Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 16 de junho de 2010

Início da história dos bondes de Fortaleza


Bondes puxados à burro - 1904

Dois empreendimentos marcaram, na mesma data - 31 de Junho de 1871 - e por iniciativa da mesma pessoa - Estevão José de Almeida -, o início da história dos bondes em Fortaleza. Um tratava-se de um “tram-road” (uma outra forma de dizer “tramway”) para veículos urbanos a tração animal, e o outro consistia numa via para bondes a vapor, ligando a cidade à povoação de Messejana. O prazo para a conclusão das obras, estipulado em três anos, não foi cumprido, pelo que efetuou-se novo contrato com Tomé A. da Motta, que denominou a empresa de “Companhia Ferro-Carril do Ceará”. Finalmente, em 25 de Abril de 1880, inaugurou-se o serviço dos bondes, com 25 veículos de cinco bancos, rebocados por muares, sistema que atravessou a virada dos séculos XIX / XX, mantendo-se por mais alguns anos. Por volta de 1910/11, começou-se a cogitar a eletrificação.


Um mapa de Fortaleza no qual se ver o traçado de linhas de bonde, provavelmente anterior ao mapa de Herbster. Agradecimento: J Terto de Amorim 

Mapa de Fortaleza feito por Adolfo Herbster em 1888 com o traçado das linhas de bonde e trem.


Detalhe do bonde elétrico


Em 4 de Fevereiro de 1911, chegou à cidade o engenheiro Ker Box, a fim de estudar as condições, chegando a uma conclusão favorável. Entrementes, a Cia. Ferro-Carril Cearense assinou contrato com a municipalidade, também expressando o intento de adotar a tração elétrica, e, não obstante, inaugurou mais uma linha de bondes a burro, ligando a cidade à região onde se localizava o Tiro Cearense. Por fim, em 24 de Junho de 1912, a CFCC passou à “The Ceará Tramway Light and Power Co. Ldt.”. Transcrevendo as palavras de Stiel, à página 124 da “História do Transporte Urbano no Brasil”, “Às duas horas da tarde, com a presença da sociedade cearense e representantes da imprensa, o coronel Tomé de A. Motta vendeu por escritura a referida empresa, bem como a do Outeiro... A nova empresa obteve concessão dos serviços de ‘tramways’ por 76 anos a partir de maio de 1911, luz e força elétrica. Eram então diretores da companhia, C. Hunt; A. A. Campbell Swinton; E. B. Forbes; Sir Howland Roberts e Tomé A. da Motta. Como quase todas as empresas de transporte da época, era de origem inglesa, sendo representantes no Brasil, Hugo Stenhouse na Av. Rio Branco, 46 - Rio de Janeiro.


Bonde de tração animal - Fortaleza - 1900. 
Em 25 de abril de 1880 é inaugurado o serviço de transporte de passageiros por bondes em Fortaleza, no Ceará. - Na foto vemos o bonde perto do Paço Municipal, fotografia do álbum Vistas do CE, princípio do séc. XX

Os primeiros bondes elétricos chegaram em 13 de abril de 1913 e a inauguração se deu no dia 9 de outubro do mesmo ano. Poucos meses depois a tração animal foi extinta na cidade. Os primeiros anos do bonde elétrico foram marcados pela baixa renda e a consequente precariedade, o que acarretou protestos por parte de usuários, chegando a ocorrer atos de vandalismo, como danos deliberados de via e veículo. A partir de 1925 foram perpetradas medidas para o melhoramento do serviço, construindo-se a nova linha para a Vila Messejana, e em 1927 inaugurou-se uma espécie um tanto bizarra de tramway, que consistia num sistema de bondes puxados por um trator inglês do tipo Simplex. Essa linha ligava Fortaleza a Cajazeiras. Em maio de 1945 a Light decidiu passar a empresa às mãos estatais, iniciando as negociações com o governo, que, por fim, assumiu o sistema, mas por pouco tempo. Por fim, como já ia acontecendo em diversas cidades brasileiras, o serviço de bondes também não foi estimulado em Fortaleza, acabando por extinguir-se em 1947. Mais tarde, como era de se esperar, constatou-se que os ônibus convencionais não davam vazão à demanda de transporte, e tentou-se a opção dos trolebus (cujo serviço começou em 1967), os quais, como de costume, tiveram o mesmo destino dos bondes, em 1971.


Bonde de tração animal: Foto do álbum "Vistas do Ceará", confeccionado em Nancy (França) no ano de 1908, que reúne o mais difundido e variado conjunto de registros fotográficos sobre a Capital do Estado nessa época. Sob os auspícios da firma Boris Frères - na época o maior estabelecimento comercial de importação e exportação aqui instalado - a publicação fotográfica visava a divulgação da prosperidade e beleza do Ceará no estrangeiro e em outras partes do Brasil. "Mais que um esmerado mostruário de Fortaleza na alvorada do século XX, o Álbum de Vistas do Ceará exprime uma das obsessões fundantes das sociedades modernas: a busca do controle programado sobre a memória a ser transmitida à posteridade, enfim, o desejo de perpetuar a imagem de uma era", enfatiza Cristina Holanda professora de História do Museu do Ceará. Nesta foto vemos a esquina da Rua Formosa (Barão do Rio Branco) com Travessa Municipal (Rua Guilherme Rocha), vendo-se, à frente da carroça, um bonde de tração animal.

Colocarei ainda mais uns 12 posts sobre os bondes de Fortaleza, onde falarei sobre os bondes Soares Moreno, Benfica, Praia de Iracema, Prainha, Outeiro, Alagadiço, Joaquim Távora, Prado, O da Praça José Bonifácio... Enfim, eu garanto que será imperdível!!!



Fonte: Explanação baseada em dados colhidos da obra de Waldemar Corrêa Stiel, Álbum Vistas do Ceará e webshots de Fortal

4 comentários:

  1. muuito bom seu blog !!
    parabeens !!

    ResponderExcluir
  2. LEILA , GOSTEI DE TUDO POR AQUI .
    "AS VELAS DO MUCURIPE" OU "MUCURIPE" CANTADA PELO FAGNER AMBIENTA TEU BLOG DE FORMA MARAVILHOSA.
    LEILA , SE DER , ASSISTA MEUS POST NO YOU TUBE ,ELES CHAMAM-SE :
    "POESIA FERROVIÁRIA "
    SÃO VÁRIOS TEMAS , DÊ UMA OLHADA LÁ MANINHA.
    ATÉ LOGO !

    ResponderExcluir
  3. Ai que bom!!! :D
    Fico muito feliz, de verdade!

    Vou procurar seus vídeos agora mesmo.

    Abraços querido

    ResponderExcluir