Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : Os homenageados nas ruas da cidade - Carlos Severo de Souza Pereira [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 10 de março de 2018

Os homenageados nas ruas da cidade - Carlos Severo de Souza Pereira



Carlos Severo de Souza Pereira era filho do tabelião Miguel Severo de Souza Pereira e de Cândida Julietta de Souza Pereira. Nasceu no dia 4 de Novembro de 1864 em Fortaleza. Estudou no Ateneu Cearense em 1874, e fez três preparatórios, os de português, francês e geografia, no Liceu Cearense em 1880. Escreveu para diversos jornais de Fortaleza e foi redator e proprietário de O Figarino, jornal caricato, por seis meses. No Estado do Amazonas colaborou no 'Amazonas'; no Pará no Diário de Noticias, e Democrata; em Lisboa, no Almanaque Luso Brasileiro, Anuário do Dr. Xavier Rodrigues Cordeiro e no Almanaque dos Pontos e Virgulas, do Porto

Dados da Revista da Academia Cearense de 1900.

Tendo o piano como seu instrumento predileto, para este compôs mentalmente e mandou escrever as peças musicais : —Mironi, schotisk. — Céu do norte, schotisk. —Cecy, valsa para banda marcial. —A lágrima doce, schotisek. —Muricy, schotisk. Na revista de Crisólito Gomes 'Da Capital ao Mucuripe' há um coro de pescadores no princípio do ato de música e letra suas, e na Revista Lopes Veiga & Cia, de Álvaro Martins, pertencem-lhe as músicas de um tango e um solo para soprano. Escreveu ainda um vaudeville para o Grêmio Taliense de Amadores, intitulado 'Os dois irmãos, em três atos, música de vários autores, e representado pelo mesmo Grêmio no Theatro Iracema com grande sucesso por duas vezes, uma a 18 e a outra a 23 de Março de 1899. Também são dele: Hotel do Salvador; O Mestre Paulo; São João na Roça; Macaquinho está no Ovo; As Vaias; A Chegada do General; Os Matamosquitos; Um Casamento no Matadouro e Os Irmãos da Bélgica.

Em 07 de setembro de 1910, fundou, juntamente com José Gil Amora, Otacílio Ferreira de Azevedo (Otacílio de Azevedo), Genuíno de Castro, Carlos Gondim, Luís de Castro, João Coelho Catunda, Francisco de Paula Aquiles, Josias de Castro Goiana (Josias Goiana) e outros, a Academia Rebarbativa ("agremiação de boêmia, de humorismo, de pilhéria e de blague") que teve vida efêmera. Interessante salientar que a agremiação foi criada em um dos bancos da Praça do Ferreira. rsrs

No livro Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo consta: "Morreu, com a idade de 62 anos, em Guaiuba, no dia 28 de dezembro de 1926, o médico, compositor, poeta, músico, teatrólogo e pintor Carlos Severo de Sousa Pereira, sendo ali sepultado. Nascera a 04/11/1864 em Fortaleza. Hoje é nome de rua no bairro Farias Brito."


Carlos Severo foi, sem dúvida, uma figura que ganhou projeção no Ceará como cenógrafo, musicista e comediógrafo, mas que também ficou conhecido por suas modinhas no meio boêmio. Não se considerava poeta, mas escrevia as letras e musicava ao piano. Porém, suas modinhas ficaram mais conhecidas quando tocadas ao violão nas serestas que ocorriam nas praças e botecos da cidade.


Carlos Severo viveu boa parte de sua vida no Rio de Janeiro e no Pará, compondo alguma de suas modinhas fora do Ceará. Porém, elas se tornaram populares em Fortaleza. Foram coletadas apenas cinco modinhas do compositor, porque todas as outras se perderam na tradição oral. No entanto, Edigar de Alencar acredita que ele deve ter composto mais de vinte, entre as quais paródias, gênero que Ramos Cotôco exercitava com facilidade. Carlos Severo costumava debochar do falso decoro da sociedade fortalezense. Isso fica ainda mais evidente nas suas várias peças teatrais de críticas de costumes. O aguçado senso crítico, misturado com a sátira e desdém, era a sua marca. O próprio Carlos Severo fazia a partitura de suas músicas. Seus gêneros preferidos, além da modinha, era a opereta, burleta e revista. Edigar de Alencar aponta que as modinhas que foram recolhidas e depois transcritas para o seu livro 'A modinha cearense' foi produto de um achado da filha do poeta, que encontrou em velhos cadernos essas raridades. Ele costumava escrever músicas com temáticas românticas, mas não de uma maneira triste e ingênua. Carlos Severo era espontâneo e genuíno, pois usava muita graça e malícia. Esse estilo de compor foi influência de seus companheiros Teixeirinha e, sobretudo Ramos Cotôco. Carlos Severo também apreciava o ofício de pintor e sua admiração por Ramos Cotôco também o ajudou a fazer cenografia. Por todo o seu talento artístico, hoje Carlos Severo é, merecidamente, nome de rua.

Observação:  A rua Carlos Severo é a antiga rua Santo Antônio.






Leia também:

Parte I
Parte II
Parte III


Fontes: 1001 Cearenses Notáveis - F. Silva Nobre, BOÊMIA E MODINHA SERESTEIRA EM FORTALEZA (1888-1920) de Ana Luiza Rios Martins, ALENCAR, Edigar. Fortaleza de ontem e anteontem. Fortaleza: UFC, 1984. p. 87, Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo.

Um comentário:

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: