Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : As melhorias urbanas durante a seca de 1932 - Parte II [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

As melhorias urbanas durante a seca de 1932 - Parte II


Trecho da rua General Sampaio pavimentado a concreto. 
Foto do Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça

Conforme relatei no post anterior, durante a seca de 1932 Fortaleza foi agraciada com várias melhorias urbanas, tanto por causa da mão de obra barata, como pelos recursos atraídos do governo federal devido à seca. Outro aspecto da morfologia urbana que sofreu alteração nesse período foi o calçamento. Houve um investimento exorbitante do governo e de alguns setores capitalistas, nos anos de 1932 a 1934 em relação à pavimentação das ruas, e desenvolvimento de um novo calçamento. As ruas estando mais bem pavimentadas favoreciam o desenvolvimento do comércio e da indústria da construção civil, uma vez que nesse período várias cooperativas de construção se instalam em fortaleza, abrindo possibilidade até para o parcelamento de casa em várias prestações, refletindo uma expansão do crédito e aumento do capital financeiro.

Fortaleza era uma das cidades do Brasil de pior pavimentação. Depois do surto de renovação verificado nos últimos anos e que tem dado à capital cearense aspecto de cidade moderna, era triste ver como destoava do seu progresso a velha e antiquada pavimentação das suas ruas de pedra irregular, em péssimo estado de conservação e sem os indispensáveis serviços de escoamento das águas pluviais.
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 292.)

Esta situação é lapidar em relação aos interesses do governo. Ele utiliza o discurso do “progresso”, da “modernidade”, em contrapartida de uma cidade velha e antiquada, que tem por urgência ser pavimentada, remodelada, em que o serviço de escoamento das águas estava obsoleto, aliás, “nem existia”. O calçamento era feito de pedras irregulares, em péssimo estado de conservação, criando assim uma imagem de caos em Fortaleza antes dessas obras, como sendo indispensável modernizá-la. Mas os interesses do governo, e desse setor capitalista, tornam-se mais cintilante e ganha um sentido mais abrangente, ao observarmos a continuação do trecho citado acima.

A prefeitura, chegada a oportunidade, resolveu tão importante problema mandando abrir a necessária concorrência pública para a construção de dois tipos de calçamentos – a concreto e a paralelepípedo. [...] continua, revelando os interesses da burguesia [...]. Venceu a concorrência a firma Industrias Brasileiras Portela S/A que executou muito bem o seu contrato, cobrindo 10.000m² daquele primeiro tipo e 10.000m² do segundo. Aberta nova concorrência em janeiro deste ano, foi vencedor o Dr. Omar O`Grady; com quem foi contratada, de acordo com o edital de concorrência, a cobertura de.... 100.000m², distribuídos em três exercícios financeiros consecutivos sendo 25.000m² em 1934, 35.000m², e ....40.000m² em 1936. 
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 292.)

Com observação desta fonte, é possível inferir como essas obras representavam um lucro exacerbado para esse setor. Havia uma disputa pelas licitações, que demonstrava qual fração do capital tinha uma relação mais “íntima” com o governo. Nesse caso, o Dr. Omar O´Grady venceu a concorrência das Indústrias Brasileiras Portela S/A, e continuou com uma “ boa relação com o governo” durante mais três exercícios financeiros consecutivos até o ano de 1936. Essas melhorias também movimentavam um grande mercado da indústria da construção civil.


Até hoje, por conta da metragem do exercício em curso, foram construídos 2.217 m² de concreto e 11.614 m² de paralelepípedo, num total de 18.831 m². No período de janeiro de 1933 a esta data, se construíram 68.376 m² de calçamento comum em ruas menos centrais e reconstruídos 80.647 m², ou seja, 107.480 m², assim distribuídos:
Calçamento a paralelepípedo -------------------------------------------- 21.887 m²
Calçamento a concreto --------------------------------------------------- 17.217 m²
Calçamentos comuns ----------------------------------------------------- 68.376 m²
Total ---------------------------------------------------------------------107,480 m² 
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 292-293.)

Assim, essas reformas urbanas foram fundamentais para o desenvolvimento do circuito secundário da sociedade e da indústria da construção civil. Essa urbanização ocorreu concomitantemente à industrialização de Fortaleza, pois era necessário ter um aparato tecnológico desenvolvido para possibilitar a construção em larga escala, sem falar na mão de obra livre e barata das pessoas que vinham do campo e que, rapidamente tinham que se metamorfosear de camponeses em operários. Esses dados acima também mostram como o volume de melhoramentos foi intenso a partir da seca, e como algumas frações de capital souberam aproveitar o momento para ampliar sua margem de lucro e desenvolver suas indústrias.

A cidade de Fortaleza, ao mesmo tempo em que era a mais desenvolvida do Ceará, e que tinha uma maior industrialização, uma maior rede de comércio e uma maior urbanização, também passa a ser o lócus das contradições de classes, onde existiam vários sujeitos disputando os seus espaços. Daí o medo do governo e dos grupos privilegiados no que se refere ao controle social dos retirantes.
O governo, porém, continua a sua propaganda urbanista:

Como conseqüência natural do preparo da nova pavimentação, teve a prefeitura que estudar e construir as galerias de vazão das águas pluviais, serviço de que a cidade se ressentia quase totalmente. Correspondentes aos trechos cobertos com calçamentos a concreto e a paralelepípedo, foram construídos 724 metros de galeria, as quais produziam resultados magníficos durante o ultimo inverno, ficando assim provada a sua eficiência. 
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 294.)

Fortaleza, a partir da seca de 1932, virou um verdadeiro “canteiro de obras”. Ainda foi feito nesse período um serviço de colocação de meios-fios, no qual a prefeitura aproveitou para fazer propaganda do seu governo, comparando com o governo anterior. Portanto, as melhorias eram utilizadas das mais diversas maneiras possíveis, desde a propaganda do governo, lucro da indústria da construção civil, valorização do capital imobiliário, até o controle social dos retirantes através do trabalho. Podemos perceber como a seca contribuiu para aumentar a quantidade de obras na cidade, se observarmos o quadro abaixo que mostra a quantidade de meio-fios que foram colocados na capital:

(Dados do Relatório do Interventor federal Carneiro de Mendonça).

Se compararmos o triênio anterior à seca, que foram construídos 15.028 metros, com o triênio da seca que foram construídos 28.984 metros, houve, portanto, um aumento considerável, e a administração Raimundo Girão, a partir de abril de 1932, ao assumir a prefeitura, não hesitou em considerar ser este resultado mérito de sua administração. Porém, diversos elementos contribuíram para isso, como a seca, que atraiu recursos, os retirantes servindo de força de trabalho barata e volumosa, o investimento de capital por parte de alguns capitalistas, e a industrialização de Fortaleza que estava mais desenvolvida.

Além dos serviços de meios-fios, galerias de vazão de águas pluviais, terraplanagem de dunas, construção de praças, Fortaleza foi dotada de um novo sistema de numeração, considerada no discurso oficial, como mais adequada ao aspecto de “cidade moderna”.

Através do Decreto municipal nº 75, de 31 de dezembro de 1932, modificou e normalizou a nomenclatura das ruas e logradouros públicos da cidade, até então incongruentes, desordenada e falha. Em consequência, foram colocadas e substituídas inúmeras placas e iniciado o serviço de numeração dos prédios, já tendo sido apostos mais de 18.000 números. 
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 294.)

Desta forma, a cidade passou por diversas reformas infraestruturais para torná-la mais “moderna”, ou seja, mais apta a desenvolver o capitalismo. Mudou-se até mesmo o sistema de limpeza pública que “foram substituídos por auto-caminhões convenientemente adaptados, as velhas carroças que desde tempos imemoriais faziam transporte do lixo domiciliar. Desta maneira o serviço é hoje feito com rapidez e eficiência, sem aquele aspecto moroso e antiquado.” - Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 297.

O Estado (interventoria e governo municipal) vai substituindo todos os aspectos mais rurais de convívio da sua cidade. O logradouro cada vez mais vai ganhando um aspecto urbano, apesar de parte da população que habita ainda ser rural. Os retirantes passam a viver numa cidade que apesar de participar do seu processo de produção, a enxerga como algo que lhe é “exterior e estranho”, não usufruindo dos seus benefícios. Sendo eles deslocados para os subúrbios, favelas, distante das elites e do convívio social. Esses trabalhadores construíram um espaço urbano “moderno”, e não puderam ser beneficiados com seu uso, abrindo possibilidades para que as classes abastadas e setores capitalistas legitimem-se como sujeitos do processo, criando discursos como: “a modernização de Fortaleza foi realizada pela elite”; “o governo do Raimundo Girão urbanizou Fortaleza”, dentre outros.

Jornal a Razão em visita ao Morro do Moinho em 1936, local para onde foram deslocados alguns retirantes da seca de 32.

Uma parte da historiografia do Ceará legitima Adolfo Herbster, Silva Paulet, Nestor Figueiredo, sujeitos criadores da cidade, como se um processo complexo como a construção de uma cidade se resumisse a um conjunto de ideias e/ou projetos frutos da intelectualidade de uma plêiade.

A propaganda sobre as melhorias da cidade que, segundo os grupos dominantes estava se tornando moderna, continua. Agora é em relação ao Horto Municipal da cidade:

Continua tendo o maior desenvolvimento o Horto municipal, como a prefeitura pôde construir e refazer os seus jardins, arborizar ruas e logradouros e fornecer a quase todas as municipalidades do interior do estado. Infelizmente a sua atual situação é de todo inconveniente. Era pensamento do governo municipal localizá-lo nos terrenos adquiridos pela prefeitura a empresa Matadouro [...] aponto, o que para a prefeitura, seriam as vantagens [...] Além da excepcional localização e da fertilidade da baixada, a instalação do Horto, ali, terá a vantagem de contar com o adubo e o barro provindos do Matadouro, sendo quase nulas as despesas de transportes.
(Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 296.)

A prefeitura se demonstrou tão interessada em transportar o Horto para as proximidades do Matadouro, que na época ficava localizado próximo à lagoa do Tauape, que é plausível questionar os interesses em questão. As vantagens apontadas pelo governo sobre o terreno são tão explícitas e “convidativas” que se poderia pensar que se tratava de valorizar o terreno próximo ao Horto.
No entanto, o que é mais importante notar, é que as obras em Fortaleza não paravam de serem executadas. “No espaço de tempo compreendido entre janeiro de 1933 e esta data, foram abertos treze(13) kilômetros de novas ruas, tendo sido levantados 2.180 metros de cerca de arame”. (Relatório do Interventor Carneiro de Mendonça p. 295.)

Veremos algumas dessas obras através das fotos do Relatório do Interventor federal Roberto Carneiro de Mendonça.

No Relatório do Interventor, boa parte das fotos são mostradas fazendo uma comparação entre o antes e o depois das melhorias. Com isso, fazia sempre uma propaganda positiva do Interventor e do Prefeito Tibúrcio Cavalcante ou Raimundo Girão, dependendo do período.
Era comum também no relatório fazer comparações, de maneira discreta, com a administração anterior, criando uma imagem negativa da cidade, antes das “melhorias urbanas”. No caso, a cidade era termômetro para se avaliar se a administração foi boa ou ruim. A cidade era compreendida apenas no seu aspecto físico, infraestrutural, tornando-se, portanto, a vitrine de propaganda do governo, que a utilizava sempre com o adjetivo de moderna.


Ponte do Jacarecanga depois de sua nova reconstrução.

O governo utiliza a reconstrução da ponte como mais uma das melhorias que deixou Fortaleza uma cidade moderna.  Percebemos melhor a propaganda do governo nessa citação:

A prefeitura teve necessidade de reconstruir a ponte de Jacareganga, a Avenida 5 de julho, que por força das chuvas torrenciais deste ano, quase veio a ruir completamente. Os trabalhos da reconstrução pode-se dizer consistiram em uma nova construção, porquanto, para corrigir os defeitos da obra anterior e os danos causados pela invernada, tiveram de ser levantados novos muros de arrimo, feito todo o piso, construídas novas balaustradas e outros passeios laterais. A ponte apresenta agora um aspecto moderno, amplo e agradável. (Página 288-289)


Pista de patinação construído no Passeio Público na administração Major Facundo.


Esta foto demonstra a suntuosidade do governo e da elite¹, que em meio a vários conflitos na cidade: seca, explosão demográfica, campos de concentração, saques dos retirantes, movimento em prol da constituinte, não se esqueciam de seus momentos de luxo e lazer. Esse também é mais um indício do aumento de verbas que chegava à cidade, devido à seca. A cidade era remodelada num ritmo acelerado, ou melhor, o centro da cidade e alguns bairros da classe abastada.

Em relação ao centro da cidade, se observarmos as fotos das suas principais ruas como a Major Facundo, a Barão do Rio Branco dentre outras, verificaremos a presença de automóveis, os edifícios começando a se verticalizar, sua pavimentação a concreto, todos os indícios de um centro comercial que se tornava efervescente e moderno.


Essas fotos nos dão um panorama de como era o centro da cidade de Fortaleza, ou melhor, algumas possibilidades da reconstrução do centro, partindo da perspectiva que essas fotos foram selecionadas para propagandear o governo.
Podemos questionar como eram feitas essas melhorias, visto que as fotos mostravam as melhorias já em estado de conclusão. No entanto, são poucas as fotos no Relatório do Interventor que mostram as obras em andamento e, por conseguinte, os trabalhadores em atividade, pois não era intenção do governo mostrar a que custo era feitas essas melhorias, sendo muito mais interessante para efeito de propaganda exibir os resultados.


Esta foto é uma das poucas que mostram os trabalhadores no processo de construção das melhorias. Ela se refere ao serviço da nova pavimentação da Rua São Paulo. Não podemos afirmar pela foto que aqueles trabalhadores sejam retirantes. Porém ela é bastante significativa, pois revela quem são os sujeitos que constroem materialmente a cidade. Percebemos na foto a presença de trabalhadores em atividade, e a quantidade de trabalhadores que era necessário na época para se pavimentar uma rua. Como todas as ruas do centro foram pavimentadas, remodeladas, junto com a construção de praças, pontes, e outras obras, temos uma noção da quantidade enorme de trabalhadores necessários para realizar esses serviços, visto que as obras foram feitas em período concomitante.

Em 1932, os campos de concentração e várias frentes de serviço procuravam prender o flagelado no sertão. Entretanto, muitos retirantes conseguiram chegar à capital, onde eram recolhidos e alocados em obras como a construção de calçamentos e prédios. Além disso, os retirantes também trabalharam em construção de estradas de ferro, na oficina do Urubu, que foi mantida durante todo ano de 1933.
É importante salientar o caráter contraditório da urbanização de Fortaleza, que privilegiou o centro e os bairros nobres, e acelerou o crescimento das periferias e favelas.

¹“A patinação era um desporto em voga, com o qual a Jeunesse Dorée aproveitava os passeios cimentados das novas praças para exibir-se”. Daí em se pensar em projeto de modernidade e não apenas de modernização. A elite cearense se espelhava nos costumes europeus, e queriam uma cidade não apenas com novos equipamentos modernos, mais com uma população “culturalmente moderna”. (Castro, 1988, p 216)


Leia também:
A Seca e a Modernidade da Capital
A Seca, o conflito político e a favelização da capital
Seca e Campos de Concentração em Fortaleza


Crédito: Artigo 'A produção do espaço urbano de Fortaleza à partir da Seca de 1932' de Rodrigo Cavalcante de Almeida.
Fontes: Relatório do Interventor Federal Roberto Carneiro de Mendonça 22/09/31 à 05/09/34. Arquivo Público do estado do Ceará/ CASTRO, José L. de. Arquitetura Eclética do Ceará. São Paulo, Nobel, editora da universidade de São Paulo, 1988: in Ecletismo na Arquitetura Brasileira. Org: ANNATERESA, Fabris.- São Paulo: Nobel; editora da universidade de São Paulo, 1988./ http://memoria.bn.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: