Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


domingo, 5 de setembro de 2010

As três fases da Itapuca Villa e a luta em defesa dos escravos



Ao lado da casa ficava o escritório de Alfredo Salgado - Embaixo era a garagem. Arquivo de Carlos Alberto Salgado

Rico e de muito bom gosto, Alfredo Salgado desejou o melhor para construir sua mansão, a Itapuca Villa, na Rua Guilherme Rocha. Todos os materiais vieram do exterior, inclusive as madeiras. Periodicamente ele viajava à Europa para contratar novos jardineiros.
A Itapuca Villa, era um dos orgulhos de Fortaleza.


Itapuca após reforma (*) - Arquivo Carlos Alberto Salgado

No caminho do Liceu, a imponência da Itapuca Villa, estilo de nobreza implantado numa ampla quadra ajardinada da Rua Guilherme Rocha.

A Itapuca, que o descaso administrativo municipal deixou arruinar, foi concebida nos moldes das mansões coloniais inglesas no Oriente, particularmente da Índia. Explica-se: a Itapuca era a residência de Alfredo Salgado, figura histórica do Ceará, com o nome ligado à luta abolicionista, e que fora educado na Inglaterra. Sabe-se hoje os motivos de ordem econômica que levaram o Império Britânico a pressionar o Império do Brasil a proibir o tráfico de escravos negros, estrangulando a economia açucareira e do café, inteiramente dependentes do braço servil.

Mas Alfredo Salgado era um idealista, ignorando as razões de política externa dos ingleses contra a escravatura. A luta abolicionista no Ceará tinha razões verdadeiramente humanitárias, culminando em 1884 - quatro anos antes da Lei Áurea - com a libertação dos negros cativos de nossa terra.

Pois a Itapuca, em sua beleza exótica e a exuberância de seus jardins, agasalhava esse típico "gentleman" nascido no semi-árido cearense e que gozava do respeito e da admiração dos seus conterrâneos.

No trajeto para o Liceu, de bonde, a visão da Itapuca Villa era obrigatória. Com certa frequência, tinha-se oportunidade de ver de perto o seu proprietário, vestido com a elegância de um nobre inglês, calças listradas, casada escura com um cravo na lapela. Já bastante idoso, mas erecto e firme, Alfredo Salgado ficava à espera do "Tramway" da Light, na parada fronteiriça à sua mansão. Respeitosamente recebido pelos estudantes, às vezes ganhava deles a deferência de uma vaga sentada quando o veículo estava superlotado. Tempos de fino trato, não obstante a costumeira algazarra da rapaziada liceista.


O abandono e o descaso do poder público - Arquivo Carlos Alberto Salgado

A Itapuca Vila era o destaque maior na paisagem arquitetônica, mas todo o corredor constituído pela rua Guilherme Rocha até a Praça Fernandes Vieira (hoje Gustavo Barroso), avançando mais além pela Francisco Sá, apresentava um conjunto de luxuosas residências, quase todas em amplos terrenos e com dois pavimentos.

Itapuca Abandonada

A majestosidade entregue à demolição do tempo - Arquivo Carlos Alberto Salgado

A casa, toda de madeira, atualmente está em avançado estado de deterioração, as paredes rachadas e a escada que dá acesso ao pavimento superior totalmente em ruínas, com os degraus apodrecidos, tornando-se impossível chegar ao primeiro andar.

Arquivo Carlos Alberto Salgado (**)

Atualmente o térreo é ocupado por uma família humilde, que lá se instalou há mais de dez anos, não possuindo entretanto uma mínima infra-estrutura habitacional, pois, a casa não possui energia elétrica e o abastecimento de água é feito apenas por uma torneira localizada no jardim. Numa tentativa de se proteger de assaltos, todas as janelas e portas da mansão foram trancadas com tábuas e pregos, aumentando ainda mais o ar de abandono de uma residência que sem dúvida já foi uma das mais bonitas da cidade.

Ao contrário (Felizmente) da Itapuca Villa, a antiga residência de Senador Pompeu não perdeu sua imponência, sendo preservada e hoje abriga a Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (***) - Arquivo Carlos Alberto Salgado

A demolição

Em dezembro de 1993, é demolida a tradicional casa construída por Alfredo Salgado, na Rua Guilherme Rocha, Itapuca Vila, de arquitetura inglesa.

Gif

Depoimentos de Carlos Alberto Salgado Pettezzoni de Almeida:

(*)"Vivi na Itapuca com meu querido avô até os 11 anos. Lembro-me que eu, com 10 anos, meu avô me acordava para irmos à missa juntos, às 5 horas da manhã. Como eu o adorava...
Dentro de seu livro de missa, levava uma nota (dinheiro) como doação."


(**) "Esse era o quarto onde dormia."


(***) "Se não me falha a memória, meu pai a alugou antes de irmos para a casa de meu avô."

Gif


Agradecimentos: Ao querido Carlos Alberto Salgado, neto do ilustre Alfredo Salgado, que gentilmente me cedeu todo o material necessário para essa postagens. Todos os créditos vão para ele.

11 comentários:

  1. Gostaria de dar meu testumunho, da veracidade e fidelidade usada pela dedicada Leila Nobre com relação ao passado histórico do meu inesquecível avô.

    Att.:
    Carlos Alberto Salgado.

    ResponderExcluir
  2. Estou muito emocionada!
    Não tenho palavras para
    expressar o que estou sentindo
    nesse momento, é muita felicidade!!!

    Ter um legítimo "Salgado" em meu blog,
    é algo que não tem preço...é o que faz
    valer muito toda a dedicação que coloco
    em cada postagem que publico no 'Fortaleza Nobre'.

    Seu querido e inesquecível avô fez muito
    por Fortaleza e pelo Ceará, é mais que
    justo que sua memória seja preservada e
    conhecida por todos os cearenses, é algo
    que muito nos orgulha!

    Muito obrigada por TUDO, querido
    e gentil Carlos Alberto Salgado

    ResponderExcluir
  3. Leila, fuçando a internet em busca de uma foto antiga da nossa linda cidade, para fazer uma plotagem na parede de minha casa, fui arrebatada a um período muito gostoso da minha infância, quando passava de ônibus com a minha mãe, vindo do centro, em frente a essa casa. Cresci e no sufoco do dia-a-dia nunca busquei informações da casa que tanto me encantava os olhos e os sonhos. Minha mãe dizia que eu sempre repedia, quando passava pela casa,que iria comprá-la quando crescesse. Infelizmente, nem que eu pudesse isso seria possível. Estou muito feliz por esse encontro! Não sabia nada sobre ela. Muito obrigada por esse presente. Você sabe se existe a planta dessa casa?

    Um abraço e parabéns pelo blog,
    Socorro Nogueira

    ResponderExcluir
  4. De nada, Socorro, foi um prazer falar da Itapuca!

    Sobre a planta, vou entrar em contato com o senhor Carlos Alberto Salgado para me informar, ok?

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela atenção, Leila. Caso saíba de alguma informação, ficaria muito feliz. Mais uma vez, parabéns pelo seu trabalho.

      Abraços,
      Socorro Nogueira
      socorronpaula@gmail.com

      Excluir
  5. Oi Socorro!

    Até agora, não obtive sucesso, mas continuarei procurando.

    ResponderExcluir
  6. Oi Leila...parabéns pelo blog e principalmente por essa matéria riquíssima sobre a Itapuca villa...sempre leio e releio e toda vez me emociono...muito obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rochelle! :)

      Eu tbm sempre me emociono com a Itapuca e com o gentil comentário do filho de Alfredo Salgado, q honra a minha!

      Beijos e obrigada a vc, por prestigiar o blog! O/

      Excluir
  7. CONHECI MUITO DE PERTO POIS MORAVA NA RUA GUILHERME ROCHA NUMERO 1020 O CASARÃO ERA LINDO E A ULTIMA PESSOA DA FAMILIA QUE MOROU FOI A DNA ALICE FILHA DO SR. ALFREDO SALGADO E ELA JÁ ERA BEM VELHINHA NOS IDOS DE 1964
    SEI QUE ELA TERMINOU SEUS DIAS EM UMA CASA NA RUA TEREZA CRISTINA O CASARÃO FOI DERRUBADO PELOS IDIOTAS SO GOVERNO ESTADUAL

    ResponderExcluir
  8. Quando tinha q pegar o ônibus circular fazia dando a volta de forma q ele passasse na Guilherme Rocha, ficava encantado com a arquitetura da Ytapuca Vila... até hoje acho um crime deixarem os casarões do começo da construção de Fortaleza serem destruídos perdendo parte da história de nossa cidade deixando quase sem memória...

    ResponderExcluir