Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : As rodas de calçada [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


domingo, 23 de setembro de 2012

As rodas de calçada



Nos idos da década de 40, quando não havia televisão para isolar as pessoas, quando não havia "novela das oito" para inspirar torcidas organizadas e criando grupos distintos dentro dos lares, as famílias da classe média costumavam reunir-se nas chamadas rodas de calçada.

Primeiro, a cadeira mais confortável para abrigar as enxúndias matronais da dona da casa, por certo, uma cadeira de balanço, em vime ou a relaxante "preguiçosa". E chegava a filha mais velha, já com a cadeira austríaca da sala de espera, adrede encaixada no traseiro. E aparece a vizinha do lado, emérita fuxiqueira, e mais outra vizinha e a cunhada "vitalina", por fim, a velhota gorda da esquina, que justificou seu passeio pela calçada para tomar uma "fresca", após o jantar, mas aceitou cadeira oferecida e aboletou-se.

Os assuntos não demoraram a surgir, assim como surgiram outras pessoas que ajudaram a fechar a roda, já farta e animada. Eram as mais díspares cadeiras, compondo insólita mobília: cadeiras de vime e de cipó, com e sem balanço, "preguiçosas" com panos listrados, cadeiras de espaldar alto, da mesa de jantar, até banqueta da penteadeira, sem contar, vez por outra, pelo menos uma poltrona do grupo estofado da sala de visitas.

Enquanto as matronas agitavam as banhas nas cadeiras de balanço, o "papo" tinha continuidade e os assuntos eram os mais diversos: as traquinagens das crianças, as notas na escola e o devido funcionamento da palmatória. E falavam das compras de mercearia, porque seu Carlos tinha aumentado o preço do arroz, porque o açúcar estava escuro e se continuasse daquele jeito era melhor usar logo açúcar mulatinho, porque o feijão-de-corda estava com gorgulhos...

Mas tudo era um pé para começarem a arrasar com a moral da filha da fulaninha e suas esquisitas saídas, sozinha e fora de hora. Uma pouca vergonha, um mau exemplo para as virtuosas mocinhas do quarteirão que nem sequer namoravam ainda. E falavam da beltrana que estaria "costurando para fora". Descarada! Se queria ser uma doidivanas pra que casou e botou filhos no mundo? As "bicadas" do sicrano eram assunto que exaltava todas, pois o recente vício do dito-cujo estaria levando a família a passar privações. "Tadinha" da bichinha. Tão fiel, tão ciosa de suas responsabilidades de esposa e de mãe e, agora, marido beberrão.

vida das moças "coca-colas" não podia faltar na pauta e as críticas eram as mais azedas possíveis. A velha gorda, que estava só tomando uma "fresca", foi tachativa: preferia ver a própria filha morta do que ser motivo do escárnio da população da cidade. Pobres mães, que sofreram nove meses com aquelas lambisgoias na barriga. Melhor seria que tivessem abortado...

Quando a coisa estava muito quente, alguém amenizava e comentava sobre aquele lindo chapeuzinho que estava na vitrina da Casa Sloper e sobre as mulheres mais chics na sessão domingueira do Diogo. Alguma mais letrada e informada, tascava sua sabedoria e falava dos horrores da guerra, da tirania do Hitler, e vinham à baila as lojas incendiadas em Fortaleza, por pertencerem a alemães e italianos. Era quando soprava o "aracati" e cada uma pegava o seu assento e entrava para dormir, todas felizes, leves, realizadas, depois de "papo" tão construtivo e tão instrutivo...



Crédito: "Royal Briar : a Fortaleza dos anos 40", de Marciano Lopes
Ilustração do blog Cadeira na calçada

Um comentário:

  1. Obra espetacular! Histórica onde nos fazem a nos lembrar dos 'jogos de botão sobre a calçada' e onde 'galos, noites e quintais'.

    ResponderExcluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: