Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


terça-feira, 13 de julho de 2010

Manoel de Oliveira Paiva - A inspiração


A mulher que serviu de inspiração para o Romance D. Guidinha do Poço.


Absolvição de Marica Lessa


Maria Francisca de Paula Lessa (Marica Lessa), conhecida no romance como Dona Guidinha do Poço, era uma rica senhora que detinha sob seus poderes grandes fazendas no município de Quixeramobim, no século passado. Era casada com o Coronel Domingos Vítor de Abreu Vasconcelos (...) a primeira pessoa a inaugurar a cadeia pública do munícípio. Segundo alguns autores, o prédio tinha sido construído por ela.

Graça Braga levanta a tese contrária aos resultados das investigações sobre a tragédia, de que Dona Marica Lessa não haveria mandado matar o marido.

Graça Braga lança seu terceiro romance, “Absolvição de Marica Lessa”, onde vislumbra a possibilidade de reverter um crime histórico que movimentou o Sertão Central cearense a 150 anos. Nascida em Quixeramobim, a escritora conta que sempre foi fascinada pela história de sua conterrânea, uma latifundiária condenada a 30 anos sob a acusação de ser mandante do assassinato do ex-marido.

FICÇÃO LIBERTÁRIA


Pode sim a ficção transformar a realidade. Os exemplos são muitos, no terreno da literatura, do teatro, do cinema. Em geral, a intenção dos recriadores é desvendar alguns aspectos mais simpáticos da biografia de seus assuntos. Com a escritora Graça Braga, não foi diferente. Conhecendo a história da sua conterrânea desde os treze anos, a escritora tratou de dar-lhe um alento que ela teve, após ser acusada e condenada por um crime. Uma história que manchou o passado da pequena Quixeramobim, há 150 anos. Tempo em que seu filho mais ilustre, Antonio Conselheiro, era apenas um afilhado da personagem redimensionada por Graça Braga no romance histórico “Absolvição de Marica Lessa” (...)
Para recontar a história dos dias mais terríveis da vida de Maria Francisca de Paula Lessa, mais conhecida como Marica Lessa, Graça Braga percorreu algumas dimensões do tempo e do espaço. Foram sete anos de pesquisa, entre jornais, referências bibliográficas e depoimento orais, recuperados na própria Quixeramobim. Mas o interesse pelo assunto foi despertado ainda em sua adolescência, quando a escritora percebeu a possibilidade de proporcionar uma nova chance à latifundiária, invejada e abandonada por quase todos os seus conterrâneos, como uma vítima da ignorância e do machismo de uma sociedade.
Herdeira do Capitão-mor José dos Santos Lessa, Marica foi educada com os brios de uma formação rigorosa. Generosa com os muitos retirantes que se deslocavam pelo Sertão Central, Marica era invejada por sua discrição e suas maneiras finas. Segundo Graça Braga, a tragédia de sua vida tem início em 1827, quando ela é desposada por um aventureiro, o Coronel Domingos Vítor de Abreu Vasconcelos. O casamento de interesse logo trouxe decepções e o desquite, pedido pelo próprio “coronel”, sob a falsa alegação de adultério.
Com metade dos bens herdados por Marica, Domingos Vítor vivia esbaldando os recursos obtidos graças à sua conquista, também gastos para sustentar os luxos de sobrinhos, vindo de Pernambuco e que diziam ser um parricida fugitivo. As coisas estavam nesse estado, até que um afilhado de Marica, Manoel Ferreira do Nascimento, conhecido apenas como Corumbé, assassinou o novo latifundiário. Diante do temor de ser enforcado, sua única reação era repetir o nome da madrinha, na esperança de que fosse salvo por ela.
Coadunado com a polícia, Antonio da Silva Pereira, o sobrinho do Coronel, acabou propagando que Marica era a mandante do crime atiçando na população a ira contra a senhora que não tinha mais ninguém que lhe valesse os interesses. Apenas uns poucos empregados e amigos, ousaram transgredir o clima de acusação que levou a latifundiária a ser conduzida, de maneira humilhante, de sua fazenda à cadeia pública, construída com seus próprios recursos. Entre os que se mantiveram fiéis a Marica Lessa estava o futuro beato que construiria o Arraial de Canudos, Antonio Mendes Maciel, seu afilhado.
Condenada antes de seu inquérito, Marica Lessa mantinha uma atitude de placidez, diante das acusações que lhe foram feitas sem qualquer critério, “Não se sabe qual a razão de tanto silêncio. Na realidade, Marica era uma mulher forte do sertão que possuía os seus meios de defesa com um sentimento de orgulho e integridade” descreve Graça.
Sua obra não é a primeira a narrar as desventuras de Marica Lessa. Bem antes, Manoel de Oliveira Paiva inspirara-se em sua história, oficial, para produzir “Dona Guidinha do Poço”, lançada apenas em 1952. Agora, Graça Braga redimensiona o episódio, livrando Marica de sua condenação a 30 anos e seu desterro final, como mendiga pelas ruas de Fortaleza. “Em momento algum, prova-se que ela foi a mandante do crime. Mas esse era a lógica da sociedade machista de Quixeramobim”, diz.
Graça Braga conta que aprofundou sua pesquisa inclusive nos estudos jurídicos. “Durante seis meses assisti a vários julgamentos”, conta a escritora que coloca-se como a advogada de defesa de Marica, absolvendo-a, finalmente, de todas as suas seculares acusações. O romance foi escrito entre 97 e 99, concluído sete anos de pesquisa. É às vésperas do século XXI que a “Princesa dos Poetas Cearenses”, membro da Academia Feminina de Letras Municipais do Estado do Ceará, liberta a latifundiária, através das armas de “uma perspectiva feminina e ficcional”.


MEDO E CONDENAÇÃO

“Uma voz unânime surgia do meio da multidão gritando pelo nome Corumbé. O rapaz, ao presenciar a ferocidade daquela gente correndo ao seu encalço, procurou livrar-se da multidão, descendo a ladeira do Rio Quixeramobim. Corumbé imaginava ser ele um afilhado muito querido da Senhora, e sentindo o desespero na hora da acusação, queria chamar o nome de sua madrinha, pois não seria preso devido à grande influência político-econômica que ela detinha. E nesse cerco irremediável prenderam-no. Como era de hábito na vila, acontecia tudo assim muito rápido, a justiça era feita com as próprias mãos para atender as conveniências dos poderosos. (...) O rapazola (...) deixou para sempre a dúvida imensurável. Ficou o chuleado das palavras mal cozidas que levou a fazendeira Marica Lessa ao banimento e ao escárnio de um povo que coseu a sua própria condenação”.

A Absolvição de Marica Lessa

Esse livro é o romance de estréia da já laureada poetisa e jornalista Graça Braga. Em 20 de setembro de 1853, acontecia na Vila do Campo Maior, em Quixeramobim, um dos crimes de maior repercussão na história do nosso estado, chegando inclusive a incomodar autoridades da Corte Brasileira, inclusive o Imperador Pedro II.
Graça Braga através da pesquisa e da inventividade revisitou esse fato e escreveu Absolvição de Marica Lessa. O crime já havia sido inspirador para o romance “Dona Guidinha do Poço”, escrito por Oliveira Paiva e publicado apenas após a morte do autor.
Graça Braga levanta a tese contrária aos resultados das investigações sobre a tragédia, de que Dona Marica Lessa não haveria mandado matar seu marido. Há uma teoria de que Manoel Ferreira do Nascimento, vulgo Corumbé, seria o verdadeiro autor do crime, motivado por um desentendimento banal entre a vítima e o assassinato quando ainda criança.
Baseada nestes fatos, principalmente em documentos antigos, relatos orais e nos autos do júri da época, com perspicácia e intuição feminina, Graça Braga vislumbra a possibilidade de inocência de Maria Francisca de Paula Lessa.

No prefácio da obra está dito: “... a polêmica esta lançada, embora não seja pensamento da autora contradizer ou mesmo se opor a Oliveira Paiva. Os críticos literários, os juristas e, de uma maneira geral a população, que façam a análise dos acontecimentos e julguem a ré, ou melhor, a suposta co-autora do crime e lancem seus veredictos.”

O histórico líder messiânico de Canudos, Antonio Conselheiro, que era natural de Quixeramobim, foi afilhado de Marica Lessa. Ele, assim como a seca avassaladora do sertão também estão contidos no romance. Ali o leitor saberá como foi o julgamento, três anos após o crime; a viagem para Fortaleza, e por fim o júri simulado em 1999, em que a ré foi absolvida.

Somente o leitor pode julgar a história e Marica Lessa.



Crédito: Carlos Alberto Lima Coelho, Diário do Nordeste

11 comentários:

  1. Muito importante e interssante o livro/defesa da
    poetisa/escritora Graça Braga.

    No dia do lançamento do referido livro, no Intituto do Ceará, estive presente. Eduardo Campos fez uma esfuziante apresentação, complementada por Fernanso Câmara, filho de Quixeramobim.
    Foi muito bonito, uma FESTA!!!
    O Livro de Ismael Pordeus,`"À margem de Dona Guguidinha forma, como que, uma TRILOGIA, junto ao romance de Oliveira Paiva e o livro/defesa de Graça Braga.

    Maravilhoso tudo que você nos apresenta!
    Obrigada, Leila
    Um abraço

    Lúcia Paiva Bezerr

    ResponderExcluir
  2. Obrigada também pela bela contribuição que vc(Posso chamá-la assim, né?!?!) sempre dar as postagens, com seus comentários que complementam o que foi dito no post.

    Na verdade, seus comentários se fundem perfeitamente com os textos postados e se completam!

    Obrigada, muito obrigada. :)

    ResponderExcluir
  3. Pode e deve me chamar de vc!!!!
    Gosto tmb do "tu"...fica + íntimo né? rsrs

    Leila, às vezes, fico meio temerosa em meus comentários..de ser inoportuna, sei lá...de que aqui não seja o "forum" adequado...me diga,se há outro canal, p ex., para alguma correção de datas, etc...Seja sincera, amiga!!

    Quero mesmo é contribuir e continuar neste saudável lazer que é seu extraordinário BLOG!

    Beijos,
    Lúcia

    ResponderExcluir
  4. Oi amiga, por favor, quero que vc se sinta super à vontade, pode falar o que quiser, inclusive em corrigir datas que porventura estejam erradas, não fico nem um pouco sem jeito ou constrangida, pelo contrário. Como faço pesquisas pela internet, jornais e revistas, nada mais comum(infelizmente) que uma ou outra informação esteja deturpada, data então, nem se fala. Então se vc sabe que uma determinada data está errada, pode me avisar por aqui sem nenhum problema, eu ficarei agradecida.

    Pode ter certeza que sua contribuição me ajuda muito.

    ResponderExcluir
  5. UFA!!!!que alívio!
    È que neste "mar", eu navego há pouco tempo, são mesmo "mares nunca dantes navegados" rsrs...mas, como "navegar é preciso", tô eu aqui, desabusada como nunca....
    Imagina vc, que eu comentei num "blog" de um primo, que nem conheço -Pedro de Albuquerque-Diário de Pernambuco,num "post" sobre israelitas e mulçumanos e aí, logo em seguida êle postou outro- IslãX Sionismo - dedicando-o a mim!!!
    Tô ficando "famosa", rsrsr

    Beijos!
    Obrigada, por ter liberado total...
    Abraço, amiga

    Lúcia Paiva Bezerra

    ResponderExcluir
  6. Olha que chique, minha amiga agora está de foto, que sorrisão iluminado!!!
    Hein, eu acho que conheço essa praça...rsrs

    Vc está ficando muito poderosa mesmo, que luxo, amiga!

    Beijosssss

    ResponderExcluir
  7. Depois, se vc quiser, claro! Clica em SEGUIR na lateral esquerda, para sua foto aparecer como um dos participantes do humilde blog. :D

    ResponderExcluir
  8. Voltei aqui hoje e li seu comentário sobre minha foto. A praça é a minha NOBRE PRAÇA da GENTILÂNDIA rsrsr!chique, toda a vida!!!!

    Minha querida, a "ignonet" aqui, clicou o SEGUIR, errou tudo e está lá, como SEGUIDORA do precioso blog, porém (adivinhe!): SEM ROSTO.
    Comecei a clicar e aí meu "sorrisão na praça" veio parar aqui....PODE? Não sei como corrigir.
    Veja lá, meu 'não" rosto no meio dos sem rosto rsrsr.
    ´
    Com essa, eu vou, mas volto!

    ResponderExcluir
  9. Eu sabia que conhecia a praça! :)

    Procurei nos seguidores e realmente vc já se encontra entre eles, só que sem foto rsrsr

    Para aparecer a foto, é só clicar em seguir quando vc estiver usando essa conta que tem sua foto, senão, deixa assim mesmo, com ou sem foto, vc é a mais presente no blog mesmo rsrs

    Beijos amiga

    ResponderExcluir
  10. Voltei aqui, pra dizer que, finalmente, consegui "colar" a foto. Tive que reduzir uma foto, diferente dessa aí. Na foto de "seguidora", estou sentada numa rede,bem colorida! Agora mostro a minha cara..rsrsr!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Eu vi! rsrsrsrsrs
    Menina, nada melhor que se balançar
    numa rede, eita coisa boa, eu amo!
    Naqueles dias mais quentes então...nada melhor.

    Ah, lembrei agora que antigamente a palavra rede tinha acento rsrsrss RÊDE, né? Vi outro dia num
    desses inúmeros livros que estou lendo rsrs e lembrei. :P

    beijos beijos beijos

    ResponderExcluir