Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Bairro Dom Lustosa


O bairro de Fortaleza que vamos ver agora tem o nome de um bispo que se preocupou muito com o social e ajudou na criação de importantes hospitais.

No alto de uma ladeira, a simpática capela de Santa Luzia dá boas vindas a quem visita o bairro Dom Lustosa. A igrejinha, que foi construída pelos próprios moradores nos anos 80, é motivo de orgulho.


As terras que hoje compõe o bairro Dom Lustosa, faziam parte da Parangaba e nesta área transitavam os rebanhos de gado pela estrada Barro Vermenho-Parangaba. Esta estrada ligava o Barro Vermenho (Antônio Bezerra) - Parangaba. Deste período da história ainda é possível de ver o restante desta estrada, que agora é denominada Avenida Matos Dourado(mais conehcida como Perimetral)/Rua Rui Monte, o Sítio Ipanema e outras casas antigas que mostram o passado agrícola deste bairro.


Foto arquivo O Povo

Boa parte destas terras pertenciam a família Pompeu, nas quais ficavam as casa de veraneio da família. Na década de 60/70 de século XX, a família Pompeu, vendeu e loteou estas terras. Como parte deste empreendiemnto foi isntalada uma indústria de tecelagem(Politextil, depois Unitextil e atualmente Santista). Com a construção desta indústria a paisagem natural foi alterada e o riacho que afluía no riacho Alagadiço foi barrado e criou-se assim o Açude da Fábrica.

Com o surgimento e luta política do conselho de moradores do Parque Santa Lúcia(o antigo nome do bairro), o bairro desvinculou-se do bairro Henrique Jorge. Em 1978, com o status de bairro, este ganha um novo nome Dom Lustosa, uma homenagem ao antigo arcebispo de Fortaleza, Dom Antônio de Almeida Lustosa*.

O Pau da Veia

É uma das comunidades mais antigas do bairro e um dos locais mais conhecidos do bairro. Um nome que retorna a Dona Ana, uma moradora que tinha sua casa à margem do riacho Alagadiço ou riacho Genibaú, e que nos anos 50 do século passado, construiu um ponte rustíca de madeira. Com isto criou-se a conexão deste com o bairro Antônio Bezerra, que possibilitou aos moradores fazer suas compras ou vender produtos na famosa feira.

Agora é uma estrutura de concreto contruída pela Prefeitura de Fortaleza, mas a ponte original era apenas de troncos de madeira. A ponte original foi uma iniciativa de uma senhora idosa, e por isso ganhou este nome. 


Nos dias de hoje esta é uma ponte de concreto, mas os moradores guardaram na expressão Pau da Veia, uma homenagem a criadora da primeira ponte.

Outro ponto conhecido do bairro é a bifurcação, o encontro da águas do riacho Cachoeirinha com o riacho do Alagadiço, afluentes do rio Maranguapinho. E ainda o serrote da Vacaria.

A capela de Santa Luzia, bastante conhecida no bairro, foram os moradores que ajudaram a construir.

Ficheiro:Capela Santa Luzia.jpg
Capela de Santa Luzia, na Rua Coronel Francisco Bento, considerado um dos pontos mais altos do bairro

Com cerca de 14 mil moradores, nos dias de hoje o bairro abriga uma feira, na rua Professor Paulo Lopes, que acontece a cada segunda-feira.

Limites do bairro
  • Norte: Riacho do Alagadiço e Avenida Coronel Matos Dourado (com o Antônio Bezerra)
  • Sul: Avenida Senador Fernandes Távora (Henrique Jorge e o Autran Nunes)
  • Leste: Avenida Coronel Matos Dourado (Perimetral, com o Pici e o Henrique Jorge).
  • Oeste: Rua Cardeal Arcoverde, fazendo divisa com Autran Nunes.

Ficheiro:Ficheiro-Rua Eurico Medina.jpg
Rua Eurico Medina, uma das primeiras do bairro, nas proximidades da Avenida Perimetral

Acesso

O bairro tem uma linha de ônibus própria (205 - Dom Lustosa) que sai do terminal Antônio Bezerra, mas também há vários acessos feitos pela Av. Perimetral e pela Av. Senador Fernandes Távora, como 051 e 052 - Grande Circular 1 e 2 respectivamente, 041 e 042 - Av. Paranjana 1 e 2 respectivamente, 097 - Antônio Bezerra/Siqueira, Antônio Bezerra/Lagoa/Parangaba, a linha do bairro Henrique Jorge - 314 (que curiosamente passa pelo início do bairro), 045 - Conjunto Ceará/Papicu via Montese, 076 - Conjunto Ceará/Aldeotae 043 - Conjunto Ceará/Lagoa/Fernandes Távora.


Comércio

No Dom Lustosa são encontrados vários bares (alguns deles existem no local há muito tempo), a rede de farmácias Pague Menos e o supermercado Cometa da rede Super Rede, esses últimos localizados na fronteira com o Henrique Jorge. Também são encontradas várias locadoras e lan-houses, alguns mercadinhos populares, as academias Dinâmica e Irmãs Helena, a empresa de tecidos Unitêxtil, algumas lojas de roupas como Randelle e alguns apartamentos.

Ficheiro:Unitêxtil.jpg
Fábrica Unitêxtil, uma importante indústria no bairro

Instituições

Existem 2 (dois) colégios particulares, Fernão Dias e Getúlio Vargas, e 4 colégios públicos, Justiniano de Serpa (o popular "Maria da Hora"), Ayrton Senna, Paulo Freire (antigo Centro Educacional Demócrito Rocha) e Waldemar Alcântara. Além disso, a população do local ainda tem acesso ao Centro Social Urbano (CSU) César Cals, da Regional III, na fronteira dos bairros Dom Lustosa, Pici e Henrique Jorge, com postos de saúde e várias atividades esportivas e culturais, como natação e break dance. A capela foi iniciativa do padre Almeida. A senhora conhecida como MÃE BIA, filhas, netos e genro, são os verdadeiros fundadores da capelinha. A área foi adquerida junto a prefeitura, pois a faixa da quadra [ruas Francisco Bento, Araujo Lima e Macapá, uns 50 metros lhes pertence]


Quem foi Dom Antônio de Almeida Lustosa

Antônio de Almeida Lustosa nasceu em São João del-Rei-MG em 11 de fevereiro de 1886.

Ingressou na congregação salesiana no dia 29 de janeiro de 1905. Foi ordenado sacerdote no dia 28 de janeiro de 1912, em Taubaté-SP, pelas mãos de Dom Epaminondas Nunes d'Ávila e Silva, bispo de Taubaté-SP.

Como padre salesiano, ensinou filosofia e teologia. Foi mestre de noviços, diretor e vigário.
Ficheiro:Dom Antonio de Almeida Lustosa.jpg

Dom Antônio de Almeida Lustosa toma posse na Arquidiocese de Fortaleza no dia 5 de novembro de 1941.
Em 1952 Dom Almeida Lustosa participou da fundação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
Foi co-fundador do Instituto Josefino.
É o autor dos vitrais que ornamentam a Catedral de Fortaleza.

[Vitrais+Catedral.jpg]
Os vitrais - Crédito da foto: http://monumentoarquiteturaearte.blogspot.com
Participou da fase ante-preparatória do Concílio Vaticano II e do primeiro período (outubro – dezembro 1962) do Concílio.
Papa João XXIII aceitou sua renúncia no dia 16 de fevereiro de 1963. Passou ao título de Arcebispo de Velebusdus (sé titular), à qual renunciou em 1971, passando a ter o título de Arcebispo emérito de Fortaleza.

Dom Lustosa ao inaugurar as instalações da Ceará Rádio CLub
Dom Antônio de Almeida Lustosa, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza, benzendo as novas instalações da Ceará Rádio Club - Crédito da fotohttp://www.prenove.com.br
Morte
Dom Lustosa faleceu no dia 14 de agosto de 1974, aos 88 anos de idade, na casa salesiana de Carpina, Pernambuco, Brasil, onde viveu os seus últimos quinze anos. Está sepultado na catedral de Fortaleza, Ceará.

Foto publicada no Almanaque do Ceará, de 1941.  Crédito da foto: http://domlustosaiconografia.blogspot.com/

Em 1993 a Arquidiocese de Fortaleza abriu o processo canônico para sua canonização.
Em Belém do Pará, no dia 1º de janeiro de 2006 o Arcebispo de Belém Dom Orani Tempesta assinou o processo arquidiocesano, remetendo-o para Roma.

Pronunciamento de Dom Lustosa na Rádio Assunção Cearense

Como não evocar aqui em Fortaleza a figura admirável de Dom Antônio de Almeida Lustosa que repousa nesta Catedral e que deixou nesta Diocese a imagem luminosa de um sábio e de um santo. Possa a recordação destes irmãos, e de tantos e tantos outros, que nos precederam com o sinal da fé, estimular-nos mais e mais no serviço do Senhor."
Papa João Paulo II - Discurso aos bispos do Brasil. Fortaleza, 10 de julho de 1980



Fonte: Wikipédia, Tv Verdes Mares

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Arquivo Público do Estado do Ceará



O Arquivo Público do Estado do Ceará tem como função recolher, preservar e divulgar documentos de valor histórico para referência e pesquisa. São correspondências, processos, relatórios, inventários, mapas, plantas e diversos outros documentos, emitidos pelos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e, também, de particulares, desde 1703.



O Arquivo público do Estado do Ceará: instituição vivencia o permanente desafio de armazenar documentos que não param de ser produzidos. Dificuldades vão do espaço físico para armazenar os papeis às precauções contra a umidade e o fogo - Foto de Alex Costa

Dos documentos antigos existentes no Arquivo Público destacam-se: o atestado de óbito do Padre Cícero; as viagens de Matias Beck ao Ceará do século XVIII; o inventário de Tristão Gonçalves e de dona Ana Triste, sua esposa; registros de terras de Fortaleza, do Século XIX. O Arquivo Público emite certidões de documentos cartoriais e transações paleográficas de documentação histórica e monta exposições temáticas.


Exemplares raros de seu acervo


Criado em 1916, o Arquivo Público funcionava na Biblioteca Pública do Estado. A partir de 1921, fez parte da Secretaria do Interior e Justiça. Em 68, vinculou-se definitivamente à Secretaria da Cultura do Estado, embora tenha percorrido vários prédios antes de instalar-se, em 93, na sede atual.
O prédio que abriga hoje o Arquivo Público foi construído em 1880 pela família Fernandes Vieira. O Solar dos Fernandes é um casarão em estilo neoclássico, característico do século XIX, com 15 janelões no térreo e 19 sacadas no pavimento superior, que foi recuperado pela Secretaria da Cultura do Estado.



MISSÃO


Coletar, conservar e difundir a documentação de caráter permanente produzida pela administração pública na esfera executiva, legislativa e judiciária, bem como por instituições públicas e privadas consideradas de interesse público e social, visando preservar a história e memória do Estado.


O Arquivo Público é visitado por fortalezenses, cearenses, brasileiros e até mesmo estrangeiros que desejam ou necessitam conhecer a história do nosso povo. O Arquivo Público do Estado do Ceará abriga cerca de 32 quilômetros de documentos e funciona no Centro de Fortaleza.


Lá é possível pesquisar variados temas, como escravidão, seca, saúde pública, violência, formação política do Ceará, História da Educação, obras públicas, desenvolvimento econômico e urbano, entre outros.


ESTRUTURA 


Parcialmente instalado no Solar dos Fernandes Vieira (esquina das ruas Senador Alencar e Senador Pompeu), desde 1993, o Arquivo Público do Ceará foi criado oficialmente em 1932, inicialmente no Palácio da Luz. Após meio século de diversas mudanças, o acervo sofreu em sua conservação e organização. Ainda assim, a documentação é uma das mais completas dentre a de órgãos similares no País, sobretudo no que diz respeito ao Período Imperial.


Desde a última mudança, a sua antiga sede, na Rua Pinto Madeira, que deveria funcionar como arquivo transitório, local de triagem do material, vem sendo utilizada apenas como depósito de ‘‘um amontoado de papéis velhos, sem valor’’.


Essa é a definição do pesquisador André Frota para um acervo desorganizado, que não tem serventia para ninguém, uma vez que não tem como ser consultado. ‘‘Deve haver um movimento dialético entre o documento e o historiador’’, destaca.


Há também documentos de natureza particular, como é o caso do Acervo da Firma Boris Frères, que retrata a dinâmica das atividades econômicas do Ceará da segunda metade do século XIX a meados do século XX, e do Acervo Virgilio Távora, composto de variada documentação oficial e particular pertencente àquele eminente homem público que governou o Ceará com brilho e honestidade por duas vezes.


Através de uma política de modernização, elaborada de acordo com o novo Regimento, procura o Arquivo Público responder com eficácia aos desafios da modernidade que se lhe defronta, mantendo-se, porém, fiel ao passado cheio de tradições e glorias do povo cearense. Por meio da reorganização de sua vasta documentação, da preservação e informatização de seu acervo, procura o Arquivo Público garantir acesso ao expressivo número de professores, pesquisadores, estudantes e do público em geral que buscam a Instituição.


O Arquivo oferece serviço de pesquisa em documentos antigos

Sobre o Solar Fernandes Vieira:


Situado na confluência das ruas Senador Pompeu e Senador Alencar, o solar foi construído no 3º quartel do século XIX para a residência do deputado Miguel Fernandes Vieira (1819–1879). Adquirido em 1883 pelo Governo Imperial para sediar a Tesouraria da Fazenda, o edifício passou por diversas reformas e ampliações quando sediou instituições públicas, dentre as quais a Receita Federal.
Patrimônio da União, cedido pelo Contrato de Sessão e Uso do Governo Estadual, atualmente o edifício é ocupado pelo Arquivo Público.
A edificação possui dois pavimentos com planta retangular e suas fachadas têm marcações horizontais que definem a linha de piso do primeiro pavimento, além de marcações verticais, em formas de cunhais, em seus vértices. As fachadas apresentam ainda aberturas: portas e janelas, com vedações de fichas de madeira e bandeirola de ferro no pavimento térreo e esquadrias com caixilhos de vidro e venezianas formando balcões com guarda-corpo também em ferro fundido. O edifício apresenta uma platibanda marcada por frisos em todo o seu perímetro.
Protegido pelo Tombo Estadual segundo a lei n° 9.109 de 30 de julho de 1968.





Crédito: secult e Diário do Nordeste

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Farmácia Oswaldo Cruz




Há mais de 75 anos no coração de Fortaleza


Fundada em 29 de Maio de 1934 na Praça do Ferreira, foco central da cidade, de propriedade da da firma Hortêncio Mota & Companhia composta dos sócios: Benjamin Hortêncio de Medeiros, Murilo Hortêncio de Medeiros, Hortêncio Mota de Campelo Matos, Áureo Hortêncio de Aguiar, Artur Augusto Porto e Raimundo Paiva Mota, em prédio de propriedade de Plácido de Carvalho, construído em 1927.
Hoje pertence a Edgar Rodrigues de Paula.
 Foi a pioneira com manipulação no estado do Ceará.


Farmácia Oswaldo Cruz - Acervo Carlos Juaçaba

Na Oswaldo Cruz, a memória é preservada através de sua arquitetura e exposição de objetos farmacêuticos antigos.


Farmácia Oswaldo Cruz há 22 anos. Arquivo jornal O Povo  de 12/09/1989



As estantes dos medicamentos são de 1932 e o mosaico do piso é da década de 30 - Foto Antônio Ximenes

Em 1950 a empresa proprietária ficou em dificuldades financeiras e transferiu o controle da farmácia para outro boticário, Edgar de Paula. O novo proprietário nunca modificou nem a estrutura externa nem a interna da farmácia.




O setor de manipulação da farmácia foi reestruturado para atender as novas normas técnicas da legislação vigente, adequando-se aos padrões de qualidade exigidos. Possuem equipamentos de última geração, por isso conseguem produzir sua fórmula em até 1 hora.
Mas não é só com manipulação que a Farmácia trabalha, também possuem todo tipo de medicamentos industrializados, inclusive os Genéricos.


Farmácia Oswaldo Cruz, em 1952. Foto Arquivo Nirez


"O simples olhar em direção a fachada do prédio levou-me a uma viagem para 1934, ano em que oficialmente, foi inaugurada a Farmácia Osvaldo Cruz, ao lado da Praça do Ferreira. Chamou minha atenção a riqueza de detalhes arquitetônicos que pouco se vê nas construções de hoje em dia; e, é claro, uma certa sensação de angústia, por ver aquela Construção tão apertada, quase engavetada entre outros imóveis, testemunhando o progresso ao seu redor, com o barulho do comércio, a sujeira das ruas, a pressa das pessoas sempre indo a algum lugar sem mirar com atenção, o caminho que percorrem. Tudo isso é tão diferente do passado elegante do qual foi testemunha este Prédio tão importante para a história de nossa Cidade.
Os balcões ainda são os mesmos, de madeira, emoldurando um corredor central, com um piso tão bonito quanto a memória de quem já pisou por ali.
Os atendentes todos de branco, com suas becas, atendendo com uma atenção, uma educação, diria até, uma sapiência, que traria inveja aos médicos da atualidade. Todos os balconistas oferecem um serviço quase de aconselhamento religioso, influenciados, acredito, pelo clima sagrado que a antiguidade do recinto passa a todos que lá entram.
O referido Prédio foi construído por Antônio Rodrigues Ferreira (Boticário Ferreira), onde instalou sua “Botica”, na Rua da Palma, que hoje é a Major Facundo, e logo ficou conhecida como “Botica do Ferreira”, tão popular se tornou que, em 1871, deu nome a nossa “Praça do Ferreira”. Em 1932, a Botica foi vendida para Hortêncio Mota de Matos, e em 1944 foi repassado para Edgar Rodrigues de Paula, 3º aluno da 1ª Turma do Curso de Farmácia da Universidade Federal do Ceará. Estando em pleno funcionamento até a data de hoje..."  Antônio Ximenes


Foto de Lana Bleicher


Na onda da modernidade, você pode inclusive fazer seu pedido Online AQUI


Endereço da Oswaldo Cruz:
Rua Major Facundo, 576 - Centro 
Fortaleza - Ceará / (85) 3201.4754 
contato@farmaciaoswaldocruz.com.br



Créditos: Site da Farmácia, Cronologia Ilustrada de Fortaleza de 
Miguel Ângelo de Azevedo e Blog Janelas Falantes

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

PROCURA-SE Modoaldo Nogueira Albuquerque



Ano passado, conheci  Rita Algery, durante uma postagem sobre as inúmeras mudanças ocorridas nas ruas de Fortaleza.
Ela procura com afinco pelo tio, que sumiu no Paraná.

Modoaldo Nogueira Albuquerque, o professor Modoaldo, nasceu no dia 27 de Novembro de 1905. Morava na rua Senador Pompeu, 1285 (o prédio ainda pertence a família, mas lá não reside ninguém). Fundou em Fortaleza a Escola Nogueira, situada na Rua do Rosário ou Rua Assunção (Ela não sabe ao certo).


Em 1928, Modoaldo foi Para o Paraná na companhia de dois amigos cearenses, que depois de um tempo, retornaram para o Ceará, mas Modoaldo preferiu permanecer por lá.


A Rua do Rosário - Foto Google Earth

No Paraná, Modoaldo contribuiu muito com a cultura do estado, fundando Colégio na Lapa-Paraná, Ponta Grossa e Porto União. Fundou inclusive o Observatório Astronomico de Ponta Grossa.
Através de livros e publicações editadas no Paraná, é sabido que ele fundou um jornal na Lapa que parece ter sido retirado por policiais, mas não se sabe ao certo se foi isso mesmo que aconteceu, somente que depois desse ocorrido, não se teve mais nenhuma notícia dele, o ano era 1953.

Foto da época (Modoaldo com os dois cearenses que foram com ele e retornaram)

Sobre os amigos que partiram com Modoaldo para o Paraná, não se sabe nada, nem os nomes. Eles deviam morar também na Rua Senador Pompeu ou pelas proximidades. 

"Quanto aos  amigos  não sei  os  nomes  nem  a  familia,  creio  que  eles  moravam  perto. Lembro-me  quando   jovem  minha  avó  falava  que  eles eram  de  família  importante  aqui  de  Fortaleza. Eles  retornaram  a  Fortaleza  de  Curitiba,  mas  meu  tio Modoaldo  ficou  por  lá.  Aqui  ele  fundou  um  Colégio (diziam  que  era  pequeno)  perto  da  Praça da Polícia  Central"
Rita Algery

Foto envelhecida 30 anos da foto da época


Modoaldo estaria hoje com 105 anos. Rita esteve em Curitiba, encontrou três colegas de Modoaldo, mas devido ao avanço da idade, não tinham muitas lembranças, infelizmente!


Fotos da viagem de Rita:


Senhor Weiss e seu filho - O senhor Weiss, conheceu o professor Modoaldo, mas a devido a idade, ele não tem muitas lembranças daquela época.

Esse prédio que hoje abriga o Colégio Estadual São José, já foi o Liceu Lapiano, segundo um ex aluno (já falecido) de Modoaldo.

Esse muro, que por sinal é bastante  alto, foi construido a  muito  tempo. Aqui  havia  um  Colégio  de  Modoaldo e  também  um  Jornal que  se  chamava   Jornal  Lapiano que fazia oposição  ao  Governo.

 Nessa bela casa, funcionava o Açougue  do  pai do  Sr. Weiss  que  fica   defronte  ao  muro da  Rua  Barão do  Rio Branco. Hoje  funciona  uma   farmácia, a Farmalapa. Ainda  original.   

Nesse prédio, funcionava uma pensão, aqui morava  Modoaldo. A pensão ficava em frente ao  muro velho  aonde  funcionava  seu  colégio e  gráfica. Localiza-se na rua  Barão do  Rio  Branco, 1508. Hoje  funciona um Sindicato  da  Lapa.


"Todas  estas   5  fotos  são  em  Lapa- Paraná.  Todas  estas  informações foram  dadas  por  amigos  deles que  escreveram  para mim. Já  falecidos,  mas  guardo  os  jornais que  eles  me  enviaram." 
                                                      Rita Algery


Para terminar, a foto da Igrejinha da Lapa, que Modoaldo costumava frequentar:



Se você tem alguma notícia do que ocorreu com o professor Modoaldo Nogueira, ou sobre os amigos que partiram com ele, por favor nos escreva.


Se preferir, pode mandar um e-mail para fortalezanobre@r7.com

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Parajana chegou ao fim da linha...


Foto arquivo da Jangadeiro

O Parajana chegou ao fim! Isso mesmo, no último dia 11 de Janeiro, as duas linhas (1 e 2) foram extintas!
Como esse ônibus marcou a vida de muitos cearenses, a data não poderia passar em branco.
Para isso, o motorista  Tobias Cortez e o cobrador  Vanderlúcio Souza, tiveram a idéia de criar um blog, muito interessante por sinal, sobre os muitos "causos" ocorridos no coletivo.

Para quem usa o Twitter, pode trocar mensagens com o (@parajana) rsrs

Recebi um e-mail muito engraçado, que por sinal foi o fio condutor para essa postagem. Ri muito e resolvi compartilhar com vcs, divirtam-se:

UMA LINHA QUE FICARÁ NA MEMÓRIA!

1) “A maioria do meus anticorpos consegui no Paranjana.” 

2) “Foi uma coisa de outro mundo. 1ª vez que eu levitei!!!” 

3) “Os 300 de Esparta foram até Termophilas em um só Paranjana.” 

4) “Quando conseguia assento no Paranjana não sentava. Me ajoelhava para agradecer a graça alcançada!!!” 

5) “Paranjana foi praticamente a 1ª rede social de Fortaleza... Todo mundo se conhecia ali...” 

6) “Maiores mentiras da humanidade: “Nem Deus afunda o Titanic”, “o 3º reich durará mil anos”, “eu peguei um Paranjana vazio.”” 

7) “Cliquei em #paranjanafacts e apareceu ‘Twitter is over capacity’. Coincidência?” 

8) “Ao ver o número 041 se aproximando, o passageiro já vai se alongando...” 

9) “Uma vez eu peguei o Paranjana tão lotado que o motorista ia em pé e o trocador vinha atrás de mototáxi.” 

10) “Estar sentado na última cadeira e o motorista acelerar na subidinha da ponte do rio Cocó, só pra te fazer voar.” 

11) “Paranjana 1 e 2,os únicos conversíveis que andei. Andava só com os pés e as mãos dentro do ônibus, pendurado na porta...” 

12) “Capitão Nascimento perdeu a moral no Paranjana. Seu famoso “Pede pra sair” não surtiu efeito algum. 

13) “Definição da palavra Ilusão: “Pegar o Paranjana no terminal da Lagoa pra descer na Parangaba”.” 

14) “Depois do slogan da Ortobom, só vale pro Paranjana: 1/3 da sua vida você passa sobre ele.” 

15) “Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço: até Newton foi derrubado pelo Paranjana.” 

16) “Velocidade Máxima só não foi filmado no Paranjana porque se não o filme teria umas 8 horas de duração.” 

17) “Depois que conheci o Paranjana, nunca mais comi sardinha em lata. São como irmãs pra mim.” 

18) “Capitão Nascimento falou na parada do ônibus: “Não vai subir ninguém, hein!” De nada adiantou, todos correram para entrar no Paranjana.” 


 “Pode fechar motorista!” 




Crédito: Gracilene Teixeira (Obrigada pelo e-mail! )

Instituto do Ceará



Foto arquivo Assis Lima


Na rua Barão do Rio Branco, 1594, quase esquina com Avenida Duque de Caxias, ao lado da Praça do Carmo, existe um tesouro. É a instituição cultural mais antiga do Estado. A beleza do pequeno prédio de dois andares não o deixa passar despercebido. O Instituto do Ceará, foi destinado ao cultivo da História, da Geografia, das Letras e Ciências em geral, no Ceará. 

Foto de 17 de janeiro de 1951, quando no Instituto funcionou o Ginásio Municipal. Vemos da esq. para direita: O professor Geraldo Hugo Lira, o diretor Jacinto Botelho, professor Lauro de Oliveira Lima, professor Ferdinando Tamburini, o vereador Leôncio Botelho e o professor João César de Vasconcelos. Arquivo Nirez 

Seu atual prédio já foi a residência de Ananias Arruda, da Prefeitura de Fortalezaginásio municipal e pertenceu à Universidade Federal do Ceará. A estrutura sofreu reformas, tendo hoje uma parte original e outra mais recente. 
O local possui salas e auditórios com nomes de expoentes da cultura cearense. A sala dedicada a Capistrano de Abreu, considerado um dos cinco maiores historiadores do País, guarda seu objetos pessoais. O Auditório Pompeu Sobrinho, o mais amplo, possui capacidade para 170 pessoas e o auditório Barão de Studart impressiona, tanto pela quantidade de telas da galeria dos sócios fundadores e efetivos, quanto pela beleza de seu estilo rústico. Nos corredores, os móveis da época, mesas, cadeiras, escrivaninhas e objetos. Um espelho veneziano secular chama a atenção e uma sala se destaca com suas mil obras raras, doadas por Eurico Facó

Foto Diário do Nordeste

Dono de um dos maiores acervos em livros - 50 mil volumes - o Instituto do Ceará (IC) - Histórico - Geográfico - Antropológico - é referência para pesquisadores, estudantes e amantes da cultura, tendo o seu renome, dentro e fora do País, consolidado na preciosa coleção de estudo que é a sua Revista, publicada desde o primeiro ano até hoje sem nenhuma interrupção.

Foto Ana Carolina

Além de sua biblioteca, hemeroteca, mapoteca e arquivo, os quadros, móveis e pertences pessoais de vultos do passado deixam uma contribuição inegável ao Estado.

Raimundo Girão discursando no Instituto do Ceará

A tradição e a modernidade travam uma batalha constante no cotidiano de Fortaleza. Enquanto casarões antigos, palacetes e prédios que outrora foram o cenário de grandes revoluções culturais desaparecem - vítimas da ação do tempo e do esquecimento – ou dão lugar a novas edificações aos moldes da atualidade, algumas instituições resistem às intempéries da contemporaneidade e atravessam séculos, sem perder um bem precioso: a história.

Foto Deyvison Teixeira

Instituto do Ceará é exemplo de que é possível preservar a memória local fora dos museus, tendo o passado como alicerce, mas o presente como guia. Nesse lugar, não é preciso máquina para viajar no tempo. Basta adentrar aos largos corredores, subir as imponentes escadarias, sentar na mobília lustrada ou olhar pelos vitrais importados.

Foto Ana Carolina

Tudo é original, da época em que o prédio foi erguido. No Instituto do Ceará, portas, janelas e até mesmo o piso datam de mais de 80 anos atrás, quando o palacete Jeremias Arruda, que abriga o Instituto há mais de 40 anos, foi construído. “O Instituto do Ceará já passou por várias sedes, mas desde 1966 está aqui”, explica a coordenadora administrativa da instituição, Marines Alves.

 O Instituto do Ceará é um exemplo de adaptação aos novos tempos. O uso das novas tecnologias para compor um ambiente interativo no Memorial Barão de Studart é uma demonstração de atualização - Foto Ana Carolina

Fundado em 1887, o Instituto do Ceará foi a primeira instituição cultural do Estado. Ao longo destes 123 anos de atividades, como conta a coordenadora administrativa do local, ele passou por várias dificuldades, mas nunca chegou ao ponto de fechar as portas. “É uma instituição privada, sem fins lucrativos e de utilidade pública que oferece uma biblioteca com mais de 35 mil volumes históricos, geográficos e antropológicos”, informa.

A memória é o grande patrimônio do Instituto, mas isso não quer dizer que ele tenha parado no ontem. As traças da paralisia do tempo não sobreviveram à faxina do progresso. Em uma demonstração de adaptação ao presente, a instituição inaugurou em novembro de 2007, o Memorial Barão de Studart, o museu de exposição permanente mais interativo em toda a cidade.


Lá, a história de Fortaleza e do próprio Instituto do Ceará é contada com o auxílio da tecnologia. A visitação ganha um tom lúdico, sem perder a finalidade instrutiva, com sensores de movimento, recursos audiovisuais e iluminação planejada. "O objetivo do memorial é divulgar o acervo do Instituto. É para que o visitante conheça a exposição e se sinta estimulado a aproveitar a pesquisa no acervo", destaca a coordenadora administrativa.
Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico) – fundado em 4 de março de 1887, em Fortaleza, onde tem sede e foro, é uma sociedade civil, de caráter científico e cultural, sem fins lucrativos, de duração por tempo indeterminado e reconhecida de utilidade pública pela Lei Municipal nº 5.784, de 13 de dezembro de 1983, pela Lei Estadual nº 100, de 15 de maio de 1935, e pelo Decreto Federal nº 94.264, de 22 de maio de 1987.
Motivados pelo desejo de tornar conhecidas à história e a geografia da província, doze vultos da sociedade cearense empreenderam árdua tarefa a fim de fazer do Instituto referência nacional para a propagação de pesquisas que legitimasse a formação de sua história.
Paulino Nogueira Borges da FonsecaGuilherme Studart (posteriormente Barão de Studart), Antônio Augusto de VasconcelosJoakim de Oliveira CatundaJulio Cezar da Fonseca Filho, João Augusto da FrotaAntônio Bezerra de MenezesVirgilio Augusto de MoraisVirgílio BrígidoJosé SombraJuvenal Galeno da Costa e Silva e João Batista Perdigão de Oliveira foram os fundadores da agremiação.

Arquivo do blog Literatura Real

“Eram pois esses vultos que passariam a ser os primeiros e esforçados obreiros do progresso das letras cearenses, destinados como estavam , por esse meio, a tirar da ignorância, que até então perdurava, a história, natal. Eram eles que, fincando o marco inicial da existência desse utilíssimo grêmio, viriam, em futuro não remoto, contribuir, nesse particular, para o engrandecimento do berço nativo. Investigando o passado, rememorando as suas tradições, arrancando dos arquivos do solo ou das pedras carcomidas dos monumentos. Por intermédio desse Instituto dar-se-ia testemunho público do quanto valia o Ceará”.

Quadro Social
É composto de 40 (quarenta) sócios efetivos, na maioria professores universitários, além de sócios beneméritos, correspondentes e honorários. As eleições para o Conselho Superior, Diretoria e Comissões Permanentes ocorrem a cada dois anos, cabendo aos sócios efetivos o preenchimento dos cargos.

A Hemeroteca

A Hemeroteca do I.C. possui um acervo catalogado de 251 jornais, arquivados em volumes por ano. Vários volumes dos séculos XIX e XX (principalmente do primeiro quartel). Entre eles - A RepúblicaO Ceará, O CearenseO UnitárioO PovoO EstadoO Nordeste e outros tantos.

A hemeroteca possui ainda algumas raridades - como o único jornal cearense manuscrito que se tem notícia - O ORVALHO, e outras preciosidades.


Créditos: Diário do Nordeste, http://www.macamp.com.br e o site do Instituto