Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sexta-feira, 1 de julho de 2011

Acrísio Moreira da Rocha - Parte II



A vida e os triunfos de Acrísio Moreira da Rocha por Carlos Alberto Farias



[Nota publicada às 18h 12min - 2004]

Faleceu no último dia 21, o dr. Acrísio Moreira da Rocha, um dos políticos mais carismáticos de minha terra, membro de tradicional família de homens públicos, destacando-se seu genitor, o dr. Manuel Moreira da Rocha, médico formado pela Faculdade de Medicina da Bahia e várias vezes Deputado Federal pelo Ceará



Destemido e corajoso, ficou nacionalmente conhecido como Manuel Onça, pela coragem e destemor de que era possuidor. Sua mãe, dona Amália Moreira da Rocha, era baiana de nascimento. Terceiro de uma numerosa prole de nove filhos, dos quais, além dele, dois tiveram destacadas atuações na política. O mais velho, o dr. Crisanto Moreira da Rocha, foi várias vezes Deputado Federal e o mais novo, Péricles Moreira da Rocha, Deputado Estadual pelo Ceará. Além disso, um primo - irmão, cel. Edilson Moreira da Rocha, foi Secretário de Estado em dois governos.



O dr. Acrísio nasceu em Fortaleza-CE, aos 25 dias do mês de setembro de 1907. Eram seus irmãos, pela ordem: Crisanto, Gisela, Abelardo, Crisantina, Aderson, Guilardo, Péricles, e Célia. Crisantina e Célia estão vivas. Os demais já faleceram.
O dr. Acrísio estudou no Colégio Castelo Branco e no Colégio Militar do Ceará. Transferindo-se para o Rio de Janeiro, pois seu pai era Deputado Federal, formou-se em Odontologia pela Faculdade de Odontologia e Farmácia da Universidade do Brasil.
Grande fazendeiro, depois de deixar a política passou a administrar suas Fazendas Reunidas do Quinin, no Município de Quixeramobim.
Foi fundador da Associação Cearense do Gado Holandês. Fundou e foi o primeiro presidente do Jockey Club Cearense, cuja sede ajudou a construir, deixando o cargo quando assumiu a Prefeitura, ficando em seu lugar o concunhado Stenio Gomes da Silva.
Filho de político, criado dentro do ambiente, cedo manifestou interesse pela vida pública. Acompanhou de perto da trajetória do dr. Moreira, político de fibra e coragem, que teve a hombridade de ser oposição no Ceará durante a oligarquia dos ''Aciolys'', onde o voto era aberto e chamado de ''cabresto''.
Apesar de pertencer à família ilustre e conceituada, o dr. Acrísio fez sua opção pelos pobres, tendo dedicado todo e seu trabalho em defesa dos menos favorecidos.
Sua primeira experiência na vida pública foi quando o então Presidente da República, dr. José Linhares, nomeou-o Interventou Federal no Ceará. Tomou posse solenemente no cargo no dia 15 de janeiro de 1946, no Rio de Janeiro, perante as mais altas autoridades do País. Após a posse, regressou a Fortaleza em avião da FAB a 19 de Janeiro de 1946. Uma multidão foi do Pici até a residência do seu cunhado Artur Salgado, no bairro da Aldeota. Ali foi saudado pelo advogado José Cardoso de Alencar e pelo padre José Bruno Teixeira. No dia seguinte, 20 de janeiro, recebeu o cargo das mãos do dr. Raimundo Gomes de Matos, que respondia interinamente em virtude do impedimento do dr. Thomas Pompeu Filho.




Sua curta passagem pelo Governo serviu para mostrar a liderança de que era possuidor. Eleito Governador, o desembargador Faustino de Albuquerque convidou-o para ser Secretário da Fazenda, quando teve a oportunidade de ajustar a máquina arrecadadora e equilibrar o orçamento, pagando dívidas contraidas durante o período das interventorias. Naquele tempo, a Secretaria da Fazenda era usada para fazer a política dos vencedores. Fez ver ao Governador que politicagem ele não faria e a pressão iria ser muito grande. O Governador disse que tinha dois secretários que eram de sua inteira confiança e responsabilidade e o dr. Acrísio manteve-se firme. Na época existiam 10 impostos no Ceará. Ele sugeriu a criação do imposto único, ainda hoje uma esperança dos brasileiros. O governador Faustino apoiou a idéia, mas a Assembléia Legislativa não aprovou.


Manuel Moreira da Rocha - Mané Onça

Permaneceu cerca de oito meses no cargo, pois teve seu nome lembrado para ser candidato a Prefeito de Fortaleza na eleição de 07/2/1947. Apesar da Constituição não exigir a desincompatibilização para a candidatura, resolveu afastar-se para se dedicar a sua campanha. A luta foi bastante árdua. PSD e UDN tentavam lançar um só candidato, mas não houve acordo, Acrísio foi cogitado pelos dois, mas como não era filiado a nenhum, recusou os convites. Mas, para concorrer era necessário ter um partido. Na hora das convenções, 12 dos 13 partidos existentes assinaram um protocolo para que nenhum deles lhe desse a legenda. Faltavam 22 dias para terminar o registro das candidaturas. Então, o dr. Acrísio telefonou para seu irmão, o Deputado Federal Crisanto Moreira da Rocha. Este então conseguiu a legenda do Partido Republicano, o PR do ex-Presidente da República Artur Bernardes, cujo filho, Arturzinho era colega do seu mano, na Câmara Baixa. Faltavam apenas dois dias para o registro das candidaturas. Depois dos trâmites legais, foi encaminhado o pedido ao Tribunal Regional Eleitoral. UDN, PDS e os demais partidos tentaram impugnar seu nome, mas o Presidente do órgão, o desembargador Virgilio Firmeza, disse que o pedido foi feito no prazo, pois o que valia era o relógio do Tribunal. E fez o registro da chapa.
Seus principais concorrentes em 1947 foram o industrial Diogo Vital de Siqueira, da UDN e Presidente das Emissoras Associadas do Ceará, e o dr. Stenio Gomes da Silva, pelo PSD, seu concunhado, pois eram casados com duas irmãos, filhas do industrial Pedro Philomeno Ferreira Gomes, numa clara tentativa de tentar dividir a sua própria família.
Processada a apuração, o dr. Acrísio Moreira da Rocha foi eleito Prefeito de Fortaleza com 80% dos votos válidos, ficando o dr. Stenio com 5% e o Dioguinho com 4%. Foi uma vitória consagradora. Contra todos os outros partidos, mas com o apoio total do povão, que sempre esteve ao seu lado. Para exemplificar basta dizer que os sindicatos de empregados estavam todos com ele.
Sua vitória foi tão consagradora que até os jornais de São Paulo registraram o feito, pois ele venceu em todas as urnas, inclusive as da Aldeota, o bairro ''chic'' da cidade. A respeito disso, ouvido pela imprensa, o dr. Acrísio explicou a razão do triunfo também no reduto dos milionários: ''Cada casal tem em média quatro empregados, dois domésticos, o jardineiro e o motorista. Era 4 x 2. Numa urna do Monte Castelo dos 300 votos eu tive 297, pois os outros três foram de fiscais dos partidos adversários.


Amália Moreira da  Rocha

Acerca do seu imenso prestígio com os menos afortunados, dr. Acrísio, numa entrevista ao Memorial da Secretaria da Fazenda, disse o seguinte: ''Não era pobre, não fazia promessas, não acreditava em partido, mas sabia enfrentar os problemas e ajudar os mais humildes! Quando candidato a Presidente da República, numa de suas vindas ao Ceará, dr. Jânio da Silva Quadros manifestou desejo de conhecer o dr. Acrísio, para pedir seu apoio pessoal, coisa que não havia feito em lugar algum. Ao receber o então conhecido ''homem da vassoura, o dr. Acrísio declarou: ''Olhe, dr. Jânio, eu não tenho voto nenhum, eu não mando em voto, votam em mim, eu não pertenço a Partido, não tenho essa organização, pois meu eleitor é voto independente'', ''no entanto, ao retrucar, Jânio Quadros disse que era Governador de São Paulo, brigado com o PTB de lá, mas havia sido eleito pelo PTB do Paraná para a Câmara Federal. Por isso, queria conhecê-lo para parabenizá-lo por um frase que ele havia declarado aos jornais de São Paulo: ''Para me candidatar qualquer tabuleta servia''.Como prefeito de Fortaleza, o dr. Acrísio voltou-se basicamente para a periferia, abrindo e calçando numerosos ruas e avenidas, construindo calçamento nos subúrbios ligando-os entre si com o Centro, doando à sua cidade uma verdadeira malha viária urbana. Criou o Tribunal de Contas do Município, e fez a primeira estatização de uma empresa privada no País, quando desapropriou a Ceará Light passando à responsabilidade do Município de Fortaleza o fornecimento de energia elétrica. Foi uma atitude corajosa e que serviu de exemplo para os demais Estados da Federação.

Após cumprir o seu primeiro mandato, o dr. Acrísio Moreira da Rocha resolveu retirar-se da vida pública, chegando a residir com sua família durante mais de dois anos no Rio de Janeiro.
Aproxima-se o final do mandato de sucessor, o dr. Paulo Cabral, quando recrudesceu o movimento para levá-lo novamente à chefia do executivo municipal da Capital do Ceará. Acrísio e sua família foram para a fazenda do Quinin em Quixeramobim, para fugir do assédio da população.
Mas uma comissão esteve lá e conseguiu convencer dr. Acrísio e d. Stella de que sua candidatura era do povo, que exigia sua volta.
Foi um dos marcos mais importantes da nossa história política, sua chegada de Quixeramobim, na Estação de Otávio Bonfim, num trem da RVC. Uma multidão incalculável o esperava e ele foi conduzido em passeata até sua residência. Estava lançada sua candidatura.
Acrísio novamente eleito Prefeito, governou Fortaleza de 1956 a 1959.
Em 03/10/1958 concorreu a Vice-Governador do Ceará na chapa encabeçada pelo coronel Virgílio Távora, contra o então Ministro do Trabalho do Governo JK, o professor José Parsifal Barroso. 1958 foi um ano de seca e o velho Dnocs derramou muito dinheiro no Ceará.
Derrotado pelo poderio econômico, o dr. Acrísio não mais disputou cargos públicos, passando somente a administrar suas propriedades.
Casado com dona Maria Stella Philomeno Gomes Moreira da Rocha, e pai da arquiteta Vera Lucia Monte Sales Valente, esposa do dr. Carlos Alberto Farias. Tem também três netos: o médico cirurgião Acrísio Sales Vales, casado com a médica Paulla Vasconcelos Valente e que lhe deram a única bisneta, a garotinha Stellinha de 4 anos; o advogado Érico Sales Valente, casado com a advogada Flávia Ramalho Florêncio Valente e o universitário de Arquitetura e Urbanismo Thiago Sales Valente.
No dia 21 de dezembro de 1998 por ocasião da inauguração do Centro da Memória da Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará, o dr. Acrísio Moreira da Rocha foi homenageado com a ''Medalha do Centenário da Sefaz''. Devido à idade avançada ele foi representado no evento pela filha Vera Lucia e pelos netos Acrísio e Érico. Foi a derradeira de uma dezena de Comendas, Medalhas e Títulos de Cidadania que recebeu durante sua brilhante trajetória na vida pública.
O dr. Acrísio Moreira da Rocha foi igualmente um grande desportista, tendo na juventude praticado o boxe e o futebol, sempre como amador, tendo atuado em equipes secundárias do Rio de Janeiro e no América F. C. de nossa capital, que havia sido fundado pelo seu irmão Crisanto. Como Prefeito de Fortaleza apoiou bastante o nosso esporte, tendo inclusive promovido em nossa capital, um Fla-Flu, envolvendo os dois mais tradicionais clubes do futebol carioca.
O dr. Acrísio Moreira da Rocha era detentor de uma inteligência privilegiada e de uma memória prodigiosa, adorava contar estórias e sabia tudo sobre o seu Ceará. Quando se reunia com amigos e familiares gostava de recordar fatos históricos de sua vida, notadamente a atuação do seu pai, o dr. Moreira, por quem tinha muito orgulho e apreço.
No dia 1º de julho de 2000 ao se dirigir para a cama em seu quarto, o dr. Acrísio sofreu uma sincope e caiu, fraturando o nariz e a mão. O acidente deixou seqüelas. Durante 3 anos, 7 meses e 21 dias ele esteve assistido com um carinho todo especial por sua filha Verinha, que tudo fez pelo pai, ajudada pelos médicos, enfermeiras, fisioterapeutas, familiares, bem assim os servidores da casa, que foram de uma lealdade incomum.
Este o perfil de um político na verdadeira acepção do termo. Aquele político que rareia hoje em dia, pois tinha como objetivo único servir ao próximo, notadamente os mais carentes.


Parte I

Fonte: Jornal da internet 'NO OLHAR' e Família Moreira da Rocha - Multiply


7 comentários:

  1. Minha avó Malinha!! Meu avô e meus tios, bem legal, já estou seguindo!

    ResponderExcluir
  2. Ah, corrigindo, hoje apenas tia Crisantina está viva aí em Fortaleza, minha mãe Célia também já se foi há 6 anos. Tia crisantina está com 103 anos e lúcida.

    ResponderExcluir
  3. Oi Angela, boa noite! :)

    Obrigada por ser seguidora do blog, fico
    muito feliz!
    Parabéns pela família!

    Nossa, 103 anos e lúcida? Realmente, não é para qualquer um, sua tia deve ter muitas histórias maravilhosas para contar, aproveite muito a sua companhia, os mais velhos, são uma benção e devemos aproveitar o máximo possível para aprender com eles, são uma fonte inesgotável de ensinamento!

    Beijos e fico feliz que tenha gostado! :)

    ResponderExcluir
  4. Oi! Adorei o Blog! grata, Ângela, pela dica... Mané Onça era irmão da minha avó Amélia Gadelha. Ou seja, meu tio avô.

    ResponderExcluir
  5. Seja muito bem-vinda, Amora! :)

    Eu que agradeço a Angela por tê-la
    indicado o blog!

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. A ultima da família se foi anteontem. Aos 104 anos, tia Crisantina se uniu aos irmãos.

    ResponderExcluir
  7. Bela historia. Meu pai foi eleitor de dr. Acrisio.

    ResponderExcluir