Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : O Cajueiro da Coragem [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

O Cajueiro da Coragem


Por volta do ano de 1797, no tempo do Brasil - Colônia, o Ceará era governado pelo oficial da Marinha Portuguesa Luiz da Mota Féo e Torres*. Fortaleza era ainda uma pequena aldeia, muito embora tivesse o status de capital do Estado.



Havia nas proximidades da atual Praça do Ferreira, um frondoso cajueiro, a cuja sombra um certo Fagundes talhava a carne, que vendia à população. Na época, o local onde hoje se encontra a Praça do Ferreira, havia uma vila de casas, conhecida por Beco do Cotovelo, de cuja extremidade partiam três ruelas  (Ruas Pedro BorgesMajor Facundo Liberato Barroso) e na saída de uma delas, estava o cajueiro.

Fagundes morava numa casinha em frente e fazia da sombra do cajueiro, seu açougue

Certa vez, passando a cavalo por baixo da árvore o Governador Feo e Tôrres, um galho baixo arrancou-lhe o chapéu, que caiu no chão.  
Feo e Tôrres chamou Fagundes, que estava por perto descansando, e mandou que lhe apanhasse o objeto caído. Fagundes não se moveu do lugar. O Governador repetia a ordem e o outro, ainda, não deu um passo, nem se alterou. Não gostava de ser mandado, muito menos quando o pedido não era feito com educação.


Feo e Tôrres, indignado por esta desobediência, avançou para Fagundes e disse-lhe que pretendia apenas cortar o galho baixo, mas que agora, mandaria derrubar a árvore toda. E seguiu para o Palácio.

Do palácio, na Rua Conde d’Eu, partiu a ordem de deitar abaixo o cajueiro. 
No dia seguinte vieram os homens do Governador armados de machados para cumprir a ordem recebida.
Fagundes protestou e à frente dos seus magarefes armados de facas, não deixou que os soldados executassem a ordem e expulsou-os.
Voltaram acompanhados de soldados. Já o Fagundes lançara pela pacata vila o brado da revolta. Auxiliado por açougueiros, fiandeiros, merceeiros, carapinas, ferreiros e até por pescadores, todos armados de pistolas e bacamartes, levantou trincheiras na encruzilhada de três ruas, e abriu fogo contra a tropa, que recuou.


Daí o nome das três ruas perpetuando o episódio: Rua do Cajueiro (Pedro Borges), Rua das Trincheiras (Liberato Barroso) e Rua do Fogo (Major Facundo)
Após o ocorrido, o governador desistiu de derrubar a árvore, Fagundes ficou triunfante e o cajueiro no seu lugar.

A questão do cajueiro não foi uma simples briga de galos, mas um acontecimento retumbante, quase uma revolução. Deve ter sido um conflito sério e grande, bastante para passar à História e à crônica.


Livro Fortaleza Velha de 
João Nogueira



*Luiz da Motta Féo e Torres e seu governo no Ceará

Resolvida a muitas vezes impetrada a exoneração do governador Coutinho de Montaury, houve por bem a Metrópole mandar a governar a Capitania do Ceará, o cadete e moço fidalgo Luiz da Motta Féo e Torres.
A Carta Régia de sua nomeação data de 12 de janeiro de 1789.



Caso curioso: 

Partindo ele do Reino, aportou à colonia a 14 de novembro e com as formalidades prescritas foi empossado ao cargo a 9 do mesmo mês.
Teve por secretário José de Faria, o mesmo que servira com seu antecessor.
Como militar que era, e pelo muito atraso e desarranjo que encontrou nesse ramo de serviço, foi das primeiras ocupações do novo governador a de fazer construir em frente do aquartelamento um pequeno reduto de madeira, em que trabalhou a tropa terraplenando o terreno, reduto que ficou guarnecido com peças e alguns reparos vindos de Pernambuco.
O que havia limitava-se a algumas peças quase desmontadas e incapazes de servir, colocadas sobre um monte de areia sem mais estacada ou coisa que o valha, e tudo isso condecorado com o título pomposo de forte. rsrsrs
A tropa compunha-se então de um bando de maltrapilhos, que de longa data não conheciam outro fardamento senão a camisa e ceroulas, figurando mais de mendigos do que de soldados e portanto provocando a compaixão dos nacionais e o escárnio de algum estrangeiro, que por acaso aportava e percorria a colonia.



Revista Instituto do Ceará de 1890



Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: