Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Espaços da elite na capital cearense [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Espaços da elite na capital cearense


Até a segunda metade do século XIX, a cidade de Fortaleza passava por uma evolução urbana lenta. Nesse período, Fortaleza estava vivenciando um processo de urbanização ainda incipiente, pois o próprio espaço considerado urbano era restrito à determinada área da cidade, correspondente, hoje, às ruas próximas à Praça do Ferreira e ao Forte de Nossa Senhora da Assunção. A ação da administração pública visava modificar a disposição espacial da cidade, dando-lhe um ordenamento que se pautava nos discursos e práticas vigentes na Europa e que se difundiam no Brasil com o advento da República a partir do Rio de Janeiro, Capital Federal, e a ascensão de uma classe média que se aburguesava nos padrões da burguesia do velho continente. No final do século XIX, a capital cearense tinha em torno de cinco quilômetros, possuía 34 ruas no sentido norte –
sul e 27 no sentido leste – oeste, 3 boulevards e 15 praças. Nas primeiras décadas do século XX, Fortaleza sofreu um crescimento espacial, mas ainda carecia de uma moderna estrutura urbana. 


No século XIX, a capital cearense sofre intervenções no seu traçado urbano. Em um primeiro momento, no ano de 1818, quando o urbanista Silva Paulet projeta a planta de Fortaleza em formato xadrez, e em um segundo momento, no ano de 1875, por Adolfo Hebster, que deu continuidade ao projeto, finalizando a “Planta Topográfica de Fortaleza” que tinha por finalidade disciplinar a expansão urbana e racionalizar os espaços da cidade, eliminando becos e vielas:

Para os que precisam se esconder, ocultar seus males sociais, ou para os que ousam segredar terríveis verdades, o labirinto é a forma perfeita da cidade. Para aqueles que em vigília tem o dever de perscrutar o escuro das vielas em busca de maus pagadores, de deficientes sociais, ou mesmo de revolucionários, e que se põem a auscultar as conversas 
da taverna, o bulício das ruas, o leva – e – traz  da falação da arraia 
miúda e o veludo dos segredos da revolução; a reta, o plano, a 
iluminação direta, a transparência, é a cidade querida.
PECHMAN, Robert Moses



As transformações urbanas, sobretudo na segunda metade do século XIX, demostram que a cidade de Fortaleza passa a se destacar como importante centro urbano. É nesse período que ocorre a Guerra de Secessão Norte - Americana (1861-1865), momento em que a necessidade de abastecer o mercado europeu favoreceu a expansão da cultura do algodão no interior cearense. Com o crescimento da produção algodoeira e a comercialização de tal produto no mercado europeu, a cidade de Fortaleza assume a hegemonia político–econômica da província, destacando-se entre as demais cidades importantes do Ceará, como CratoAracati, Sobral e Icó. A construção da Estrada de Ferro Fortaleza – Baturité, em 1873, e a expansão do porto, local de partida do algodão exportado para a Europa, favoreceram a consolidação de Fortaleza como principal centro econômico e social do Ceará.

O crescimento populacional de Fortaleza na passagem do século XIX para o século XX, pode ser explicado pelo seu histórico de imigrações. No período de secas prolongadas como as de 1877, 1889, 1900 e 1915, uma imensa quantidade de sertanejos deslocou-se do interior para a capital, vitimados pela fome, muitas vezes não conseguindo chegar a Fortaleza devido a longa caminhada. Muitos ficaram na capital cearense, não retornando para os seus locais de origem, tornando-se mendigos, vadios, meninos de rua, prostitutas e, junto aos pobres que a cidade já possuía, aumentavam o número de miseráveis em Fortaleza. 

O tecido social de Fortaleza era formado por esses pobres e mendigos, um reduzido grupo de comerciantes e industriais, além de profissionais liberais e intelectuais. 
A elite, composta pelos comerciantes, industriais, profissionais liberais e intelectuais compunha o restrito grupo social privilegiado que procurava se diferenciar da chamada “ralé”, terminologia utilizada na época para definir os pobres. À medida em que as classes privilegiadas se auto-legitimavam pelo status social e poder aquisitivo, promoviam uma forte divisão entre os grupos sociais, transformando os espaços de convivência. 

Praça Gustavo Barroso (do Liceu). No lugar dessas duas casas do centro, hoje tem um bloco de apartamentos, a rua à esquerda é a Avenida Filomeno Gomes. Foto do início da década de 40 - Arquivo Nirez

A elite, inicialmente, residia no centro da cidade, em casas próximas do comércio e de áreas de lazer, restando para os indigentes se instalarem nos arrabaldes da cidade, em áreas como o Outeiro e o Arraial Moura BrasilContudo, buscando-se posicionar enquanto grupo hegemônico, a elite utilizava estratégias de diferenciação social nos espaços de convivência da cidade. Por isso, aos poucos,  ocorre um lento afastamento da moradia desse grupo do centro da cidade para áreas nos arredores como o bairro do Jacarecanga, que se torna um dos primeiros bairros residências da elite e que passa a ser mais um elemento de diferenciação social desta, no início do século XX: 

Belíssimo casarão na Avenida Filomeno Gomes (Jacarecanga). Pertencia a Meton de Alencar Gadelha
Arquivo Nirez

Palacete localizado na Avenida Francisco Sá, esquina da Praça do Liceu. Era a residência da 
família Morais Correia - Arquivo Nirez

As áreas escolhidas por essa elite eram preferencialmente as que hoje correspondem os bairros de Jacarecanga e Benfica. No Jacarecanga, podíamos encontrar, mesmo que de forma não muito adensada, residências edificadas à feição de palacetes, segundo os ditames do ecletismo, tão em voga no começo dos anos 1900. Tais edificações se concentravam principalmente nos arredores da Praça Fernandes Vieira (Praça do Liceu). 
No Benfica, detectava-se a existência de chácaras esparsadas, ao longo da hoje Avenida da Universidade Avenida João Pessoa, assim como na área do atual bairro Joaquim Távora
Algumas casas apalacetadas também surgiram na região do Alagadiço, hoje correspondente à Avenida Bezerra de Menezes. Os bairros que se afirmaram 
como preferidos pelas elites, em começos do século XX, eram os que se desenvolveram ao longo dos caminhos originais que ligavam Fortaleza a outros pontos:  Jacarecanga - estrada para Vila Velha, Benfica - estrada de ParangabaAlagadiço - estrada de Soure e Joaquim Távora - estrada de Messejana.
O deslocamento das classes abastadas pode ser reflexo do temor causado pela multidão de retirantes que invadem Fortaleza durante a seca de 1915, além da revolta urbana de 1912, ocorrida durante o governo de Nogueira Accioly.
A ocupação de Jacarecanga, a partir dos anos de 1920, configura “... o surgimento dos primeiros bairros elegantes da Capital, delineando com maior visibilidade os novos espaços burgueses e reforçando a segregação sócio – espacial entre ricos e pobres na cidade”.
No entanto, isso não quer dizer que o centro foi despovoado pela elite, pois, mesmo com o deslocamento residencial era nele que estavam localizados os principais espaços de trabalho, lazer e encontros da elite como as lojas, os cafés, o Teatro José de Alencar, as praças, os clubes, o Passeio Público e as salas de exibição cinematográfica. 

Passeio Público do Álbum Vista do Ceará 1908

Alguns desses espaços de lazer nos anos de 1920, em Fortaleza, podem ser compreendidos como ambiente de diferenciação social. A estrutura social de Fortaleza era bastante marcada pela “segregação” social na década de 1920. Os locais de diversão eram frequentados  de acordo com o poder aquisitivo, e mesmo em locais públicos havia espaços de diferenciação social.  Para compreendermos o lugar do cinema na cidade e a elitização deste espaço, analisamos o Passeio Público e os clubes que eram locais frequentados pela elite que, sobretudo a partir da década de 1920, tornou-se público das salas de exibição cinematográfica de Fortaleza. 


Fonte: Nas telas da cidade: salas de cinema e vida urbana 
na Fortaleza dos anos de 1920 - Márcio Inácio da Silva  e Arquivo Nirez

2 comentários:

  1. Leila. Bom Dia!. Você teria alguma informação sobre a antiga COBICA?(Rua Caririaçu esquina com Rua Antônio Bandeira).Em 1970, ainda criança, vi a fábrica ainda funcionando.
    Veja o local...acessando :

    https://maps.google.com/?ll=-3.72283,-38.54467&z=18&t=h

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou olhar nos meus arquivos, se não tiver, vou atrás, ok? :)

      Forte abraço

      Excluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: