Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Aba Film - Ademar Bezerra de Albuquerque [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 5 de junho de 2010

Aba Film - Ademar Bezerra de Albuquerque




Ademar Bezerra de Albuquerque


Em 1934 quando Fortaleza contava com uma população de 137.789 habitantes, um bancário de 18 anos de idade, decidiu montar um laboratório fotográfico, cujo nome foi formado pelas iniciais do seu nome. Esse bancário chamava-se Ademar Bezerra de Albuquerque, o estabelecimento recebeu o nome de ABA Film.
A
ABA Film tornou-se a principal referência em fotografia no Ceará.
Muitas histórias do Estado e de Fortaleza foram contadas pela ABA Film através de suas imagens.
O laboratório da ABA Film especialista em revelação de imagens analógicas, não resistiu a modernidade das maquininhas digitais. A matriz da empresa, que ficava na Avenida Heráclito Graça, já encerrou suas atividades há algum tempo, agora estão fechando as unidades espalhadas pela cidade.



Aba Film década de 30- Arquivo Nirez

A ABA FILM é a proprietária do arquivo do único registro fotográfico e cinematográfico sobre cangaço, o qual foi realizado pelo "turco"(sírio/libanês) Benjamin Abrahão Botto.
Este registro fotográfico e cinematográfico sobre cangaço (Falarei com mais detalhe sobre esse assunto em outro post), foi apreendido pela ditaura de Getúlio Vargas, analisado e censurado pelo DIP(Departamento de Imprensa e Propaganda).
A Aba Film é a empresa fotográfica que registra desde sua fundação os principais eventos e manifestações da cultura e cotidiano do povo do Ceará e Nordeste.
Já jovem, Ademar tinha interesse pela arte da imagem e aos 18 anos já tinha o próprio labotatório fotografico. Trabalhou por 40 anos no London Bank em Fortaleza.

Ademar Bezerra de Albuquerque entrou para a história devido ao empréstimo e orientação do uso do material fotográfico para o secretário do Padre Cícero, “turco”(sírio/libanês) Benjamin Abrahão Botto. Este trabalho conjunto resultou no registro fotogrático e cinematográfico do cangaço, precisamente de Lampião(Virgulino Ferreira da Silva) e seu bando.



Rua Major Facundo, entre a Liberato Barroso e a Pedro Pereira do chamado lado do sol. Na foto a funcionária da Aba Film Diana Costa - Arquivo Nirez

O cearense Ademar Albuquerque surgiu para a pintura aos 67 anos, numa idade em que muitos artistas dão por concluída a sua obra. Apesar de pintar somente há três anos, já revelava um amadurecimento técnico, um sentido de composição, um apuro cromático que nos deixariam intrigados não soubéssemos que o artista exerceu por largos anos o profissionalismo fotográfico, o que decerto lhe favoreceu o insight para uma exteriorização artística forte e pessoal, tocada de inequívoca originalidade.



Exposição de pintura de Ademar

Esse artista primitivo, partindo da representação simbólica de conteúdos inconscientes, expressa-se dentro de um surrealismo intuitivo em que uma exuberante inventiva faz emergir, dos impulsos elementares da personalidade humana, a introvisão de um mundo bizarro e fascinante. São corujões e flores aberrantes, insetos formidáveis e seres míticos — expressões de ritmos vitais captados com um senso do drama e de mistério que surpreende.






Se por um lado as peculiaridades formais desse pintor revelam-nos um primitivo-surrealista, por outro lado, noutra fase da sua evolução artística, vemo-lo situar-se no elementarismo, a maneira de Gauguin. Estamos, portanto, diante de um pintor em estado de transição, mas assim mesmo com tendências comuns em todos os quadros, acentuadas nas suas últimas produções, e que denunciam uma exclusividade formal prestes a definir-se.




Mas, acima e além do que foi dito nessas brevíssimas considerações teóricas, temos a considerar a força atuante dos elementos simbólicos dessa pintura, a nosso ver de conteúdo puramente onírico, como se o artista tivesse desejado fixar em forma e cor aqueles sedimentos imemoriais que se ocultam no mais profundo de nossas mentes e de nossas almas. Daí, supomos, assaltar-nos esse sentimento de perplexidade diante dessas configurações insólitas, a suspeição de estarmos defrontando com algo que nos parece estranhamente familiar no seu lirismo extravagante ou nas suas sugestões macabras, às vezes vagamente aterradoras. E uma impressão que persiste e aparece em nossos sonhos.

A. Albuquerque expressa o mistério sem o violar com interpretações intelectivas, evoca nossa ancestralidade mística sem tentar desvendar o seu enigma ou propor a sua solução. Sua pintura possui uma grande força de comunicação porque nos restitui a pureza do mito através da linguagem simbólica – única de entendimento universal entre os homens.



José Maia


Folder da exposição de Ademar


(RELAÇÃO DAS OBRAS EXPOSTAS)
1 São João - Óleo s/ tela
2 Iemanjá - Óleo s/ tela
3 Janela - Óleo s/ tela
4 Dança Dos Átomos
5 Homem Primitivo
6 Macumba
7 Pacatuba - Óleo s/ tela C. P.
8 Feira no Interior - Óleo s/ tela C. P.
9 Metamorfose I
10 Metamorfose II
11 Borboleta - Óleo s/ tela C. P.
12 Gaivota
13 Paisagem Chinesa
14 Vulcão Fuji
15 Corujão
16 Visão do Além

Adhemar Bezerra de Albuquerque nasceu em Fortaleza, em 19 de julho de 1892.
Iniciou seus estudos no colégio do Anacleto e, posteriormente, com sua mãe, que foi a diretora do primeiro grupo escolar de Fortaleza.
Tendo perdido o pai aos dez anos de idade, foi obrigado a trabalhar para ajudar na manutenção da família. Já nesta idade o seu espírito criador e imaginativo fazia-se mostrar através de esculturas em madeira e pequenas maquetes de navios veleiros.
No esporte foi um dos grandes entusiastas, tendo-se destacado no ciclismo e futebol, na sua juventude, e posteriormente no tênis e no xadrez.
Casou-se em 1915, com Lasthenia Menescal Campos, de cujo casamento nasceram nove filhos.
Foi um dos pioneiros da fotografia e da cinematografia no Ceará, tendo fundado em 1934 a ABA FILM.
Aposentando-se em 1948, depois de quarenta anos de trabalho no Bank of London, fixou residência em Belo Horizonte, onde fundou o Studio Albuquerque.
Em 1959 transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde continuou com seu "hobby" preferido, a fotografia, dedicando-se também a pintura que em pouco tempo o absorveu totalmente.
Suas pinturas expressam a livre realização de seus sentimentos artísticos.





Seu interesse se voltou para o registro do cotidiano e da cultura do Ceará. Em 1925 Ademar Albuquerque fez o primeiro filme sobre Padre Cícero: O Joazeiro do Padre Cícero. O documentário contém imagens da cidade de Juazeiro do Norte, a devoção ao Padre Cícero, a feira, o movimento das ruas. Registra também imagens de Missão Velha, Crato e Barbalha. O filme foi lançado no Cinema Moderno em Fortaleza no dia 8 de dezembro. Nesse curta metragem é possível ver Padre Cícero caminhando nas ruas de Juazeiro do Norte e tendo ao seu lado personalidades políticas e atrás de si uma pequena multidão. A produção do filme foi registrada em dois artigos do Jornal do Comércio. Durante as filmagens em Juazeiro do Norte, Ademar Bezerra de Albuquerque foi apresentado ao imigrante libanês Benjamin Abraão Botto, secretário particular do Padre Cícero. Neste encontro Ademar Albuquerque não só emprestou farto material fotográfico, como introduziu Benjamin nas artes da fotografia e do cinema. Em 1926, na ocasião em que Lampião visitou a cidade de Juazeiro do Norte, Benjamin Abraão tentou, sem sucesso, filmar o cangaceiro e seu grupo. No entanto, seguiu à procura de Lampião até fazer o único registro em filme numa localidade chamada Bom Nome. Realizado em 1936, o filme Lampião foi censurado pelo Estado Novo que se preocupou com a transformação do filme numa apologia ao cangaço. Benjamin Abraão foi morto em 1938, num crime até hoje não esclarecido. Nos anos 50, o material de Benjamin Abraão foi recuperado pela Fundação Getúlio Vargas que o incorporou a seu acervo.

ARQUIVO ABA FILM:



Campanha politica do Marechal Henrique Teixeira Lott em Fortaleza, com a presença de Francisco Menezes Pimentel, Parsifal Barroso e Armando Falcão (sentados) De pé alguns repórteres, entre eles, Edilmar Norões e Armando Vasconcelos (1959).




Traslado dos restos mortais do General Sampaio na Avenida Bezerra de Menezes, com a presença do então Governador Virgilio Távora (1966).






Este incêndio destruiu completamente o Edificio Majestic e as Lojas Brasileiras na Praça do Ferreira (1955).




Edificio Parente, na esquina das ruas Barão do Rio Branco com Guilherme Rocha (1936).





Foto tirada logo após o desabamento da Igreja do Coração de Jesus (1957)
 


Inauguração do prédio da Assistência Municipal, na esquina das Ruas Senador Pompeu com Antonio Pompeu, na antiga Praça de Pelotas (1940)

 


Inauguração do Posto Nash, que vendia combustiveis e serviços (1950)


Inauguração da nova sede do Naútico Atlético Cearense (1952)





Créditos: Site do Museu de arte da UFC, Wikipédia,
Nirez e pesquisas pela internet

14 comentários:

  1. Passei, agora ,pelas fotos e vi as da Igreja Coração de Jesús. Em 1957 eu tinha 15 anos e tive um CHOQUE, ao saber. Meu pai estava no Prédio Vicentino, na Rua Jaime Benévolo, ao lado e assistiu ao desmoronamento, nos relatando o estrondo que foi.
    Fiz minha 1ª Comunhão e recebi o Crisma naquela Igreja!Morei na rua à frente, na Barão de Aratanha,nº 232, próximo à igreja....brinquei nos patamares, que antes da queda existiam,toda a minha infância - de 1945 a 1952...Íamos às missas e às novenas, com quermeces... que legal eram os leilões!!...Meu pai,católico ferrenho, arrematava bolos, galinhas assadas, etc, para ajudar os frades franciscanos. Meu pai era: Viventino, Mariano e Franciscano!!! Sabem o que é isso??? rsrsrsr. Depois eu explico!!
    Ciao, bambina! Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Nossa que aflição deve ter sido, imagino que o barulho tenha sido ensurdecedor mesmo¬¬ Só de imaginar a igreja ruindo...A Igreja em um minuto está lá, imponente... e logo depois, "ploft" vira escombros :O
    "Vicentino, Mariano e Franciscano..." não sei ao certo, mas com certeza tem algo em comum com os frades que ele ajudava :P hihihihi

    Beijosssss

    ResponderExcluir
  3. Voltei aqui, para rever a igreja em ruinas...vc me disse o caminho...e "explicar" os 3 termos rs

    Bom:- Vicentino: confrade(sócio) da Ordem de São
    Vicente de Paulo;
    - Mariano: da Ordem de Maria (Nossa Senhora);
    - Franciscano: da Ordem dos São Francisco
    (frades Capuchinhos)

    Beijos, amiga

    ResponderExcluir
  4. Hummmmmm Agora está tudo explicadinho... :)

    ResponderExcluir
  5. DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA

    “As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
    têm direito inalienável à Verdade, Memória,
    História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

    O MASSACRE DELETADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

    No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi a CHACINA praticada pelo Exército e Polícia Militar em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano negro de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

    O CRIME DE LESA HUMANIDADE

    O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

    A AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

    Como o crime praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL conforme legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

    A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

    A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

    RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

    A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

    A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

    A SOS DIREITOS HUMANOS, como os familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

    A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, mas não o fazem porque para elas, os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” são mais importantes que as vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    A COMISSÃO DA VERDADE

    A SOS DIREITOS HUMANOS em julho de 2010 passou a receber apoio da OAB/CE pelo presidente Dr. Valdetário Monteiro, nas buscas da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão, e continua pedindo aos internautas que divulguem a notícia, bem como que a envie para seus representantes no Legislativo, para que exijam do Governo Federal e Estado do Ceará a localização da COVA COLETIVA.

    Paz e Solidariedade,

    Dr. Otoniel Ajala Dourado
    OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
    Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
    Editor-Chefe da Revista SOS DIREITOS HUMANOS
    Membro da CDAA da OAB/CE
    www.sosdireitoshumanos.org.br
    sosdireitoshumanos@ig.com.br
    http://twitter.com/REVISTASOSDH
    http://revistasosdireitoshumanos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. oi meu nome é erica e ultimamente estou muito triste pois fiz um book lindo na abafilm e este porem foi roubado junto com outras coisas...gostaria de saber se ainda tenho como ter contato com alguem da aba film pra faze-las novamentes pelos negativas das fotos...eu amava esse book!!!!!por favor se tiver como me ajudar entre em contato. 085 96553474.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Érica, a Aba Film já encerrou suas atividades, mas vc pode levar seus negativos por exemplo, no Shopping Del Paseo, lá tem loja especializada em revelação de fotos.

      Abraços

      Excluir
  7. obg pela atençao e ao me responder,mas acho q nao me expliquei acima,pois nao tenho as negativas,pois na minha epoca eles nao davam as negativas de books de 15anos, apenas as fotos e estas foram roubadas,estou super chateada pois foram dos meus 15anos, pensei q eles ainda tivesse alguma atividade por sites ou sei la,mudado de nome...mas pela sua resposta acho q nao tem mas jeito ne?mas muito obrigada pela resposta Leila!!!ahhh ja ia esquecendo amei ver as fotos do seu blog,é bom ver como era e saber um pouco do passado!!é um trabalho belissimo! abraço!!ass.Érica Alencar (alen_erica@hotmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita Érica, então é pior do q eu pensei!¬¬
      Nossa, imagino como vc deve está chateada, as fotos deviam ser lindas mesmo!
      Pelo o que eu soube, quando a Aba Film resolveu fechar as portas, eles entraram (pelo visto não acharam seu contato) em contato com várias pessoas perguntando se tinham interesse em pegar os negativos, sei disso, pois uma amiga q participou de desfiles de miss Ceará, recebeu a ligação e na época, ela não deu muita atenção e hoje se arrepende de não ter ido buscar! :(
      O arquivo da Aba Film foi entregue nas mãos do querido Nirez, mas não sei te informar se os negativos tbm.
      Entre em contato com ele e se informe, não custa tentar, não é? :)

      E-mail dele: nirez@terra.com.br

      Quanto ao blog, fico muito feliz de saber, obrigada!

      Forte abraço e ficarei na torcida!

      Excluir
  8. Agora entendi toda a minha fascinação pelo o local!

    ResponderExcluir
  9. OLÁ EU GOSTARIA DE SABER SE ABAFILM TEM FOTOGRAFIAS ARQUIVADAS DO MUNICIPIO DA MINHA CIDADE QUE É ITAPAJÉ EU GOSTARIA DE OBTER ESTA INFORMAÇÃO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, bom dia!
      A Aba Film não existe mais. O seu acervo (não sei se todo ou apenas uma parte), foi cedido ao Arquivo Nirez.

      Endereço do Arquivo Nirez:
      Rua Professor João Bosco, 560
      Bairro: Rodolfo Teófilo
      E-mail: arquivonirez@gmail.com
      Telefone: (85) 3281.6949 / 3281.6102

      Abraços

      Excluir
    2. Obrigado,meu nome é Davi Borges.

      Excluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: