Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Pici e a II Guerra Mundial

Existem controvérsias que persistem até hoje com relação à origem do nome “Pici”. Segundo o memorialista Nirez, há uma versão fantasiosa que diz que a origem do nome seria a abreviatura da expressão Post CommandPC, em relação à base norte-americana da II Guerra Mundial –, sendo que as letras “p” e “c”, em inglês, são pronunciadas, respectivamente, como “pi” e “ci”. O pesquisador nega essa versão ao lembrar que a expressão correta seria Command Post presumidamente, Posto de Comando, parte do jargão militar norte-americano (CP e não PC). Nirez também nos lembra que o lugar já tinha esse nome desde o século XIX, quando um centenário sítio pertencente ao agrimensor Antônio Braga (Por ter se apaixonado pelo romance O Guarani de José de Alencar, aglutinou o nome de seus principais personagens, Pery e Cecy, batizando-o de ‘Sítio Pecy’.” Foi o primeiro nomeado assim, e só depois apareceram outros sítios, como os da família Queiroz e Weyne, com esse mesmo nome
O Sítio do Pici às margens do Riacho Cachoeirinha, foi propriedade do pai da escritora Raquel de Queiroz e onde a escritora viveu por volta de 1930. 

Num passado recente foi um bairro bem maior e boa parte das terras pertenciam a Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza e a Legião Maçônica de Fortaleza.

Base Americana do Pici na 2º Guerra Mundial

Ainda com relação ao nome, o escritor Pedro Salgueiro procurou Nirez para essa confirmação. Segue relato do trecho que consta no seu livro sobre o bairro:

"Fui à casa do pesquisador Nirez confirmar suas palavras, e logo na entrada do seu museu/arquivo ele apontou uma placa que dá nome ao salão principal: “Sala Descartes
Selvas Braga
”, que recebe a homenagem por ter sido (além de seu amigo) o primeiro colecionador de discos do Ceará. Em seguida, relatou-me que Descartes sempre lhe dizia que o sítio em que nascera fora batizado por seu avô, Brazilino da Silva Braga, de “Sítio Pecy”, devido ao velho avô ser admirador de José de Alencar. Para confirmar a versão do amigo, Nirez retirou da estante o Dicionário do Barão de Studart e me mostrou o verbete referente ao pai do colecionador Descartes (e filho do seu avô Brazilino):
Julio Henrique Braga: “Fallecido na Villa do Castanhal, Estado do Pará, a 5 de Setembro de 1901, filho de Brazilino da Silva Braga e D. Brazilina de Almada Braga. Nasceu no sítio Pecy, districto de Parangaba”. 


O conjunto dos depoimentos falados e escritos nos proporciona, portanto, dados seguros para afirmar que a origem do topônimo “Pici” vem do nome de antigos sítios, o primeiro possivelmente da família Braga, que deu nome à região como um todo; depois foram surgindo outros sítios e chácaras que adotaram o nome já amplamente conhecido."

Pedro Salgueiro
(Livro Pici - Coleção Pajeú) 

Em 1941 a paisagem do bairro sofre uma grande alteração, pois começaram as obras de construção da pista de pouso da Base Americana em Fortaleza ou Base do Pici(*), que ficaria concluída em março de 1942. E depois com a construção de uma longa avenida (atualmente Avenida Carneiro de Mendonça) que serviu como via de ligação entre esta Base e a 2ª Base Americana em Fortaleza, a chamada Base do Cocorote(Cocorote advém de Coco Route (rota do rio Cocó). ** (atual Aeroporto Pinto Martins).


Amarração temporária no Pici Field - O primeiro mastro sul do Equador foi feita a partir de árvores locais.

Antigo Campo de Pouso do Pici - Acervo Carlos Neto

A pista de pouso do Pici foi utilizada até o ano de 1944 e sob esta, nos anos 1990 foi construída a comunidade do Pantanal, que foi um projeto de mutirão habitacional da Prefeitura Municipal de Fortaleza.
Da época da Base Aérea Americana ainda existem algumas construções e galpões que são usadas pela Companhia de Água e Esgoto do CearáCagece e pela UFC.
Desde 1957, o bairro abriga a Sede do Fortaleza Esporte Clube, inclusive o Estádio Alcides Santos.

Antigo Campo de Pouso do Pici - Acervo Carlos Neto

Antigo Campo de Pouso do Pici - Acervo Carlos Neto

Armamento sendo transportado para aviões Lockheed PV - 1 Ventura da U.S. Navy, em Pici Field - Acervo Castro Cascais

O Pici é um bairro com mais de 3 km quadrados e muitas histórias. Um lugar que cresceu rápido. O bairro é conhecido por abrigar um dos maiores Campus Universitários de Fortaleza.


Avenida Carneiro de Mendonça

Estádio Alcides Santos é um dos grandes símbolos do bairro, por ser sede do Fortaleza, conhecido como Leão do Pici

A artesã Eridan trabalha e mora no bairro há mais de 25 anos. E lembra que tudo era bem diferente quando ela chegou.


Base Aérea - Arquivo Morais Vianna

Detalhe das colunas da Base Aérea.

Até a década de 40 só existiam sítios. Era um lugar com muito espaço verde, considerado fora de Fortaleza. A paisagem só foi mudar com a construção de uma Base Aérea Americana em 1941. Foi o começo do desenvolvimento no bairro.

Pista de asfalto ainda mantém seus resquícios, apesar do tempo. Desse local, decolavam e aterrissavam os aviões

A base era um apoio às tropas americanas na II Guerra Mundial. A pista de pouso ficava dentro do terreno que hoje pertence à Universidade Federal do Ceará. Aliás, por causa dessa base, muitos moradores acreditam que surgiu o nome do bairro.


Entrada da Embrapa

O Pici tem ainda terrenos que pertence ao Dnocs. O órgão sede espaço para o mercado do bairro. Pertinho dali fica o comércio de Valdir, morador há 10 anos. Ele é satisfeito com a vizinhança.

A dona de casa Cleídes Oliveira, que nasceu em Aiuaba, se encantou pelo bairro. Nem pensa mais na saudade do interior. O Pici da família da Cleídes, é o Pici da Igreja de Santo Antônio, da UFC, da antiga base americana e hoje, dos mais de 43 mil moradores.

O Pici, no passado, foi um bairro bem maior que acabou sendo dividido. Logo no início, vê-se o campus universitário da UFC. Até a década de 40, era apenas o Pici de grandes sítios. De terras que pertenciam a Santa Casa de Misericórdia. Da legião maçônica e até do pai da escritora Raquel de Queiroz. Era o Pici do Barro Vermelho, no distrito de Parangaba. Mas a história mudou em 1941. Por causa das terra elevadas e da localização, o Pici sediou a base aérea americana. Dentro do campus da UFC ainda dá pra ver o que sobrou da pista. Os pousos e decolagens do bairro foram até o ano de 1944. O aposentado Raimundo Carlos tem 72 anos, o pai trabalhava na base e ele chegou a ver os aviões. “Eu sempre via os aviões. A maioria era pequeno”, lembra o aposentado.

Foto de Leonardo Távora Quixadá

Hoje, aviões aparecem no bairro, mas só em direção ao Aeroporto de Fortaleza. Junto com a base americana, na década de 40, o bairro ganhou muitos novos moradores. O funcionário público, Epitácio de Souza Chavante, vive onde antes funcionava o galpão de suprimento da base aérea. Da época antiga restou muito pouco da estrutura original e do piso. O pai dele era técnico de comunicações da aeronáutica e a família teve o direito de ocupar o galpão. “Esse galpão aqui, onde era a residência do meu pai, antigamente era usado como suprimento da Aeronáutica  O bairro foi fundado devido à segunda guerra mundial. Com a guerra chegaram os americanos, que fizeram a base aérea deles aqui”, diz Epitácio.

Isso foi antes da cidade ter um autódromo oficial. Depois da segunda guerra mundial, quem também veio para as terras do Pici foi o Dnocs. Os funcionários também ganham o direito de ocupar os galpões.

Um dos marcos do bairro é a capela de São José construída num antigo paiol há mais de 40 anos. Atrás, funciona um polo de confecção. Outra referência do local é a Igreja de Santo Antônio.


Rua dos Monarcas

O Pici tem ainda algumas relíquias! Uma delas esta na rua dos Monarcas, numa casa simples, de tijolo aparente, onde vive a dona-de-casa, Maria de Lourdes Barbosa, de 80 anos. O que ninguém imagina é que dentro de casa, ela guarda um verdadeiro marco da história do bairro. Um paiol, praticamente intacto. Até o portão é original. No local eram guardados armamentos de guerra na época da base americana. “Eles foram embora aí deixaram tudo aqui nesse paiol”, diz Maria de Lurdes.
Hoje em dia, na parte superior, também escondidos por tijolos aparentes ficam os respiradores do antigo paiol.


Rua dos Monarcas

O Bairro mantém sua principal referência histórica, que é a de ter servido como base militar norte-americana.

Há um bucolismo e uma atmosfera telúrica que mais lembram um lugarejo do Interior. A marca forte da terra, que não sucumbiu aos prédios e edificações gigantes, faz com que o Pici tenha seus ares de bairro com raízes do povo do campo. Para o bem ou para o mau, também resistiu ao tempo a contribuição que o bairro deu para o belicismo, durante a II Grande Guerra.

Uma das marcas maiores é a sua história. Exemplos são os resquícios de um passado no qual os extensos e numerosos sítios instalados naquele lugar dividiram espaço com algo que, até então, era alheio à vida pacata de seus moradores. Trata-se do tempo em que, em pleno confronto bélico da II Guerra Mundial, os norte-americanos construíram uma base militar, onde partiam e retornavam os aviões de bombardeios.
Da antiga base, há ainda vestígios, como a pista de asfalto, por onde decolavam e aterrissavam as aeronaves. Também ficaram os paióis, onde camuflavam as armas e hoje moram famílias.

Resistência

Esse é o caso da de Fernando Ferreira da Silva, que mora em uma dessas casamatas há 65 anos. A edificação foi construída como uma espécie de abrigo subterrâneo, de grossas paredes, para a instalação de bombas e equipamentos utilizados pelos militares.

Casamata resistiu ao tempo e hoje abriga a família de Fernando Ferreira da Silva. O lugar era depósito de bombas

O "bunker" (outro nome para casamata) da atualidade já não é mais subterrâneo. As grossas paredes foram modificadas pelos próprios moradores, que procuraram outras passagens de luz e ventilação.

Mesmo assim, o lugar ainda permanece quente e abafado, levando à imaginação como era quando conseguiam vento e luminosidade por uma espécie de "respiradouro", instalado no topo do abrigo.

Fernando Pereira lembra do tempo em que o local acabara de ser abandonado pelos norte-americanos. Mesmo assim, a história da passagem dos militares é contada oralmente pelos moradores mais antigos e repassadas aos jovens.


Rua Tancredo Neves

Moradia

Assim, fala-se de que as casamatas pareciam pequenos montes nos quais uma lona verde não apenas fazia a cobertura da parte exposta como camuflava com a vegetação extensa daquela época. Hoje, Fernando quase não consegue falar por problemas de saúde. No entanto, esforça-se para dizer que o "bunker" foi fundamental para viver com sua mulher, Maria do Carmo Vieira, e criar os filhos.

Não obstante todas as lembradas do passado da guerra, a atualidade do Pici é vivida por pessoas antigas e novas, que foram povoando o lugar, onde se formaram bolsões de áreas de riscos, como as favelas do Papoco, Feijão e Riacho Doce.

Nascida e criada no Pici, Risalba Ximenes demonstra perplexidade com o crescimento do bairro e de seus problemas sociais. As comunidades, ressalta, passaram a conviver com a violência e a disputa de gangues, algo impensável há algumas décadas.

Também reclama da carência de postos de saúde e das ruas mal cuidadas. A queixa maior é por conta da pressão que se vem fazendo com os moradores de áreas onde foi instalada a base norte-americana, e hoje é um campus da Universidade Federal do Ceará (UFC), para que deixem aquela área.


Cruzamento da Entrada da Lua com rua Planalto do Pici

De sítios à periferia
Perfil tradicional é preservado

No passado, o bairro Pici era recanto próprio para sítios e distante da área central (e por isso escolhido como base militar na II Guerra). Hoje, é um bairro da periferia, alvo da expansão demográfica e cercado por bolsões de pobreza.


Cruzamento da rua Chaval com rua Quatro de Dezembro. Vemos um poço no meio da rua. 

O memorialista Miguel Ângelo de Azevedo, o Nirez, conta que o lugar era próprio para o repouso e o desfrute da natureza exuberante.

Atualmente, ele avalia que o empobrecimento do bairro foi gerado pelo seu isolamento, ao contrário de outras áreas semelhantes, como a Maraponga, que não se viu cercada de várias áreas de riscos.

Observa que, ao mesmo tempo em que o lugar atraía famílias de baixa renda, a oferta dos serviços públicos se tornou precária diante dessa demanda.


Sede do Leão na Avenida Senador Fernandes Távora. Foto WLuiz

Contudo, a pujança do lugar é verificada pela forma como suas tradições foram preservadas. Para os torcedores apaixonados pelo Fortaleza, a sede do time, onde está localizado o Estádio Alcides Santos, é como um verdadeiro templo, tanto que a equipe é sempre associada ao "Leão do Pici".


Praça Ney Rebouças

Quem conhece bem a história de amor e preservação da cultura local é o comerciante João Ferreira, conhecido como João da Praça, por ter plantado árvores e atuar como "zelador" da Praça Ney Rebouças, em frente à sede do Fortaleza.

Praça Ney Rebouças

Vandalismo

João da Praça lamenta muito o avançado estado de degradação da praça devido a atos de vandalismo. Há tempos foi retirada, daquele logradouro, uma placa de bronze alusiva ao desportista que dá nome à praça. Porém salienta que tem sido forte a preservação do perfil tradicional e religioso, como a devoção a São José Operário, significativa para aquele espaço que se tornou proletário.

Hoje, o Pici perdeu muitas de suas áreas para um bairro vizinho, o Jóquei Clube.

Pici e Cocorote: as Bases Americanas no Ceará por Igor Dutra

(*) Base do Pici

O levantamento da área para a construção na cidade de Fortaleza da pista do Pici começou em julho de 1941. As obras foram confiadas à empresa cearense Campelo e Gentil, dirigida pelos engenheiros Armando Campelo e José Gentil Neto. O projeto do Pici previa uma pista de 500 pés de extensão para permitir o trânsito de aviões de porte médio, além de prestar apoio aos aviões que faziam o patrulhamento do litoral nordestino.

B-25b FAB 40-2310 at Pici Field - Fortaleza AFB - 1942 - Arquivo Morais Vianna

O Brasil só entrou na guerra em agosto de 1942. Mesmo assim, em 11 de dezembro de 1941, a Base de Natal recebia dos Estados Unidos o Esquadrão VP-52 da Força Aeronaval Americana. O esquadrão era composto por seis aviões Catalinas (PBY-5) e tinham como finalidade cumprirem missões de guerra.

Segundo historiadores, a pista do Pici foi inaugurada prematuramente (com apenas 75% de extensão construída) em fevereiro de 1942, por ocasião de um pouso de um avião americano B-17 que se encontrava perdido de sua rota original. A permanência da aeronave em Fortaleza foi de apenas 30 minutos.

Dados da época informam que o sobrevoo da aeronave causou certo pânico na população local em função das notícias que chegavam da Europa. O temor de então era causado pela possível participação brasileira na Segunda Guerra Mundial.

A conclusão das pistas do Pici data de março de 1942. Análises técnicas e meteorológicas, levantadas tanto por especialistas brasileiros como americanos, preconizavam que houve precipitação no posicionamento da pista.


Pista do Pici, na antiga Base aérea de Fortaleza, que servia para o automobilismo antes da construção do Autódromo Virgílio Távora - Acervo Nelson Bezerra

Pista do Pici, na antiga Base aérea de Fortaleza, que servia para o automobilismo antes da construção do Autódromo Virgílio Távora - Acervo Nelson Bezerra

As limitadas dimensões da pista do Pici, e o avanço das forças alemãs na Europa e na áfrica, fizeram com que os americanos resolvessem procurar outro local para a construção de uma nova pista em Fortaleza. A ideia era permitir pousos e decolagens de grandes aviões de bombardeio. Essa estratégia visava também desafogar a base de Parnamirim, no Rio Grande do Norte, que já havia entrado em processo de saturação face ao grande número de vôos destinados para o local.
O passo seguinte foi a escolha de uma nova área. A reportagem da Revista Aeronáutica, edição de n° 15, de 1985, escrita pelo jornalista José Pinto, relata que o Ten. Coronel José Sampaio de Macedo foi o responsável pela escolha do novo local para construção da 2ª Base Americana em Fortaleza. A área escolhida foi o bairro “Cocorote”.

Esse novo local permitiu o pouso dos aviões brasileiros estacionados no alto da balança. Na nova base foi construída ainda uma ampla pista de taxiamento, chamada de “Barata Ribeiro”, que facilitou a interligação com a pista do Alto da Balança.

Em julho de 1943 começaram os trabalhos no Cocorote, enquanto a Base do Pici começava a ser ampliada para atender a marinha americana. No final de 1943 a Base passou a sediar o esquadrão VP-130, com 12 aviões PV-1 Ventura, e o Blimp K84, do esquadrão P-41, aeronaves originadas da Base de São Luis do Maranhão.

Ainda segundo o jornalista José Pinto, a proximidade do Cocorote com a Base do Pici, também chamada de Base Brasileira, fez com que a nova pista adjacente passasse a ser chamada de “adjacent field”, ou pela denominação oficial, “1155th Army Air Force Base Unit Fortaleza”.

(**)Base do Cocorote


Torre de controle do antigo terminal do Pinto Martins

A movimentação da Base Americana de Fortaleza não teve o mesmo desempenho da Base de Parnamirim (RN). As estatísticas da FAB, além das informações obtidas junto à Agência de Pesquisas Históricas da Força Aérea Americana, sediada no estado do Alabama (USA), confirmaram que cerca de 1.778 travessias partiram de Fortaleza entre 10 de dezembro de 1943 (data da inauguração da pista do Cocorote) e 14 de maio de 1944, data da última travessia.

A Base do Cocorote, local onde está construído hoje o Aeroporto Internacional Pinto Martins, praticamente só era separada da Base do Pici pela Avenida João Pessoa (denominada na época pela população de ‘Concreto’) e um trecho da linha férrea. Da Base do Pici para o Cocorote existia uma longa avenida, atualmente Carneiro de Mendonça. O acesso à pista do Cocorote pela Avenida João Pessoa era feito pelo Bar Avião, ainda existente na Avenida João Pessoa. Para dar suporte às obras das duas pistas (Pici e Cocorote) os americanos construíram uma fábrica de asfalto no Bairro Itaoca.

A Base do Cocorote foi considerada como superior no item ‘segurança de vôo’ em relação à Base de Parnamirim. A partir do dia 15 de maio de 1944, Fortaleza passou a receber somente aviões de linha e eventuais aparelhos em emergência.


Pátio Interno e torre Antiga da Base Aérea de Fortaleza - (Adjacento field - 1944) -Arquivo Morais Vianna

Fonte de consulta pelos autores (Ivonildo Lavour e Augusto Oliveira) do livro “A História da Aviação no Ceará”, a reportagem “Tempos de Guerra: côco route ou cocó rout”, de autoria do jornalista e pesquisador de aviação José Pinto, publicada na edição, n° 15 da revista “Aeronáutica”, chega ao final do texto com uma interrogação: Qual o destino do pequeno povoado conhecido como “Pirocaia” cujo nome é o código de chamada usado pelos americanos nas transmissões de rádio, realizadas nas operações da base americana localizada no Cocorote, intituladas pelos americanos de “Adjacent Field”? Respondemos: Trata-se do Bairro do Montese, denominação conquistada em 1951, quando lideranças comunitárias resolveram homenagear os ex-Combatentes cearenses, heróis da Segunda Guerra que, na Itália, venceram os inimigos e libertaram a cidade de Montese, até então em poder das tropas Alemãs.


Velho terminal do Aeroporto Pinto Martins
Aeroporto do Cocorote

Eis aí o velho terminal do Aeroporto Pinto Martins.
O aeroporto teve suas origens na pista do Alto da Balança, construída na década de 1930 e utilizada até 2000 pelo Aeroclube do Ceará. Durante a Segunda Guerra Mundial, serviu de base de apoio às Forças Aliadas, época em que foi construída a segunda pista de pousos e decolagens (Base do Cocorote), a atual pista principal do Aeroporto de Fortaleza.
Em 13 de maio de 1952, o aeroporto ganhou o nome de Pinto Martins, em homenagem ao cearense Euclides Pinto Martins que realizou o primeiro voo sobre o Oceano Atlântico entre Nova Iorque e o Rio de Janeiro, no início da década de 1920, a bordo do hidroavião Sampaio Correia.


Praça do Aeroporto Pinto Martins em 1979, vendo-se a torre de controle do antigo terminal. Acervo jornal O Povo

A segunda pista do Alto da Balança foi ampliada de 1.500m para 2.545m em 1963. O primeiro terminal de passageiros e o pátio de aeronaves foram construídos em 1966. A administração do Aeroporto foi transferida à Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), em 7 de janeiro de 1974 (Portaria nº 220/GM5, de 3 de dezembro de 1973), quando deu início a uma série de obras para revitalização e ampliação do complexo aeroportuário, entre elas a do pátio e a do terminal de passageiros.
Por meio de uma parceria entre a Infraero, governo federal e governo
estadual, o aeroporto recebeu novo e moderno terminal de passageiros com 32.000 metros quadrados, inaugurado em fevereiro de 1998, pelo governador Tasso Jereissati. O novo terminal tem capacidade para 2,5 milhões de passageiros/ano, 14 posições para estacionamento de aeronaves e é dotado de modernos sistemas de automação, sendo classificado como Internacional em 1997 (Portaria 393 GM5,
de 9 de junho de 1997).

Atualmente, o antigo aeroporto de Fortaleza funciona como Terminal de Aviação Geral (TAG), onde opera a aviação de pequeno porte (aviação geral, executiva e táxi aéreo).

(Texto Wikipedia – Colaboração -Marcos Almeida)
Crédito: Eliomar de Lima


Detalhe do portão antigo antes da demolição parcial da base área de Fortaleza - Arquivo Morais Vianna


Instrumentos de controle de voo na cabeceira da pista da Base Aérea de Fortaleza- arquivo Morais Vianna



Este é o Pici, o bairro do campus universitário, da religiosidade, das ruas estreitas e dos comércios e seus 43 mil moradores.


Crédito: Tv Verdes Mares, Wikipédia, Diário do Nordeste, Igor Dutra, Arquivo Nirez, Livro Pici de Pedro Salgueiro e pesquisas na internet

25 comentários:

  1. Prezada Leila,

    Assim como vc sou um grande apaixonado pela cidade de Fortaleza e acho muito bacana a sua iniciativa de eternizar no blog historias e aspectos da nossa cidade.

    É mais ou menos a minha intenção so que 'estudo' especificamente os aspectos das bases aéreas que tivemos aqui durante a segunda guerra...

    Estou colhendo informações há algum tempo e ja tenho um importante material (fotos também - maioria é inédita!) para o meu livro sobre o assunto... Inclusive espero publicar mais material no blog que colhi nos EUA sobre As Bases do Pici e do Cocorote.

    Agradeço as citações ao meu blog e as fotos que la postei.

    Parabéns pelo Blog, um abraço e sucesso.

    Vinicius Morais
    'Vinna'

    ResponderExcluir
  2. Oi Vinicius! :)
    Que prazer o meu em tê-lo
    em meu blog, muito obrigada!

    Com certeza somos dois apaixonados
    por essa cidade de tantas e tantas
    histórias, são tantas que sempre que
    publico uma postagem, já surgem umas
    10 em minha cabeça e tenho que sair
    correndo atrás de material rsrs

    Sobre o assunto em questão, achei
    muito impressionante tudo que li, sinceramente
    eu não tinha idéia que Fortaleza tivesse
    tido depósitos de bombas, nossaaaaa que loucura
    rsrs

    Me avisa quando lançar o livro, tenho certeza
    que trará muitas fotos e pormenores interessantes, eu vou querer ter seu livro,
    com certeza!!!

    Muito obrigada pelo comentário, parabéns e
    muito sucesso para vc tbm!!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Que bom ter encontrado esse blog. Achei-o fazendo buscas no google e já o favoritei.

    Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  4. Excelente documentário!
    Já tinha lido sobre esse assunto mas de forma fragmentada. Você conseguiu reunir um verdadeiro acervo. Nunca tinha visto a Casamata. Que interessante, servir de moradia!

    Foi muito rica, toda essa informação reunida num blog!
    Beijos!
    Lúcia

    ResponderExcluir
  5. Obrigada amiga! :)
    Fiz o possível para deixar
    o mais abrangente
    e completo.
    Que bom que vc gostou, é
    muito importante para mim
    saber sua opinião.

    ResponderExcluir
  6. Ricardo Mendes Nunes8 de outubro de 2010 01:50

    Seus comentários são maravilhosos, como somos carentes de pessoas como você.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada, Ricardo!!!
    Estou me sentindo agora >.<
    hihi

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Sou morador do Planalto Pici.
    Amei o seu blog. Gostei muito de saber mais sobre a história do meu bairro. Deu mais credibilidade qndo vc citou o nome dos meus vizinhos (Sinal q vc fez um trabalho de pesquisa).

    PARABÉNS

    ResponderExcluir
  9. o amiga nao sei como voce faz que senpre toca no meu pasado sen sabelo,vou te contarmais uma das minha vivencias de juventude olha voce nao vai acredita mais eu estive morando dentro da p
    base aerea de fortaleza durante um mes .te comto eu estava trabalhando com um casal do rio e o senhor era auditor advogado militar e guando voltamos do rio como ele ainda nao tinha casa destina para mora e era militar estivemos morando e comendo ai no comedor con todos os militares coisa que eu jamais pesei para que voce veja que a minha vida acindo cheia de acontecimentos inesperados mais hoje en dia me alergro de te-los vivido e conpartir contigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom! huahuahuahuahuah
      É isso q a gente leva da vida, as experiências e aventuras q vivemos! :P
      Deve ter sido inesquecível esse acontecimento em sua vida!

      Excluir
  10. como te comento amiga leila nao sei como voce faz mais senpre me faz lenbra o meu pasado vendo a postagem da foto do guantel da base aerea militar vou te contar uma das minhas vivecias nesta base .olha eu morei ai durante um mes foi o sequinte eu trabalhava com um casal do rio de janeiro cuidando ao seu filho ele era audidor advogador (militar)e estava destinado ai en fortaleza foimoa pasa o natal no rio com os seus familiares guando voltamos eles ainda nao tinha recidecia fixa e como ele era militar estivemos hospedados ai e comiamos no restaurante com todos os militares era ingreivel pois so havia nos duas de mulher pois tudo era homen claro e tenho bas lenbraças desta pequena estacia como voce pode ver tive uma vida muito corrida e com muitas historias que contar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa amiga, quantas emoções, sua vida pelo visto, sempre foi cheia de aventuras, né? huahuahuahuahuahuahauh Já estou aqui imaginando como deve ter sido uma situação engraçada, só vcs de mulheres em meio a tantos militares, pra onde se olhasse, só se via homem. :D

      Quantas histórias boa pra contar!

      Beijosssssssss

      Excluir
  11. Também sou moradora do Pici, moro em frente a UFC. E adorei não apenas essa postagem, como várias outras. Você faz um ótimo trabalho. Parabéns!
    E para ressaltar, apesar de ainda haver vestígios dessa época no bairro. Na minha opinião, ele deveria ser mais explorado e preservado. Deve haver ainda, um "mundo" que não foi descoberto.

    ResponderExcluir
  12. Muito obrigada, Ana, fico feliz em saber! :)

    Forte abraço

    ResponderExcluir
  13. Leila, sou um velho fortalezense, e como você, apaixonado por esta cidade. Louvo seu trabalho “catando” a memória tão fragmentada de nossa terra. Sobrou um tempinho, dou uma passadinha por aqui. Sempre tive vontade de deixar um comentário, e hoje é o dia. O Campo do Pici mexeu comigo. Sempre morei perto. Tive parente que trabalhou na área civil da “Adjacent Field”. E desde pequeno fui muito curioso e “ouvidor” de histórias. Vivi vários momentos do campo. Após ser desativado, brincando nas casamatas. Soltando raia – o vento era ótimo. Presenciei seu tempo de autódromo, e confesso bem mais emocionante que a F1 enlatada. Tínhamos heróis, Fernando Ary e Baiano, sempre em duelos. Mas o velho Pici, segundo diziam, “não estava dando conta do recado”. Entendo que ele foi subdimensionado. Sairam da Marupiara – esse era o nome da região – onde ficava o Sitio Pecy e partiram para um novo campo o “Adjacent Field”. O próprio nome diz que era contíguo – ligado pela atual Carneiro de Mendonça – se você olhar no mapa é quase uma linha reta. O portão da base situava-se logo após a atual rua Equador. O mais interessante é que este campo foi o alternativo, pois o projeto era fazer o “Mucuripe Field”, que cortava a Aldeota. Isso não aconteceu por um motivo salvador, quem estava com a decisão era o Zé do Crato – um conterrâneo nosso, brigadeiro bom de briga, que bateu o pé e não admitiu que ninguém estragasse a “belezura” que era a cidade. Esse campo, se bem me lembro, era tipo uma flecha que apontava pra altura da Desembargador Moreira. Já procurei muito esta imagem (um croqui) mas nunca encontrei. Amiga Leila, esta cidade tem muitas histórias. A maioria delas incrível. Como você é uma garota e cheia de disposição, “caça” elas pra gente. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amigo Braz Theophilo, que comentário riquíssimo, amei!
      Pode deixar, vou atrás sim, farei o possível para encontrar! :)

      Forte e caloroso abraço

      Excluir
    2. Acompanho seu trabalho já a algum tempo, parabéns, curtir a história da minha cidade e do meu estado natal não tem preço !

      Excluir
  14. Prezada Leila Nobre

    Adoro o seu trabalho!
    Gostei muito das fotografias do Pici Field do acervo pessoal do Sr. Carlos Neto. Conhecia outras imagens, mas acho incrível como há tanto material em arquivos e acervos privados.
    Parabéns por prospectar e publicar essas peças preciosas.
    A propósito do tema, vi referências sobre a localidade "Pecy" (assim mesmo) em um jornal antigo do final do século 19, onde havia um pequeno relatando o desaparecimento de um cavalo. O dono procurava o animal.
    Complementando as informações do Sr. Braz Theophilo, a Força Aérea do Exército americano iniciaria uma pesada operação de transporte aéreo de aviões bombardeiros para a Europa a partir do final de 1943. O Pici Field tornou-se inviável e no primeiro semestre de 1943 foi decidida a construção de um novo e maior aeródromo. Seria no Mucuripe, mas o local foi alterado para o "Cocorote" (local mais alto) ao lado da Base Aérea de Fortaleza, e passou a chamar-se Adjacento Field. Assim, o Pici Field ficou sendo utilizado pelos aviões e dirigíveis de patrulha da Marinha dos Estados Unidos e como aeroporto civil da Panair,
    Parabéns, continue.

    Abraços

    José Henrique de A. Braga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciosas informações, José Henrique!
      Agradeço demais o rico comentário e obrigada por acompanhar o Fortaleza Nobre, fico lisonjeada!

      Forte e caloroso abraço

      Leila Nobre

      Excluir
  15. Olá; Chamo-me André.
    Você não tem ideia do quanto isso representa para a sociedade fortalezense.
    Fui militar na Base Aérea de Fortaleza por 06 anos e não tinha ideia de como era antes. E hoje posso relembrar da entrada antiga da base como era. Gostaria de servido na época das fotos. Tenho saudades dos tempos antigos. Não existem mais tantas coisas para ver da época. Então só resta tentar imaginar como era vendo essas fotos. Obrigado por trazer de volta o passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço o seu comentário, André, fiquei lisonjeada com as suas palavras! :)

      Abraços

      Excluir
  16. Tenho 52 anos,nasce e me criei no bairro do pici. Maravilhosa sua narrativa o meu pici!

    ResponderExcluir
  17. Prezados
    Peguem qualquer edição da obra "O Quinze" de Rachel de Queiroz, editado bem antes da segunda guerra mundial e verão que no final do livro ele escreve Pici. Pois bem antes da segunda guerra mundial o local ja era conhecido como Pici. Não tendo qualquer relação com posto de comando.

    ResponderExcluir
  18. Olá Leila,
    Parabéns pelo blog,
    Estou pesquisando sobre o Blimp K-36 e lendo seu blog observei na parte Pici e a II Guerra, que tem uma foto de um dirigível com uma pessoa mexendo no motor com a legenda " antigo campo de pouso de Pici - Acervo Carlos Neto". Gostaria de saber como faço para ver a foto original ou um contato com Carlos Neto, pois a foto mostra o prefixo do blimp meio fora de foco e parece ser o K-36. De repente a foto do acervo dele possa identificar melhor o prefixo.
    O meu email para contato é: leo.s.leo@gmail.com
    Grato.
    Leandro Miranda

    ResponderExcluir