Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 26 de novembro de 2016

A vacaria do velho Alves e o riacho Jacarecanga



Mansão de José Pinto

Dentre os points da gurizada da Vila São José do meu tempo, o mato verdejante sob o espetacular voo da garça branca ao lado do riacho Jacarecanga, pela passagem sob a ponte da rua São Paulo/Monsenhor Dantas, servia de uma espécie de acampamento. A improvisação do local era à sombra de uma grande goiabeira ladeada ao muro da mansão de Acrísio Moreira da Rocha e outra com vários degraus que ficava pela avenida Francisco Sá (Foto ao lado), que era da família de José Pinto do Carmo. Era riquíssima a flora no entorno do então belíssimo riacho. O coqueiral era intenso, mas ninguém tinha coragem de subir, até porque um militar dos bombeiros nos assombrou dizendo: “O menino que subir nesse pé de coco vai parar no Juizado de Menor”


Na realidade aquele homem queria era nos proteger de possíveis acidentes, porque menino não tem noção dos perigos. Ora o Glauco cueca lá na goiabeira deslizou e fraturou um braço! 

(Ao lado, casa de Acrísio Moreira da Rocha).

Defronte ao nosso Quilombo (liberdade de casa kkkk), observa-se a Vacaria do Seu Alves. Um velho careca com orelhas avantajada, e tinha seu curral com sua criação em número de 30 cabeças. Ela ficava ao nordeste do riacho, e era um concorrente dos laticínios Maranguape e Cila. Tudo lá era caseiro, mas de boa qualidade. Um fato inusitado era uma espécie de rancor ou tom, sei lá, nós tínhamos era medo do velho!!! - “Mil”. Referia-se a nota amarela de Pedro Alvares Cabral. Era assim que ele respondia aos que perguntavam pelo preço do litro de leite. Nunca foi visto os dentes daquele homem, que já beirava os 70 anos. 

"Era ao lado do galpão que ficava o matagal que era nosso quilombo." Assis Lima


Construção da ponte em concreto sobre o riacho Jacarecanga. "Antes de ser aterro sanitário e fábrica de muriçocas." Assis Lima

Construção da ponte em concreto sobre o riacho Jacarecanga. 

Aquele pedacinho do Jacarecanga tem muitas histórias, mas não são coisas que contamos, e sim que a topografia e edificações ratificam. O verdadeiro arquivo é sua etnologia sob a égide topográfica. Quem já ouviu falar no Lazareto de Jacarecanga? Pois bem, no canto noroeste e estamos falando do riacho, ficava uma caixa d’água em ruinas e por detrás um cacimbão. Após conversa com ex-provedores da Santa Casa de Misericórdia, aquela era o recurso hídrico para o Lazareto. Portanto todos passam despercebidos por ignorância. Eu fui uns dos que contemplaram no inicio da década dos anos de 1970, quando da construção da Autoviária São Vicente de Paula, que era na avenida Francisco Sá quase defronte ao SAPS, vi várias ossadas humana. A garagem de ônibus do Seu Carlos, sogro do cantor Vilemar Damasceno, foi erguida no Campo de Baturité que no primeiro quartel do século XIX havia funcionado ao lado da futura Cajubraz, o Lazareto. O quadrilátero para o leitor compreender melhor era: Ao Leste rua Adriano Martins; Sul rua Adolfo Campelo; Oeste Dona Maroquinha e ao Norte rua Monsenhor Dantas. Voltando... À noite, para nós meninos, era aquele local um terror. Mas durante o dia e pela manhã, com cuidado, ainda se podia tomar banho, pela aparente limpidez das águas correntes. Pescávamos por hobbie. Quando chegou no “Morro do Ouro” a Cobica, fábrica que trabalhava com beneficiamento de castanhas de caju, começou o desastre ambiental no riacho. Os peixes foram desaparecendo, e com a proliferação de moradores nas beiradas com ligações sanitárias para o mesmo, morreu o resto. Ainda bem que crescemos! Um muro hoje apagou literalmente a paisagem, tendo agora um residencial antagônico ao exórdio, ficando no lendário dos cinquentões que ali brincaram, as lembranças. Qualquer local traça seu próprio destino, obedecendo às transformações paisagísticas ou sociológicas. É pena que nem todos são sensíveis ao seu passado, ou no engasgo da realidade atual, não sabem contar...


Leia também:

Morro do Ouro - O morro sem ouro



Colaborador: Assis Lima

Ex-Ferroviário, Assis Lima é radialista e jornalista.
Idealizou e mantêm o Blog Tempos do rádio



Resultado de imagem para leila nobre
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário