Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : O cinema e a cidade [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 30 de julho de 2012

O cinema e a cidade


No início, os filmes foram exibidos como curiosidades ou peças de entreato nos intervalos de apresentações ao vivo em circos, feiras ou carroças. Essa forma de difusão permaneceria viva em zonas suburbanas ou rurais. Nos grandes centros urbanos dos países industrializados, porém, a exibição de filmes muito cedo se concentrou em casas de espetáculos de variedades, nas quais se podia também comer, beber e dançar, conhecidas como music - halls na Inglaterra, café - concerts na França e vaudevilles ou smoking concerts nos Estados Unidos. O cinema era então uma das atrações entre as outras tantas oferecidas pelos vaudevilles, mas nunca uma atração exclusiva, nem mesmo a principal. A própria duração dos filmes que era de alguns segundos e não mais do que cinco minutos, impedia que se pensasse em sessões exclusivas de cinema nos primeiros anos de cinematógrafo. O preço cobrado pelo ingresso não podia funcionar como mecanismo de seleção do público, pois era ainda muito baixo e coincida de ser o mesmo dos vaudevilles. No período que vai de 1895, data das primeiras exibições públicas do cinematógrafo dos Lumière, até meados da primeira década do século seguinte, os filmes que se faziam compreendiam registros dos próprios números de vaudeville, ou então gags de comicidade popular, contos de fadas, pornografia. Os catálogos dos produtores da época classificavam os filmes produzidos como "paisagens", "notícias", "tomadas de vaudeville", "incidentes", "quadros mágicos", "teasers" (eufemismo para designar a pornografia). 

COSTA, Flávia Cesarino. O primeiro cinema: espetáculo, narração, domesticação. 
São Paulo: Scritta, 1995 - (Coleção Clássica) e MACHADO, Arlindo. 
Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas, SP: Papirus, 1997 
(Coleção Campo Imagético). 


Em Fortaleza a presença de exibidores ambulantes começa a ocorrer nos últimos anos do 
século XIX se estendo até o início do século XX. As exibições ocorriam em salas adaptadas, 
teatrinhos, na Praça do Ferreira, no Passeio público ou em ruas do centro da cidade como a Rua Formosa (atual Barão do Rio Branco) e a Rua Major Facundo. Algumas exibições eram parte integrante da programação de circos e até o ano de  1908 a exibição não ocorria em espaços exclusivos para o cinema.

Com relação ao cinema, este, em sua origem, era um lazer barato, um divertimento popular, sendo os filmes exibidos em locais como circos, feiras e sendo parte de um espetáculo de variedades. O seu público era composto principalmente por pessoas pobres, “iletradas” e do sexo masculino. Posteriormente, com a sua maior autonomia e crescimento, a exibição cinematográfica deixa de ser uma atividade de exibidores ambulantes para se fixar em salas.

No Brasil, a primeira sessão cinematográfica teria ocorrido na Rua do Ouvidor, número 57, no dia 8 de julho de 1896, na então Capital Federal, a cidade do Rio de Janeiro. As projeções itinerantes existentes nesse período foram levadas a algumas cidades brasileiras, dentre elas, Fortaleza. Tais exibições eram compostas de vistas em movimento, as quais eram feitas geralmente em locais públicos, como cafés, parques de diversão, circos e quermesses. Estas fitas eram geralmente mais uma atração com animais adestrados, como macacos, cães, cobras, acrobatas, jogos, mulheres barbadas e prestidigitadores.

Em 1897, seria inaugurada a primeira sala fixa de exibição cinematográfica no Brasil. Tal inauguração ocorreu no Rio de Janeiro na Rua do Ouvidor, número 141, sendo esta sala denominada inicialmente por “Salão de Novidades” e, posteriormente, vindo a ser chamada “ Salão Paris no Rio,” sendo de propriedade de Paschoal Segreto e Cunha Sales.

A cidade do Rio de Janeiro foi pioneira na atividade de exibição cinematográfica e no desenvolvimento de uma série de atividades relacionadas ao meio cinematográfico: Pode-se afirmar que a atividade cinematográfica no Brasil teve seu inicio no Rio de Janeiro; não apenas porque na então capital federal foram feitas as primeiras exibições e rodadas as primeiras imagens em películas, mas sim pelo fato dessas ações terem se desenrolado no tempo de maneira contínua e crescente. No rastro dessas atividades surgiram laboratórios e ateliês, textos na imprensa sobre o assunto, empresas representantes de equipamentos cinematográficos, homens dispostos a investir, salas fixas de exibição e técnicos que adquiriam formação e experiência.
A transformação física destes espaços destinados à exibição cinematográfica, assim como, a feitura de novos filmes, foram fundamentais para que um novo público adotasse o cinema como lazer. Famílias, crianças e mulheres, no caso, da elite, adotaram tal espaço, onde até sessões especificas eram destinadas a este novo público.

Rua Barão do Rio Branco, onde em 1909, Henrique Mesiano inaugurou o Cine Rio Branco. A foto é de um ano depois da inauguração - Arquivo Nirez

Em Fortaleza, no ano de 1915, em um anúncio, do “Cine Rio Branco”, pertencente a Henrique Mesiano, esta sala se intitulava como a preferida pelas famílias. O seu público era composto por cavalheiros que pagavam $800 pelo ingresso, senhoras que pagavam $500, menores $400 e o público da geral que também desembolsava $400. Percebemos a valorização de um público “respeitável” onde a presença de cavalheiros, senhoras e crianças da elite comercial da capital cearense, demostra que o cinema possuía um significado diferente de outrora, no caso, do final do século XIX, quando no âmbito mundial, ou mais
precisamente na Europa, as exibições eram realizadas nas periferias, próximos aos cordões industriais, onde a diversão suspeita misturava-se facilmente com a prostituição e a marginalidade. Nesses lugares, o cinematógrafo nasceu e tomou força durante os seus 10 ou 20 primeiros anos.
Em 1915,  o filme que seria exibido no “Cine Rio Branco”, era uma fita policial da 
Aquila – films intitulada Bastarda, dividida em quatro partes. Quando foi exibido este
filme, foi exatamente a data em que o cinema, no âmbito mundial, passou por uma profunda mudança na feitura filmica e nas práticas de exibição cinematográfica como um todo com as inovações realizadas por David Wark Griffith
Vale ressaltar que neste mesmo ano foi que Luiz Severiano Ribeiro entrou na atividade cinematográfica com a inauguração do “Cine Riche”. 

Severiano Ribeiro arrenda o local do Café Riche, realizando projeções diárias em horários sincronizados com o Café. Logo em seguida, decide fechar o café e abrir no local um cinema com o mesmo nome. O cine Riche, uma sociedade com o também empresário Alfredo Salgado, é inaugurado em dezembro de 1915. Ficava na Rua Guilherme Rocha

Nos Estados Unidos, o cinema constituía-se em um entretenimento de alcance popular, mesmo quando passou a ser considerado uma arte. O cinema tornou-se uma importantíssima atividade econômica após a Primeira Guerra Mundial com a consolidação da indústria norte-americana montada no tripé produção, distribuição, exibição e o declínio da produção cinematográfica européia.
No Brasil, apesar da diferença econômica e social se comparado aos Estados Unidos, algumas tendências foram reproduzidas, no que concerne às práticas de exibição cinematográfica. No caso, o tamanho e o estilo das salas, necessidade imposta pelas próprias companhias que aqui instalaram suas filiais nos anos de 1920.
No Rio de Janeiro, as salas passaram por um processo de enobrecimento de forma mais intensificada a partir de 1924, com a construção do Quarteirão Serrador. No ano seguinte, o mesmo ocorreria em São Paulo:
A evolução da sala de espetáculo cinematográfico brasileira se dá em estreita correlação com as transformações do produto fílmico importado. Surge em função dele e se adapta estruturalmente às suas características técnicas mais salientes. Ainda assim traveste-se aqui e ali de influências locais, seja na arquitetura, seja nas práticas e costumes engendrados em seu interior.

 
O Cine Majestic em 1918 - Acervo de Roberta Freitas

Na capital cearense, o Cine-Theatro Majestic Palace e o Cine Moderno são exemplos de salas luxuosas, uma tendência mundial, adotada aqui por Luiz Severiano Ribeiro visando atender a elite que frequentava os Clubes e o Passeio Público. Estas salas ficavam localizadas na Praça do Ferreira, principal logradouro da cidade. 

Cine Moderno

A supracitada praça era um local que até a década de 1960 concentrava atividades como lazer e trabalho, sendo um ponto de referência urbana para os habitantes da cidade.
A partir dos anos de 1960, este local começou a perder sua hegemonia enquanto espaço de sociabilidade da população.
Quanto à posição de pólo de lazer, tinha de entrar em concorrência com os clubes praianos, com a recém aberta Avenida Beira-Mar, com as próprias praias, a partir de então frequentadas em massa pelas novas gerações: a condição de tribuna política se esvaziara com a mudança das sedes do poder; quanto aos transportes urbanos, ia perdendo gradativamente a situação de centro distribuidor, com a remoção dos terminais para as praças periféricas, mais distantes, de maiores dimensões e contíguas às vias de saída do centro; o horário
noturno sofria também a interferência da televisão...

Praça do Ferreira, vendo-se o Cine teatro Majestic Palace inaugurado em 1917

Ao longo da existência desse logradouro, várias denominações lhe foram dadas: Feira Nova, Largo das Trincheiras, Pedro II, Praça do Ferreira, Municipal e novamente Praça do Ferreira, permanecendo com esta denominação até os dias de hoje.
  
A denominação de “Praça do Ferreira” é em homenagem ao boticário Antônio Rodrigues Ferreira Filho que exerceu cargos políticos de 1842 a 1859 na capital cearense sendo, vereador e Presidente da Municipalidade (Intendente), vindo a falecer em 1859. 
Quando da gestão do Intendente Cel. Guilherme César Rocha, em 1902, a praça foi arborizada e nela foi construído o Jardim 7 de Setembro, que era cercado por grades. Além do seu aspecto físico, a praça era ponto de encontro de intelectuais que circulavam pelos “cafés” (quiosques edificados com madeira) instalados neste logradouro, caso do Café Java e do Café do Comércio, dentre outros que compunham as edificações deste espaço.

Além das salas de exibição cinematográfica, havia uma variada atividade comercial composta por armazéns de estivas, cereais e miudezas, lojas de secos e molhados, lojas de calçados, alfaiatarias, joalherias, tabacarias, casas de fumo, leiteria, restaurantes e cafés. A partir de um mapeamento feito ao longo da década de 1920 identificamos a seguinte composição comercial existente na Praça do Ferreira:

Restaurantes E Cafés 
Restaurante Guerreiro de J. Guerreiro, nº 32
A Gruta de Theophilo Cordeiro, nº 184
Art-Nouveau de Pedro Eugênio & Cia
Café Riche de Jucá & Ramon
Café Avenida de Ellery & Cia
Ponto Chic, nº 42
Café do Commércio, nº 50
Café Iracema de Ludgero Garcia, nº 52.

Lojas de Modas e Confecções 
Estrela do Oriente de V. Soares & Cia
Crysanthemo de M. Guil. me & Irmão, nº 95
Empório da Moda, nº 181/183
Paulo Caminha, nº 197
Sultana de C. Codes, nº 42
Anthero Coelho de Arruda, nº 44

Armazéns de Estivas, Cereais e Miudezas
Loureiro & Cia, nº 181
Luiz Perdigão Bastos, nº 183
V. Castro, nº 187
J. de Oliveira, nº 193
M.C. de Oliveira, n° 205
Leitão e Silva, nº 207-209
Vasconcelos & Cia J. Leopoldino da Silva, nº 199

Além dos supracitados estabelecimentos, também havia na Praça do Ferreira: Salões de Bilhar, Cine “Majestic Palace” de Severiano Ribeiro, nº 204; “Polytheama” de Juvencio Brito, nº 204, Molduras de A. Medeiros, nº 36, Ateliers de Costuras e Confecções de Chapéus: “A Formosa Cearense” sob a direção de D. Maria Celina Sisnando Costa e D. Esther Moreira, nº 205, Ateliers de Retratos a Crayon e a Óleo: “J. Ribeiro” - Diploma de Honra, nº 220, Casas de Fumos: Rua Agostinho, nº 38, Tabacarias: “Polytheama” de J. Bezerra Netto; Theophilo Cordeiro (A Gruta), nº 180; Castello (Café do Commércio) ,nº 48, Alfaiatarias: “Amancio” de V. Amancio Cavalcante, nº 34; “Guimarães” de Alfredo Guimarães, nº32, Livrarias e Papelarias: “Americana” de Souza, Gentil & Cia, nº 186, Lojas de Louças, Vidros e Miudezas: SOUZA, Gentil & Cia, nº 188; Almeida & Cia, nº212, Loja de Ferragens: J. Patrício & Cia, nº 201, Casas 
Exportadoras e Importadoras: J. Lopes & Cia, nº 50, Farmácias e Farmacêuticos: “Pasteur” de Eduardo Bezerra & Cia, nº202; “Galeno” de Joaquim Studart da Fonseca, nº214; “Normal” de Jaime Studart, nº 222.

 

Percebemos que a Praça do Ferreira era um espaço de consumo e serviços o que favorecia a presença de um grande número de pessoas. Isso demostra o quanto era significativo possuir uma sala de cinema neste conceituado logradouro repleto de atividades comerciais.
A presença dos salões de bilhar do Majestic Palace e do Polytheama demostram que, além da sala de exibição cinematográfica, o público tinha a opção de frequentar também estes outros estabelecimentos de diversão e sociabilidade. Ao contrário das salas de cinema que eram frequentadas pelo público de ambos os sexos, os salões de bilhar eram espaços eminentemente masculinos. A presença feminina no espaço público era algo ainda bastante acanhado no início do século XX.
As salas de exibição cinematográfica existentes na “Praça do Ferreira”, nos anos de 1920, ficavam localizadas à rua Major Facundo, formando uma espécie de “quarteirão do cinema¹.
Vale ressaltar que, antes mesmo desta década, a Praça do Ferreira já era o espaço por excelência das salas de cinema. A primeira sala de exibição cinematográfica fixa de Fortaleza, o Cine DiMaio, inaugurado em 1908, pelo italiano Vitor DiMaio, localizava-se neste logradouro. No entanto, de 1908 até 1917, possuir uma sala de exibição cinematográfica na Praça do Ferreira era um privilegio de poucos. No decênio seguinte, apenas Luiz Severiano Ribeiro possuía salas de cinema na Praça do Ferreira, as demais ficavam localizadas em outros pontos da cidade. 
Existia três tipos de salas de exibição cinematográfica existentes nesse período: as salas
comerciais, as de associações leigas e as paroquiais, ligadas à Igreja Católica ou a associações religiosas:

•Comerciais: Cine-Theatro Majestic Palace, Cine Moderno e Cine Polytheama
• Associações leigas: Cine Centro, Cine Dramático Familiar, Cine Recreio Iracema, Cine MerceeirosCine Phenix;
• Paroquiais: Cinema São José, Cinema Pio X, Cinema União dos Moços Católicos, Cine Paroquial.

Na Praça Cristo Redentor ficava localizado o Cinema São José pertencente ao “Circulo de Operários e Trabalhadores Católicos São José”. Esta associação mantinha uma escola noturna para sócios e crianças pobres, além de possuir uma orquestra com vinte e três músicos. O Cinema São José foi inaugurado em 1917, tendo funcionado até 1941. Possuía 1088 lugares, o mesmo número do Cine-Theatro Majestic Palace. Atualmente o prédio abriga o “Teatro São José”.
Na Avenida Duque de Caxias, esquina com rua Barão de Aratanha, ao lado do Convento dos Capuchinhos foi inaugurado em 1923, o Cinema Pio X, pertencente à Ordem dos Capuchinhos.
Ainda na Avenida Duque de Caxias, mas agora esquina com Avenida Tristão Gonçalves, ficava localizado o Cine Centro, pertencente ao Centro Artístico Cearense, uma sociedade constituída a sete de novembro de 1926. O Cine Centro possuía trezentos lugares tendo como público associados e moradores das proximidades.
Na Rua Barão do Rio Branco, nº 1.826, ficava localizado o Cinema União dos Moços Católicos, que foi inaugurado em 1927. Esta sala de exibição cinematográfica foi instalada em um prédio construído pelo Centro Cívico Epitácio Pessoa

Por iniciativa do Centro Cívico Epitácio Pessoa, a cidade ganhara no dia 27 de junho de 1923, um imponente prédio, á rua Barão do Rio Branco, 1826, que serviria de sede ao Instituto Epitácio Pessoa. Doado à Arquidiocese de Fortaleza, destinou-se ao desenvolvimento de cursos e atividades voltadas à instrução popular.
O prédio sediaria também à organização sócio-religiosa União dos Moços Católicos, que dentre suas inúmeras atividades decidiu pela manutenção de um cinema. Sua programação notadamente popular, de filmes mudos, tem como primeiro registro na imprensa, no dia 4 de dezembro de 1927, a exibição “Fama e Fortuna” ( Fame and Fortune; Fox Film Corp., 1918, 5 rolos, direção de Lynn F. Reynolds, apresentação William Fox, estória de Charles Alden Seltzer, cenário de Bennett R. Cole, com Tom Mix, Kathleen O’Connor, George Nicholis, Charles McHugh, Annette DeFoe, Val Paul, Jack Dill, E. N. Wallock e Clarence Burton).

No ano de 1928 são inauguradas duas salas de exibição cinematográfica, o Cine Dramático Familiar e o Cine Recreio Iracema. A primeira, ficava no prédio do Grêmio Dramático Familiar que havia sido criado pelo teatrólogo cearense Carlos Câmara, em 1918. Tal sala estava localizada no Boulevard Joaquim Távora nº 2.046. A segunda sala, o Cine Recreio Iracema, ficava localizada no Boulevard Visconde de Cauipe, nº1.023, no ponto final da linha do bonde do Benfica. Na década de 1930 tal sala passou a ser conhecida também como Cine Benfica em alusão ao bairro que leva o mesmo nome. 

Cine Benfica, em frente ao Dispensário dos Pobres do Sagrado Coração 
Acervo Ivan Gondim

No ano de 1930 três salas são inauguradas, o Cine Paroquial, o Cine Merceeiros e o Cine Phenix. A Associação Phênix Caixeiral, fundada em 1891, ficava localizada à Rua Municipal (atual Rua Guilherme Rocha) esquina da Rua 24 de maio. Esta associação atuava sobretudo na área educacional e de assistência aos trabalhadores do comércio e aos seus filhos. O seu palacete comportava a sala de exibição cinematográfica e a Escola Fênix Caixeiral.
Com relação ao Cine Merceeiros esta sala de exibição cinematográfica também pertencia a uma associação ligada ao comércio. Era a “Associação dos Merceeiros” que foi fundada em 1914, vindo a inaugurar sua sala de cinema em 1º de novembro de 1930. Esta sala ficava à Rua Major Facundo, esquina com Clarindo de Queirós, na Praça do Carmo.
O Cine Paroquial, inaugurado em seis de setembro de 1930, estava localizado na Rua Coronel Ferraz, ao lado da Igreja Pequeno Grande e próximo à Escola Normal.

Na década de 1920, todas estas salas adquiriam as fitas para projeção em uma única empresa, a de Luiz Severiano Ribeiro que neste decênio tornou-se o nome mais forte da atividade de exibição e distribuição cinematográfica local expandindo seu poderio para o restante do país.

¹As salas que ficavam neste quarteirão eram as seguintes: Cine-Theatro Majestic Palace, Cine Moderno e Cine Polytheama. Com relação ao “Cine Moderno”, o memorialista Edigar de Alencar afirma: “ à sua última sessão, de domingo, acorria toda a sociedade de Fortaleza, que antes espairecia na retreta do Passeio Público. Antes das nove horas, o mundo elegante abandonava o velho logradouro e desembocava pela rua Major Facundo, desfilando pelas inúmeras rodas da calçada das residências dos sírios rumo ao Moderno”. ALENCAR, Edigar de. Fortaleza de ontem e anteontem. Fortaleza: Edições UFC; Prefeitura Municipal de Fortaleza, 1980, p.47.

x_3b98da9d
Fonte: Nas telas da cidade: salas de cinema e vida urbana 
na Fortaleza dos anos de 1920 - Márcio Inácio da Silva  e Arquivo Nirez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: