Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 27 de outubro de 2012

Chegadim


Coisas há que o tempo não leva. Não consegue fazê-las esquecidas. Em nos dando a observar, vemos as simples firmarem-se resistentes.
Os desejosos de transportarem-se à meninice, independente da idade, conseguirão. Bastam encontrar-se com o João Soares. A viagem de retorno ao passado inicia-se em sua residência, rua Princesa Izabel, prosseguindo até o bairro Dionísio Torres. No tilintar para uns e no melodiar para outros, ele, com o triângulo e o batedor de ferro alegra a todos nas andanças diárias.

Com seu instrumento musical de origem africana, usual no folclore português e em conjuntos de forró verdadeiro, cria sons cadenciados e chamativos. Enquanto a percussão faz-se com o batedor tocando no triângulo, o sincronismo dá-se, simultaneamente, com o abrir e o fechar da mão que o segura. Daí, a sonorização aberta, com maior sustento, ou fechada. É o anunciar do vendedor de chegadim.

Faltou somente, entre os toques, o cantarolar de antigamente: 

“Chega! Chega! Chegadim! Chega mais um ‘bocadim’!”.

O vendedor João Soares - Foto Geraldo Duarte

A lata tubular com tampa, de aço inoxidável, denominada caixa, tem diâmetro de 25 e altura de 70 centímetros. Uma tira de couro fixada nas extremidades, a aselha, permite o transporte a tiracolo. Neste depósito acondicionam-se 60 embalagens de 6 chegadins cada.
Crocante, a iguaria laminar, feita de farinha de trigo, pouco açúcar e água é torrada até o iniciar do douramento.
Seu João, quase cinquentão e sempre sorrindo, há 27 anos vende chegadins pelas ruas da Capital.

Foto Geraldo Duarte

Hoje, deixou-me de mancheia. Junto com minha mulher, tomamos um café donzelo acompanhado daquelas maravilhas de nossas infâncias.


Geraldo Duarte
(advogado, administrador e dicionarista) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário