Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 18 de abril de 2013

Colégio São João - Avenida Santos Dumont


A belíssima casa, na época da foto ainda era residência de Adolpho Quixadá, que promoveu um luxuoso Garden Party oferecido ao Clube dos Diários
Acervo Carlos Juaçaba 

No final da Segunda década do século passado, foi construída essa linda casa que ilustra a primeira foto, era a Vila Quixadá, que ficava na Avenida Santos Dumont nº 1169, construída por Adolfo Quixadá para sua residência. Após alguns anos foi alugada ao governo estadual que a usou como residência do Presidente do Estado.

Vila Quixadá, casa de Adolfo Quixadá e depois foi residência do presidente do Estado. 


Em 1930 a casa volta às mãos da Família Quixadá e nela inaugurava-se, no dia 6 de março o Ginásio São João, dirigido pelo professor César de Adolfo Campelo. 
Em 1940, a casa pertenceu ao banqueiro João Gentil.
Em 1943 abrigou o colégio do professor Odilon Gonzaga Braveza* e recebeu o nome de Colégio São João.



Acervo de Tânia Maria Sousa



Em 1976, o colégio foi vendido para a Organização Farias Brito, mudando o nome para Farias Brito-Aldeota/1.

A Casa já ocupada pelo Colégio Farias Brito. Acervo Renato Pires



Depois a casa foi vendida e em seguida demolida, sendo levantado no local um novo prédio que abriga hoje um supermercado do Grupo Pão de Açúcar, que como forma de homenagem, é conhecido como "Pão de Açúcar São João". Inclusive, o supermercado conserva em seu interior uma foto do colégio.




Foto do 1938 do Ginásio São João que tem em seu lado esquerdo o campo de esportes. Na avenida, calçada com paralelepípedo, vemos os trilhos dos bondes elétricos, cuja fiação está nos postes da Light and Power. Do outro lado, os postes da telefônica. 



Fachada do antigo Ginásio São João na Santos Dumont. Foto tirada no interior do jardim do sobrado da família Brígido em 1942. Acervo pessoal de Marrocos Anselmo Jr

"Sábado, inverno, começo de noite.

Parei o carro lentamente no estacionamento e quase que de forma mecânica dirigi-me ao supermercado.

O céu anunciava mais chuva que viria a acompanhar o sereno fino já caindo desde o meio-dia. Fortaleza estava fria, era abril.

Entrei rápido e logo peguei um carrinho. Não demorou encontrei um colega. Perguntou-me pela graduação e faculdade, respondi e soube também um pouco de como ia sua vida. Depois de alguns minutos de conversa, ele levantou o queixo numa direção como a apontar, olhei rápido e não pude me conter com o que vi.

Acima de um balcão de conveniências, precisamente na parede atrás, estava uma grande foto da entrada do Colégio São João.

Só então me situei. Estava no Pão de Açúcar São João, local do antigo colégio onde na década de 80, havia feito o científico.

Ginásio-Colégio São João-Álbum Fortaleza 1931


Pensei no lugar que ora pisava, quase sagrado para mim. Acho que no passado estaria no que foi a secretaria, atualmente secção de frios e laticínios.

Olhei novamente a foto. Soube pelo amigo que havia sido posta a pedido de um ex-aluno. Vi a escada de entrada que levava à secretaria, tantas vezes subida por mim, o portão à esquerda, que barrava quem chegasse fora de hora. Foto grande em preto-e-branco, mas de boa qualidade. Como dizem os chineses uma imagem vale mil palavras e como essa frase valia para mim naquele momento. Após alguns minutos despedi-me, e com uma certa urgência fui abastecer-me. Ao sair do estacionamento senti-me tomado por uma branda nostalgia.


Às vezes o tempo passa tão rápido que sequer dá trégua para nos acostumarmos com as mudanças, pensei.

Naquela noite sonhei estar no colégio São João, era intervalo, conversávamos animadamente, enquanto o vento balançava a grande árvore que havia no centro do pátio. De repente o sinal para o início do segundo tempo tocou. Acordei de súbito com o barulho de um forte trovão.


Era só um sonho em uma noite chuvosa e fria. Deitei-me e procurei conciliar-me novamente com o sono, logo tudo foi apagando, e o som forte dos pingos da chuva foram ficando mais e mais distantes até finalmente tudo silenciar inclusive as lembranças que teimosa minha memória luta em preservar.

Bérgson Frota
(Escritor, contista e cronista)
_________________________________
Artigo publicado no jornal O POVO em 05/04/2008.

Fatos Históricos


Foto de 29 de julho de 1917 - "Banquete na Villa Adolpho Quixadá (que se tornaria o Colégio São João e depois seria demolida para a construção do Pão de Açúcar Santos Dumont).  De propriedade do meu tio-tataravô Adolpho Quixadá. O primeiro à direita é o Sr. Alfredo Salgado, o segundo à esquerda é o Dr. Eliezer Studart da Fonseca. Ao fundo, segurando um centro de mesa, Adolpho Quixadá, tendo ao seu lado o então tenente Cesar Monte de Almeida, casado com a irmã de sua esposa, que a família chamava de Menininha; Dona Esther Salgado Studart da Fonseca, filha do Dr.Eduardo Salgado (irmão do sr. Alfredo Salgado, que não foi identificado na foto). Foto e informações cedida pelo meu primo Adolpho Quixadá, neto do anfitrião. Se não me engano, toda a porcelana está na casa do meu primo, faltando apenas uma peça. E esse ano o registro se torna centenário."  Sérgio Quixadá


Formandos do Colégio São João em solenidade realizada no Náutico Atlético Cearense em 06 de dezembro de 1963. Acervo pessoal do amigo Marcelo Bonavides

Vemos a casa de Adolpho Quixadá, que depois de algumas modificações, 
se tornaria o Colégio São João.
"Tempos depois seria construída uma enorme garagem (que depois
seria transformada nas salas de aula do colégio) e belos jardins. 
Ele tinha uns 10 ou 12 automóveis com motoristas uniformizados, 
com calças culotes, botas cano longo e quepes. 
Quando a energia de Paulo Afonso não chegava ainda em Fortaleza,
ele deu uma festa nos seus jardins iluminada por milhares de 
lâmpadas. Essa casa, antes de se tornar o Colégio São João, se
tornou a casa de veraneio dos governadores. Foi tombada pelo 
patrimônio e depois literalmente tombada para a construção do 
Supermercado Pão de Açúcar da Santos Dumont." Sérgio Quixadá

 (13220 bytes)Em 06 de março de 1930, começa a funcionar o Ginásio São João sob a direção do professor César de Adolfo Campelo, na avenida Santos Dumont nº 1169, no bairro Santos Dumont (Aldeota) na antiga Vila Quixadá, casa construída por Adolfo Quixadá e que foi usada como residência dos presidentes de Estado.

 (13220 bytes)1940 - A maravilhosa residência passa para as mãos do grande banqueiro João Gentil.

 (13220 bytes)Em 02 de fevereiro de 1943, o antigo Ginásio São João passa a denominar-se Colégio São João, pertencendo agora ao professor Odilon Gonzaga Braveza.


 (13220 bytes)Em 1976, foi vendido para a Organização Farias Brito, mudando o nome para Farias Brito-Aldeota/1. Depois foi vendido ao Grupo Pão de Açúcar que demoliu e construiu uma de suas lojas com vasto estacionamento na frente. Fica em frente ao Hospital Gênesis. 

 (13220 bytes)09 de setembro de 2002, morre o professor Odilon Gonzaga Braveza (Odilon Braveza), às 18h, vitima de uma embolia pulmonar.
Tinha 91 anos e continuava trabalhando normalmente no Colégio Odilon Braveza, onde era diretor.
Seu sepultamento realizou-se às 10h, no Cemitério Parque da Paz, após missa de corpo presente.
Nascera em 25/03/1911, em Pacoti.
Era formado em Ciências Jurídicas e Sociais, pela Faculdade de Direito do Ceará.
Foi diretor do Colégio São João e do Colégio Estadual Liceu do Ceará.
Fora agraciado, em 1995, com o Troféu Sereia de Ouro.
Era detentor do Título de Cidadão de Fortaleza e da Medalha Justiniano de Serpa.

A foto mostra a loja do Supermercado Pão de Açúcar São João com seu extenso estacionamento e muitas árvores que deste ângulo dificultam a visão do novo prédio.


Imagem capturada em 2014

*O educador Odilon Gonzaga Braveza era cearense de Pacoti com mais de sessenta anos de exclusiva dedicação ao Magistério. Diretor por 48 anos do extinto Colégio São João, fundado em 1930. Braveza foi ainda diretor do Colégio Liceu do Ceará. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Ceará, ostentava, ainda, diplomas de Química, e Ciências Físicas e Naturais. Em 1995, patrono e diretor pedagógico do Colégio Odilon Braveza, pertencente à Organização Educacional Farias Brito.


"Romântico, admirador do belo e sensato, repetia já no fim de sua longa estrada, que seus amigos eram as pessoas do Colégio São João e sua família. Deu-se ao luxo de reservar-se a ficar só, afirmando: "Meu verdadeiro amigo mora dentro de mim".



Em 1995, por intermédio de indicação do excelentíssimo Sr. Adauto Bezerra, o professor Odilon Gonzaga Braveza foi agraciado com o troféu Sereia de Ouro, do Sistema Verdes Mares de Comunicação, da Fundação Edson Queiroz.



O professor Odilon Braveza exerceu suas funções de mestre até o último momento, sendo considerado o professor mais antigo do Brasil em atividade, aos 81 anos de idade, à frente da Instituição que leva seu nome: Colégio Odilon Braveza, da Organização Educacional Farias Brito." 

Antônio Marrocos Anselmo



Fontes: Cronologia Ilustrada de Fortaleza  de Miguel Ângelo de Azevedo, Portal do Ceará, Blog Suaveolens e Jornal O Povo.
Fotos do Colégio: Arquivo Nirez
Foto do professor Odilon: Blog Col. São João



6 comentários:

  1. Oi Leila. Há muito que aqui não vinha e hoje lembrei-me de uma coisa. Tens de conhecer o blog da Lúcia Bezerra de Paiva de Fortaleza. O blog chama-se da cadeirinha de arruar. Ela agor está contando tudo sobre o Ceará, as ciadades de A a Z, como ela lhe chama. São pesquisas interessantíssimas assim como as de cá. Quem sabe vocês se conhecem?. Vou-lhe dizer o mesmo, que visite este blog. Um beijinho e obrigada pela partilha
    Emília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga, que maravilha vê-la por aqui, fico sempre feliz com a sua visita!
      Conheço demais o blog e a Lúcia, mas agradeço o convite, sinal q vc lembrou de mim, obrigada amada!

      Beijocas

      Excluir
  2. Olá Leila, sou leitor assíduo do seu blog, embora não manifeste presença com comentários, já o fiz uma ou duas vezes, é como um conforto para um cearense que vive distante de sua terra e também que viveu vários dos momentos que você cita, e de muitos tenho saudade. O Colégio São João eu conheci através de um primo, hoje reside em São Luis do Maranhão; terminamos juntos o primário no grupo escolar, no interior, no final dos anos 60, e tivemos, graças a Deus, a possibilidade de fazermos o ginásio na capital, com muita dificuldade... eu no Salesiano (Piedade) e ele no São João, ainda era no tempo do exame de admissão. É uma pena como as coisas mudam de forma muito rápida e às vezes nem sempre para melhor... Parabéns.
    José Walden

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi José Walden, boa tarde!

      Fico feliz de saber de sua assiduidade, sinto-me honrada!
      É muito bom receber comentários de pessoas que como vc, não vivem mais na terrinha e o blog ajuda a matar um pouco dessa saudade, q deve ser enorme!

      Agradeço demais o rico comentário!

      Forte abraço querido

      Excluir
  3. Parabéns pelo excelente registro textual e iconográfico de nosso querido extinto Colégio São João.

    ResponderExcluir
  4. Oi leila! É um delicioso passeio pela história do colégio São João, que nem conheci, mas nos remete a um tempo em que nossa cidade parecia mais acolhedora.

    ResponderExcluir