Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : As atividades de lazer em Fortaleza na época da Belle Époque ´Parte III
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 6 de outubro de 2021

As atividades de lazer em Fortaleza na época da Belle Époque ´Parte III

 

As praças, os cafés e os bondes


A transição do século XIX para o século XX trouxe consigo mais inovações e equipamentos de lazer para Fortaleza, embora alguns já existissem como é o caso do Passeio Público, mas além dele a capital dispunha de:

Praças remodeladas, jardins públicos, ruas alinhadas com bondes, transeuntes, sobrados e estabelecimentos comerciais, Passeio Público e Parque da Liberdade e seus elegantes frequentadores, Estação Central Ferroviária, mansões e fachadas art noveu, cafés, templos, escolas, portos, praias, lagos, etc. (PONTE, 2010, p.141).

Em outras palavras, um conjunto de equipamentos que representavam o lazer e cotidiano dos habitantes. Dentre estas inovações estavam a remodelação das três principais praças da cidade – a do Ferreira, Marquês de Herval (atual José de Alencar) e a da Sé, entre os anos de 1902 e 1903, receberam amplos e vistosos jardins com gradil, recheados de estatuas de inspiração clássica, canteiros de flores e plantas ornamentais, coretos, longos bancos, chafarizes e vasos importados.

Praça do Ferreira e seu jardim no início do século XX, resultado da primeira urbanização da praça. O Jardim 7 de Setembro foi inaugurado em 1902, por obra do intendente Guilherme Rocha.Era rodeado por grades, muito arborizado e florido, um lugar construído para a prática de atividades ao ar livre ou para passeios ao entardecer.

Pontes faz uma menção de como ficaram as três praças depois de sua remodelação comparando-as como réplicas do Passeio Público:

Para se ter uma ideia, os jardins eram como réplicas em menor proporção do Passeio Público encravadas, no centro daquelas praças. Isto é: além do próprio Passeio Público, a cidade agora tinha, em seus três principais logradouros, ilhas paradisíacas e seguras, onde os citadinos mais distintos pudessem se sentir como se estivessem em Paris, enquanto assistiam ao espetáculo do movimento urbano desenrolar-se em torno. (PONTE, 2007, p.181).

Segundo o historiador Ponte, a remodelação das praças teve também como intuito não só o embelezamento da cidade, mas criar um espaço de utilização pública onde a população, principalmente as crianças e os jovens pudessem praticar exercícios e atividades esportivas ao ar livre. (PONTE, 2010).

Isto se devia ao fato de que naquele momento a pratica de esportes estava começando a ser adotada pela sociedade e esta prática representava a saúde que as medidas saneadoras tanto buscavam alcançar.

A Praça do Ferreira, um dos logradouros referenciais da cidade até os dias de hoje era a principal área do comércio local, conhecida também como o coração da cidade, foi palco para a construção dos quatro cafés mais elegantes da cidade – O Java, o Comércio, o Elegante e o Iracema, todos construídos em estilo chalet francês, localizados nos quatro cantos da praça.

Café Java - Acervo Lucas

Foi no Café Java, o preferido da boemia e dos intelectuais jovens, que surgiu a ideia da criação de uma agremiação literária, conhecida como Padaria Espiritual, que se destacou pela sua inovação e irreverência. Este local foi ponto de encontro dos escritores Antônio Sales que foi o fundador da agremiação, Adolfo Caminha e Rodolfo Teófilo. (CORDEIRO, 2007).

Segundo Ponte “Boêmios e janotas deviam sentir-se como que em Paris enquanto sentavam nas mesas ao ar livre desses cafés e contemplavam fascinados o belo jardim no centro da praça” (PONTE, 2009, p.75).

Nas figuras abaixo, imagens dos quiosques do Café Comércio, Elegante e do Café Iracema respectivamente.

Café do Comércio

Café Elegante em 1908

Café Iracema em 1910. 

Nas palavras de Adolfo Caminha, no romance A Normalista o autor faz a seguinte afirmação:

[O]s cafés conviveram romântica e harmoniosamente com o pouco e lento movimento de cabriolets e bondes puxados a burro em torno da Praça, mas já não se coadunavam com o agitado séquito de pedestres, automóveis, bondes elétricos e caminhões dos frenéticos anos 20. (PONTE, 2010, p.65).


Loja Torre Eiffel.
Arquivo Nirez

Era nas praças que a sociedade se reunia para encontros nos bancos, um bate papo com os amigos e conhecidos, para admirar as vitrines das lojas que por sua vez tinham nomes franceses ou pelo simples fato de passar o tempo e imaginar-se na Europa.

Se a Praça do Ferreira passou por reformas no inicio do século XX, o mesmo ocorreu com a então Praça Marques de Herval, atualmente Praça José de Alencar, conforme afirma Silva e Filho (2004):

Em 1903, a praça é reformada na gestão do intendente municipal Guilherme Rocha, e ganha um belo jardim ornado de bancos, vasos, colunas, estatuaria, iluminação a gás e um coreto. Como preito ao chefe da oligarquia local, passa a chamar-se Jardim Nogueira Acioly. (SILVA E FILHO, 2004, p. 54).

Em seguida, alguns anos depois entra em cena na reforma da Praça Marques de Herval (Ponte, 2010) um novo equipamento que proporcionou encanto e impressionou a população, o Theatro José de Alencar.

O Theatro era a maior obra arquitetônica de Fortaleza de então e densa de significados artísticos e culturais. Era considerado um dos mais belos do país, sua estrutura toda metálica em estilo art noveau, ficou a cargo da empresa escocesa Walter McFarlane & Co., o teatro representava progresso e era símbolo da modernidade que se instalara na capital, até os oposicionistas do então presidente do Ceará, Nogueira Accioly, “tiveram que reconhecer a beleza da nova casa de espetáculos [...]”. (PONTE, 2007, p.181).

Estes logradouros tiveram um grande papel na representação daqueles belos tempos, porém quando este período entra em decadência na década de 20, na gestão do prefeito Godofredo Maciel, os jardins e os cafés tiveram que ser demolidos para que as ruas pudessem ser ampliadas e o espaço urbano remodelado novamente para dá passagem aos automóveis e demais equipamentos.


Parte I

Parte II


Crédito: Artigo 'As atividades de lazer na Fortaleza Belle Époque' de Kamylla Barboza Evaristo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: