Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Rua Padre Mororó - A rua e o padre


Rua Padre Mororó em 1943 - Arquivo Nirez

"Fotografo de costas para o sertão e de frente para o Pirambú. Logo mais a frente, no final da rua, à esquerda, está o Cemitério São João Batista. Fotógrafo no cruzamento das ruas Pedro Pereira com a Padre Mororó.
Esta casa à esquerda era uma belíssima chácara pertecente ao Dr. Jadir Weyne, filho de um grande cearense, Álvaro Weyne. Hoje esse trecho está quase todo descaracterizado.  A chácara do Dr Jadir hoje é uma Cooperativa.  A maioria das casas hoje deram espaço a bares, restaurantes, oficinas... Este Ficus à direita ainda está lá, cada vez mais bonito e frondoso. O fotógrafo estava em frente à Padaria Modelo, que ainda existe, desde 1930."  Nirez

Conforme registrado no livro Idéias e Palavras, na época em que o bairro Arraial Moura Brasil, se chamava Morro do Moinho, e a rua Governador Sampaio, era o Beco da Apertada Hora, a atual Rua Padre Mororó, era chamada de Rua São Cosme.
Em 29 de outubro de 1890, todas as ruas e avenidas de Fortaleza, por resolução do Conselho da Intendência Municipal, passam a ter números no lugar de nomes, modismo que durou alguns meses.
A rua Padre Mororó passou a ser a
 Rua Nº16.
Outros exemplos: a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) passou a ser a Rua Nº 1; o Boulevard Duque de Caxias, Travessa Nº 1, etc.

No dia 28 de abril de 1891, a Sessão do Conselho torna sem efeito a resolução do dia 29/10 do ano anterior, que mudou os nomes das praças e ruas, retirando nomes próprios e colocando nas ruas números, voltando todos os nomes anteriores.
Parece que o intuito era retirar todos os nomes próprios de todos os logradouros públicos.


Em 30 de abril de 1825, são executados por sentença da Comissão Militar, o padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó* (Padre Mororó), nascido na povoação de Riacho Guimarães (Groaíras) em 29/07/1778 e o coronel de milícias João de Andrade Pessoa Anta, nascido em Granja, a 23/12/1787. Ambos hoje são nomes de vias públicas em Fortaleza, Rua Padre Mororó e Avenida Pessoa Anta.


A Escola Moura Brasil na Rua Pe. Mororó, 189 - Acervo do Blog da Escola

A Praça do Muriçoca fica em frente a Rua Padre Mororó - Foto de Ápio

Prédio do DNOCS na Rua Padre Mororó - Foto de Ney Madeira

Fatos históricos da rua Padre Mororó





Cemitério São João Batista - Foto de Ápio


  • 18/novembro/1893 - Fundada em Fortaleza a Cal-Marmórea Cearense, de Álvaro Teixeira de Souza Mendes e Manuel Vila Nova, na Rua Padre Mororó nº 27/27 (antigos), em frente ao Cemitério de São João Batista e também no km 73 da Estrada de Ferro de Baturité em frente à estação de Itapaí.

Rótulo dos cigarros Ideal Club - Arquivo Nirez

  • 1931 - A firma A. Beleza & Cia. Ltda., na Rua Padre Mororó nº 67 (antigo), lançou os Cigarros Ideal Club Cearense, onde aparecem na carteira (maço) a bandeira do clube e as instalações localizadas na Avenida João Pessoa, nas Damas.

 Rua Padre Mororó - Foto de Ney Madeira


  • 1935 - O português Manuel da Silva Praça estabelece-se com a Padaria Globo, na Rua Padre Mororó nº 1155, esquina com Rua Pedro Pereira. 


  • 23/junho/1955 - Inaugura-se o primeiro bloco da nova sede da Sociedade Cearense de Fotografia e Cinema - SCFC, na Rua Guilherme Rocha nºs 1264/1296 entre a Rua Padre Mororó e a Rua Luís Hortêncio, fazendo esquina com esta. A construção ficou a cargo do arquiteto Enéas Botelho


Rua Padre Mororó - Foto de J. Reginaldo C.  


  • 10/maio/1976 - Criado em Fortaleza o Clube do Chorinho, na Rua Padre Mororó nº 1072, por Raimundo Dias Calado (Mundico Calado). Com a morte do fundador, a família continuou as apresentações. 


  • 27/dezembro/2002 - Fundação, na rua que tem o nome de um rebelde da Confederação do Equador, o Padre Mororó, na casa em que morou um padeiro da Padaria Espiritual, o escritor Eduardo Sabóia, e o seu quintal dá comunicação para a casa do polêmico escritor Jáder de Carvalho, com endereço Rua Padre Mororó, 952, o Instituto de Filosofia da Práxis, que é um espaço de reflexão, discussão e divulgação da teoria da Crítica Radical, que defende o projeto da emancipação humana. 

Rua Padre Mororó - Foto de Ápio

Rua Padre Mororó vendo-se os muros do Cemitério São João Batista - Foto de Ápio

Praça do Muriçoca - Foto de Ápio

*Gonçalo Inácio de Loyola Albuquerque e Mello - O Padre Mororó

Mais conhecido como Padre Mororó, Gonçalo Inácio de Loyola Albuquerque e Mello, foi sacerdote, jornalista e revolucionário brasileiro.

Nasceu em Groaíras (então chamada de Riacho dos Guimarães), em 29 de julho de 1778 e morreu em Fortaleza, em 30 de abril de 1825.

Filho de Félix José de Sousa e Oliveira e de Teodósia Maria de Jesus Madeira. Era primo-irmão do padre Miguelinho e primo-tio de Tomás Pompeu de Sousa Brasil. Avós (paternos): Francisco de Sousa Oliveira Catunda e Tecla Rodrigues; Avós (maternos): Manuel Madeira de Matos e Francisca de Albuquerque e Mello. O pai do Pe. Mororó era do Norte Rio Grandense e sua mãe, era filha de português casado com uma Albuquerque (de Pernambuco). Gonçalo teve o sobrenome registrado o de sua avó materna.

Iniciou seus estudos no interior do Ceará, partindo, aos vinte e dois anos, para Pernambuco, onde se matricula no curso de Teologia. Ordenou-se sacerdote em 1802 no Seminário de Olinda, que segue orientação iluminista e com influencia na formação de idéias anti-absolutistas numa geração de jovens. No seminário teve como colegas Frei Caneca, Padre Miguelino e Padre João Ribeiro.

Exerceu a atividade religiosa em várias cidades do interior do Ceará, onde chegou a pregar contra a Revolução de 1817. Aos poucos, porém, começou a ter contato com as idéias liberais, graças à leitura do jornal Correio Braziliense.

Quando soube da notícia do fechamento da Constituinte de 1823, liderou o repúdio de Quixeramobim ao autoritarismo do D. Pedro I. Formou-se, então, o movimento que culminaria na Confederação do Equador. Utilizou-se como veículo de comunicação dessas idéias o Diário do Governo do Ceará, o primeiro jornal publicado no estado, cuja redação e direção coube ao Pe. Gonçalo Inácio de Albuquerque Mororó. Em pouco tempo o jornal deixou a condição natural de porta voz do governo para transformar-se em peça de artilharia da campanha por um Nordeste independente e que posteriormente se passasse para todo o Brasil.

 


O nome Mororó, surgiu por nacionalismo típico da época, assim como de muitos líderes revolucionários nordestinos, que substituíram os seus cognomes por nomes que lembrassem alguma coisa do país e traduzissem adesões a independência como: Araripe, Ibiapina, Arerê, Sucupira, Buriti, Anta, Sussuarana, Carapinima, Capibaribe, Montezumas e tantos outros. Era uma afirmação pública de nacionalismo, ou melhor, brasilidade. Dando origem assim ao sobrenome, que famílias locais posteriormente adotariam, buscando assim resgatar e manter viva a memória do mártir que sacrificou a sua vida em prol dos nordestinos.

 
Antigo Campo dos Mártires - Arquivo Nirez

Com o fracasso do movimento, foi preso e condenado à morte pela forca. Entretanto, a pena foi convertida em fuzilamento já que ninguém se prontificou a exercer a vil tarefa de ser o carrasco. Assim, Padre Mororó foi executado no antigo Campo dos Mártires, hoje chamado Praça dos Mártires ou Passeio Público.



Fonte: Blog Maracatu Fortaleza, Livro Cronologia Ilustrada de Fortaleza 
de Miguel Ângelo de Azevedo e Wikipédia

4 comentários:

  1. Elogiável site de prestígio para a Cidade de Fortaleza, exemplo urbanístico pionerio de Capital planejada, com perpectivas de vias públicas e parques em traçado paralelo. Guarda com reverência e respeito a memória de bravos e ilustres vultos da história do Ceará, nas placas de seus logradouros.Tradições, costumes e religiosidade se estimulam na memória viva dos seus filhos, perpetuando a instituição da família. Sucesso aos administradores para a importante missão deste site. Ney de Araripe Sucupira, pentaneto de Barbara de Alencar, bisneto do Major Carolino Sucupira, voluntário da Pátria e herói cearense na Guerra do Paraguay, sepultado e imortlizado em busto de bronze no Quartel do Exército do "12 GAC", na Cidade de Judiaí -SP .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita que honra a minha, fico lisonjeada por suas gentis palavras, nem sei se mereço tanto, mas fico agradecida de coração!

      Um caloroso e forte abraço

      Leila Nobre

      Excluir
  2. Eu tenho fotos da bezerra de Meneses antes da primeira reforma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mauro!

      Se puder e quiser colaborar com o site:
      fortalezanobre@gmail.com

      Excluir