Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Praça e Igreja do Carmo [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Praça e Igreja do Carmo




Área: 5.900,00 m2
Endereço: Av. Duque de Caxias, Rua Major Facundo, Barão do Rio Branco e Clarindo de Queiroz.

Antes se chamou Praça do Livramento cuja primitiva capela foi iniciada em 1850, em 1922 foi denominada Nossa Senhora do Carmo.

Estátua de Nossa Senhora da Paz erigida por iniciativa de Adolfo G. de Siqueira e Milton de Sousa Carvalho. Inaugura -se em 1921 e foi esculpida em mármore em Paris. 

Foto de 1906 - A então Praça do Livramento

O vai-e-vem de estudantes, seguranças, vendedores ambulantes, homens, mulheres e crianças que transitam na Praça do Carmo, lhe dá um aspecto de grande alvoroço, o que contrasta totalmente com o tranquilo interior da Igreja do Carmo, onde fiéis tranqüilamente fazem suas orações.

A Praça do Carmo era outro areial na Fortaleza antiga e havia uma lagoa no quarteirão em frente, onde hoje funcionam o Banco do Brasil e um estacionamento. A lagoa era alimentada por um córrego que vinha da Praça do Ferreira, mas isto são outros tempos.

Hoje a praça é muito freqüentada. Em seu entorno, prédios históricos, como o do Instituto do Ceará e o da Associação dos Merceeiros. Ainda há algum casario antigo do lado dos fundos da igreja, mas as fachadas estão descaracterizadas.


Foto de 1945

Além da igreja a praça abriga sete bancas de revistas, barracas de churros e cachorro quente.

A Praça do Carmo se situa na Avenida Duque de Caxias entre as ruas Major Facundo, Clarindo de Queiroz e Barão do Rio Branco. A igreja que denomina a praça comemorou o centenário de sua bênção oficial no dia 25 de março de 2006.

Originalmente ali era a capelinha de Nossa Senhora do Livramento, cuja imagem da época se encontra hoje sobre a pia batismal.

Depois de criadas as três primeiras paróquias de Fortaleza, a de Nossa Senhora do Carmo foi a quarta a ser instituída.

A tradutora de línguas neo-latinas, Maria de Lourdes Bezerra, 83 anos, conta a história da igreja onde se batizou: "a imagem que está sobre o altar veio de Portugal ainda no século XIX, não havia dinheiro para resgatá-la da alfândega e ela foi arrematada em leilão pelo comerciante José Rossas. O homem viria a sofrer gravemente de paratifo e após a cura, atribuída à santa, decidiu juntamente com a esposa Sara, doar a imagem à paróquia".



Postal  de 1928

Nas colunas da igreja há placas de agradecimento de milagres à santa que datam desde 1902.

A obra no teto da igreja, do artista Ramos Cotoco, quase se perdeu, mas foi restaurada por uma equipe de italianos, podendo hoje ser apreciada pelo público que comparece diariamente à Igreja do Carmo. 

Ônibus estacionados na Praça do Carmo - Final da década de 60 - Crédito da foto: Museu Dantu

A capelinha original que estava no lugar da atual Igreja do Carmo não deixou registro iconográfico. O pequeno templo foi eregido pela então Irmandade dos Pardos que pela devoção a consagraram a Nossa Senhora do Livramento. O tempo passou e a primeira Igreja do Carmo foi construída. Ela não tinha o formato de cruz que mostra hoje. A igreja foi construída no formato retangular e em 1922 o primeiro arcepisbo de Fortaleza, Dom Manuel da Silva Gomes, elevou o templo a sede de adoração perpétua, o que aconteceu por várias décadas, até que a tradição foi deixada de lado.

Agora com a intervenção do padre João Jorge Corrêa Filho, oblata dos beneditinos, a igreja voltou a ser sede de adoração perpétua. 



Vista da Igreja do Carmo em 1910. Ao fundo, pode-se ver os limites habitados a oeste da cidade e, à esquerda, a Avenida Duque de Caxias sem pavimentação. (postal colorido à mão)

A Igreja do Carmo em seu caráter arquitetônico traz detalhes que só vão ser encontrados ali.

No primeiro vão da igreja, existe a demarcação de sua estrutura secular com varandas internas que devido ao desgaste imposto pelo tempo já não tem acesso permitido.



Ali há um púlpito que foi obra da Fundição Cearense e que data do início do século XX. O trabalho sacro-artístico desenvolvido para o púlpito é primoroso. Todas as faces do balcão do púlpito tem a imagem do Sagrado Coração de Maria e os detalhes artísticos vão desde o teto à escadaria da peça. O púlpito era usado quando nos idos do passado os padres não dispunham de serviço de áudio na igreja. A entoação da missa acontecia e para a realização dos sermões o padre era seguido do altar por coroinhas providos de grandes velas ou luminárias até chegar ao púlpito, onde ele subia a pequena escada, impunha-se na plataforma e discursava para os fiéis. Terminado o sermão a pequena procissão de coroinhas acompanhava o sacerdote de volta ao altar principal para a finalização das missas.

Hoje algumas imagens estão faltando nos nichos. Dona Maria de Lourdes explica que as charolas estão vazias porque os santos estão sendo restaurados.

Sem dúvida a mais bela peça da Praça do Carmo é a estátua de Nossa Senhora da Paz (abaixo) que se encontra em frente ao templo em seu átrio. A imagem originalmente foi colada na Avenida Duque de Caxias quando era uma rua estreita. Por ocasião do alargamento da avenida ela foi colocada onde está hoje. A peça é uma obra de arte em mármore branco com detalhes preciosos e seria maravilhoso que fosse restaurada. As estátuas tiveram os dedos quebrados.





A palava ´PAX´, paz em latim, no pedestal da estátua, assim como a sua base, tiveram pedaços arrancados. A estátua também necessita de limpeza.


 

Sobre os prédios históricos do entorno, a Associação dos Merceeiros, que data de 1926, ainda funciona com consultórios e atendimento aos associados. Tem detalhes preciosos como guarda-corpos em serralheria e as rodas dentadas aladas, símbolo de Mercúrio em suas cornijas. O Instituto Ceará, edifício rico arquitetonicamente e precioso pelo acervo que mantém.

A Igreja do Carmo




A Igreja do Carmo nasceu de uma singela capela no mesmo sitio onde hoje se ergue a Matriz, lugar que era considerado distante do Centro, povoado de choças de palha.
O Arquiteto português
Antônio Francisco da Rosa, recebeu a incumbência de traçar uma planta e de executar os referidos trabalhos que consistiam aumento do frontispício da capela (já então por essa época em construção)e do corpo da nave. Em 1870, três anos após o mestre Rosa era autorizado a recuperar oitões da capela que se encontrava arruinada por não ter sido coberta.
No ano seguinte, a obra foi realizada, com a restauração dos oitões. Em 1879, o arquiteto
Adolfo Herbster, como refere João Brigido foi contratado, e uma nova planta, semelhante a atual igreja foi confeccionada. Os trabalhos tomaram impulso graças ao governo provincial, e aos fieis que contribuirão com esmolas e materiais. Com a seca dos três sete 77, 78 e 79 a Igreja ficou com as três naves e o consistório, toda coberta, ainda sem torre, deu-se então a transferência da capela para os cuidados da associação de Nossa Senhora do Carmo.
Transcorrido quatorze anos da transferência, no dia 25 de março de 1906, procedia-se a benção da nova Igreja, com a sagração de um sino e celebração da missa, pelo
Monsenhor Bruno Figueiredo.
Em fins do século passado, quando Fortaleza só tinha duas freguesias e bem poucas Igrejas, uma Irmandade foi organizada, no âmbito da
matriz do Patrocínio, com o intuito de construir um templo a ser dedicado a Nossa senhora do Livramento, no largo que, após o início da obra, passou a ser conhecido por esse nome. Não se sabe quando foram lançados os alicerces, mas em 1870, o mestre Rosa foi solicitado a dirigir os trabalhos, ainda em 1874 a obra estava sem coberta, e, em 1879 recorreu-se a Adolfo Herbster, para que fizesse uma nova e definitiva planta
Chegava o século XX e a igreja, com a parte principal coberta, mas sem torre e acabamento, não se concluía, finalmente, em 25 de março de 1906, a igreja foi benta e entregue ao culto. Em 1915 foi criada a paróquia do Carmo, a cidade era ainda pequena e de população esparsa, de modo que os limites da nova paróquia eram muito extensos: do
centro da cidade ao Alto da Balança, daí até o bairro das Damas, depois ao Alagadiço, voltando à Praça Paulo Pessoa e à Rua Pedro I ( Hoje: As Ruas Assunção, Pedro I, General Sampaio e Joaquim Magalhães)
Em 24 de Janeiro de 1921 foi inaugurado o monumento à Nossa Senhora da Paz, colocado inicialmente mais distante da fachada, debaixo dos degraus de acesso ao patamar, mais que mudou de lugar em 1966, para permitir um alargamento da Avenida Duque de Caxias. No seu pedestal existe uma placa com as datas de aquisição e ereção.
Pôr esse tempo, o Centro da Cidade ainda ficava distante da Igreja, poucas famílias moravam nas proximidades, somente em 1929, a praça foi ajardinada e freqüentada. Conta-se que a imagem da Padroeira veio de
Portugal e, por falta de pagamento do imposto aduaneiro ficou retida na Alfândega, foi leiloada e comprada pelo Sr. José Rosas que não concordou em cedê-la, por dinheiro algum, mais a entregou gratuitamente quando adoeceu.
As imagens de São Pedro e São Paulo, foram doadas pelo Sr.
Pedro Filomeno e Anastácio Braga em 1944, e entre 1948 e 1962 foram feitas várias reformas, como renovação do telhado por telha de amianto, a adquisição de dois sinos, um de 115 e outro de 75 quilos, fabricados em São Paulo, também se construiu três apartamentos para os padres em cima da Sacristia o que dispensou o uso da casa paroquial que ficava no ângulo sudoeste do encontro das Ruas Barão do Rio Branco e Clarindo de Queiroz.
A Igreja com planta em cruz Latina, conserva embora em desuso as tribunas e o púlpito metálico, assim como as varandas das tribunas.
Há uma única torre, no centro da fachada do estilo Barroco, cada porta (3) esta coroada por um óculo, a torre inicia quadrada e torna-se octógona no campanário.
Os corredores laterais de 3m de largura a nave principal tem 7m. a largura total externa deve chegar aos 15m. e o comprimento é de 40m. aproximadamente da entrada a porta dos fundos.
O portal - base da torre de 4m. deixa espaço para o batistério presidido por uma imagem de Nossa Senhora do Livramento talvez a original da primeira capela, e a direita, para a escada de acesso ao coro e ao campanário. O forro sob as tribunas, assim como o da nave principal, é de madeira em lambris, sobre o altar - mor uma tela, representando a nossa senhora do Carmo sendo solicitada pelas almas do Purgatório, tem também outra tela com as figuras da Padroeira, com o Menino. As pinturas da capela - Mor são do artista
Raimundo Ramos Filho de 1904, restaurada em 2000.



Créditos: Diário do Nordeste e Ofipro

7 comentários:

  1. Meus pais se casaram na igreja do Carmo, muito linda mesmo! Sempre quando eu passo por ela eu fico pensando, porque nós cearenses não valorizamos nossa arquitetura histórica? Obrigado por manter viva a história da nossa tão amada cidade!

    Abraço!

    Mike - blog Marketing do Sertão

    ResponderExcluir
  2. Pois é,Mike,ainda bem que temos a Leila e alguns, poucos, que resgatam pra nós essas maravilhas arquitetônicas da nossa história!
    Frequentei muito esta igreja, quando morava na Barão de Aratanha,pela década de 1950. Vez por outra, entro e vejo que nada mudou....apenas na época que eu frequentava, o sermão era proferido no púlpito, hoje em desuso.
    É muito bela, a Igreja do Carmo, por dentro e fora!
    NOTA: tomei conhecimento ,há alguns anos(10,12..)que a tela de Ramos Cotoco quase que ia sendo rifada e substituida por outra semelhante de uma artista plástica da época..lembro-me que a notícia saiu num jornal de Fortaleza...a pesquisar,..rsrsrs..
    Bela matéria, amiga!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Mike, não precisa agradecer, faço por amor!

    ResponderExcluir
  4. Amiga querida, vc tbm faz parte desse time, suas lembranças sempre nos ajudam, são pormenores valiosos que completam a história dessa cidade.

    Um beijo no seu coração e já estou vasculhando a internet atrás dessa notícia rsrs

    ResponderExcluir
  5. Em 2006 foi centário da igreja? ela foi inaugurada em 25 de março de 1906? é isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitamente, Paulo Figueiredo, e no próximo ano, completará 110 anos! :)

      Forte abraço

      Excluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: