Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Comendo lagartas e defecando borboletas


Em plena Praça do Ferreira, o cronista Raymundo Netto assiste uma cena que lhe causa indignação poética: a polícia prende o poeta Mário Gomes*. Tem início o resgate desta figura que é patrimônio afetivo da cidade.

Tumulto na rua. O camburão da polícia chegava em frente ao Palacete Ceará à praça do Ferreira. Assalto? sequestro? Não, prenderam “O” poeta. Quem? Ora, quem... o Mário Gomes, sabe, não?

Era isso mesmo. Mário Gomes, aquele que conseguiu se estabelecer como poeta, mesmo por quem não conhece ou lembra um único verso seu — ao contrário de outros que lançam livros e livros, recebem títulos e medalhas, cobertura da alta imprensa e ninguém admite a honraria —, o tipo popular-mor da nossa blond cidade, estava sendo preso. Motivo? Baixara as calças para alguém que caçoara de seus trejeitos, de suas vestes, de sua existência. Ele reagiu, a polícia chegou para pôr ordem e recolheu o “poeta das sarjetas” no parachoque do camburão. Uma multidão de populares o acompanhou. Alguém se dirigiu ao oficial e, como se existisse tal licença (imunidade?) poética, perguntou: “Ele é o Mário Gomes, o poeta, o senhor não o conhece?” Uma senhora chora, outra resmunga: “Deviam prender é bandido!” O povo se revolta, discute, os policiais pareciam nervosos. O Mário, coitado, vestido como um Judas em Sábado de Aleluia, bodejava alguma coisa incompreensível, sei lá o quê, balançava as mãos e fazia caretas, tal qual um menino malino, “um enigma das letras, um amante das estrelas”. A barba malfeita perseguia os cabelos ralos, o nariz torto separava indiferentes olhos verdes a balançar os inchados tornozelos.

Aproximei-me e perguntei o que acontecera. “Eu só queria lançar o meu livro (refere-se à biografia) de novo”, retirou do bolso Mário Gomes: poeta, santo e bandido do Márcio Catunda, abriu e leu:

— O meu legado, deixo ao querido povo cearense! — daí, treme, lacrimejam os olhos, não gosta que o vejam assim, dá-me as costas, passa um lenço na vista, volta-se quase que esfregando o livro nas minhas ventas e repete: — O meu legado deixo à porra do povo cearense! — assisto à indignação, melancólico. Compreendo perfeitamente.

— Pagamento de poeta, Raymundo, é tapa e pontapés! Só isso, fazer poesia aqui é isso...

Um rapaz ao lado me disse que ele comprara quase todos os exemplares de Sábado: estação de viver do Juarez Leitão apenas para mostrar a sua foto aos passantes da praça e provar a todos que ele não era qualquer um, não. 

Tupy, um cachorro velho, chegou apreensivo. Mário sorriu:
— Dentre amigos encontrei cachorros; dentre cachorros encontrei amigos. Desculpe, amiguinho, aderi à Fome Zero, tenho nada. — lamentou, retirando dos bolsos do paletó pedaços de guardanapos, retalhos de versos.

Recordei que há poucas semanas havia encontrado o poeta na praça. Estava mais mungangoso que o normal. Paguei-lhe um pacote de biscoitos. Perguntou-me se eu tinha mesmo 40 anos, pois lera o meu livro — em certa ocasião o presenteei com um exemplar — e estava certo de que, apesar da aparência, eu tinha pelo menos uns 80.

— Raymundo, você escreveu um livro muito bom... é um grande literato que fala das calçadas velhas... das calças das velhas... Ah, as calças das velhas estão cheias de moscas! — riu.
— “Cadeiras na calçada”, Mário. Deixe de invenção!
— Já tem uns quinze anos que a gente não se vê, não é?
— Que é isso, Mário, a gente se viu no ano passado, aniversário da Padaria Espiritual, aqui mesmo na praça, lembra?
— Padaria Espiritual? Padaria Espiritual? Não, acho que não... Eu nunca fiz parte da Padaria, eu sou do Clube dos Poetas Cearenses.
Perguntei pela “Turma do Escritório” e ele lamentou o abandono de alguns:
— Tem um poetinha de araque, um retardado, que vez ou outra vem falar comigo. Diz que é meu discípulo. O carinha quer ser eu, sem ter a coragem de ser eu. Queria ver se ele aguentava viver na minha pele um dia. Aguenta não, é frouxo! Aguentar as pauladas que eu aguento, só sendo Mário Gomes. “Subi num pé de cana pra colher uvas. Chegou o homem das laranjas e disse, solta as goiabas, rapaz!” 
Súbito, sua face se transformou, correu e jogou o pacote de biscoitos num moleque que lascara uma salva de palavrórios inapropriados:
— Se manque, eu sou Mário Gomes, você é um otário! — voltando, anunciou:
— Depois eu morro, viro nome de praça ou de rua e o povo vai falar de mim, sem lembrar que eu vivia assim, que nem as calçadas velhas do seu livro...
Despertei da lembrança quando o policial disse para não se preocupar. Iriam soltá-lo na esquina do próximo quarteirão.

Olhei para ele. Apesar do estado debilitado, ainda discursa com o vigor de um anarquista. O povo cearense, naquele momento, o reconhecia e sabia que muitos de nós passaremos, mas ele deverá ser lembrado por mais cinquenta ou cem anos. Mesmo ali, com toda desenvoltura, gritava em seu “trono” improvisado: “A maioria esmagadora da cidade me conhece... sabe quem é Mario Gomes! (...) muitos dos que se dizem artistas, antes me procuravam e hoje fingem que não me veem... A verdade da vida é compreender a loucura do outro!” 

Olhei mais de perto e percebi que havia outros presos no camburão: Tostão, Chagas dos Carneiros, Casaca de Urubu, José Levi, Tertuliano, Canoa Doida, Pilombeta, De Rancho, Manezinho do Bispo, Burra Preta e tantos outros. Então, tive a certeza de que o Mário não tinha sido preso, e sim, escolhido para viver a imortalidade que só os doidos alcançam. 

Chagas dos Carneiros

Manezinho do Bispo

O relógio da Coluna da Hora gemeu a breve passagem de seu tempo. 285 anos de Fortaleza e eles ainda estão no meio de nós...  

Raymundo Netto

(Raymundo Netto, um sujeito provavelmente inculto que acha muito difícil fazer poesia e insiste em afirmar que conta nos dedos da mão os poetas cearenses que podem se chamar poetas e que reconhece o Mário Gomes como patrimônio imaterial da cidade de Fortaleza.)

*Mário Ferreira Gomes nasceu em Fortaleza em julho de 1947. Antes de assumir-se poeta e boêmio convicto, foi professor do antigo curso de Admissão ao Ginásio, na Escola Albanisa Sarasate. Iniciou, sem concluir, o curso de Arte Dramática na Universidade Federal do Ceará. No final da década de 1960 fez parte do Clube dos Poetas Cearenses, agremiação dirigida pelo Carneiro Portela que se reunia na Casa de Juvenal Galeno

Foi internado diversas vezes e conta suas mirabolantes fugas dos tratamentos com choque elétrico. Tem diversos livros publicados, dentre eles: Lamentos do Ego, Emoção Poética, Terno de Poesia (com Alcides Pinto e Márcio Catunda) e Uma Violenta Orgia Universal (antologia). 



Leia mais sobre o poeta AQUI



Fonte - Jornal O Povo

8 comentários:

  1. Ola amiga
    Estou na final da ostra poesia, me desculpe por vir lhe pedir votinho para a minha poesia, Precisamos. Mas sem a sua ajuda eu não irei conseguir. Prometo que passando esta fase eu virei comentar apenas sobre o conteúdo de seu cantinho.
    Como votar você entra no link …http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com/
    No final da pagina das poesias esta escrito
    VOTE CLICANDO NA PALAVRA COMENTÁRIOS Lindalva 1 comentários
    Por favor coloque coloque o nome da autora e da poesia, ( Precisamos ... Maria Alice Cerqueira e o nome do seu blog. para que Lindalva possa confirmar seu voto.
    Desde já lhe agradeço de coração.
    Tudo do melhor para você.
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  2. Oi amiga, já votei, parabéns pela linda
    poesia. :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Boa noite conterrânea fabuloso teu blog, já estou a seguir e favoritei um belo poço de guardados da nossa terrinha. Olá sou a Lindalva da Ilha e administradora do Ostra da Poesia e teu voto foi computado com sucesso no Pena de Ouro. E não deixe de comparecer na festa de encerramento/premiação no domingo, dia 17. Muita luz, uma sexta feira de paz, um FDS com sorrisos e muitos ♥☆Jinhosssssssssssssss♥☆

    ResponderExcluir
  4. Oi linda, boa noite!

    Muito obrigada pelo elogio, fico muito feliz em saber que somos conterrâneas! :)

    Um final de semana maravilhoso pra ti tbm!

    Beijosssss

    ResponderExcluir
  5. Leila
    digamos que somos Fortalezamaníacas kkkkkkkk te vi na minha Ilha, senti o teu perfume... valeu.. ela é tua e domingo visita meu ostra vamos ter festa lá. beijos e uma noite com sonhos cor de rosa!

    ResponderExcluir
  6. Eu percebi de cara! huauahuahuahhhu :D

    Obrigada pelo convite, estarei lá! :)

    Linda noite!

    ResponderExcluir
  7. Querida já estive tantas vezes aqui só hoje estou deixando um carinho mais que merecido a você.
    E também seguir seu blog.
    Tem razão em gostar da sua cidade é um cidade linda.
    O Brasil tem encantos mil ñ sei que tanto viajam
    pra fora do nosso Pais sendo que quase ninguém conhece nossa Pátria em toda sua plenitude.
    Parabéns pelo lindo blog beijos no coração,Evanir...

    ResponderExcluir
  8. Eu agradeço, linda!

    Pois é, muitos não valorizam o que tem e deixam de conhecer esse país maravilhoso em que vivemos. Amo minha cidade, ela é cheia de encantos e nosso povo é maravilhoso!

    Obrigada pelo carinho, amei! :)

    ResponderExcluir