Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : A tranquilidade do Rodolfo Teófilo - Antigo Porangabussu [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A tranquilidade do Rodolfo Teófilo - Antigo Porangabussu



No dia 29 de Julho de 1966 o bairro Porangabussu recebe nova denominação: Rodolfo Teófilo. Conforme a lei de nº 3.249, de 28/07/1966.
Faz limites com Amadeu Furtado, Parque Araxá e Bela Vista.


Rodolfo Teófilo abriga a escola da Universidade Federal do Ceará (UFC), da medicina e do hospital. Conta ainda com várias instituições médicas, o Centro de Hemoterapia do estado (Hemoce) e o Incra, os dois últimos localizados na principal avenida do bairro, a José Bastos.

O bairro chamava-se Porangabussu, por causa da lagoa, mas, há 45 anos, recebeu o nome de Rodolfo Teófilo¹, em homenagem ao sanitarista homônimo. Ele empreendeu, sem apoio governamental, uma campanha de vacinação para extinguir uma epidemia de varíola que se alastrava em Fortaleza.

Ainda hoje, o bairro preserva traços antigos. Por exemplo, a prática de sentar na calçada, que permanece bastante forte no Rodolfo Teófilo. Prova disso é que, todos os dias, no fim da tarde, aposentados reúnem-se na calçada do senhor Moisés Maranhão, na Rua Frei Marcelino, número 1.410, para jogar dama. Apesar de a brincadeira ocorrer religiosamente a partir das 16h, o grupo garante que o jogo não é apostado.


De acordo com a comunidade, são poucos os casos de violência. Os moradores dizem gostar da tranquilidade reinante
"Eu nasci, casei, tive meus filhos, netos, bisnetos, tudo no Rodolfo Teófilo. Esse bairro representa tudo na minha vida. Nunca vou esquecer quando fugi com o meu esposo por aquela esquina. Hoje, nós estamos fazendo 49 anos de casados", lembra, com alegria, a operadora de máquinas Margarida Maria da Silva de Oliveira, de 65 anos.


 

Ela conta que a tranquila vida no bairro gira em torno da Lagoa de Porangabuçu, da Igreja São Raimundo e da Praça Novo Ideal, considerada, pelos moradores, o "coração" do bairro. É justamente essa praça um dos principais espaços de lazer do Rodolfo Teófilo. Lá, crianças, jovens e adultos brincam livremente, passeiam de bicicleta, jogam bola ou simplesmente jogam conversa fora.




De manhã cedo e no fim da tarde, o local é tomado por pessoas que fazem caminhada. É lá também onde funciona, às terças-feiras, entre as ruas Frei Marcelino e Gustavo Braga, a Feira do Rodolfo Teófilo, existente, segundo relato de populares, há mais de 50 anos.



 

De um universo de 18.839 habitantes, grande parte nasceu e se criou no local. Hoje, apesar do problema das drogas, o bairro é considerado tranquilo, sem muita violência. Tanto que, entre os moradores, um sentimento é bastante claro: são todos apaixonados pelo ambiente em que vivem. "Desde 1948, moro aqui. Não troco o Rodolfo Teófilo por nenhuma Aldeota. Aqui tem tudo: igreja, supermercado, feira livre etc", elogia o aposentado Francisco Ferreira, de 80 anos de idade, que chegou ao bairro aos 18.

Quem também conhece bem o Rodolfo Teófilo é o artesão Luís Gonzaga Lima Paes, de 59 anos. "Nasci aqui. Sou do tempo em que a gente tomava a bênção do padre, podia vê-lo as vezes que fosse", lembra o morador. "Seu" Luís conta que, antes, a Lagoa de Porangabuçu era bem maior, mas com o tempo, devido à expansão urbana, acabou tornando-se pequena.


Descontração

É a Lagoa de Porangabuçu a maior beleza natural do bairro. O local atrai, inclusive, pessoas de outras partes da Cidade que vão em busca de fazer caminhada, passear ou até mesmo arriscar uma pescaria. É o caso de um grupo de três amigos do Panamericano que, pelo menos duas vezes por semana, vai à lagoa em busca de lazer, descontração e descanso.

"A gente vem só para brincar, para desopilar. A lagoa é rasa e os peixes são pequenos. A gente vem mais pelo verme", reconhece um deles, o maquinista Henrique Chaves, de 44 anos. Logo atrás, na água, um amontoado de peixes fica na espreita, à espera de um momento para "atacar". O comerciário Francisco Acácio, de 57 anos, morador há 25 anos do Rodolfo Teófilo, vai, todo fim de tarde, passear com os netos na lagoa.

"Aqui, há uns 10 anos, ninguém via nada, era só mata e marginalidade. Agora, depois que a lagoa foi urbanizada, ficou bonita demais", elogia. Contudo, ele reclama que falta manutenção. "As pessoas não têm consciência, jogam lixo na lagoa. Deveriam conservar. Além disso, depois das 19h, isso fica abandonado, cheio de gente usando drogas", denuncia.

Equipamentos

Outra característica marcante do bairro é o complexo de saúde formado pelo Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), pela Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac) e pelo Instituto do Câncer. Alison Rodrigues Mendonça, presidente da Associação dos Moradores, explica que a presença dos equipamentos faz com que o bairro ganhe duas feições.

 

 

De dia, torna-se um local populoso, pela presença das pessoas que não moram no local, mas deslocam-se para trabalhar a fim de serem atendidas nas unidades de saúde ou para estudar. O que gera um problema: não se encontra lugar para estacionar. Já à noite, é, sobretudo, residencial. Alison diz que a principal deficiência é a falta de espaços de lazer.

Contrastes

População pede unidade de emergência

Um dos grandes contrastes do Rodolfo Teófilo é a questão da saúde. Apesar de o bairro abrigar equipamentos de saúde, quando a comunidade precisa de atendimento de emergência que ultrapasse o horário de funcionamento do Centro de Saúde Anastácio Magalhães, tem de recorrer a hospitais mais distantes. Entre os moradores, essa é uma reclamação unânime.

 

"O que falta mesmo é termos uma emergência 24h. Aqui, é um bairro universitário que forma médicos, mas, quando a gente precisa, não tem para onde ir", reclama o aposentado José Alves, de 70 anos. Ele conta que o problema nem sempre existiu, pois, antes, funcionava uma emergência ao lado da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac). "Quando a gente sentia qualquer coisa à noite, ia para a emergência. Hoje, temos de ir para o Frotão (IJF), para o Hospital Geral ou morrer aqui mesmo", lamenta.

A reclamação é semelhante à do artesão Luís Gonzaga Lima Paes, de 59 anos.
"Aqui, já foi melhor quando tinha a emergência", diz. Reivindicação igual é da operadora de máquinas Margarida Maria Silva, 65. Ela reclama que o centro de saúde não é suficiente para a demanda. "Precisamos de uma casa de apoio que disponibilize médicos 24h".

Fatos Históricos do bairro:

24 de outubro de 1873 - Dá-se, nesta data, o primeiro descarrilamento de trem em Fortaleza, quando a composição puxada pela locomotiva Maranguape sai dos trilhos no lugar denominado Porangabuçu, próximo à parada Amaral, hoje divisa dos bairros Benfica e Rodolfo Teófilo, no cruzamento da Avenida José Bastos com Rua Padre Cícero, terrenos do abolicionista José Correia do Amaral (José do Amaral). 

  12 de maio de 1940 - Inaugura-se, no bairro de Porangabuçu (hoje Rodolfo Teófilo), a parte já concluída da Vila Ozanan

  19 de janeiro de 1941 - Na Vila Porangabuçu ocorre a inauguração da Escola Assis Chateaubriand, iniciativa da "Casa de Proteção", associação patrocinada pelo coronel Raimundo de Holanda e Antônio Russo Italiano Sobrinho, em sede provisória, sendo lançada na ocasião, a pedra fundamental da futura e definitiva sede.

 25 de março de 1941 - Lançada a pedra fundamental do Hospital Carlos Carneiro de Mendonça, no Porangabuçu, falando na ocasião o Interventor Menezes Pimentel e o diretor do Departamento de Saúde Pública, Joaquim Eduardo de Alencar.

 07 de junho de 1942 - Assentamento da pedra fundamental da Igreja de São Raimundo no Porangabuçu (Rodolfo Teófilo), em terreno doado por Raimundo Bessa, próximo à lagoa de Porangabuçu, chamada também de lagoa do Bessa, alusão ao proprietário.

 15 de agosto de 1946 - Instala-se, no Porangabuçu, a Escola Demócrito Rocha, onde é inaugurado um retrato do saudoso jornalista, fundador do jornal O Povo.

 31 de janeiro de 1954 - No bairro de Porangabuçu é inaugurado o novo prédio, construído pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, do Grupo Escolar de Porangabuçu.

 17 de junho de 1956 - São retirados os ônibus que ainda faziam ponto na Praça do Ferreira, das linhas Porangabuçu, Igreja de São Raimundo e Sítio Bom Futuro, que passam para a Praça José de Alencar.


 03 de março de 1956 - Lançada, no Porangabuçu, a pedra fundamental da Maternidade Popular de Fortaleza, que depois se chamaria Maternidade Escola Assis Chateaubriand, da Universidade Federal do Ceará, inaugurada no dia 11 de dezembro do mesmo ano.
O projeto foi dos arquitetos Oscar Valdetaro, Roberto Nadalutti, Israel de Barros Correia e o engenheiro Carlos Miranda.
O construtor foi o engenheiro Jaime Verçosa.
O primeiro diretor da maternidade foi o professor José Galba Araújo


  13 de dezembro de 1963 - Chega em Fortaleza Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo e comitiva, para a inauguração da Maternidade Escola que tem hoje seu nome, no Porangabuçu



¹Médico sanitarista, intelectual, industrial e divulgador científico nascido em Salvador, Estado da Bahia, de extremo espírito público e inventivo, inventor da cajuína¹, não só do produto, como também do nome. Cedo ficou órfão, tendo de trabalhar como caixeiro e suportar humilhações, veio para o Ceará com apenas 15 dias de idade. Formou-se em Farmácia pela Faculdade de Medicina da Bahia, empreendeu uma batalha pessoal contra a varíola, lutando contra o medo da vacina, sem recursos, em tempo de seca, fome, da migração em massa e em péssimas condições de higiene. Sem apoio do poder público, enfrentou praticamente sozinho, em duas oportunidades, epidemias de varíola que vitimou milhares de pessoas em Fortaleza e interior do Ceará, no final do século XIX e início do século XX. Montado em um cavalo, cuidou sozinho da vacinação em massa pelos bairros pobres de Fortaleza durante os três primeiros anos do século XX. A cólera vitimou quase um terço dos seis mil habitantes de Maranguape, cidade nas cercanias de Fortaleza (1862) e no final da década seguinte (1878), a varíola matou um quinto da população da capital cearense. Vacinou próximo de duas mil pessoas (1902), não sendo registrado nenhum caso de varíola na capital cearense naquele ano. Obstinado ainda encontrou tempo para escrever 28 livros, aderir à causa abolicionista e militante na Padaria Espiritual, uma espécie de agremiação literária que, pelo comportamento irreverente de seus membros, antecipou o modernismo no Brasil. Faleceu em Fortaleza em 2 de julho de 1932 aos 79 anos.


Saiba mais sobre Rodolfo Teófilo aqui: Rodolfo Teófilo - Um grande Filantropo cearense de alma e coração

x_3c10fe6b 

Fonte: Diário do Nordeste, Wikipédia e Cronologia Ilustrada de Fortaleza - Nirez

Um comentário:

  1. Olá, gostaria primeiramente de parabenizar seu trabalho! Se possível, também queria saber de onde foram tirados os dados da população de 18.839 habitantes do bairro Rodolfo Teófilo. Caso haja a fonte, seria muito útil para um trabalho que estou desenvolvendo na universidade. Agradeço desde já!

    ResponderExcluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: