Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Os Gritantes Vendedores da Vila São José [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 10 de abril de 2018

Os Gritantes Vendedores da Vila São José


Era gostoso o amanhecer na Vila São José nos dias de verão. A estrela D’alva ainda não tinha sida ofuscada pelo alaranjado raio do astro-rei, dando-se para ouvir o suar das ondas em dias de mar bravio no Pirambu; ouvia-se o sussurro deliciante do refrescante vento assobiando no encontro da instalação elétrica dos fios da então Conefor (hoje Enel); pela inércia a compressão eólico fazia deitar galhos finos das árvores mais altas. O barulho só começava às 6 h quando a Fábrica São José iniciava suas atividades nos teares (tecelagem) e os trens suburbanos da RFFSA apitavam, e aí começava a poluição sonora, mandando paulatinamente ir embora o sossego noturno.
Os pássaros rolinhas (caldo de feijão e cascavel), com seu melancólico e redundante cântico de modo uníssono, se alegravam pousados na linha telegráfica do trem na linha de Baturité, nos impondo responsabilidade. Agora, tinha algo atípico que culminou em típico na cultura peculiar de nossa Vila Operária.

Os Gritantes vendedores de porta. O primeiro era o homem da tapioca: “Tapiiooooca”. Por muitos anos ouvi essa voz, mas eu estudava no Grupo Escolar Sales Campos no turno da tarde; não via meu pai sair para o trabalho e minha mãe fazia tapioca também. Se levantar cedo pra que? Na rede ficava. Um dia por curiosidade e lembro que até espantei minha mãe. Saí pra calçada e de calção, assanhado, declinei meu olhar para a Rua Coronel Philomeno, e o homem ainda ia passar. Ele estava na rua Dona Bela quando subitamente entrou um cidadão alto, moreno, chapéu de palha e um caixote todo forrado com palhas de bananeira. Era o tapioqueiro. O homem da verdura só vinha perto das 7 horas. Esse eu vi e reconheci, pois era o pai da secretária do lar (seu nome agora me escapa), mas trabalhava na casa do Wilson Buchão que era gerente da desaparecida Lanchonete Miscelânea na Praça do Ferreira, vizinho ao Posto Mazine na Fortaleza antiga.

Sem hora prevista vinha o homem do “Meeeeeeeel”. Equilibrava com uma rodia um vasilhame tipo leiteira e vendia seu produto natural: “Hoje é de jandaíra, é das Italianas” e por aí ia. Hoje a nutrição policia-nos devido doenças tipo diabete. Ao meio dia e já fardado para ir ao Grupo Escolar (eu cursava a 3ª série do primário - 1968), então chegava o Fedorento do Picolé. Foi rotulado por esse apelido, devido o causticante sol que o fazia transpirar sem a assepsia nas axilas. Era um quarentão de pele morena, e que estacionava a carroça debaixo do único Fícus-benjamim existente na Vila São José, e que fora derrubado em 1975. Falo com precisão porque essa árvore, plantada em 1926, ficava defronte ao numero 43, na Rua Coronel Filomeno, meu berço. A exata, nessa hora a colossal chaminé da Usina São José expelia a descarga da caldeira que ficava na estamparia, e no céu da Vila ficava uma nuvem de fumaça branca não poluente, que devido a altura não atingia as casas, mas que vivenciávamos uma espécie de eclipse, pois o dia mudava de cor. A noite tinha mais dois vendedores de picolé. Um que dizia: “ Mel, mé Mel” e era distribuidor dos gelados da Sorveteria Gury; O Ceará era o outro que largava a carroça e começa a se estrebuchar no chão, quando alguém dizia que ele era torcedor do Fortaleza, rivalidade no futebol cearense. Antes de passar a Novela Antônio Maria com Sérgio Cardoso na TV Ceará Canal 2, emissora única e afiliada da Rede Tupy de Televisão, vinha o vendedor de chegadinho e a sua chamada era com o triângulo.

Eram folhas crocantes de trigo e outros produtos que pareciam folhas de pé de castanhola assadas. Aos fins de semana tinha o pipoqueiro que morava na Rua Padre Mororó, quase defronte ao Santa Cruz Sport Club. Sua chamada era: “Pipoqueirooooo, chegou o cheiroso!!!”. A noite era o vendedor de Algodão doce. Como ele pouco falava, levou pela corriola o nome de “Caladinho”. Eram demais as opções de vendas e a Vila São José era movimentada. Os nossos pais que se aguentasse. Naquele tempo se dizia: Trabalhar por conta própria, hoje é Integrante do mercado informal. Todo trabalho é digno, e não fazia vergonha gritar pra vender, diferentemente de hoje, que para vender é preciso ter público alvo, logística e custo benefício. O trabalho hoje exige uma formatação, uma didática. Milhares de brasileiros se contentam com empregos mesquinhos, parcos salários e condições de vida inferiores, porque levam uma existência por hábitos de negligência, inexatidão, impontualidade, tudo pela falta de vontade, Mas era bom naqueles anos no final da década de 1960 e em ênfase para os meninos travessos que, nasceram e cresceram na inesquecível Vila São José. Quem hoje chega lá, se lembra do último parágrafo do romance Iracema de José de Alencar: TUDO PASSA SOBRE A TERRA.

Texto: Assis Lima

Leia também:

Vila São José


Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio






Ilustrações:
casinhas: GooseFrol
Vendedor: S.Martinho
Pipoqueiro: PintarColorir

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: