Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 22 de junho de 2015

O silêncio do Gigante

O Glamour de uma Época Dourada

"As pessoas que circulam pela rua Guilherme Rocha, esquina com a rua Major Facundo, e olham para o lado direito onde está localizado o maior edifício de alvenaria do mundo, não sabem da história deste prédio que por muitos anos foi o Excelsior; o melhor hotel dos anos 30 e 40.

O prédio está localizado entre as ruas Guilherme Rocha e Major Facundo, centro de Fortaleza. No local onde existia o sobrado do Comendador José Antonio Machado, tinha três andares, sendo o mais alto e antigo da época. Este sobrado foi construído pelo engenheiro Coronel Conrado de Niemeyer, lá funcionou o Hotel Central e o Café Riche, um dos mais famosos da cidade, seus proprietários eram: Luiz Severiano Ribeiro e Alfredo Salgado, o lugar era frequentado por poetas, escritores e intelectuais da época, funcionou de 1913 a 1926.



Construção do Excelsior Hotel, em 1929




Depois de sua demolição em 1927, deu lugar ao Hotel Excelsior, construído por Natali Rossi, pertencia ao comerciante Plácido de Carvalho, proprietário do Castelo do Plácido que ficava onde está circunscrita hoje a Praça da CEART (Centro de Artesanato). Construído em estilo eclético foi o primeiro arranha-céu da cidade de Fortaleza e o primeiro exemplar de arquitetura hoteleira da época, entrando para a história como o primeiro hotel de nível Internacional da região Nordeste.

O Excelsior foi construído com alvenaria e argamassa com cal, pilares e viga de trilhos, tinha 8 andares e foi inaugurado em 31 de dezembro de 1931 com a presença de personalidades
ilustres do estado. Com a morte de seu proprietário Plácido de Carvalho, ocorrida em 3 de junho de 1935, seu corpo foi velado no rol do próprio hotel, com isto o prédio ficou sendo
administrado por sua esposa, Pierina Giovanni Carvalho, que em 1938 casou-se com o arquiteto húngaro Emílio Hinko.


Cartão postal  Excelsior Hotel


Na década de 1930, período em que o Excelsior foi construído, a Capital cearense ainda vivenciava o clima da virada do século XX- Arquivo Nirez

Entre seus mais famosos hóspedes podemos citar os cantores, Bidu Saião e o tenor Tito Shipe, George Obrier, o Diretor Teatral Joracy Camargo, cantor das multidões Francisco Alves, Haroldo Silva, o presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, Pelé, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, além de outros grandes nomes nacionais e internacionais.


 


No seu 7º andar funcionava o famoso Bar Americano com sua paisagem de serra e sertão juntos formando uma imensa obra de e arte. O terraço ficou famoso pelas festas da alta sociedade, entre elas podemos destacar os famosos bailes de carnaval da época, que era chamado de “O CARNAVAL DO SÉTIMO CÉU”, como eram conhecido pela sociedade cearense. Este baile carnavalesco era tão famoso que no período momino vinha pessoas de vários cantos do país para participar desta festa carnavalesca, onde o lança perfume, confetes, serpentinas, pierrô e colombinas tomavam conta do 7º andar, tudo isto ao som das famosas orquestras Tabajara, PRE-9 e Severino Araújo entre outras.



Clique para ampliar

O hotel estava sempre lotado por comerciantes, artistas e visitantes com seus paletós brancos dando um ar nobre ao lugar transformando o velho Excelsior no maior ponto de encontro da época entrelaçado com a Praça do Ferreira. Em 1958, Pierina falece e o prédio passa para seu marido Emílio Hinko, seu herdeiro. Em 1975, Emilio vai morar no hotel, ocupando o 4º andar onde realiza uma grande reforma no hotel, com a introdução de novas tecnologias como Televisão, aparelhos de ar condicionados, telefone e banheiros em todos seus quartos.
 

Clique para ampliar 

Fechado em 31 de dezembro de 1987, sob pretexto de reforma temporária, permanece assim
até os dias de hoje. Depois de fechado permaneceu apenas com um hóspede, seu proprietário Emílio Hinko que morou no 4º andar até seu falecimento aos 101 anos em janeiro de 2002. 

A cidade de Fortaleza perde uma das últimas testemunhas da construção e da história viva do Excelsior. O prédio atualmente pertence ao sobrinho de Hinko, Janos Fuzesi.


Antiga propaganda do Hotel Excelsior - Acervo Raimundo Gomes




Com sua morte, seu último hóspede foi embora deixando um vazio nos luxuosos quartos, ficando silencioso o velho Excelsior. O hotel continua imponente, lúcido com suas paredes repletas de histórias de um passado de luxo, beleza onde permanece vivo na lembrança de quem conheceu seus momentos de gloria e esplendor como o seu Bessa, vendedor ambulante que há 47 anos esta estabelecido na entrado do Excelsior, ele fala com saudade da época de ouro; “O Hotel estava sempre lotado com artistas, comerciantes, lembro das noitadas do Excelsior como se fosse hoje. Com a morte do seu proprietário tudo ficou ainda mais abandonado e hoje isso é uma solidão”


Clique para ampliar
 


Hoje o saudoso Excelsior é utilizado pelo Clube Diretores Lojistas (CDL) para o Natal de Luz, onde varias crianças ocupam as janelas dos seus quartos durante os finais de tarde do mês de dezembro.
Não como hóspedes, mas sim para embelezar o velho Excelsior, formando um coral infantil de 120 crianças que cantaram musicas natalina para um público que durante várias horas voltaram seus olhares para o gigante adormecido.

Valentim Santos
(Professor, Historiador e Sociólogo)


Interessante

A mobília do hotel veio da Europa (Os lençóis e toalhas de mesa em linho irlandês, móveis e lustre no estilo Art-Nouveau e piano de cauda Donner para o salão de jantar).
Ao todo, tinha 120 apartamentos e 13 suítes. 



Crédito dos jornais: Portal do Ceará - Gildácio Sá



Nenhum comentário:

Postar um comentário