Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Os bancos da Praça do Ferreira - Parte III [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 5 de março de 2014

Os bancos da Praça do Ferreira - Parte III


AS RODAS E OS BANCOS

A roda composta e liderada pelo então jovens José Elias Bachá e Renê Dreyfus, nela se discutia tudo, inclusive atividades esportivas, em que a maioria era "vidrada", vibrando cada um por seu clube de adesão. Bachá- é claro - torcia pelo "Ceará", do qual viria a ser dinâmico Presidente. A roda se reunia a princípio em torno de mesa do Café Globo e depois se deslocava para um banco da Praça, integrando-a ainda Lívio Bessa Noronha (meu colega de turma no Liceu do Ceará), José Pompeu Gomes de Matos (filho do professor Gomes de Matos), Ivan Paraíba (filho do juiz Hermes Paraíba, que me casaria no civil e seria alçado e desembargador), José Maria Catunda (alto funcionário da Secretaria de Polícia e Segurança Pública), Edilberto Góis Ferreira (dono do referido Café) e mais José Weyne, Clóvis Holanda e Francisco Cordeiro. Eu, às vezes, adejava em torno dela, bem como o então jovem Tarcísio de Oliveira Lima, Secretário do Ceará Sporting Club no período em que meu irmão Tarciso foi presidente dessa agremiação esportiva (1948). 

Em banco fronteiriço à Livraria Alaor sentavam-se alguns estudantes que exploravam a ingenuidade de um rapaz de boa família, costumeiro em dar definições estapafúrdias acerca de tudo, inclusive sobre Deus, que, para ele, era "um invertebrado gasoso, semi-nuvem e semi-além". Refiro-me a Moisés Leitão, irmão do dono da mercearia Joana D'Arc (foto ao lado - de Carlos Juaçaba) e que, por isso, era conhecido como Moisés da Joana D'Arc. Eram integrantes dessa roda Américo Barreira (que viria a ser Vice-Presidente de Fortaleza), Wagner Barreira (que se tornaria brilhante professor da Faculdade de Direito e grande advogado) e o próprio Alaor (filho do dono do estabelecimento em frente e seu atual proprietário). Visceralmente irônicos, os componentes dessa turma quase tornam insano o Moisés da Joana D'Arc, tão constantes eram as instigações, as pilhérias, os trocadilhos e os comentários que faziam a respeito de tudo e de todos, especialmente de sua "vítima" predileta. 

Não propriamente na Praça, mas nas suas imediações reunia-se outro grupo, cujo decano era o bondoso patriarca José Manassés Pontes, pai do juiz Osmundo Pontes e meu antigo vizinho de frente na rua Barão do Rio Branco. "Gente fina", como se diz, haveria Manassés de aglutinar em seu derredor uma plêiade de amigos, tendo como polo a Farmácia Santa Helena (rua Guilherme Rocha nº 167), de Nilo Mendes, seu conterrâneo de Massapê, local da atual Farmácia Confiança
Compunham esse grupo, que vez por outra se deslocava até a praça para uma rodada de cafezinho, Geraldo Lira Aguiar (representante do Laboratório Piam e, depois, alto funcionário da Assembléia Legislativa e do Conselho de Contas dos Municípios), Valdevino Castelo (gerente da Ródia no Ceará e um dos espíritos mais pilhéricos que conheci na vida), José do Nasci­mento (procurador da Fazenda Estadual), Severino César (também agente de laboratório farmacêutico do sul do país no Ceará e genro do Dr. João Saraiva Leão), o Dr. Luís Rolim da Nóbrega (juiz aposentado e pai de José Rolim da Nóbrega, fraterno co­lega meu no Liceu do Ceará e pela vida afora), meu irmão Aluísio (médico pediatra e professor da Faculdade de Medicina do Ceará), Joaquim Morizé de Andrade (depois Conselheiro do Conselho de Contas dos Municípios) e eu, além de outros me­nos assíduos. 


Não em banco, mas na porta da Farmácia Pasteur, com deslocamentos invariáveis ao escritório da empresa, ao andar superior do prédio, pra fruição de gostoso cafezinho, reuniam-se, também, figuras da mais alta projeção político-social, como o Governador Raul Barbosa, O Ministro do T. C. Eduardo Ellery Barreira, o advogado Josias Correia Barbosa e os sócios da firma Moacir Bezerra, Raimundo Freitas Ramos e João Moisés Ferreira, além de outros.
Relativamente à ultima roda, que resiste (1987) à descaracterização da velha Praça do Ferreira, era primeiramente constituída pelo Dr. Rafael de Codes Y Sandoval e por Humberto Patrício Ribeiro, o futuro governador Paulo Sarasate Ferreira Lopes, José Marinho (corretor), João Campos (do Car­tório João de Deus e tio de Luís Campos), Dr. Vinícius Ribeiro (advogado), José Denizard Macedo de Alcântara (professor), Dr. Turbay Barreira, Dr. Carlos Ramos (que seria desembargador no Rio de Janeiro), General Carlos Cordeiro, General Dr. Carlos Studart Filho, desembargador Eugênio de Avelar Rocha, enge­nheiro Hugo Rocha (da Rede de Viação Cearense), Abraão Romcy, Pedro Riquet e Omar dos Martins Coelho, todos faleci­dos, e mais Sebastião Arruda Boto (outro líder do grupo), Ed­gar Patrício Ribeiro, Dr. Elcias Viana Camurça, o jornalista Stênio Azevedo, o professor Geraldo da Silva Nobre, Samuel Tabosa (gerente da Empresa Ribeiro no Ceará), Lourival Pereira (ir­mão do deputado Horácio Pereira), Jaime Leite (dono da "Casa de Borracha"), Francisco Ferreira Costa (Costinha, alto funcionário aposentado do Banco do Brasil, ex-Diretor do Banco Central no Ceará e membro do Conselho Fiscal do Banco do Nordeste do Brasil e do Banco do Estado do Ceará, mercê de seu dotes de inteligência e preparo, e cunhado de meu irmão Aluísio), o Acadêmico João Jacques Ferreira Lopes, Alfredo Moreno (antigo proprietário do Eden Café), Antônio Braga, Jaime Cavalcante, Jaime Ferreira, Nelson Caracas, Sílvio Braga e mais alguns, todos vivos, graças a Deus. Eu, por vezes, ando por lá, fruindo a gostosa prosa desses recalcitrantes, que resistem à massificação da Praça, consequente de sua última reforma (1968/69), pois hoje, não dispondo de um cômodo banco de madeira no logradouro, seus membros se reúnem, mesmo em pé, no início (lado leste) da galeria do Edifício São Luís, pela manhã e principalmente à tarde. 



Que eu não peque por omissão, deixando de registrar a existência de nova roda que teima em formar-se na Praça, em frente ao Cine São Luís, de pé, na proximidade de uma de suas duas bilheterias, a do lado norte do prédio. Compõe-se de funcionários aposentados do Bando do Brasil e do Banco do Nordeste do Brasil, dentre os quais distingo meus amigos Tomás Pompeu Gomes de Matos, José Osmar Nobre e Francisco Ferreira Costa (Costinha), integrante também da roda anteriormente referida. E ainda o professor de direito Alcimor Aguiar Rocha e os bancários José Ícaro Loureiro Maia, Mauro Rodrigues Oliveira, Airton Saboia Valente e Geraldo Coelho de Sousa



Os bancos da Praça não serviam apenas para aglutinar grupos mais ou menos homogêneos. Eram, por vezes, tribunas improvisadas para oradores de todas as colorações políticas, até que o Prefeito Godofredo Maciel construiu, em 1925, o afamado "Co­reto", de vida efêmera, pois já em 1933 o Prefeito Raimundo Girão o derrubaria, para substituí-lo (não no seu exato local) pela também já desaparecida Coluna da Hora
Se podemos classificar de mais românticas a Praça da Lagoinha, se a Castro Carreira sempre mereceu a preferência de tipos exóticos e malandros, se as praças do Coração de Jesus, do Carmo e do Patrocínio notabilizavam-se pelos novenários, a do Ferreira foi, durante muitas décadas, "o centro de atração de intelectuais, políticos e comerciantes, que debateram a crise brasileira"


De zona a princípio residencial (não esquecer que o boticário Ferreira tinha nela, como outros, o seu estabelecimento comercial, mas nela também residiam eles), passou a estritamente comercial e política, social e cultural. E nesta metamorfose seus quiosques, Cafés, casas de pasto, livrarias, cinemas e bancos exerceram papel preponderante. (Abelardo Montenegro, idem, p. 42). 


Tem sido ela, desde o tempo em que disputou e ganhou do Passeio Público a condição de coração da cidade, a sede do Ceará Moleque, de saudosíssima memória, quase inexistente hoje com a influência massificadora dos programas importados de televisão. 


Mozart Soriano Aderaldo

Fim

Leia também:

Parte I
Parte II
Fontes: Portal da História do Ceará (Gildásio Sá), ACL 1995/1996, Nirez


Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: