Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Bocas de ouro



Tempo houve dos dentes de ouro luzir em bocas mil. Protéticos, em regozijo, produzirem artísticas peças qualificadas pelos quilates. Feitura de próteses em amálgama especial, a módico preço e garantia de, ao contato da saliva, em meses, tornarem-se áureas. Hoje, seriam ditas genéricas.
Até a década de sessenta, deveras comum encontrar ciganos pela Capital.
Grupos deles, ostentando maiores posses e identificação étnica, acampavam em área de terra da rua Barão do Rio Branco, entre as ruas Carlos Gomes e Joaquim Magalhães. Roupas coloridas, adereços em ouro, prata e pedras preciosas, falando dialeto próprio, distinguiam-se de pronto. Os homens, mais ainda, por seus vistosos brincos e arcadas dentárias auríferas.

O modismo fez-se tão exagerado ao ponto de jornais e rádios noticiarem constantes profanações de túmulos, no Cemitério São João Batista, por ladrões com tendências garimpeiras. 
Nahum Veras, antigo merceeiro da rua Pinto Madeira, esquina com Gonçalves Ledo, possuía coroas reluzentes sobre os caninos e molares. Do mais puro ouro fino. Ao falecer, a família providenciou suas extrações e divulgou ao máximo, inclusive por mensagens radiofônicas, para evitar que vândalos o perturbassem no sepulcro.


Já os parentes de Nicolau Dognini*, 82 anos de idade, fazendeiro de Vidal Ramos, município de Santa Catarina, padeceram por não ter dedicado igual cuido ao dado a Nahum por seus familiares. Nicolau, mais conhecido como Sorriso Dourado, foi sepultado usando seus reluzentes aparelhos dentários confeccionados no nobre metal.
Um mês depois do enterro, o túmulo foi violado, o vidro do caixão quebrado e levadas às ricas dentaduras. Avaliadas entre doze e vinte mil reais, a polícia catarinense investiga e alerta não sepultarem entes queridos com pertences valiosos.
Candidato a deputado pelo PRB, Oswaldo Martins de Oliveira, autodenominado Wadão Dj - Jegue Dente de Ouro prometeu se eleito, dar dente de ouro para toda a população paulista. Esquecido eleitoralmente, poderia oferecer o dentário projeto ao correligionário de coligação deputado federal Tiririca.

                                  Geraldo Duarte
(Advogado, administrador e dicionarista)


*Sul Notícias - Matéria de 25/09/2009:

Polícia investiga roubo de dentadura de ouro de cadáver

A Polícia Civil de Santa Catarina investiga o inusitado roubo de uma dentadura de ouro de um cadáver, ocorrido na cidade de Vidal Ramos, localizada a 160 quilômetros da capital Florianópolis
A violação de uma sepultura no cemitério local é o principal assunto na cidade de pouco mais de seis mil habitantes. Nicolau Dognini, que morreu aos 82 anos no último dia 11 de agosto, teve o caixão violado exatamente um mês após sua morte. 
Os ladrões abriram a sepultura, quebraram o vidro do caixão e levaram uma chapa com dentes de ouro. Nicolau era bastante popular e conhecido na cidade com o apelido de "Sorriso Dourado".

Segundo levantamento feito pela polícia, a sua dentadura de ouro estaria avaliada em aproximadamente dez a doze mil reais. "Não há como definir exatamente o valor, mas estaremos chegando a esse dado após colher novos depoimentos", afirma o agente da Polícia Civil, João Paulo Martins, responsável pela investigação.

Após ouvir uma série de testemunhas, João Paulo revelou que a família de Dognini decidiu enterrá-lo com os dentes valiosos. Segundo o policial, todo mundo na comunidade onde ele morava, sabia que a sua dentadura era de ouro. "Ele era bastante popular e ainda brincava com isso. Dizia as pessoas que poderiam fazer o que quisessem com os seus dentes", disse.

A Polícia ainda vai colher alguns depoimentos nos próximos dias para tentar solucionar o roubo. Por enquanto, não existem suspeitos, mas o policial João Paulo destaca que a violação de sepultura deve servir como um alerta para as famílias que insistem em colocar objetos de valor junto ao corpo de familiares. "É um tipo de crime que existe nos grandes centros. Agora descobriram o interior", disse. "Estamos trabalhando para solucionar o caso, mas fica o alerta para as pessoas de que não é uma prática aconselhável sepultar os entes queridos com objetos de valor".




Nenhum comentário:

Postar um comentário