Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 5 de abril de 2011

O avião que caiu na enseada do Mucuripe


O dia era 22 de outubro de 1967 e milhares de pessoas lotavam a faixa de areia do Iate Clube até a Praia de Iracema para assistir ao show aéreo prometido para aquele dia como parte das comemorações da semana da asa. Dez aeronaves participavam do evento e até um alvo incendiário foi montado dentro da Enseada do Mucuripe para demonstrações de tiro.

Uma dessas aeronaves era o caça não municiado TF-33 da Força Aérea Brasileira sob comando do 1º Tenente Renato Ayres que havia sido incumbido da missão de fazer manobras acrobáticas durante a apresentação. O Ten. Ayres tinha apenas 25 anos de idade mas possuia mais de 2 mil horas de vôo em seu currículo. Ele deveria fazer manobras diversas de modo a "permitir ao público máxima visibilidade das evoluções de seu aparelho".


1º Tenente Renato Arzuaga 
Ayres da Silva 


Mas não foi exatamente isso que aconteceu. Algo deu errado logo após o meio-dia quando o TF-33 se aproximava a baixa altitude em trajetória paralela a linha da praia para uma manobra ousada em que giraria algumas vezes em torno do seu próprio eixo, chamada de "toneaux". A aeronave chocou-se com violência contra os verdes-mares do Mucuripe. O impacto causou uma explosão imediata chocando a população que assistia perplexa. 

O corpo do piloto foi retirado do mar cerca de 30 minutos após o acidente por "homens-rãs" (como eram chamados os mergulhadores) da Marinha e do Corpo de Bombeiros. No entanto, o impacto da explosão foi tão grande que a aeronave se estraçalhou. Nos dias posteriores membros do piloto foram encontrados em praias da capital.

O momento foi capturado pelo experiente
fotógrafo Esdras Guimarães

Segundo o Coronel-Aviador Edivio Caldas Sanctus que na época era o comandante da Base Aérea de Fortaleza, "o acidente ocorreu quando o avião realizava a segunda virada do dorso, ocasião em que ocorreu uma perda de altitude que os pilotos chamam de 'colherada'. A dois mil metros com o bico do aparelho levantado a manobra não oferece risco. Entretanto o Ten. Ayres realizou a acrobacia a baixa altitude a fim de permitir ao público sua plena visibilidade e o aparelho não teve como compensar a perda de altitude, chocando-se com a água e explodindo imediatamente".


O Coronel Sanctus também se queixou da tecnologia obsoleta dos aviões da FAB. Segundo ele, os TF-33 já eram aeronaves obsoletas que se tornavam a principal escolha da FAB devido a seu custo-benefício. 

Corpo do Tenente Renato Ayres sendo desembarcando no Iate Clube

barrinha

Relatos:

Meu pai que na época tinha pouco mais de 13 anos, havia combinado com meu avô alguns dias antes de assistir as demonstrações da Semana da Asa. No entanto, no dia do evento meu pai por motivo fútil se desentendeu com meu avô e de birra não foi assistir a apresentação das aeronaves. Resultado: deixou de presenciar um dos "maiores" acontecimentos da cidade na época!
Marcus Davis


Eu me lembro deste fato, não que o tenha presenciado, mas soube da queda do avião e eu e uns amigos de férias passando pela praia do Pirambu ali depois da Marinha no terceiro quebra-mar achamos na praia uma perna inteira, depois soube que era deste piloto, estava cortada na altura da coxa. Nós com 6 e 7 anos saimos correndo do local e avisamos aos mais velhos.
Nobre


barrinha

Fotos e textos do blog Mar do Ceará do Marcus Davis
Por sinal um blog maravilhoso que todos
deveriam ter a oportunidade de conhecer!

17 comentários:

  1. LEILA EU QUERIA QUE VC COLOCASSE AQUELA ANTIGA MUSICA DE FUNDO QUE ESTAVA NESTE MARAVILHOSO BLOG E BEM MELHOR DO QUE ESSA.

    ResponderExcluir
  2. Voltei com 'Mucuripe', realmente uma música belíssima!
    Agradeço pelo "maravilhoso blog" :)

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Leila, eu assisti de perto a queda deste avião. Quando ele passou sobre as dunas estava tão baixo que levantou areia delas. Quando ele começou a fazer um giro em torno do seu eixo, a ponta da asa tocou na água, tive a impressão que o piloto ainda tentou ejetar-se, mas não deu tempo. Vendo a cena eu achei que fazia parte do show, fiquei paralizado e me dizendo: - Isto é um filme. O local foi próximo as pedras ali no final da rua Frei Mansuêto. Mais um pouco na frente ele teria atingido os espectadores e banhistas que estavam na praia do Náutico, pois a partir deste local a margem da praia faz uma volta. Este domingo foi triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Ivan, minha mãe tbm estava assistindo essa apresentação e conta que foi um alvoroço, ning conseguia acreditar no q estava vendo, foi muito triste mesmo!

      Excluir
  4. Oi Leila. Seu Blog, que sempre foi bom, está cada vez melhor, meus parabéns. Vc. recupera fatos que são difíceis de serem encontrados na Net. Eu morava em Sobral na época do acontecimento ocorrido com o Tenente Ayres e tinha 12 anos e recordo de como a TV e os jornais noticiaram o fato.
    Lembro também(ouvi falar na época, não sei se a versão é verdadeira) que o Tenente não deveria voar nas demonstrações daquele dia e aproveitou e saiu na noite anterior e teria tomado alguns wiskys. No dia do acontecimento, um dos pilotos não pode voar, ele(o Ten. Ayres) foi escalado e voou um pouco ressaqueado. Isto é o que se comentou à época.
    Pesquisei durante anos sobre o ocorrido na Internet e não encontrei nada, simplesmente nada.
    Vejo agora o maravilhoso trabalho de resgate da memoria da cidade que vc. fez.
    Prof. Daniel C. de Figueiredo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, prof. Daniel, fico muito feliz e lisonjeada, mas os créditos são todos do meu querido amigo Marcus Davis, um pesquisador competente! :)

      Forte e fraterno abraço querido :)

      Excluir
  5. Sou filho d ex-funcionário da BAFZ, e meu pai me falou que o falecido piloto não estaria escalado para voar, entretanto ele era o reserva da esquadrilha. Segundo falaram,o Ten.Ayris, passou a noite NO f-80, O clube dos oficiais; já o outro piloto que voaria, foi retirado do voo,pois sua esposa deu á luz na maternidade da Base.Daí eles terem escalado o piloto do acidente. Também meu pai falou, que as manobras que o piloto fazia, não estavam prevista na sala de brinfig, e que quando voltassem da demonstração, o referido piloto sofreria sanções disciplinares.Mas, como vimos sua punição pelo seu erro, foi a morte...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal,não sabia disso.Eu tinha 12 anos de idade naquele dia fatídico.Hoje moro no Rio Grande do Sul há 33 anos.Sou tenente-coronel aposentado do exército.Não presenciei o acidente,pois estava de castigo por ter batido em um irmão meu mais novo.Obrigado pelo depoimento.

      Excluir
  6. http://www.youtube.com/watch?v=hLXejOcOKnQ
    Vejam este show aéreo com o mesmo tipo de jato.Em momento algum neste show vemos rasantes absurdos,tudo ocorre dentro das normas de segurança.Em 1967 quando ocorreu este acidente com o tenente Ayres este jato possuia 19 anos de uso,pois ele é de 1948,o que não vem a ser uma aeronave totalmente obsoleta.Quando provavelmente não se configura uma causa técnica para um acidente,podemos ter ainda as seguintes causas PESSOAIS e/ou DE FORÇA MAIOR.Provavelmente foi causa pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente, sim!

      Forte abraço e obrigada pelo comentário.

      Excluir
  7. Li atentamente cada comentário e agradeço pelo empenho de Leila em ter colocado este fato à nossa disposição.

    O comandante da BAFZ à época do acidente do Ayres era o Cel.-Av. Sanctus, piloto de patrulha. Ele havia dito que os aviões já estavam obsoletos e reclamou da insegurança em voá-los. O F-80 é comentando por pilotos que já voaram ele como um aparelho pesado, de manobragem complicada e razão de subida "lenta". Vale considerar que quando chegaram à Fortaleza, os aviões F-80 já estavam um pouco "surrados".

    A manobra feita pelo Ayres no F-80 à baixa altura foi considerada complicada para o tipo de situação, levando em conta que o avião supracitado possui suas limitações. Os jornais exibiram o fatídico como uma tragédia horrível, como realmente foi. Dias depois ainda tinham pedaços do Ayres não recolhidos em provisão no mar.

    Eu verdadeiramente não sabia destes detalhes mais profícuos, como o "whisky na noite anterior" no Clube F80 e da "ressaca". Li acima que antes da explosão, o Ayres pilotando o F-80 tinha "raspado" as dunas, o que prova por experiência de quem estava lá que a imperícia possui um aspecto muito fomentador sobre as causas do Acidente.

    Infelizmente o cara morreu muito jovem.

    ResponderExcluir
  8. Eu criança de 8 anos, morava em Fortaleza e assisti a tudo do Iate Clube. A tragédia ficou marcado em mim, inclusive, presenciei o desembarque do corpo no Iate.

    ResponderExcluir
  9. Eu me lembro como hoje do acidente, tinha 09 anos estava acompanhada com minha irmã mais nova, foi um desespero e tristeza total, o jato antes de cair no mar e explodir, vôo rasante manobrar a direita a ponta da asa chocou com uma onda, e em seguida o acidente fatal.

    ResponderExcluir
  10. Vá para o STATES, mas retorne pro nosso ceará. você é gente da gema, não pode nos abandonar, para laçar minha matéria sobre o Vila Iracema Atlético Clube do Monte castelo.

    ResponderExcluir