Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Chico Albuquerque - O talento [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 5 de maio de 2011

Chico Albuquerque - O talento



Chico Albuquerque manifestou cedo o talento para a fotografia. Em Fortaleza, cidade onde nasceu em 1917, aventurou-se no cinema aos 15 anos fotografando um documentário  de curta-metragem. Aos 17 já figurava entre os fotógrafos profissionais. Mas foi em 1942, aos 25, que aprendeu a compor fotografia, ouvindo falar pela primeira vez em divisão áurea do retângulo. O professor: o cineasta Orson Welles, para quem fez still do filme "It's All True".

Fortaleza dos anos 40 ficou pequena para o universo fotográfico de Chico Albuquerque e, em 1945, mudou-se de mala e câmeras para São Paulo. A conquista do mercado veio rápida. Em 1948 fez a primeira fotografia publicitária no Brasil, ao registrar modelo e produto para uma campanha da Johnson & Johnson, da agência J.W. Thompson.

Dez anos depois de sua chegada a São Paulo, Chico Albuquerque já ocupava posição privilegiada no mercado, antes exclusivo para retratos. Assinou portraits de personalidades como o presidente Juscelino Kubitschek, o paisagista Burle Marx, o pintor Aldemir Martins, as atrizes Odete Lara e Cacilda Becker e tantos outros.

De volta ao Ceará 30 anos depois, teve papel decisivo na estruturação e expansão do mercado publicitário, assim como na transformação do fotojornalismo local. Paralelo a toda esse universo comercial, Chico Albuquerque produziu ensaios autorais que se tornaram célebres e lhe renderam prêmios no Brasil e no exterior.

Chico Albuquerque fez escola e foi mestre dos grandes fotógrafos de hoje na publicidade nacional. Ele nunca deixou a fotografia. Seu último trabalho foi aos 83 anos, em 2000, quando assinou campanha publicitária nacional para a Del Rio.

Uma das lendas da fotografia brasileira é sem sombra de dúvida o mestre Chico Albuquerque. Nascido em 1917, em Fortaleza, teve seu nome projetado nacionalmente graças à sua intensa atuação profissional. Mas, como ele mesmo afirmava, começou sua carreira de maneira invertida. E explicava: iniciou-se timidamente com o cinema, aos 15 anos de idade, atendendo a um pedido do seu pai, o também fotógrafo Adhemar Albuquerque, que necessitava filmar algumas sequências sobre o drama da seca no nordeste brasileiro, mas estava com problemas que o impediriam de participar do trabalho. Esse aprendizado inicial de dez dias transformou a vida do então adolescente Chico Albuquerque, que se tornou um exímio profissional e um profundo conhecedor dos mistérios da luz. A ligação com o cinema se fortaleceu e o levou à fotografia. Criar imagens passou a ser prioridade e, mesmo habituado com o ofício paterno, saiu em busca de seu próprio caminho. Para isso, passou por um longo percurso de aprendizado. Isso o levou até o Rio de Janeiro, em duas diferentes ocasiões, entre 1934 e 1946, para aprofundar os conhecimentos e melhorar sua técnica. 

Os responsáveis diretos nesse segundo momento da sua formação profissional foram Erwin Von Dessauer e Stephan Rosenbauer, em períodos distintos. Em 1942, aos 25 anos, Chico Albuquerque foi o responsável pelo still do filme documentário É Tudo Verdade (It’s All True), do cineasta norte-americano Orson Welles, que havia se instalado momentaneamente em Fortaleza. Foi exatamente nessa experiência que aprendeu com o próprio Welles os princípios estéticos mais importantes que irão posteriormente direcionar sua fotografia para um inquestionável padrão de qualidade. O documentário foi realizado na Praia do Mucuripe, em Fortaleza, cenário de seu primeiro grande ensaio realizado dez anos mais tarde, quando retornou com o objetivo de produzir uma coleção de imagens em preto e branco que documentasse o cotidiano dos jangadeiros da aldeia.

Depois da experiência com Orson Welles, organizou seu portfólio e criou coragem para enfrentar o mercado do Rio de Janeiro. Mas foi o fotógrafo alemão, Stephan Rosenbauer, que o estimulou a se instalar em São Paulo. Em 1947, Francisco Albuquerque chega a São Paulo e começa a apresentar o seu trabalho para diferentes pessoas da cena fotográfica local. Trazia algumas recomendações e uma indicação do Foto Cine Clube Bandeirante, local onde poderia encontrar algum auxílio para iniciar suas atividades profissionais e aperfeiçoar-se. Os amadores do clube ficaram surpresos com as fotografias apresentadas, basicamente retratos e algumas paisagens. Pouco tempo depois já circulava com alguma desenvoltura no circuito paulistano das artes visuais. O Boletim Foto Cine Clube Bandeirante publicou a primeira capa assinada por F. Albuquerque na edição de nº 15, de julho de 1947. Era um retrato muito bom, denominado “Marujo Americano”, e a página 12 da mesma edição registra um comentário não assinado de uma mostra que se realizava na Livraria Jaraguá, ponto de encontro de artistas e intelectuais da cidade de São Paulo. Sob o título Exposição F. Albuquerque. Abaixo o comentário na íntegra: 



“Desde 10 de julho p. p. está aberta com o patrocínio do F. C. Bandeirante, na Livraria Jaraguá, à R. Marconi, uma exposição individual de “RETRATOS ARTÍSTICOS” de autoria de F. Albuquerque, a qual vem atraindo grande interesse. O jovem artista patrício que acaba de montar seu estúdio fotográfico nesta Capital não é desconhecido entre nós, pois já vem aureolado pela consagração da crítica no norte do país e no Rio de Janeiro. Com efeito, seus retratos vigorosos e fortes uns, delicados e suaves outros, dizem bem o quanto Albuquerque se identifica com a personalidade do modelo que consegue traduzir fielmente, imprimindo ao mesmo tempo ao trabalho aquelas características próprias que o distinguem desde logo dentre os melhores profissionais aqui radicados.
Dominando a técnica com maestria ímpar, as composições e paisagens expostas ao lado dos seus retratos, de elevado teor artístico, estão a demonstrar que Albuquerque não encontrou na fotografia um simples meio de vida, mas a satisfação de suas inquietudes espirituais por onde se reconhece o verdadeiro artista.”

A família e a fotografia

No livro O Ceará, datado de 1939, constata-se a presença de dois grandes estúdios de fotografia em Fortaleza através dos seus anúncios. Na página 447, o Foto Brasil se declara como “o mais antigo da cidade e produz retratos artísticos e inalteráveis”, localizado na rua Major Facundo, 665; e a Aba Film, fundada em 1934, se propaga como “a mais moderna foto do Ceará”, situado na mesma rua Major Facundo, 660, telefone 1526. O fato de disponibilizar o número do telefone em anúncio público talvez signifique certa modernidade em relação ao “mais antigo da cidade”. O pai transmitiu ao então adolescente Francisco as primeiras noções básicas de cinema para que ele pudesse realizar o seu primeiro trabalho. Depois disso, ele se aprimorou no mundo da fotografia. Além de Chico, três dos nove irmãos também se dedicaram à fotografia: Antonio Afonso, que sucedeu o Chico na empresa, Paulo, que se tornou fotógrafo profissional em Belo Horizonte, especializando-se em cartões postais, e Luís, que optou pelo fotojornalismo, atuando em Brasília. Enfim, uma família de fotógrafos. O pai, Adhemar Albuquerque, também foi o responsável por instruir e preparar o comerciante sírio Benjamin Abrahão, de Juazeiro, responsável pela primeira série de fotografias de Lampião e seu bando, datada de 1936. Mais tarde realizou um pequeno filme documentário que posteriormente foi confiscado pela polícia política de Getúlio Vargas e se perdeu para sempre.

O Turco, apelido de Benjamin Abrahão, foi encaminhado ao fotógrafo que se encarregou de fazer os contatos para que tudo fosse feito com o máximo de segurança. Em relação ao filme desaparecido, conhecemos o depoimento de 1970 que Chico Albuquerque deu a George Love: “Em 1941 os sócios da Aba tentaram reaver o filme: receberam 20 contos de indenização (não pagava nem um décimo dos gastos). Em 1950, nova tentativa, mas o filme tinha desaparecido dos arquivos do antigo DIP. Acreditase que seu paradeiro seja conhecido por um fotógrafo do Rio de Janeiro, Alexandre Wolff, cinegrafista na época de Getúlio. Uma cópia andou em poder dos irmãos Marvin, ex-proprietários da empresa Brasil Oiticica. Em seguida, no mesmo depoimento, Albuquerque fez um apelo: “Embora ingênuo, é um documentário de excepcional valor histórico. Peço ao governo todas as providências para recuperá-lo. É digno de figurar entre as relíquias do Museu da Imagem e do Som”. Na verdade, trata-se de uma experiência singular na fotografia brasileira. Um fotógrafo instalado profissionalmente, após passar as instruções mínimas de funcionamento da câmera ao comerciante, financiou e viabilizou um trabalho de documentação fotográfica. Tudo foi feito em segredo e o resultado representa um documento inédito do ponto de vista da sua realização, sem precedentes para o país e particularmente significativo para a história da fotografia brasileira. Parte do material fotográfico pertence hoje ao Instituto Cultural Chico Albuquerque.

Estúdio da Avenida Rebouças

Logo após estabelecer as novas relações de amizade e tornar-se conhecido profissionalmente na cidade de São Paulo, Albuquerque instalou-se na avenida Rebouças, 1700, numa ampla casa que servia de residência e de estúdio. Foi ali que realizou parte significativa de sua produção de retratos e sua fotografia publicitária, uma passagem que ocorreu naturalmente. Lorca lembra que o estúdio da Rebouças mudou o tom da qualidade fotográfica profissional que se praticava em São Paulo. Chico Albuquerque era “um exímio retocador e conseguia aplicar luzes no retrato, macetes que aprendeu com Otto Schiedanz, o grande laboratorista da Kosmos Foto, loja situada na rua São Bento, centro”. Por tudo isso é que seu trabalho teve plena aceitação nas agências de publicidade, tornando-se um profissional bastante requisitado e uma referência num mercado que estava começando a ganhar visibilidade”. Os seus retratos são assumidamente produzidos e eram maneiristas segundo ele mesmo, pois sua mão forte está na direção, no tratamento da iluminação e até mesmo na apresentação final para o cliente. Por tudo isso ganhou espaço entre a burguesia paulistana e criou fama.



Ele soube impor seu estilo, sua competência técnica e sua eficiência para resolver problemas de toda ordem, o que lhe valeu no mercado profissional a referência como fotógrafo que conseguia realizar o impossível. Seu desempenho na publicidade o levou a montar um invejável conjunto técnico de equipamentos – câmeras de grande formato 4x5 e 13x18, de médio formato, a Rolleiflex e a câmera 35mm Leica, todas com conjunto de lentes específicas para enfrentar qualquer tipo de trabalho. Lorca lembra também que Chico foi o primeiro profissional de São Paulo que comprou um sofisticado conjunto de flash eletrônico, abandonando as altas temperaturas da luz contínua e criando com isso novas possibilidades de produzir efeitos de luzes que diferenciaram a sua fotografia e caracterizaram seu estilo forte e sintonizado com seu tempo. Sua versatilidade, associada ao seu conhecimento técnico, o transformou num profissional de alto gabarito. “Um clássico da fotografia brasileira”, segundo palavras de German Lorca, opinião que é compartilhada por vários dos fotógrafos que foram seus assistentes em diferentes momentos, principalmente após a experiência do Estúdio Abril, entre eles Sergio Jorge e Bob Wolfenson.

As experiências do Estúdio Abril e do jornal O Povo

Depois do reconhecimento e do sucesso profissional, o cearense Chico Albuquerque começa a ser solicitado para assumir outros desafios. O primeiro deles foi assumir o Estúdio Abril entre 1967 a 1973, período em que foi o responsável direto pelo mais ousado projeto de formação profissional que temos conhecimento na história da fotografia brasileira. Convidado pela Editora Abril para coordenar um grupo de fotógrafos e criar uma identidade visual, no caso fotográfica, para cada revista publicada pela editora, Chico elaborou um projeto baseado numa formação centrada na excelência técnica e num profissional que fosse capaz de produzir a fotografia no prazo determinado, independentemente das dificuldades. Essa versatilidade, somada à competência técnica e eficiência, espelhava de certa forma toda sua trajetória profissional com a fotografia. Primeiramente, o Estúdio Abril ocupou o endereço da avenida Rebouças, centro nervoso do estilo e da produção fotográfica de Chico Albuquerque.

Depois se transferiu para um espaço muito mais amplo, situado à rua do Curtume, e neste momento ele passou a ser o Diretor Técnico assessorado por Sergio Jorge e pelo inglês Roger Bester, então Diretor Criativo. Esse passo inovador da editora foi possível graças à dedicação do seu Chico, como era carinhosamente tratado pelos jovens fotógrafos, entre eles Bob Wolfenson que naquele momento se iniciava na fotografia. A direção de pulso forte e exigência técnica impecável transformaram aos poucos o Estúdio Abril na primeira grande escola de fotografia do Brasil. E lá estava Chico Albuquerque, fazendo exatamente o que mais gostava, ou seja, experimentando equipamentos, testando novas situações de iluminação, montando cenários e criando soluções que atenderiam às diferentes demandas do estúdio. O projeto do estúdio ganhou projeção internacional e criou uma espécie de sinergia onde todos estavam aprendendo a aprender sob a batuta inquestionável de Chico Albuquerque.

Em 1975 retornou a Fortaleza, mas não parou, pois realizou o segundo ensaio sobre o Mucuripe e um ensaio sobre frutas tropicais da região. Em 1981, foi convidado a assumir, como consultor, a coordenação de um grupo de 12 repórteres fotográficos do jornal O Povo, que deveria ser transformado numa equipe de trabalho. Iniciou alterando radicalmente o laboratório, espaço fundamental para desenvolver o trabalho com qualidade. Depois colaborou na formação técnica dos fotógrafos. Um dos jovens fotógrafos participantes deste projeto, Ed Viggiani, lembra que sua presença naquele momento no jornal era inspiradora e que essa experiência foi fundamental para sua formação. Salienta que seu Chico “era uma universidade da fotografia viva, ali presente e ensinando a todo momento. Apesar de trabalhar muito no estúdio, soube aproveitar e explorar a luz ambiente. Dizia sempre que nunca havia luz ruim, apenas falta de inspiração. (...) Seu Chico era modesto e sincero. Não fazia elogios gratuitos e nem era dado a modismos”. Como vemos, tanto nas oficinas do Fotoclube no final dos anos 1940, como nas experiências da Editora Abril e no jornal O Povo, temos um profissional disposto a compartilhar informações técnicas e estéticas, além de enfatizar a importância de construir um repertório cultural amplo e diversificado para poder dar conta das mais diferentes situações enfrentadas pelo fotógrafo profissional.

O livro

No Brasil, nós não temos a tradição do livro de fotografia autoral. Só mais recentemente é que vimos aflorar uma indústria gráfica de qualidade, um avanço na pesquisa da história da fotografia e a necessidade de publicar livros autorais, com trabalhos de artistas que marcaram época na fotografia brasileira. Apesar de ter produzido uma fotografia quase que essencialmente utilitária, centrada no retrato, na publicidade e na fotografia comercial, Chico Albuquerque tem sua fotografia presente em poucas publicações. Em 1951, constatamos sua presença no livro Isto É São Paulo, Edições Melhoramentos, que publicou uma série de livros sobre os estados brasileiros, ao lado de fotógrafos como Alice Brill, Leon Liberman, entre outros. Outra edição importante é Brazil – portrait of a great country, de 1959, editado pela Colibris Editora Ltda., destinado a divulgar a imagem do país.
Depois temos as duas edições do livro Mucuripe, que contam com os ensaios realizados em 1952 e 1988. Mais recentemente, foi incluído nos livros Mar de Luz – litoral do Ceará, da editora Tempo d’Imagem, de 2000, e Ceará Terra da Luz, publicado pela Terra da Luz Editorial, em 2005. Ambos reúnem praticamente os fotógrafos da terra e são bastante eloquentes do ponto de vista imagético.

Como deixou claro em inúmeras entrevistas, fotografia é domínio técnico e para isso é preciso saber enxergar e saber dar importância ao assunto, ao fundo e à luz que incide sobre os objetos e sobre as pessoas. Essa é a condição mínima para despertar a emoção e a criatividade, romper as convenções e transpor os limites da imaginação. Francisco Albuquerque, por todas as razões expostas ao longo deste texto, pela sua incrível trajetória no mundo da luz, por sua disponibilidade em compartilhar os seus momentos especiais em magníficas fotografias, por sua fiel amizade com outros artistas e intelectuais, pela sua ousadia e competência, está entre os grandes nomes da fotografia do século XX produzida no Brasil.


Vítima de um enfarte fatal, Chico Albuquerque faleceu em 26 de dezembro de 2000 sem assistir ao lançamento de Mucuripe – livro coletânea de 63 fotos em preto e branco registradas na praia da capital cearense, dez anos após as filmagens de It’s All True. Chico Albuquerque faleceu na madrugada seguinte ao dia em que conferiu a prova do livro que estava fazendo.Vítima de um enfarte fatal, Chico Albuquerque faleceu 26 de dezembro de 2000 sem assistir ao lançamento de Mucuripe – livro coletânea de 63 fotos em preto e branco registradas na praia da capital cearense, dez anos após as filmagens de It’s All True. Chico Albuquerque faleceu na madrugada seguinte ao dia em que conferiu a prova do livro que estava fazendo.


Fotos da Galeria Mucuripe



Vídeo Terra da Luz Editorial 



14 comentários:

  1. Gostava de ir à loja da Aba Film da Barão do Rio
    Branco, junto ao antigo cine Diogo. Ia com minha mãe, enquanto ele era atendida eu ficava a olhar as enormes e belas fotos. Lembro-me bem de uma coruja. Depois, soube que aquela coruja vivia nos stúdios daquela loja.Pesquise!
    Chico Albuquerque, teve talento herdado, imenso talento.
    Quero aproveitar e agradecer a vc, o lugar nobre
    em que está "Da Cadeirinha de Arruar". Valeu, amiga! Agora, vou visitar o "Ceará Nobre"...
    Bom final de semana, Leila
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Será que consta alguma coisa sobre essa coruja da Aba Film???? Vou pesquisar com certeza! rsrs

    Ah, esqueci de avisar, mas já faz alguns dias que coloquei sua cadeirinha na varanda do blog rrsrs
    Quero que meus leitores tenham a oportunidade de conhecer seu belo e bem feito blog.

    Beijos amiga

    ResponderExcluir
  3. Olha, Leila, procure alguém da família
    do Chico Albuquerque e pergunte onde está
    o acervo da Loja da Br. do R. Branco, eram
    muitas fotos, nas paredes, no meio, a tal coruja.
    Obrigada, pelo elogio à Cadeirinha...rsrsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Vou tentar, amiga!

    Não precisa agradecer, seu blog é maravilhoso!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Leila Cherie ! voce me surpreende cada vez mais com sua varinha de condão !
    Esta homenagem ao Chico Albuquerque é mais que merecedora. A Fortaleza Nobre de antigamente ficará registrada para sempre (ainda bem)graças aos trabalhos talentosos efetuados pelo Chico Albuquerque e sua marca ABALFIM, como em todas as fotos que tenho. NÂO me conformei ao retornar da França ano passado (2010) e já não encontrar mais uma só loja da ABAFILM em Fortaleza...fiquei muito triste mesmo e como faz falta. Hoje com a mania de fotos numéricas, é muito difícil achar alguem que queira revelar negativos em preto-branco, e ate mesmo à cores.
    Conversei ha tempos atras com o "Bebeto" o Roberto Albuquerque, e todo o acervo foi entregue ao Nirez após um grande incendio na sede da Abafilm, ainda na Barao do Rio Branco. Parabéns minha linda e obrigada em fazer reviver todas estas belas lembranças sobre os mitos de Fortaleza, muitos são imortais ! Estas páginas serão de grande valor para nossas próximas gerações...
    Um grande beijo, Joanna ou "Jeannette" Dell'Eva
    Fortaleza 4-7-2011

    ResponderExcluir
  6. Amigaaaaaaaaaaaa, que bom vc por aqui, que felicidade!!!
    Obrigada por desvendar pra nós o destino das fotos, eu tinha essa desconfiança com relação ao querido Nirez, mas nda como a certeza! rs

    Um beijo do tamanho do mundo para vc e obrigada pelas lindas palavras, amore! :)

    ResponderExcluir
  7. Querida Leila,
    Fiquei muito sensibilizado pelo belo trabalho sobre meu pai. Agradeço-lhe a precisão e o carinho.
    Instituto Cultural Chico Albuquerque
    Ricardo Albuquerque

    ResponderExcluir
  8. Oi Ricardo, boa noite!
    Não precisa agradecer, foi um imenso prazer!

    Agora quem agradece sou eu, muito obrigada por seu comentário! Fiquei lisonjeada e muito feliz por saber que vc gostou, foi uma singela homenagem ao homem que tanto contribuiu com a nossa cultura! :)

    Um carinhoso abraço

    ResponderExcluir
  9. Olá Leila, bom dia.
    Não se espante,você merece todos os elogios feitos pelo filho do Sr. Alfredo Salgado, pelo Sr.Chico Albuquerque e Sr. Charlles Dell'Eva.(Não os li). Seu trabalho veio preencher uma lacuna sobre a memória de nossa Fortaleza. É um trabalho bonito, útil e acima de tudo desprovido de vaidades.Você não só nos mostra fotos, mas conta e escuta históris de nossa Fortaleza de forma clara a todos que acessam seu "FORTALEZA NOBRE". Atenciosamente Clóvis Maciel.

    ResponderExcluir
  10. Querido amigo, obrigada pela gentileza, vc como sempre, um cavalheiro! :)

    Muito obrigada pelo carinho e atenção que sempre me reserva!

    Sou muito agradecida e abençoada por Deus, pois deste que criei o blog, fui muito bem recebida por todos, inclusive pelos herdeiros de alguns ilustres de nossa Fortaleza.

    Um forte abraço Clóvis e obrigada pela amizade

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo blog. Estou passeando por ele (ou seria por Fortaleza?) há um bom tempo. Estou com uma curiosidade enorme de que vista é esta desta foto número 28, onde temos uma fila de jangadeiros carregando algo nos ombros. Me parece a enseada do Mucuripe, com Meireles e Praia de Iracema bem ao fundo. Seria isto? Que ano? Grato.
    Silvio Ramos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Silvio, boa tarde!

      É justamente isso, a enseada do Mucuripe, o ano é 1952 e pelo o q parece é um cortejo fúnebre.

      Abraços e obrigada pelo comentário

      Excluir
  12. Cada vez mais eu curto o seu blog, até hoje eu não vi nenhum blog com tantas informações importantes sobre Fortaleza ou outra cidade do Brasil.
    Sobre o acervo da Aba Film eu acho que não existe mais, eu recebi uma correspondencia a muitos anos atrás da Aba Film disponibilizando minhas fotos do concurso Miss Ceará 1963 e deram um prazo para que eu fosse buscar as fotos pois eles iam acabar com o estudio,algo assim.E eu por motivos particulares deixei para lá para não criar caso em casa.Mas olhe se arrependimento "matasse eu estaria mortinha".Em todo caso como vc sabe aonde "dormem todas as andorinhas",se descobrir algo sobre o acervo eu gostaria muito de saber.Obrigado mais uma vez pelo seu maravilhoso trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico imensamente agradecida, Sônia! :)

      Ai, não acredito q vc não foi buscar!!! O.o
      É uma pena mesmo, sem dúvida, fotos de uma época muito boa q vc viveu intensamente!

      Amiga, pelo o q sei, o arquivo da Aba Film foi doado ao querido Nirez e hoje faz parte do seu importante arquivo.

      Já tentou entrar em contato com ele?
      O e-mail dele: nirez@terra.com.br

      Beijosssssss

      Excluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: