Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 26 de novembro de 2011

Comando da 10ª Região Militar - Forte de Schoonemborch

Pormenor da Vila de Nossa Senhora da Assunção (1730). No canto superior direito, o primitivo forte de Nossa Senhora da Assunção, em faxina e terra.

As origens deste sítio histórico remontam ao ano de 1649, quando o holandês Matias Beck fundou o forte de Schoonemborch.
Em 1654 os portugueses reconquistaram o local e nele construíram o Forte de Nossa Senhora da Assunção.
Em 1817 o Forte daria origem à histórica Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, obra do tenente-coronel Antônio José da Silva Paulet.
Desde 1948 o Exército Brasileiro aqui instalou a sede do Comando da 10ª Região Militar.



O Quartel no séc. XX - 10ª Região Militar - Nirez

Todos os historiadores são unânimes em afirmar que Fortaleza teve início com a construção do Forte Schoonemborch, assim denominado em homenagem ao Governador de Pernambuco e Presidente do Alto Conselho Administrativo da Holanda no Brasil.

Em 03 de abril de 1649, Matias Beck (holandês) aportou à enseada do Mucuripe, com 3 iates e 2 barcos, transportando 298 homens.



Pátio da  Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, o começo de tudo! - Nirez

Daí passou a explorar a costa até a barra do rio Ceará, com o fim de escolher um local para construir um forte. A colina situada à margem esquerda do Pajeú e denominada Marujaitiba pelos indígenas foi o local escolhido. Em 09 de abril, 40 soldados iniciaram a limpeza do terreno, a fim de ser feito o traçado do forte pelo engenheiro Ricardo Caar.

No dia 22 estava concluída essa limpeza. Iniciou-se então a sua construção. Era pequeno e construído de madeira, estacas de carnaúba e terra. Tinha a forma pentagonal, cercado de parapeito e paliçada. Posteriormente, Matias Beck ampliou e reforçou as abras de defesa, de acordo com a planta feita pelo engenheiro Caar. Essa ampliação foi iniciada em 19 de agosto de 1649.



Foto antiga do quartel (Quando abrigada o 9º Batalhão) - Não datada - Assis de Lima

De início foi armado com 11 peças de ferro e guarnecido com 40 homens. Em 1654, em consequência da derrota sofrida pelos holandeses na província de Pernambuco, Matias Beck foi obrigado a entregar o Forte aos portugueses, e o fez ao Capitão-Mor Álvaro de Azevedo Barreto, fato ocorrido em 20 de maio de 1654.

Ao receber o forte, o capitão Álvaro mudou-lhe o nome para FORTALEZA DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO. Ao redor da Fortaleza, pobremente edificadas, erguiam-se choupana e palhoças, abrigos dos primeiros habitantes da cidade que nascia. Nessa época, Álvaro de Azevedo Barreto fez reparos no forte e deu início à construção de uma capela.




postal raro, Forte no início do séc XX

Em 1655, o Capitão Álvaro foi substituído no Comando do forte por Domingos de Sá Barbosa. Por Carta Régia de 27 de julho de 1656, foi autorizado a André Vidal de Negreiros, então Governador do Maranhão, ao qual estava subordinado o CEARÁ, construir um forte de pedra e cal, ou mesmo de madeira de lei. No momento, não foi executada a construção, continuando o antigo forte na mesma situação de ruínas. De 1654 a 1812, esse forte foi ora por outra reparado. Entretanto, não sendo conservado nesse ano de 1812, desmoronou-se.



Como homenagem à data de aniversário do sereníssimo Senhor Príncipe da Beira, o Senhor Dom Pedro de Alcântara, em 12 de outubro de 1812, o Governador da Capitania do Ceará-Grande, Manoel Inácio de Sampaio, lançou a pedra fundamental da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, no mesmo local onde fora construído o antigo Forte Holandês, denominado Schoonemborch, em 1649, então reduzido a uma Bateria em ruínas.

A sua planta foi organizada pelo Ten Cel de Engenharia Antônio José da Silva Paulet, tendo o mesmo dirigido sua construção. A FORTALEZA seria edificada num quadrado de 90 metros de cada lado, constando de 4 baluartes, com as seguintes denominações: o do norte, com a invocação de Nossa Senhora da Assunção; o do sudeste, com a invocação de São José; o do sudoeste, denominado Príncipe da Beira e o do nordeste, em homenagem a Dom João.




Em 1817, foi colocada na parte externa da muralha do norte uma lápide com a seguinte inscrição - em latim: 


"Ano de 1817. As naus escarneciam de mim, quando eu era um monte informe; agora, que sou uma grande Fortaleza, de longe tomam-se de respeito.

Aqui reinando Dom JOÃO VI, SAMPAIO me fundou bela, o engenho de PAULET resplandece. Os donativos dos cidadãos me tornam forte pelas muralhas, e os dispêndios reais me fazem forte pelas armas." 


Nota: - Essa lápide acha-se no Museu do Estado do Ceará.

De início, foi a Fortaleza guarnecida com canhões.

Em 17 de agosto de 1822, estavam concluídas as suas obras.

Era um quadrado com quatro baluartes e com 27 peças que cruzavam seus fogos em condições de baterem o ancoradouro e o Porto.

Em 1829, foram acrescidas mais quatro peças, fazendo um total de 31 peças. Em 1847, foi a FORTALEZA reconstruída devido ao seu mau estado, e, em 1856, foram feitos alguns reparos.



O quartel quando abrigava o 9º Batalhão - Foto feita do Passeio Público - Àlbum Vistas do Ceará 1908

Em 11 de fevereiro de 1857, a FORTALEZA passou à categoria das fortificações de 2ª classe e assim continuou até 1880.

Com os reparos e melhoramentos executados de 1856 a 1886 (30 anos), a FORTALEZA sofreu muitas modificações. Em 1860, o pavimento superior com emblema na porta externa frontal, contendo instrumentos de guerra e bandeiras nacionais, foi concluído. Em 1906, se bem que conservada, exigia alguns reparos urgentes.

Em 1910, a FORTALEZA foi desarmada.



Turma da Infantaria, tendo à frente os capitães Maia e Vale.74- Crédito da foto

Em 1917, na 1ª Grande Guerra Mundial, foi a FORTALEZA guarnecida pela 1ª Bateria Independente do 3º Distrito de Artilharia de Costa, sob o comando do Capitão Bernardino Chaves. Em fins de 1918, essa Bateria foi extinta.

O Quartel contíguo à FORTALEZA, que aquartelava tropa de infantaria, que guarnecia essa fortificação, foi ocupado pelo 46º Batalhão de Infantaria, depois pelo 23º Batalhão de Caçadores e hoje serve de sede do Comando da 10ª Região Militar.



Calabouço do forte, onde ficou presa a revolucionária Bárbara de Alencar da Revolução Pernambucana de 1817 e da Confederação do Equador.

Evolução Histórica

1649 - Forte de Schoonemborch
1654 - Forte de N. S. Assunção
1817 - Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção
1860 - Construção da Fachada principal
1948 - Adaptação para Quartel General da 10ª RM


Foto de Antônio Sérgio





x_3bc947ee




6 comentários: