Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Judas jipeiro



Acervo de Licínio Filho

Nas lonjuras do tempo, a queima ou malhação do Judas tradicionalizava-se.

O marchante Zé Gomes, em dias da Semana Santa, contratava costureira responsabilizada pela feitura esmerada de um boneco, que representava o apóstolo traidor. Com trajes modernos. Terno completo, gravata, lenço no bolso, sapatos, chapéu de massa, óculos Ray Ban e uma pasta de couro preta.

Véspera do Sábado de Aleluia. Forca armada. No alpendre, ocupando lugar de destaque entre os convidados, o nascido em Carioth, Sul de Judá. Testamento, em versos debochados, pronto para leitura. Cachaçada e tira-gostos à beça. O mais sóbrio confundia a Lua com o Sol.

Acervo de Licínio Filho

Relaxaram a vigilância ao desditoso. Daí veio outra tradição da data. Sorrateiramente, grupo de ladrões de Judas, furtou o cúmplice dos sinedritas.
Já madrugada, quando sentida a falta. Festeiros, sem rumo, deram-se a procura.

Há três quarteirões, o Jeep Willys, 1954, famoso “cara alta”, passava a noite em frente à propriedade do dono, Seu Osório. A algazarra dos bebuns o acordou e, pelas venezianas, vislumbrou os bagunceiros e algo mais preocupante. Um homem corpulento sentado no banco do guiador do 4 x 4.

Acervo Guilherme da Costa Gomes

Correu até o telefone. Discou 2874. Rádio Patrulha. E relatou o que vira.
“Um ladrão corpulento está tentando roubar meu jipe. Não consegue fazer ligação direta da ignição porque, à noite, eu retiro o rotor. Venham depressa!”

Acervo agmindaiatuba

Deu o endereço e aguardou. Como um raio, dois fuscas RP chegaram. Policiais armados cercaram o veículo. Alarido dos curiosos. Gritos de ordem dos agentes da lei. E o larápio impassível. Silente. Imóvel.

Era o Judas roubado. Judas jipeiro.


Crédito ao amigo e colaborador Geraldo Duarte 

Nenhum comentário:

Postar um comentário