Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Instituto de Humanidades - Colégio Nogueira



O "Instituto de Humanidades" foi o primeiro nome dado ao estabelecimento depois conhecido como Colégio Nogueira, fundado nos primeiros dias do mês de janeiro de 1904, nesta capital, à rua da Assembléa, com internato, semi-internato e externato e um vasto programa de ensino primário, médio e secundário.

Foi seu fundador o provecto professor Joaquim da Costa Nogueira que já havia fundado em Quixadá e Baturité outros institutos similares.

Procurando difundir tanto quanto possível o gosto pelas letras, entre seus alunos, o incansável educador fez publicar em 14 de julho daquele mesmo ano o primeiro número da "Revista Escolar", publicação esta que durou dez anos, sem solução de continuidade e que foi suspensa por motivo do bárbaro trucidamento do inesquecível moço José de Mendonça Nogueira, filho único do diretor, em outubro de 1914.

Somente em julho de 1925, a "Revista Escolar" reencetou a sua publicação, tendo, porém, de suspendê-la em outubro do ano seguinte, por falta de auxílio do Governo do Estado, conforme decreto nº 1682 de 30 de setembro de 1919.

Nos últimos anos a contar de 1910, passou a revista a ser editada em tipografia estabelecida ao lado do educandário, de propriedade e direção de José Nogueira, prestando assim grande serviço aos alunos. 


Alunos do Instituto de Humanidades visitam a capela de Nossa Senhora da Saúde no Mucuripe em 1913. Acervo - Nilson Cruz

Piquenique dos alunos do Instituto de Humanidades no Mucuripe em 1913 -Nilson Cruz

Fatos Históricos

  • 15 de janeiro de 1904 - Surge o Instituto de Humanidades, colégio de propriedade do professor Joaquim da Costa Nogueira. Era conhecido por Colégio Nogueira. Ficava na Rua da Assembléia nº 33 (antigo), mas logo se transferiu para a Rua Formosa (Rua Barão do Rio Branco) nº 88 (atual nº 936). Mudou-se em 1910 indo para a Rua Sena Madureira nº 113 (atual nº 854), em frente à Igreja Presbiteriana, na esquina com o Beco dos Pocinhos, onde hoje fica o Centro Empresarial Clóvis Rolim. Em 28/10/1914 seu filho, José de Mendonça Nogueira, é assassinado no sereno de uma festa no Clube dos Diários e o velho professor se desnorteia, passando a viver em função da memória do rapaz, que era um dos esteios da administração do colégio.

  • Em 28 de outubro de 1914 foi assassinado, na porta do Clube dos Diários, por Xisto Bivar, caixeiro da Livraria e Papelaria Cearense, o jovem José de Mendonça Nogueira, professor do Instituto de Humanidades do Professor Joaquim da Costa Nogueira, de quem era filho. O assassino foi absolvido no 3º julgamento.
  • Em 1918 o professor Joaquim da Costa Nogueira já refeito dos efeitos que lhe causaram a morte de seu filho em 1914, abre novo estabelecimento de ensino, o Colégio Nogueira, funcionando em prédio da Rua General Sampaio, atual nº 1148, prédio que fora sede do Tiro CearenseCom sua morte no dia 21/07/1935 desapareceu o estabelecimento.
  • 24 de janeiro de 1930 - O Colégio Nogueira, do professor Joaquim da Costa Nogueira, muda-se para prédio na Rua 24 de Maio nº 139 (antigo).
  • 21 de julho de 1935 - Morre, em Fortaleza, aos 68 anos de idade, o educador Joaquim da Costa Nogueira (Joaquim Nogueira), antigo diretor do Instituto de Humanidades fundado em 1904, e depois do Colégio Nogueira. Era cearense de Aquiraz nascido a 28/12/1866. É hoje nome de rua em Fortaleza.
  • 28 de dezembro de 1966 - Centenário do nascimento do professor Joaquim da Costa Nogueira. O governador Plácido Castelo, que foi professor do Colégio Nogueira, sanciona lei que lhe dá o nome a um estabelecimento criado no bairro de São GerardoÀs 17 horas, na Igreja São Bernardo, uma das frequentadas pelo Prof. Nogueira, o padre Jorgelito Cais de Oliveira, presidente do Conselho Estadual de Educação, celebra missa em memória do homenageado. Na sessão do dia 20, no Instituto do Ceará, o secretário deste, João Hipólito Campos de Oliveira, ex-aluno e ex-professor do Colégio Nogueira, evoca a figura do seu diretor Joaquim da Costa Nogueira, a quem considera um dos maiores educadores que o Ceará já teve.


x_3ba40364


Fonte: Álbum de Fortaleza -1931 e Portal do Ceará

8 comentários:

  1. Olá, gostei muito do artigo sobre o instituto de humanidades e sobre o professor Joaquim Nogueira, sou professor de história do estado, alias, parabéns pelo blog, você sabe se existe algum livro sobre ele especificamente? obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro, fico feliz em saber q gostou do blog! :)

      Sobre o livro, infelizmente eu não sei!¬¬

      Abraços

      Excluir
    2. Estou escrevendo a minha tese de doutorado sobre ele. Infelizmente, não existe nada sobre ele, a não ser uma ou outra informação. Estou buscando na família, já que é o meu bisavô.

      Excluir
  2. Leila Nobre, queria saber se este prédio mostrado na foto ainda existe e em que rua fica.

    ResponderExcluir
  3. Este prédio aí da foto ainda existe? E em que rua fica? Leila, tem informações deste prédio?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, bom dia!

      O Álbum de Fortaleza de 1931, não deixa claro, mas se levarmos em conta as datas, em 1918 o colégio estava localizado na rua General Sampaio, 1148 e em 1930 foi para a rua 24 de Maio, 139 (provavelmente o prédio da foto, já q o Álbum enfoca o ano de 1931).
      Já pesquisei a rua e não encontrei nenhum prédio parecido com o da foto, acredito q já não mais exista, infelizmente!

      Forte abraço e obrigada pelo comentário

      Excluir
    2. Não existe mais. Sou bisneta do Prof. Nogueira e estou escrevendo minha tese de doutorado em educação-UFC sobre ele. Infelizmente, minha avó vendeu, após a morte do professor e de Olívia.

      Excluir
    3. Daniele, vi uma tese sobre Joaquim nogueira doutorado de educação da ufc,bde 2010. A autora é ana glória Lopes da Silva. Talvez já conheça, mas fica a dica!

      Excluir