Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Ruas de Fortaleza - Mudanças (Major Facundo)



PRAÇA DO FERREIRA - MAJOR FACUNDO

 

A primeira foto é de 1936 e pela Rua Major Facundo vemos, por trás do bonde elétrico, a Casa Almeida, o edifício Majestic que tinha um bar, a Farmácia Pasteur, os escritórios de Luiz Severiano Ribeiro, o "Polytheama", o Menescal e na esquina, A Pernambucana. Em frente, o passeio, onde ficavam estacionados os ônibus, os carros de aluguel e onde havia os bancos de duas faces entre árvores e combustores de iluminação a gás. Depois, a praça propriamente dita. 

Para os que nunca viram, o veículo que vemos à esquerda na foto é um bonde elétrico, este fazendo a linha. "Via Férrea". Todos os bondes faziam ponto na Praça do Ferreira, com algumas poucas exceções.

Existiram pontos de bondes no primeiro quarteirão da rua Liberto Barroso e também na travessa Morada Nova, por trás da Assembléia Legislativa. O quarteirão da rua Liberato Barroso onde ficavam os pontos de bondes, foi aberto após 1934. 

Os bondes tinham duas frentes, davam tanto de um lado como do outro.
No final da linha, era virada a lança, que contatava os fios, os bancos, ficando o encosto como assento e vice-versa, o motorneiro passava para a outra frente e o bonde vinha na direção inversa, sem precisar fazer manobra.


A segunda foto mostra a odiosa praça construída na gestão José Walter e data de 1986. Já não existia o Edifício Majestic, que incendiou em 1955 e foi substituído pelo Edifício Lobrás, o Edifício São Luiz com seu cinema já existiam, inaugurado em 1958, os bondes desapareceram em 1947. No fundo, os edifícios Jereissati, que abrigou o Hotel Savanah e o Sul América.



A última foto (bem mais recente), nos mostra uma praça por onde não passam veículos pela Rua Major Facundo, o "Dudas Burger" atrai com grande placa. Adiante, a loja Marisa, o cine São Luiz persiste vivendo seus últimos dias e ao fundo, o Edifício Jereissati (Savanah) e parte do Edifício Sul América.

RUA MAJOR FACUNDO PRÓXIMO À ESQUINA COM RUA SENADOR ALENCAR


A foto antiga data de aproximadamente 1915 e mostra a firma Francisco Lima seguida da "Estrela do Oriente", e a Farmácia Francesa com seu Consultório Médico. Do outro lado da rua, o velho sobrado pertencente ao Barão de Ibiapaba, que se chamava Joaquim da Cunha Freire, comerciante de grande fortuna que se entregou à política chegando à vice-presidente da província por várias vezes. Nasceu em 1827 e faleceu em 1907.




Antes da foto atual e depois da mais antiga, ali estiveram muitas firmas como a Casa Cisne, Casa Aporto, Ferragens Silva, Armazém Caxias, Banco Industrial e Comercial Sociedade Anônima - BIC, etc. Do outro lado da rua, no velho sobrado, funcionaram no térreo o Cartório Pergentino e nos altos a Pensão América.

A foto mais recente guarda uma enorme quietude, mas é que foi colhida num domingo, única maneira de se conseguir hoje em dia colher algumas fotos do centro tão conturbado de nossa cidade. Da foto anterior só existe, na atual, quatro losangos que existiam na parte superior da fachada do Consultório Médico da Farmácia Francesa. Está hoje em cima da "Casa Fátima". No lugar das antigas firmas hoje estão a Casa da Bordadeira, a Casa Fátima, algumas casas fechadas e na esquina o Restaurante e Lanchonete Alteza. Do outro lado da rua, onde foi o sobrado do Barão de Ibiapaba, um prédio novo com uma grande agência do Banco Brasileiro de Descontos - Bradesco.

No lugar do combustor, um poste de concreto; em vez do calçamento, o asfalto; em vez da canalização embutida do gás carbônico, a fiação de alta-tensão da Coelce, no lugar dos letreiros ou pequenas placas indicativas das lojas, grandes marquises com imensos letreiros e propagandas que fazem parte da poluição visual de nossa cidade. 


RUA MAJOR FACUNDO ESQUINA COM RUA SENADOR ALENCAR 


A foto antiga é do final da década de 30, quando a moda em Fortaleza exigia uso do branco, a presença do chapéu e do guarda-chuva ou guarda-sol. Estamos em plena Rua Major Facundo, esquina com Rua Senador Alencar, olhando para o lado do sertão. Em primeiríssimo plano, uma esquina de calçada com dois postes, um de ferro, da "Light" e outro da "Ceará Gás" ou seja, um combustor a gás carbônico. Nota-se que apesar da presença do combustor, já existia a iluminação elétrica, pois vemos uma lâmpada incandescente no alto do poste.

Vemos a Farmácia Francesa e logo em seguida seu Consultório Médico. Seguem-se outras lojas, o edifício J. Lopes e, à distância, o Excelsior Hotel e o Majestic Palace.

Do lado esquerdo, a presença de um automóvel europeu, parece que um Anglia ou Prefect. Mais adiante, um Citroen ou DKW'. Atravessa a rua uma faixa alternada de anúncio da Casa Nova e, mais adiante, da exportadora de Tecidos Ltda. A rua ainda era pavimentada de concreto e a arborização ainda estava crescendo. Pés de "ficus benjamin" enfeitavam ciliarmente a rua.


 
A foto intermediária, da década de 1980, mostra o Edifício J. Lopes já muito sujo, os prédios antigos já reformados, modificados ou reconstruídos. É realmente uma transição entre a foto antiga e a mais recente.



A foto mais recente mostra o mesmo trecho já bem diferente após 60 anos. O asfalto hoje cobre o concreto da pavimentação; os tapumes de alumínio ou madeira cobrem as antigas fachadas; prédios novos substituem os antigos enquanto outros antigos permanecem; a posteação hoje é de concreto-armado e a iluminação pública é à base de vapor de mercúrio.

O edifício J. Lopes continua no local, mas à distância, além do Excelsior Hotel, vemos não mais o Majestic Palace, mas o Edifício São Luiz e o Edifício "Arára" (do INPS).
Na esquina, no lugar da Farmácia Francesa, o Restaurante e Lanchonete Alteza.


RUA DO MAJOR FACUNDO 



Estamos no primeiro quarteirão da rua Major Facundo, em duas fotos que distam nada menos de 108 anos. A foto antiga é de 1893 e foi feita para a Exposição de Chicago naquele ano, a outra é atual. A casa em primeiro plano do lado esquerdo era da família dos Mississipis, assim chamados por relação com navios à época da Guerra da Secessão nos EUA, com as janelinhas quadradas do sótão e os famosos "jacarés" para descida d'água. Foi remodelada por João Sabóia Barbosa em 1927. É a única casa do lado esquerdo que ainda existe embora bastante modificada, todo o restante foi demolido. O prédio em primeiro plano do lado direito era o sobrado que abrigava o "Hotel de France" e que depois foi reformado, crescendo tanto pela rua Major Facundo como pela João Moreira, além de ganhar mais um pavimento. Lá esteve por muitos anos o "Pálace Hotel" de Efrem Gondim e hoje está a Associação Comercial do Ceará.

Na foto de 1893 as calçadas são irregulares e a rua é pavimentada de pedras toscas. Pela rua estão carroças puxadas por animais, pessoas, porcos, etc. Dos dois lados da rua, combustores de iluminação pública a gás carbônico. Distante vemos o velho sobrado do Barão de Ibiapaba, que ficava na esquina com a rua Senador Alencar e que ruiu durante um dos invernos da década de sessenta. Bem distante vemos a copa de uma grande árvore que deve ficar na praça do Ferreira, onde divisamos o oitão do sobrado do comendador Machado que foi substituído pelo Excelsior Hotel.

A fotografia mais recente traz o antigo prédio dos Mississipis todo alterado, com portas largas, restando apenas as pequenas janelas do sótão para identificar, hoje ocupado por um bar de terceira categoria e um motel; o prédio do lado direito, antes ocupado pelo Hotel de France, que tinha dois andares e foi reformado para abrigar o Palace Hotel de Efrem Gondim, hoje tem três andares e é ocupado pala Associação Comercial (pelo menos é o que nos diz o letreiro na fachada).



Ao longe, prédios novos, principalmente edifícios altos já próximos à Praça do Ferreira, como o Edifício Ventura, Edifício Oriente, Edifício Salim, Edifício J. Lopes, Edifício Banespa, Edifício Jangada, Edifício América, Edifício Jereissati (hotel Savanah), Excelsior Hotel, o São Luiz, etc. A rua Major Facundo já foi rua Nova Dei Rei, da Palma e do Major Facundo, mas chegou a ser chamada de Rua do Fogo. O asfalto substitui a antiga pavimentação a pedras apiloadas, as calçadas receberam uniformidade e os fios e postes completam a diferença de época.

 
Foto do mesmo trecho, em cores


RUA MAJOR FACUNDO - PRAÇA DO FERREIRA


Estamos no canto sudoeste da praça do Ferreira, onde a Rua Major Facundo se encontra com a Rua Pedro Borges, ou melhor, onde nasce a Rua Pedro Borges. A foto antiga data de 1931.

O primeiro prédio da direita é o da Farmácia Oswaldo Cruz que ainda hoje está no mesmo local. Em seguida vemos, na foto antiga, a "Photo Ribeiro" após, a "Óptica Moderna" e ainda o Cine Moderno (ver a marquise em forma de meia cúpula). Vemos também o bonde da linha "Via Férrea" lotado de estudantes do Liceu do Ceará, que na época ficava na praça dos Voluntários, em prédio no local hoje ocupado pelo edifício da Secretaria de Segurança. Notem que todas as pessoas presentes na foto trazem chapéu na cabeça, desde os estudantes no bonde até as crianças que trafegam pela calçada. Logo após o cine Moderno ficava "A Cristal", sorveteria.

Depois funcionaram no mesmo local alguns estabelecimentos que não mais existem, como o pega-pinto do Mundico, a Foto Salles, que hoje está na rua Barão do Rio Branco; o Armarinho Orion, as Lojas de Variedades, uma loja da Fortaleza Gás Butano, e mais recentemente tivemos ali a loja Samasa.

Na segunda foto (mais recente), vemos que permanece a farmácia Oswaldo Cruz, seguida da "Milano", uma casa de bingos e "A Esquisita". Ao longe, vemos o edifício "Arara", do INAMPS, e por trás dele, o Edifício Butano. O formato da calçada já é outro, com uma curva avançando para a praça, desde que o trânsito de carros deixou a Rua Major Facundo na praça.

O asfalto substituiu o calçamento; os trilhos e fios dos bondes já não existem; o poste de concreto está no lugar do combustor e a sinalização do trânsito se faz presente nos postes e no asfalto, além da poluição visual que impera hoje na cidade, sem falar na sonora que ali é patente, inclusive com um serviço de alto-falantes denominado "FM Centro", autorizado pela Prefeitura Municipal de Fortaleza contrariando seu próprio Código de Obras e Posturas.




Fonte: Fortaleza de Ontem e de hoje e Arquivo Nirez

7 comentários:

  1. Sou Cearense e moro no Rio há pelo menos 30 anos. Nunca voltei a cidade natal e sinto imensa saudade. Sou neto do Mestre Jeronimo e na infância pude ver uma das partidas e depois a chegada destes jandeiros que tão bem souberam chamar a atenção dos politicos mas infelizmente não tiveram seus desejos concretizados. Sua página é muito interessante, educativa, bela. Sou Francisco José e meu Email é: Franzevascao@ig.com.br (Esta fotos me levaram ao passado pois trabalhei na Rua Rufino de Alencar, 55 no posto Catedral e conhecia toda a capital.

    ResponderExcluir
  2. Leila, bom dia.
    Lí seu email e acredito que posso ajudar um pouco. Recebí algum tempo atrás, uma revista de circulação gaúcha cujo nome é: revista gol, onde destaca oito folhas tão somente para falar da odisséia desses bravos jangadeiros. A materia segundo a própria, foi cedida pela "revista nossa história" e tem fotos do acervo da família Edmar Morel. è destacada ainda, parte do diário de bordo e o trajeto feito por esses guerreiros do mar, tanto navegando quanto em terra sendo aclamados pelo povo, recebido pelo Sr. presidente Getúlio Vargas e toda a comitiva.
    Tentarei escanear e mandarei por Email. Caso não consiga, enviarei via correio com registro mas para isso, preciso de endereço completo. Caso queira entrar em contato meu fone é: 21 2446 2144 ou 8884 2144.
    Espero estar ajudando a preservar um patrimônio histórico que se perpétua até hoje, na vontade destes guerreiros em sobreviver.
    Abraços deste amigo.

    ResponderExcluir
  3. Espero que vc consiga mandar, pode zinpar pra facilitar o envio.
    No aguardo!!!

    Obrigada desde já!

    ResponderExcluir
  4. ESTOU A PROCURA DA FOTO DO PRÉDIO ANTIGO DA RÁDIO ASSUNÇÃO NA RUA VISCONDE DE SABÓIA. SE POR ACASO A ESTIMADA AMIGA DISPOR DA FOTO PERGUNTO SE PODES REPASSARA PARA celpaiva@oi.com.br/
    AGRADEÇO DE CORAÇÃO. ABRAÇOS FRATERNOS

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde!

    Não tenho a foto, mas vou entrar em contato com o querido amigo Assis Lima, dono do blog Tempos do Rádio (http://temposdoradio.blogspot.com/), para saber se por acaso ele não a tem em seu maravilhoso acervo.

    Um abraço e obrigada pelo comentário

    ResponderExcluir
  6. Mandei a foto por e-mail, espero que goste!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Leila!
    Hoje reviví uma sena que ocorreu comigo em 1953 no edificio J Lopes. Um meu irmão de mais idade, que vendia balinhas, foi tratar de negocios com a patroa a fornecedora de balinhas, e o fato é que pela primeira vez entrei num elevador com porta safonada e aconteceu, que quando tivemos acesso ao andar e andando na grande sala, pude ver duas coisas que me apavorava, a altura e o mar e air fiquei bastante incomodado...

    Agora Leila recentemente vi uma foto de um casarão estilo colonial e bastante recuado, que existia na rua Guilherme Rocha e sumiu. Fizeram uma confusão tão grande para não tombarem de fato a estação de Parangaba, devido o Metrôfor, e o casarão sumiu, e agora qual será a utilida da estação? Se servisse a sem teto vá lá!

    Um abraço

    ResponderExcluir