General Sampaio, lado da sombra da tarde, logo após cruzar a Avenida Duque de Caxias, à altura do número 1406, percebi um casarão com marcos estilísticos do inicio do século XX.

Fachada principal do casarão. Foto de 2007 de Aline Mesquita.

Com uma câmera fotográfica em punho, em busca de edifícios que foram construídos para fins comerciais e institucionais no mesmo bairro, procedia com um levantamento que serviria para pesquisa com objeto bem definido e diferente deste.


De uso residencial, porão elevado e platibandas adornadas, a edificação tem estilo Eclético e elementos Art Déco em sua fachada. Possui acesso principal pela lateral, onde há uma bela escada esculpida toda ela e também seu corre-mão em mármore do tipo Carrara. As esquadrias seguem um ritmo harmônico sequencial e são arrematadas em forma de arco pleno, na parte superior por adornos feitos nessas e também na fachada. Tema que se repete formalmente em seus subsequentes vitrais coloridos dispostos nas bandeiras das portas.

Escada principal de acesso do casarão. Foto de 2007 de Aline Mesquita. 

Possui uma varanda posterior dando acesso a uma grande área a qual sugere que havia um jardim. Destaque para a enorme esquadria contínua, feita em “trelicinhas” de madeira, que faz o fechamento da parte que parecia ser reservada para copa e cozinha. É sem duvida um dos exemplares da maior elegância que se construiu ali. De maior importância arquitetônica, estilística e patrimonial dentre as residências antigas do Centro.

Logo me chamou à atenção a originalidade com que ainda se mantinham suas fachadas. Implantada sem recuo frontal e lateral sul, com frentes para a Rua General Sampaio e para uma área que denuncia a proto-existência de um amplo jardim, obedece a uma forma de implantação da edificação dentro do lote que se remete àquela praticada a partir da segunda metade do século XIX. Forma essa que introduzia elementos paisagísticos à arquitetura residencial, o que até então não era comum.

Esquadrias laterais do casarão. Foto de 2007 de Aline Mesquita.

Até mesmo o gradil e as esquadrias de madeira ainda se mantinham aparentemente originais. Não resisti. Apesar de nada ter a ver com o meu objeto de pesquisa na ocasião, coloquei-me a fotografar. Comecei a fazê-lo ainda do outro lado da rua, fui me aproximando, no sentido de obter melhores ângulos. Quando percebi estava do outro lado da calcada, já adentrando os limites do terreno que se encontrava quase todo ele “ocupado” por um estacionamento, deixando livre apenas a área da edificação.

Detalhe das bandeiras das esquadrias da fachada, decoradas em vitrais coloridos, repetindo o tema em relevo. Foto de 2007 de Aline Mesquita.

À primeira vista o velho casarão parecia estar abandonado, mas logo me surpreendi ao perceber que muito de sua arquitetura original era mantida, então como estar assim e abandonado ao mesmo tempo? Pois repare que se deixar uma casa vazia, abandonada, essa em pouco tempo cede às ruínas. Enquanto que, por mais antiga que ela seja, ao se ter um morador que nela habite, dela cuide e com ela se relacione, consegue atravessar séculos de existência sem tombar. Um dá vida ao outro, numa relação de protocooperação quase simbiótica.


Detalhe da esquadria da fachada dos fundos confeccionada em treliças de madeira. Foto de 2007 de Aline Mesquita.


Ao lado: Detalhe da implantação da edificação dentro do lote.

Segunda impressão: ao perceber o estacionamento que ali estava disperso por toda a área externa do casarão até então de portas cerradas, pensei que lamentavelmente todo ele logo viria ao chão, junto com suas lembranças, quando se fizesse a compra do terreno pelo dono do empreendimento “invasor”.

Abre-se uma janela, surge uma senhora e com ela uma terceira hipótese me veio à mente: poderia ter sido alugada como “casa de cômodos”¹, o que ocorre muito frequentemente com esse tipo de edificação mais antiga nos centros urbanos das cidades. Foi o que aconteceu com muitas das casas antigas e espaçosas na Rua Thereza Cristina, no mesmo bairro.

Detalhe das esquadrias em madeira e do guarda-corpo originais. Foto de 2007 de Aline Mesquita.

Após registrar os detalhes mais perceptíveis a certa distância, como portas, cornijas¹¹ e janelas, coloquei-me a fotografar em detalhe o belíssimo corrimão que, assim como toda a escada de acesso principal da qual ele faz parte, havia sido esculpido em mármore do tipo Carrara, trazido da Itália.

Assim como Octavien - personagem do romance de Gautier - ao retornar à noite à Pompéia e perceber que ela pulsava em vida, e, “[...] extremamente surpreso, perguntou-se se dormia em pé e caminhava num sonho. Interrogou-se seriamente para saber se a loucura não fazia dançar diante dele as suas alucinações; mas foi forçado a reconhecer que não estava dormindo nem era louco [...]”; (GAUTIER, 1999. Paginas 42-43.) assim também me surpreendi quando essa senhora abriu a porta e me convidou simpaticamente a entrar, revelando como o interior daquele monumento era espantosamente ainda mais rico que o exterior, já ligeiramente registrado. Era como a viagem de Octavien. Estava em outra época certamente, na época das cantoras de rádio, dos concertos e programas clássicos com piano, dos saraus na Casa de Juvenal Galeno.

Detalhe do lavatório esculpido em mármore Carrara. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Detalhe da porta do oratório em madeira trabalhada. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Tudo ali me transportava para um novo e antigo tempo: o das memórias daquela família, tão bem resguardadas pelas irmãs que ainda se mantinham igualmente firmes, como o casarão da Rua General Sampaio. Sigo com uma breve descrição do ambiente encantador, para que o leitor se familiarize e possa embarcar nessa viagem instantânea pelo tempo.

Detalhes - gabinete, piso em lambris de madeira, bandeira das portas internas talhadas na madeira. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Detalhe dos quartos interligados. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Ao subir a escadaria esculpida, depara-se primeiramente com uma grande porta feita de madeira, a do acesso principal, encerrada com bandeiras adornadas em arco pleno, contendo vitrais coloridos. Ao abri-la, existe um hall de entrada que ainda mantém a chapeleira à espera de tais acessórios. Logo em frente, uma portinha talhada também na madeira que lembra os antigos confessionários, e dá acesso ao também antigo oratório de Iaiá¹¹¹. À esquerda, um pequeno gabinete iluminado e arejado pelas grandes portas de fechamento duplo em madeira, dispostas lateralmente pela fachada com frente para a via pública. A sala de visitas, onde fica o piano, faz limites em forma de “L” com o gabinete e o oratório.

Os netos de Iaiá e Arlindo. Foto capturada do vídeo "O Casarão" de Maurício Cals

O assoalho em lambris de madeira natural está presente em todos os quartos da casa e também na sala. Pela circulação, um belo e antigo mosaico. Nas áreas molhadas (cozinha, banheiros e lavanderia), azulejos.
Todos os quartos são interligados entre si, através de portas comunicantes e meias-paredes e também se abrem para o corredor, o qual se estende até a copa. Destaque para uma relíquia disposta na parede lateral de um desses quartos, pelo lado da circulação, antes de se chegar à copa: um magnífico lavatório esculpido no mesmo mármore da escada de acesso principal.

Detalhe do piano na sala de visitas. Foto de 2007 de Aline Mesquita

A Compositora e pianista cearense Maria de Lourdes Hermes Gondim. Foto capturada do vídeo "O Casarão" de Maurício Cals

O forro, também em madeira, tem em suas bordas uma moldura adornada e detalhes em treliças para que se dissipe o calor, que é amenizado pelo “pé-direito”(Distância medida entre o piso acabado e o teto (forro) de um ambiente.) alto e pelo jardim para o qual todas as portas da casa se abriam. Portas essas trabalhadas na madeira, com duplo fechamento: o mais externo com partes em venezianas móveis e o mais interno com portinholas do tipo painel cego.
Pelas paredes, fotografias emolduradas seguem uma lógica conceitual escolhida, posto que no corredor de entrada se dispõem as que fazem referência aos casamentos de todos os filhos de Dona Lourdinha (A Sra. Maria de Lourdes Hermes Gondim (Foto ao lado do livro de Linda Gondim - Uma dama da Belle Époque de Fortaleza), filha de Iaiá, de quem herdou o casarão). Logo em seguida, acima do piano, pai e mãe, ainda noivos. 

Segundo o que me relatou D. Guilhermina (Foto ao lado - Maria Guilhermina Gondim, ou “tia Mina”, como costuma ser chamada na família. Neta da Sra. Guilhermina Gondim, ‟Iaiá‟, para quem foi construído o casarão onde mora hoje com sua irmã Maria Thereza Gondim. Foto do livro Coisas que o tempo levou - A Era do rádio no Ceará de Marciano Lopes),  as fotografias de ambos sempre se encontram dispostas lado a lado, obedecendo à época em que foram feitas. Dessa forma, quando há uma fotografia de Dona Lourdinha ainda jovem, há também uma de seu esposo do mesmo período, ambos ainda solteiros. E quando há uma fotografia dela já viúva, não há uma dele acompanhando esta.

Detalhe do forro – bordas e preenchimento em madeira. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Por toda a casa, móveis seculares, alguns deles ainda do tempo de Iaiá. Na sala de visitas, o piano. Um pouco mais recente; data da década de 1930. Aquele que o precedia, e no qual Dona Lourdinha tocava para a família, certa vez viajou com todos para as férias em Mondumbim. Causou o maior alvoroço. Imagino que tamanha aventura deverá ter sido levar um piano na bagagem das férias, junto com os muitos filhos e suas malas. E ainda mais de trem! Como se não fossem suficientes todas essas emoções, havia um detalhe especial: Mondumbim jamais tinha visto nem ouvido um piano. Diz-se que vinha gente de todas as partes de lá para ouvir Dona Lourdinha tocar.

"[...] Lá no Mondumbim, nós tínhamos uma casa de veraneio, papai mandou fazer uma casa num sítio que a gente tinha, ali: tinha a estação de trem, depois tinha o primeiro sítio, o segundo sítio, à direita, era logo o nosso. Ia levantando assim, ficava bonitinha a casa! Porque ficava assim, “alteando”. 
Relato de Maria Guilhermina Gondim.

Porta rasgada com guarda-corpo externo e bandeiras em vitrais coloridos.
Foto de 2007 de Aline Mesquita

Segundo me relatou tia Mina (acostumei-me a assim chamá-la, de tanto ouvir e também a pedido dela mesma), ele foi vendido porque se encontrava tão antigo que “a afinação não segurava mais”, não valia mais a pena consertá-lo. Também, depois de uma viagem de trem, convenhamos!

Cristaleira em madeira marchetada e espelho com acabamento bisotado. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Armário guarda-roupas da Iaiá. Foto de 2007 de Aline Mesquita

Foto capturada do vídeo "O Casarão" de Maurício Cals

Na copa, a mesa de Iaiá foi doada ou vendida a alguém da família, e no lugar desta se encontra uma outra, também antiga, que “Duzuza” (Sr. José Leite Gondim, esposo de Maria de Lourdes H. Gondim),  como era chamado na família, adquiriu comprando-a de seu grande amigo Firmeza. Foram colegas de profissão no Liceu do Ceará, onde lecionaram e onde os filhos estudaram juntos; e vizinhos de frente no Mondumbim, onde tinham casas de veraneio. Descobri mais tarde (justamente por conta dessa mesa) que esse amigo ao qual se referia tratava-se do pai de “Estriguinhas”¹¹¹¹, tão conhecido memorialista de nossa cidade, e colega de Liceu e de infância de tia Mina e suas irmãs."
Aline Mesquita Martins Rosa

Lindo vídeo intitulado "O Casarão" de Maurício Cals, feito em agosto de 2003 e publicado originalmente em 29 de agosto de 2008:

video

Relatos de Maria Guilhermina Gondim - Uma das herdeiras do casarão:

[...] Papai quando veio do Seminário começou a conhecer a família, ir às casas da família; visitando e visitando; e quando visitou o vovô Arlindo, meu avô, que era o dono dessa casa, conheceu a mamãe. Ele ficava com receio de vir aqui, a mamãe era só uma e tinha-se muito respeito, naquele tempo, aos mais velhos. Tinha uma tia, irmã da minha avó, casada com um irmão do meu pai, tia Clarinha. Ela era viúva, então ele ia lá, conversava com a tia e as primas, mas de olho aqui! Vinha mais lá, e aqui menos.

[...] À praia, eu lembro bem que a gente adorava! A praia era mais forte como hoje, mas ninguém tomava banho não, só foi tomar banho, mais já mocinhas. Só pra dar uma volta, ir até lá de bonde. Era bom! Era aqui mesmo, na Praia de Iracema. O papai mostrava o Seminário: “- Olha, eu passei oito anos aqui!” – e dava uma voltinha no bonde, era muito bom!

[...] Canto estudou só eu. Andou aqui uma professora do Rio de Janeiro e a mamãe foi convidada, mas não podia ir pro Conservatório porque ela não tinha tempo. Ai a mamãe disse: “- Vai, Guilhermina, você vai!” e eu fiz esse curso no Conservatório, que ainda era lá perto do Passeio Público, com a professora Marina Menezes. Era uma cantora clássica carioca, uma senhora. E as aulas dela, tão engraçadas! A gente fazia: “Aaaaaaa...”, as primeiras, ai, com os sons de piano, tinham as escalas: “Aaaaaaa...” e depois tinham arpejos, que era: “Aa-aaaaa”. Ai vai dando os tons e a gente vai cantando, e cantando – cantando não, só dando as notas.

[...] Antes da gente começar a cantar, a mamãe já tocava num programa. Tinha um na hora do almoço da “Cearense”, a loja enorme, era muito afamada, era do Sr. Aprígio, que era nosso vizinho lá da Rua Assunção, o Sr. Aprígio Coelho de Araújo. Era ali naquela esquina, a loja, enorme!

[...] Quando começou a TV eles me convidaram. Nem pagavam, nem tinha transporte, nem nada. Daí eu ainda fui, mas disse à mamãe que era longe. Se tivessem ao menos um transporte! Então eu fui, mas comecei a me esquivar. Ai também, sabe, o ambiente não era muito... Era pesado, um pouco pejorativo. 

O Estacionamento


Meu irmão quis vir do Rio Grande do Sul, nesta época, idealizou este estacionamento e a mamãe aceitou. Derrubou as árvores e fez. Ai tudo era árvore, no tempo da Iaiá, era jardim, sabe, era lindo! E tinha tudo: coco-babão, tangerina, cajaranas! Menina, eram tantas, tinha tanta fruta que era um horror! Mas daí, pra fazer o estacionamento, tiraram as árvores, tiraram tudo; e ai está o estacionamento.



Gif

¹ O mesmo que pensão, pequeno hotel de caráter familiar, onde as pessoas alugam os quartos a preços mais acessíveis, e onde mora uma família, geralmente proprietária desse bem, que não dispondo de condições financeiras para mantê-lo, transformam sua tipologia de uso como tal.

¹¹ Conjunto de molduras salientes que servem de arremate superior às obras de arquitetura.

¹¹¹ Apelido carinhoso cujo qual todos se referem à matriarca da família, para quem foi construída a residência, entre 1910 e 1912, a Sra. Guilhermina Gondim.

¹¹¹¹ Como o chamam na família Gondim. Nilo de Brito Firmeza é historiador, artista plástico, odontólogo e memorialista. Entre outros feitos, como diversas exposições nos Salões de Abril, mantém, juntamente com sua esposa e também artista plástica, a Sra. Nice, o “Mini-museu Firmeza” localizado no sitio da família, em Mondumbim, onde atualmente reside o casal.


Crédito - Dissertação HISTÓRIA DAS CASAS COMO HISTÓRIA DA CIDADE de Aline Mesquita Martins Rosa, submetida à Coordenação do Mestrado em História e Culturas da Universidade Estadual do Ceará – UECE