Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : O nascimento de Messejana [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 1 de junho de 2011

O nascimento de Messejana



Foto de Chico Monteiro


Messejana foi criada como “freguesia” no dia 1º de janeiro de 1760 pelo Governo de Pernambuco, com o nome de Vila Nova Real de Messejana da Américaassim estabelecida pelos primeiros jesuítas que aqui chegaram.  Logo depois foi sancionada a Lei 83, pelo então presidente José Martiniano de Alencar, instituindo uma primeira administração composta pelo Vigário com seu Coadjutor, os dois Padres seculares: Padre Manuel Pegado de Siqueira Cortez e Padre Caetano Ferreira da Silva.


Mediante Alvará datado de 08 de maio de 1758, o Governador de Pernambuco elevou Paupina à categoria de Vila, sendo a mesma inaugurada em 1º de janeiro de 1760.

Foto não datada da lagoa de Messejana. Acervo Carlos Juaçaba

Na época, Messejana foi a quarta vila de uma série de inaugurações. Antes dela haviam sido inauguradas as vilas de Viçosa (07-07-1759), Caucaia (15-10-1759) e Arronches - hoje Parangaba (25-10-1759).
Estrada de Messejana em 1919 do fotógrafo O. justa.

É certo que, antes da inauguração da vila, houve muitos acontecimentos, como: a passagem da Comitiva de Pero Coelho que rumava para a Capitania do Maranhão, a passagem, ainda que de forma rápida, dos Padres jesuítas Francisco Pinto e Luis Figueiras, além, é claro, da nominação oficial dada a Aldeia de Paupina, por ordem do Governador Geral Francisco Bezerra de Menezes através de Carta Régia datada de 18 de março de 1663. Este ato oficial denomina a então aldeia, com o nome de Aldeia de São Sebastião da Paupina. Portanto, 1607 não representa, de forma alguma, o ano de fundação de Messejana. Nada confirma isso.



Praça de Messejana em 1940. Na época da foto a praça chamava-se Conselheiro Tristão. Arquivo Nirez

Os Padres Francisco Pinto e Luis Figueiras passaram pouco tempo na Aldeia, que já existia. Não há registros de nenhum marco ou documento escrito dando conta da fundação de Messejana àquela data.



A Messejana dos anos 20 - Acervo MIS

Oficialmente podemos contar com duas datas a serem comemoradas:

1) 18 de março – dia em que a Carta Régia foi escrita denominando de Aldeia de São Sebastião da Paupina, a então aldeia potiguara, fato ocorrido em 18 de março de 1663.

2) 1º de janeiro – data da inauguração da Vila de Messejana, até então aldeia de São Sebastião da Paupina, passando a se chamar daí em diante de Vila Nova Real de Messejana da América. Fato ocorrido em 1º de janeiro 1760.


Sitio da família Dummar à margem da Lagoa de Messejana. Foto dos anos 50.


Esclarecimento importante:

Recebi e-mail do historiador Felipe Neto com importantes informações sobre Messejana:


"Com relação a fundação da Aldeia de Paupina pelo Pe. Fco. Pinto e Luiz Figueira esse é um erro que vem sendo cometido há muito tempo graças a conjecturas feitas no passado quando se buscava laurear a atuação dos grupos religiosos no que diz respeito a colonização. As missões catequéticas tiveram fundamental papel, mas de outras formas e em outros épocas e contextos.


Estrada de Messejana em 1919 do fotógrafo O. justa.

Mercado de Messejana - Arquivo Nirez

No diário sobre a vinda ao Ceará escrito pelo Pe. Luiz Figueira não se faz menção textual a Paupina ou Parangaba. Outra questão é seu ponto de parada antes de seguir para Ibiapaba. Não é certo que a tribo que primeiro recebeu os Pe. foi a estacionada no que hoje chamamos de Paupina pois esse encontro ocorreu na região do Jaguaribe.

Antes do período holandês (1637-1654) não há documento ou menção em cartas dessa nomenclatura Aldeia de S. Sebastião da Paupina que só passa a ser mencionado depois de 1680. As aldeias do ceará se formaram após a atuação de Martim Soares Moreno a partir de 1611. Desse povoamento que depois foi removido para o que hoje conhecemos como Mondubim se formou o Arraial do Bom Jesus da Parangaba. Desse grande descimento se formaram a Aldeia de Paupina e Caucaia ainda no seculo XVII.



Igreja matriz de Messejana em 1974. Arquivo O Povo

Portanto, não se sabe exatamente, ainda quando foi fundada a Aldeia de Paupina, pelo não do que eu tenha encontrado. Ainda sobre Fco. Pinto e Luiz Figueira este último funda uma comunidade próximo a Barra do Ceará com o nome Aldeia de S. Lourenço, mas nunca Parangaba ou Paupina.

Com relação ao nome Paupina este jamais foi corruptela de Fco. Pinto. Paupina significa Lagoa descoberta ou limpa.

Como mecejanense peço, por conta da audiência que seu blog tem, que ajude na recomposição dos fatos para que a historia não fique deturpada."


Felipe Neto é Historiador formado pela UECE. Nascido e criado em Messejana, onde ainda mora.
Autor do livro “Muito Além dos Muros do Forte: as dinâmicas que propiciam a anexação do antigo município de Messejana à Fortaleza em 1921 e os seus desdobramentos



Continua...


Fonte: Portal Messejana

3 comentários:

  1. Boa noite eu gostaria de saber o que funcionou naquele prédio atualmente em ruínas situado à rua Padre Pedro de Alencar nas proximidades da lagoa de Messejana antes dele ficar como está pois conheço muito bem Messejana mas nunca tive informações acerca dos prédios antigos de lá e tem outro na esquina das ruas Barão de Aquiraz e Gurgel do Amaral(Estrada do Fio) o que será que funcionou nele ele também está em ruínas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este primeiro que citou, ao lado da Padaria Nogueira, sei que já foi uma das sedes da Igreja Universal. Os da estrada do fio desconheço...

      Excluir
  2. Oi você poderia me informar sobre o nome da praça da igreja matriz? A unica coisa que encontrei sobre foi essa publicação:

    "1985 - setembro - 11 - A antiga praça da Igreja Matriz de Messejana, que se chamou Praça Conselheiro Tristão e depois foi Praça da Conceição, passa a denominar-se Praça Vereador José Barros de Alencar.
    O vereador bem que merece o seu nome em uma praça, mas não aquela, que desde tempos imemoriais era dedicada ao Conselheiro Tristão de Alencar ArariPe.
    Fonte: Cronologia Ilustrada de Fortaleza - Roteiro para um turismo histórico e cultural - 2005
    Autor: Miguel Angelo de Azevedo - Nirez - 2005
    Data do Fato:11/Setembro/1985"

    Somente isso em questão do nome da praça!

    ResponderExcluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: