Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Nos bons tempos do Estoril...



Foto do Livro “Ah Fortaleza!”


A Praia de Iracema viveu diversas fases em sua tumultuada existência, cheia de altos e baixos. Foi Praia do Peixe – pequenina vila de pescadores. Abrigou o primeiro porto de fortaleza e com sua ausência, viveu a sua primeira crise. Serviu, em seguida, de balneário às abastadas famílias que residiam no centro e aqui construíram suas casas de veraneio e sobradões, inexplicavelmente, de costas para o mar. Em sua terceira fase, foi recanto de poetas, intelectuais, militantes políticos e artistas em geral, na segunda metade da década de 1970, quando viveu a segunda grande crise, abandonada por todos. 


Estoril em 1943 - sendo usado como Clube de Veraneio por soldados

Nasci aqui, em 1953. Voltei à praia de Iracema, em 1979. Rua dos tabajaras, 480, era meu cantinho. O aluguel era tão barato que eu pagava seis meses adiantados. Mas era próximo demais do Estoril. Portanto, inevitavelmente, eu abraçaria a boemia. Minha primogênita, Clarissa, nasceu ali, em 1981. Nessa época, o símbolo da praia de Iracema já era o Estoril. Sobrado da família Porto, depois, cassino dos oficiais norte-americanos e restaurante de luxo. Terminaria nas mãos de um de seus garçons – o Zé Pequeno. Em suas noites quentes, sob estrelas, havia de tudo. Foi o local de encontro não clandestino, escolhido pelos que lutavam contra o regime militar e simpatizantes da causa. Tudo de importante que acontecia na cidade terminava em noitadas no Estoril. Fosse um show de Gonzaguinha, uma exposição no MAUC, uma sessão no cinema de arte ou um comício pelas diretas já!

Em meio àquele frenesi, o Estoril tornou-se o point das esquerdas festivas ou não. Lá se trocava todo tipo de informação. Desde o andamento de uma greve, ações do movimento estudantil ou discussões de luta de classes dos partidos de esquerda. O lugar tornou-se um posto avançado, amplo, geral e irrestrito da reação ao regime militar, que já exibia, a contragosto, seu declínio.

A Vila Morena após a Segunda Guerra a abrigar o Estoril bar e restaurante que abrigava a intelectualidade fortalezense. Foto de 1948 - Arquivo Nirez 

Havia bares menores. Como o Bar do Getúlio, defronte à igrejinha de São Pedro; a gruta da praia, entre outros. Por vezes, varávamos madrugadas entre copos de cerveja, caninhas e discursos contra a ditadura, o prefeito biônico ou simplesmente contra o governo. Tudo era permitido, exceto ser reacionário. Gente desse tipo ficava comportada e quietinha, pois, pelo menos, no Estoril, esse tipo era minoria. Os banheiros eram alagados e fétidos. Os tira-gostos terríveis: filé a “óleo de freio” e “ovos completos” eram os mais aceitáveis e solicitados. Mas, o lugar era bucólico e animado. Simplesmente encantador...

Desse tempo vale lembrar amizades maravilhosas. Figuras sem par, de nossa laboriosa boemia iracemista. Alguns, já nos deixaram fisicamente, apesar de estarem bem vivos em nossos corações e mentes, tais como, Aleardo Freitas e Murici; o publicitário Carlos Paiva; José Carlos Matos, diretor e produtor de teatro; Eusélio Oliveira, da casa amarela; o jornalista Rogaciano Leite Filho; Augusto Neiva, engenheiro e sindicalista; Luiz Capelo, médico e professor da UFC; Luis Sérgio, auditor e compositor; o garçom maior de nossas vidas: o simpático e querido Sitonho; o Zé Pequeno e o Nenê, os proprietários; Célio Cavalcanti, bancário e músico; o genial Augusto Pontes; o querido Cláudio Pereira, apelidado de “cadeira voadora”, por sua onipresença onde houvesse festas culturais; Isa Mamede, o músico Stélinho Vale; a cantora Ana Fonteles; o arquiteto medina, o publicitário Luciano Miranda, entre muitos outros.

Ficamos nós, os ainda vivos: Cristiano Câmara, Valdir Sombra, o Alemão, garçom dos bons; “Baleia”, o garçom suave com uns e bruto com outros; Airton Monte, prá mim, mais poeta que cronista; Agostinho Gósson, Ataliba e Sérgio Pinheiro, o combativo professor e artista, Hélio Rôla; Luciano e Virgílio Maia, Francis Vale, João de Paula, João Alfredo, José Nobre Guimarães, Edson da farmácia; Paulo Abreu, Eleuba Magalhães; Norma, Regina, Valéria Brandão; Maria Luiza Fontenele, Rosa e Cristina Fonsêca, Alano Freitas, Wilson Brandão, geólogo e músico; Chico Barreto, mestre Guim, Cau, Raimundo Fagner, Rodger Rogério, Téti, Fausto Nilo, Belchior, Ednardo, os pavãzinhos, Roberto do Iguatu, Antonio José Soares Brandão e Fátima; Nonato Luis e Afonsina, Bizão, o arquiteto da primeira intervenção na orla; Pepe Capelo, Silas de Paula, Lígia Girão, as “bacanas”, Joaquim Cartaxo, Delberg Ponce de Leon; o físico, Flavio Torres Araujo; o homeopata, Luiz Teixeira; Eneas Coelho, Lúcia Coelho, Carlos Augusto Viana, Antonio Carlos Coelho, Antonio Carlos Campelo Costa e Algia, Mário Mamede e Clarinha; Rui Mamede, Chico Eulálio e Sandra Claudino; Vanda Claudino Sales; João Saraiva; João Bosco e Eimar Arruda, Maninha e Lula Morais, Serginho Amizade, Claire, Marcos e Júlio César Penaforte, Regina Lúcia Goes, Mariano Freitas, Luis Carlos Antero, Luis Carlos Paes, Zu, Fernado, Verônica e Gláucia Costa, Paulo Linhares, Evandro Abreu, Cartaxo Arruda, Geraldo Acyoli, Geraldo e Célio Menezes, Chico Veloso e Rosário, Célio, Afonsina e Gerardo Filho, Manoel Veras, Pedro Moleza, Chico Pio, Augusto bonequeiro, Zezé fonteles, Adauto Oliveira, Eugênio Leandro, Rosé Sabadia e Dilson Pinheiro, apenas para citar alguns. Com tanta gente boa, qualquer lugar seria mesmo maravilhoso!

A vida era em p&b. Os tempos ainda eram de chumbo. A praia de Iracema abandonada. Mesmo assim, bucólica e acolhedora. Fomos felizes, muito felizes, nos bons tempos do Estoril! Queremos esse tempo de volta? Não. Queremos apenas nossa praia de volta. Com tudo que está sendo requalificado aqui, poderemos ser muito mais felizes. Mudamos para melhor! Bem vindas e bem vindos à volta do Estoril!

                          Pedro Carlos Alvares (produtor cultural, morador,
          presidente do Iracema, meu amor e do bloco de carnaval do Falcão)

Reunião do Movimento Cultural Massa Feira no Estoril em 1978. Vemos artistas que participaram de festivais da década de 70, como o nosso querido Raimundo Fagner.

A volta do Estoril

O projeto que temos em mente visa promover o encontro de todos os grupos físicos e virtuais que militam pela revitalização e preservação da Praia de Iracema. Na rede social Facebook esses grupos já somam mais de cem mil pessoas. Só para citar um exemplo, o grupo Iracema, meu amor, criado há seis meses conta com 62 mil filiados. O grupo Praia de Iracema, reconstrução já!, um pouco mais antigo, conta com 30 mil pessoas. Temos ainda o criativo iracema, o lindo, bonito e joiado - Bloco do Falcão, entre outros de menor porte, mas não menos atuantes. No plano físico, temos as representações de associações das comunidades como o Coletivo Iracema, do Poço da Draga, entre outras.
Nosso objetivo é unir todas essas forças no Estoril, lugar mais que simbólico de nossa pequenina orla, para traçarmos um pacto de um plano comum para o exercício de 2012. Esse é o objetivo principal.

Programação:

1-data: 25 de janeiro de 2012.

19h00min – instalação do pacto, com representantes de todos os grupos em atividade na praia de Iracema, estabelecendo os objetivos e um calendário de trabalho para 2012. Abertura da feira de arte e cultura, com trabalhos de artistas plásticos, vídeos, livros e artesanatos, produzidos por moradores e amigos da praia de Iracema.

20h00min - apresentação da praia de Iracema em diversas fases, através de fotos e vídeos, projetados em telão com comentários de Miguel Ângelo de Azevedo – o Nirez.

21h00min – shows com artistas cearenses ligados à causa da praia de Iracema.

2 - data: 26 de janeiro de 2012.

19h00min - Contação de histórias sobre a praia de Iracema, através de poetas, escritores, moradores e frequentadores do Estoril, de todas às épocas. Funcionamento da feira de arte e cultura
21h00min - shows.
          
3 - data: 27 de janeiro de 2012.

19h00min – depoimentos de arquitetos, geógrafos, sociólogos e memorialistas sobre a praia de Iracema, com foco no Estoril. Feira de arte e cultura
21h00min - shows.             
           
Encerramento.

Produção:
Pcabrasil – projetos de comunicação e cultura.
Pedro carlos alvares
8748-1505 – 9907-7157
Rua dos tabajaras, 138 – 404 t.
Praia de Iracema
         

Não deixe de participar, juntos somos mais fortes!
A Praia de Iracema agradece!


x_3b8fef07

9 comentários:

  1. ESSA LEILA NOBRE É O CÃO, COMENDO MARIOLA. Ô MULHER DANADA!

    ResponderExcluir
  2. Huahuahuahuahuah chorei de ri com esse "elogio"! :D

    ResponderExcluir
  3. Leila, em praticamente todas as vezes que estive em Fortaleza fiquei hospedado num hotel na Rua dos Tabajaras, bem pertinho da Ponte dos Ingleses, esse lugar maravilhoso. Já fiz essa caminhada, indo e voltando, quer em direcção à Ponte ou então indo no sentido da Avenida Beira Mar, mais de uma centena de vezes.

    Beijo, menina!

    ResponderExcluir
  4. Imagino a vista privilegiada que vc tinha da janela do hotel, que beleza!:)

    Essa caminhada é sagrada, quem nunca fez, não sabe o que está perdendo...eu já fiz milhares de vezes e sempre sinto como se fosse a primeira vez, a mesma emoção, é como voltar ao tempo de menina, quando fazia ainda de mãos dadas com meu querido e saudoso pai!

    Beijos amigo, amei seu comentário :)

    ResponderExcluir
  5. Raimundo Fagner não frequentou o Estoril. Nunca. Quanto a mim, já passei várias tempestades abrigado no Estoril, vendo sua fachada desmoronar na minha frente.

    ResponderExcluir
  6. Que emocao encontrar essa pagina, varios anos depois! Parabens a voces, pela tentativa!! Um abraco/

    ResponderExcluir