Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mercado Central de Fortaleza - 200 anos de história



Uma trajetória de desafios e conquistas

A Câmara municipal autorizou a construção, em madeira, do mercado em 1809, a princípio funcionaria para o comércio de carne, fruta e verdura.
Em 1814 estas instalações precárias foram demolidas e, em seu lugar ergueu-se um novo prédio que foi denominado de cozinha do povo.

A reforma mais significativa do mercado não foi de ordem física : em 1931, o comércio de carne, fruta e verdura foram proibidos dentro do prédio, assim sendo, os lojistas do mercado tiveram que mudar de ramo dando lugar aos boxes de artesanato.
Além da proibição para a venda de carnes, frutas e verduras, esta medida também foi forçada devido à boa freqüência do local, tendo em vista seu posicionamento físico, e o avanço na introdução de produtos dos mais variados tipos, tanto para o uso doméstico, como artigos para vestimentas, cama e mesa, derivados do caju, bebidas, doces etc.
Com o passar do tempo várias reformas foram realizadas, quando em 1975, o mercado foi reinaugurado ocupando um espaço de 1.200 metros quadrados. Desta forma um grande centro para comercialização destes produtos foi iniciado, o local foi se transformando em um grande labirinto formado por pequenos boxes, com corredores estreitos e, cada dia mais, aumentava seu fluxo de compradores e vendedores.
O tempo foi modificando a clientela, passando a ser formada cada vez mais por visitantes, tanto do estado como das mais variadas cidades do Brasil e do mundo.


No início dos anos 90 os boxes estavam em constantes ameaças de incêndio, devido à precariedade de suas instalações elétricas. Aliando este fato ao crescimento de Fortaleza e ao seu potencial turístico, e, por conseqüência, de seu público frequentador  um novo mercado foi idealizado, em modernas instalações, muito mais amplo e com muito mais boxes, aumentando as oportunidades de trabalho para comerciantes e artesões, da cidade e do interior.


Casinhas na Avenida Alberto Nepomuceno que foram demolidas para construção do Mercado Central. Na foto ainda é possível apreciar a antiga igreja da Sé que seria demolida em 1938. 
Foto dos anos 30. Arquivo Carlos Augusto Rocha

O novo prédio
O Diário Oficial do Município publicou no dia 5 de novembro de 1997 a lei Nº 8073, de 21 de outubro de 1997, que autoriza o chefe do poder executivo a outorgar a atual Associação dos Lojistas do Mercado Central (ALMEC) a administração gerencial deste novo equipamento, nas condições que indica e dá outras providências.
No dia 19 de janeiro de 1998 iniciou suas operações na Av. Alberto Nepomuceno, 199, bem ao lado da Catedral Metropolitana de Fortaleza, a igreja da Sé e, em frente ao comando da 10ª Região Militar.

O Novo Mercado Central iniciou suas operações abrigando 559 boxes, 18 banheiros, distribuídos em 5 (cinco) pavimentos, sendo um deles destinado a estacionamento.


Foto da construção do Mercado Central em julho de 1996. Acervo O Povo


A área compreendida para a administração da ALMEC era de 9.690,75 m2, medindo e se confrontando: ao poente, frente, por onde mede 174,16m, com a Av. Alberto Nepomuceno  ao nascente, fundos, por onde mede 168,00m, com área de domínio público municipal, ao norte, lado direito, por onde mede 57,00m, também com propriedade do município de Fortaleza, e ao sul, lado esquerdo, em dois seguimentos de reta, medindo o primeiro, 9,00m e o segundo 49,00m, ambos confinando com o terreno em que se encrava a unidade assistencial da FEBEMCE termo de outorga da administração gerencial do Novo Mercado Central foi assinado, em 21 de outubro de 1997, pelo prefeito, no caso, Dr.Juraci Vieira Magalhães e o presidente da Associação dos Lojistas de Fortaleza – Almec, Sr. Antônio Bezerra de Brito.
No dia 19 de janeiro de 1998 foi inaugurado o novo prédio do Mercado Central de Fortaleza projetado pelo arquiteto Luiz Fiúza.


Os visitantes podem encontrar no Mercado Central: artigos em couro (sandálias, sapatos, chapéus, bolsas e malas), rendas e bordados em roupas e em peças de cama, mesa e banho, rendas de bilro, camisetas, lembrancinhas como mini-jangadas, bijuterias, jóias em ouro e artigos para decoração. 
Os produtos regionais que encantam o paladar dos turistas como cachaça, licores, castanha e doce de caju, também estão, à venda no mercado. Restaurantes oferecem comidas típicas nordestinas. Escadas, rampas e o elevador facilitam o acesso do público aos andares superiores.


Mercado Central de Fortaleza é o maior mercado do nordeste. 


3 comentários:

  1. O projeto é muito bonito e funcional, em todas as matérias sobre o Mercado Central, no entanto, nenhuma traz o arquiteto responsável pela obra. Uma pena e uma injustiça...

    ResponderExcluir
  2. Felipe Albuquerque17 de março de 2013 14:49

    Eu preferia o conjunto de casarios antigos que existia até a década de 90 no local. Deveriam ter sido recuperados, mas moramos na cidade do esquecimento.

    ResponderExcluir