Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : José Clarindo de Queiroz [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 27 de março de 2012

José Clarindo de Queiroz


Clarindo de Queiroz foi herói da Guerra do Paraguai, onde se notabilizou por sua bravura.
Foi Presidente dos Estados do Amazonas e Ceará. Promulgou a primeira constituição do Estado (16 de julho de 1891), mas teve de enfrentar ferrenha oposição dos seus adversários.

Nasceu em Fortaleza, capital da então província do Ceará, no dia 22 de janeiro de 1841, na atual rua Sena Madureira, nº 41, filho de Inácio Lopes de Queiroz e Ana Lopes de Queiroz. Inclinado para a vida militar, assentou praça aos quinze anos de idade, em 1856. Em 1865, tomou parte na Guerra da Tríplice Aliança e de lá voltou para o Rio de Janeiro no posto de tenente-coronel.

Rua Sena Madureira onde nasceu Clarindo de Queiroz com destaque para o Palácio do Governo

Quando encarregado de fortificar as fronteiras da provinda do Amazonas, os cearenses ali residentes ofertaram-lhe uma espada de honra, em setembro de 1874. Em 1880, foi promovido a coronel, em 1883, a brigadeiro e, em 1890, já era General de Divisão.

Em 1891, Clarindo de Queiroz, Governava o Ceará apoiando o Presidente da República Marechal Deodoro da Fonseca, quando este dissolveu o Congresso Nacional em 3 de novembro.

O Marechal Floriano Peixoto, então Vice-Presidente, reagiu ao ato e, diante dos fatos, Deodoro da Fonseca renunciou ao mandato no dia 23 de novembro, assumindo Floriano, a Presidência da República.

A 1ª medida do novo Governo foi destituir os partidários de Deodoro.

Dia da deposição de Clarindo de Queiroz pelos alunos da Escola Militar - Arquivo Nirez

Em 16 de Fevereiro de 1892 houve uma revolta dos alunos da Escola Militar instalada no Quartel da Fortaleza bombardeando o Palácio do Governo e depondo o Governador.
Participaram do combate os alunos da Escola Militar contra o contingente policial formado pelo Corpo de Segurança Pública e pela Guarda Cívica.

Os cadetes da Escola Militar 

No dia seguinte, 17, pela manhã, mediante cerco militar ao Palácio, o então General Clarindo de Queiroz é deposto¹, assumindo o Governo o Tenente Coronel Bezerril Fontinele, comandante da Escola Militar e principal responsável pela rebelião.

No mesmo dia Clarindo de Queiroz seguiu para o Rio de Janeiro. Ele foi um dos treze generais a quem o vice-presidente Floriano Peixoto, por decreto de 12 de abril de 1893, desterrou para Cucuí². Alí se agravaram os padecimentos de que veio a falecer, no Rio de Janeiro em 28 de dezembro de 1893. 

Clarindo foi comandante do Batalhão de Engenheiros, da Escola Militar, e comandante geral da artilharia e mereceu o Hábito de Cristo e as Grã-Cruzes de Avis e Cruzeiro.


  • ¹Clarindo de Queiroz governou o nosso Estado no período republicano de 28 de abril de 1891 a 16 de fevereiro de 1892, consequência direta do apoio que prestou ao Marechal Deodoro da Fonseca, que era o seu amigo pessoal. Muitas pressões foram impostas ao governador cearense para que abandonasse o cargo. O General então permaneceu no cargo, pelo menos até 16 de fevereiro de 1892, quando alunos da escola militar e da marinha, usando canhões e metralhadoras, cercaram o palácio do governo e exigiram a renúncia. Clarindo de Queiroz dispôs- se a resistir. 

Situação que ficou o Palácio do governo em decorrência do bombardeio feito pelas tropas federais - Museu histórico do Ceará

Na manhã de 17 de fevereiro, com o palácio crivado de balas, Clarindo de Queiroz, sem munição, rendeu- se e entregou o cargo ao Coronel Bezerril, então comandante do Colégio Militar de Fortaleza.

Ocasião da deposição - Museu histórico do Ceará

Saiba Mais

No dia da deposição aconteceram vários choques entre grupos contrários ao governador e tropas do então Corpo de Segurança Pública cujo comandante era o Ten-Cel EB Bonifácio Antônio Borba. Durante toda a noite, do dia da deposição, as tropas federais bombardearam o palácio do governo, registrando-se muitos mortos e feridos. O acontecimento, em suas linhas gerais, pode ser assim resumido:
" Questões políticas tinham exaltado muito os ânimos dos respectivos partidos daqueles dias. O esbofeteamento de um aluno defronte à Chefatura de Polícia, o espancamento bárbaro de outros na Guarda Civil onde foram em defesa de um companheiro, exaltara, igualmente, o espírito dos chefes armados. O governador prometeu providências, mas como fizeram demorar tais medidas, a luta era esperada a todo momento. (...) O General Clarindo, pelo telefone, pediu então a suspensão das hostilidades, com a afirmativa de que ia mandar as condições de sua rendição e terminação da luta. Meia hora depois, em ofício a administração ao comandante da guarnição federal, dizendo ser o único capaz de manter a ordem ". Publicado no livro de Eusébio de Souza, "História Militar do Ceará", volume II.


  • ²   Cucuí é um distrito do município brasileiro de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas 

A rua General Clarindo de Queiroz, entre as ruas Barão do Rio Branco e Senador Pompeu. A praça a frente é a Clóvis Beviláqua. Arquivo Nirez

Hoje Clarindo de Queiroz é homenageado em rua do centro de Fortaleza.



x_3c3d9adc


Fontes: http://www.enciclopedianordeste.com.br, Wikipédia, Museu Virtual da PMCE, Guia.Ce

Um comentário:

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: