Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga : O bosque que é praça [notification_tip][/notification_tip]
Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quarta-feira, 21 de julho de 2010

O bosque que é praça


Foto antiga do local que daria lugar ao bosque

Em 07 de maio de 1945, o Diário Oficial do Município nº 3.395, traz a Lei nº 123, de 11 de abril, que dá o nome de Praça Clóvis Beviláqua, ao quadrilátero limitado pela Avenida Desembargador Moreira, Avenida Padre Antônio Tomás, Rua Eduardo Garcia e Rua Barbosa de Freitas, na Aldeota. Depois, não se sabe exatamente quando, a praça recebeu o nome de Praça José Acióli.


Foto da década de 40. Vemos o terreno que daria lugar ao bosque -Carlos Juaçaba

No dia 27 de julho de 1965, a Praça José Acioli, passa a chamar-se Bosque General Eudoro Correia*, de acordo com a Lei 2.995, do dia 21, atendendo Mensagem do então prefeito Murilo Borges Moreira (Murilo Borges).

A praça fica em frente ao Hospital Militar do Exército.


Praça do Hospital Militar, Praça das Flores e Feira das Flores. Por qualquer um destes nomes é conhecido o Bosque Eudoro Correia, um dos mais bem localizados e agradáveis de Fortaleza.
Qual é a diferença entre bosque e praça? Quando pensamos em um bosque, imaginamos um lugar repleto de árvores, com muita sombra e sossego, e sem qualquer contato com a cidade grande. É, enfim, o local ideal para se fazer um piquenique. Já a praça nos dá a noção de uma grande área destinada ao lazer, bastante florida, só que encravada em centro urbano.


O Bosque visto da rua Barbosa de Freitas

E o que dizem os dicionaristas a respeito dessas definições?
Bosque seria, na definição de Aurélio Buarque de Holanda, a “quantidade mais ou menos considerável de árvores dispostas próximas entre si”, e praça “o lugar público cercado de edifícios; largo” ou “mercado; feira”. A linguista Maria Teresa Camargo Biderman, por sua vez, imaginaria o bosque como a “área onde árvores e outras plantas crescem espontaneamente; pequena mata”, e praça como o “lugar público onde não há casas, mas jardins, parques, para passeio e diversão”.


O Bosque visto pela Avenida Desembargador Moreira

O Eudoro Correia é um pouco de tudo isso. Não por acaso é oficialmente classificado como bosque, já que é uma das áreas mais verdes de Fortaleza. Atua, por assim dizer, como um verdadeiro pulmão em região de intenso congestionamento de veículos, que ocorre principalmente em horário comercial dos dias úteis. É um dos lugares mais agradáveis da capital cearense, com vários ipês, bambus, paus-brasil, coqueiros, cajueiros e mangueiras, dentre outras árvores.


Ocupa uma área de aproximadamente 25.000 metros quadrados, no coração da Aldeota, um dos bairros mais nobres da cidade. Dá frente para duas famosas avenidas, a Desembargador Moreira e a Padre Antônio Tomáz, bem como para outras duas ruas, também bastante conhecidas, Barbosa de Freitas e Desembargador Leite Albuquerque.


Foto de Paulo Targino Moreira Lima

Mas tem muito de praça também. É um local rodeado de construções e abriga uma das mais tradicionais feiras de flores e pequenas plantas da cidade. São 38 pontos de vendas em operação (de um total de 44), divididos em boxes, que proporcionam um ar mais puro do que o normalmente encontrado nas grandes cidades.


O Bosque visto pela Avenida Desembargador Moreira

Por isso, se perguntarmos às pessoas onde fica o Bosque Eudoro Correia, a grande maioria não saberá dizer.
Basta, então, substituirmos a pergunta: “onde é a Praça do Hospital Militar?” A resposta é imediata e quase unânime: “fica em frente ao Hospital Militar, na Avenida Desembargador Moreira.”
Pois é, o Bosque Eudoro Correia é mais conhecido como a Praça do Hospital Militar. Isso ocorre pela presença do ilustre e antigo vizinho, o Hospital Geral do Exército, popularmente conhecido como o Hospital Militar. Mas também é chamado de Praça das Flores e de Feira das Flores, exatamente em razão da famosa feirinha ali existente.


Foto de Eva D.

Ao redor do Bosque há de tudo. São casas, prédios de apartamentos, dois pequenos centros comerciais, farmácia, floricultura, lojas de móveis, salão de beleza, loja de equipamentos médicos, posto de combustível, lava-jato, lojas de aparelhos de ar condicionado, posto de atendimento da COELCE e outro da companhia aérea BRA, em processo de falência.
Além disso, fica a uma quadra de importante centro comercial que engloba, além do Center Um – o primeiro shopping center de Fortaleza – inúmeros outros estabelecimentos comerciais. São sapatarias, restaurantes, supermercados, bancos, lojas de brinquedos, de roupas, de miudezas etc.

Foto do Professor Evaldo

Não bastasse isso, o Shopping Del Paseo fica a apenas duas quadras do local, enquanto que o Aldeota, outro grande shopping center da cidade, fica a três quadras. Por isso, não seria exagero afirmar que o Eudoro Correia está encravado em uma das principais e mais valorizadas regiões comerciais da cidade.


O Bosque visto pela Avenida Desembargador Moreira

No entanto, por mais que tenha tantas características de uma praça, o Eudoro Correia é, na verdade, um bosque, e, por isso, vamos assim considerá-lo. Ele conta com uma pista de cooper de 600 metros de extensão, três bancas de revistas, campo de futebol, quadra poliesportiva e equipamentos para ginástica. Abriga também, em seu subsolo, um posto da Prefeitura Municipal de Fortaleza, no qual os garis da região recolhem, ao final de cada dia de trabalho, o carrinho de mão e demais equipamentos utilizados.
Tem vendedor de tapiocas, banca de jogo de bicho, além de espaço destinado à prática de técnicas de relaxamento orientais, funcionando sempre com duas turmas no início da manhã.


Foto de Eva D.

Muitos vão ao bosque diariamente para fazer cooper, outros simplesmente para andar, todos preocupados em manter a saúde perfeita. O movimento tem início quando surgem os primeiros raios de sol, no mesmo instante em que os garis começam a chegar para retirar seus equipamentos de trabalho. Até às 8 horas é intensa a presença dos andarilhos e atletas, movimento que só volta a se intensificar no final da tarde, quando a temperatura fica mais amena e agradável.
Mas nem todos estão ali somente por lazer. Inúmeras pessoas, como o simpático Erandir Barroso Pires, vão para trabalhar, e muito. Ele tem 12 anos de experiência na venda de plantas e flores, profissão que começou exatamente no bosque. O florista, que passou alguns anos ausente do local, retornou há aproximadamente três anos e hoje ocupa o box de número 20. Trabalha de segunda a sábado e também vende adubos, jarros e fertilizantes. Grande parte das plantas, diz ele, vem de Holambra, em São Paulo, como lírio da paz, pinheiro, tuia holandesa, azaléia, hortelã, bico-de-papagaio e bromélia. Isto porque as plantas nordestinas não sobrevivem à sombra.


O Bosque visto pela Avenida Padre Antônio Tomás

Erandir complementa sua renda com serviços de jardinagem nas casas de clientes e conta que os produtos mais vendidos são o mini-lacre (nas cores vermelha, amarela, rosa, branca e salmão), a palmeira, o pinheiro, a tuia holandesa e o bico-de-papagaio. O produto mais caro que vende é a palmeira cica revoluta. Custa entre cem e quinhentos Reais. A média de faturamento diário é de aproximadamente duzentos reais.


Foto de Vinicius M.

Pedro Rodrigues dos Reis Filho é outro que trabalha no Eudoro Correia. Ele é dono de uma banca de revistas que fica em frente à sua casa, localizada no cruzamento das ruas Barbosa de Freitas e Desembargador Leite Albuquerque. Lembra que, quando ali chegou, só havia cinco pés de oiti, e que as demais árvores foram plantadas nas gestões dos prefeitos César Cals Neto e Ciro Gomes. Prestativo, mas com um pé atrás nas colocações, chega a reclamar da falta de segurança, mas faz questão de dizer que nunca foi assaltado.


O Bosque visto pela Avenida Desembargador Moreira

Outra assídua do bosque é a florista Maria Evenir Vieira. Há 18 anos, seu ponto de venda era na Praça Portugal, em uma feirinha que ocorria sempre às sextas-feiras. Foi convidada, naquela oportunidade, a ocupar um box no Eudoro Correia, o que aceitou de imediato. Está lá desde a inauguração da feirinha. Naquela época, recorda, havia também áreas destinadas à venda de artesanato, comidas típicas e roupas, atividades que ajudaram a incrementar o movimento, já que o local era bastante deserto e as pessoas tinham receio de frequentá-lo. As flores e plantas que comercializa vêm da Barra do Ceará e os jarros são produzidos em Maranguape.


Foto de Ana Luiza

As plantas que mais vende são o mini-lacre e a boa-noite. Em época de Natal, por exemplo, a maior procura é pelos pinheiros.
Saudosa, Evenir relembra o tempo em que não pagava aluguel para uso do box, nem tinha despesas com água (necessária para regar as plantas) ou vigilância (feita pelos guardas municipais). Atualmente, além da despesa com água, de aproximadamente R$16,00, ela paga mensalmente R$60,00 de aluguel, além de idêntico valor para custear a vigilância particular. Para piorar, afirma que as vendas são muito inferiores aos valores de antigamente (seu faturamento diário normalmente não chega a cem reais).

Foto de Ana Luiza

Além disso, Evenir tem muitas queixas com relação à manutenção do bosque, que considera muito precária. Já participou de inúmeras reuniões com autoridades municipais e que já firmou vários abaixo-assinados, juntamente com as pessoas que ali trabalham e frequentam, pleiteando melhorias. Ela quer que seja instalada uma guarita da polícia. Reclama que assaltos acontecem com frequência, ao meio-dia e à noite, sobretudo na área mais central do bosque. Pede ainda que sejam instalados banheiros e colocados cestos de lixo (antigamente existentes), pois reclama que há fezes por toda parte e que as pessoas jogam lixo até nos jarros das plantas que ela vende.


O Bosque visto da rua Eduardo Garcia

Com ar de tristeza, conclui que as autoridades são indiferentes aos justos pleitos formulados pela comunidade que ali frequenta e trabalha. Por fim, mostra-se sem esperança quanto à solução dos problemas apontados.
E é por tudo isso que o Bosque Eudoro Correia é a Praça do Hospital Militar, ou a Praça das Flores, ou, ainda, a Feira das Flores. Todos esses nomes são demonstrações do afeto que a população de Fortaleza tem pelo local, sobretudo as pessoas que ali trabalham e as que moram nas proximidades, que são seus maiores usuários. Por último, uma visão e um desejo. Para que o bosque ficasse ainda mais agradável, interessante seria que as autoridades locais, hoje tão omissas, tivessem pelo belo e florido espaço o mesmo carinho que a ele destinam seus apaixonados frequentadores.


*Eudoro Correia nasceu no Rio Grande do Sul em 23 de dezembro de 1869. Aos 18 anos sentou praça no Exército e ingressou na Escola Militar do seu estado natal; dois anos depois, transferiu-se para a recém-criada Escola Militar do Ceará. Também cursou a Escola Militar do Rio de Janeiro, de onde saiu como Aspirante na Arma de Artilharia
Fez carreira rápida; em 1904 conclui o curso de Estado Maior e Engenharia Militar, recebendo o grau de Bacharel em Ciências Físicas e Matemáticas. 
Retomou ao Ceará em 1908 e casou com a jovem Ester de Magalhães Brígido, que lhe deu um casal de filhos. Prefeito de Recife (PE) no período de 1911 a 1914, quando foi servir no 20º Regimento de Artilharia Montada em Curitiba (PR), em 1915 assumiu a função de membro da Junta de Revisão e Sorteio Militar em Fortaleza; depois, incumbiu-se do serviço de reconhecimento estatístico do Estado do Ceará
Em 1917, em Natal (RN), instalou e comandou uma Bateria de Artilharia; no ano seguinte, foi designado para a chefia do Serviço de Recrutamento Militar da 6° Região em Recife. Chefiou a 5a Circunscrição de Recrutamento em Fortaleza, comandou o forte de Obidos (PA) e foi Diretor de Administração do Exército no Rio de Janeiro. Chefiou o Estado Maior das Regiões Militares sediadas em Belém e Recife. 
Comandante do Colégio Militar do Ceará, de agosto de 1923 a dezembro de 1936, promoveu administração altamente proveitosa, seja na modernização e melhoria das instalações, seja no aprimoramento dos padrões de ensino, conceituando o estabelecimento como um dos melhores que o País já teve. 
Atingiu o generalato na Reserva do Exército, e faleceu em 10 de agosto de 1961, deixando o seu nome indelevelmente ligado à história militar e à educação no Ceará.


Créditos: Sérgio Paiva de Alencar, Cronologia Ilustrada de Fortaleza
de Miguel Ângelo de Azevedo, Portal do Ceará/Gildásio Sá e pesquisas na internet

10 comentários:

  1. Oi, Leila
    e amigos seguidores!!!
    Ontem, apenas lí o título e decidi vir hoje, pra ler com mais calma, sobre esta aprazível praça/bosque/parque!
    Este delicioso lugar é mesmo tudo isso e está muito bem descrito.

    Gostaria de ter uma praça dessas perto de casa, mas me content com minha "nobre" Pç. da Gentilândia, que é próximo ao meu "Solar do Benfica" rsrsrsr

    Permita-me dizer que, além de tudo que tem o bosque......lá há muitos gatinhos de rua,digo, de bosque..rsrsr....meu filho e minha nora já resgataram alguns. Tratam (vacina, vermifugação, castração..) e oferecem para adoção.
    Até felinos, o Bosque Eudoro Correia tem!!!!

    Lindo post, Leila!

    ResponderExcluir
  2. Bem lembrado, amiga!
    Essa praça/bosque é mesmo cercada por gatinhos de todas as cores e tamanhos. Na caminhada, tem que se ter cuidado para não acabar pisando em um deles, os pequeninos são os piores, surgem quando menos se espera huahuahuahuhauahua

    Essa trabalho que seu filho e sua nora fazem, é louvável!

    ResponderExcluir
  3. Só você mesmo viu! Eu aqui louca pra saber o nome dessa praça, que acabei de descobrir que não é praça, é bosque ou os dois...rsrs

    Fui no googles e claro, chei aqui. Pra que ir ao google se tudo de Fortaleza está aqui?
    Valeu irmã! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um ilustre comentário da minha irmã, que chique! rsrsr :)

      Beijosssssssssss

      Excluir
  4. Olá, sou estudante de arquitetura e gostaria de saber se existe a possibilidade de você publicar ou indicar algum link que fale sobre a história dessa praça!

    Agradeceria muito!!

    Essa praça faz parte da minha infância!!!

    Obrigado pela atenção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andesron, bom dia!

      Dei um "upgrade" na postagem, coloquei mais fotos e mais informações sobre essa linda praça q faz parte da sua infância e da de muitos! :) rsrs

      Forte abraço

      Excluir
  5. Leila, seu blog me emociona a cada post. O carinho e zelo com que as postagens são montadas honram a memória de cada cidadão fortalezense, não importando a idade. Parabéns pelo belíssimo trabalho! Forte abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá, querido amigo Ivo, bom dia!

    Não fazes ideia da delícia q é ler um comentário tão carinhoso como o seu, fico feliz demais! :)

    Receba meu fraterno abraço e continue me honrado com a sua visita, ela é muito importante!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga Leila gostaria de saber se aí no jardim Da praça tem planta aquática papiro? Há muito tempo tenho procurado a aqui em fortaleza mais e muito difícil encontrar queria pelo o meno uma muda por gentileza pessoas sua ajuda meu gmail e nonatosilvafalcao@gmail.com e meu num e 985406369 e meu whsapp e 988777412 este face e do meu filho erik OK att nonato falcao

      Excluir
  7. -- PARTICIPEM DO NOSSO GRUPO!!! --

    .. ( Família Accioly no Brasil ) ..

    Compartilhem com os "Accioly's" que você conhece; Convidem à todos!!!...

    "UM POVO SEM MEMÓRIA É UM POVO SEM HISTÓRIA. E UM POVO SEM HISTÓRIA ESTÁ FADADO A COMETER, NO PRESENTE E NO FUTURO, OS MESMOS ERROS DO PASSADO" .

    # - (Emilia Viotti da Costa – Historiadora brasileira) - #
    - Conheça a sua; Jamais renegue a sua origem! -

    https://www.facebook.com/groups/FamiliaAccioly/
    .

    ResponderExcluir

NOTÍCIAS DA FORTALEZA ANTIGA: